O Convento de Cristo e o fogo do deslumbramento

As imagens falam por si: dezenas de botijas de gaz, árvores cortadas, tocos tapados com brita, floreiras sem flores, pedras danificadas e com arestas fraturadas, uma fogueira de 20 metros de altura no claustro. Foram vistas numa reportagem da jornalista Soraia Ramos, no programa “Sexta às 9” da RTP1, no passado dia 2 de Junho, acerca da utilização do Convento de Cristo, em Tomar, da rodagem do filme “O Homem que matou D. Quixote” do realizador Terry Gilliam e que terão envolvido a realização de uma fogueira de cerca de 20 metros de altura no espaço de um dos claustros. Na reportagem, são mostradas imagens da fogueira.

Imagens editadas a partir de fotogramas do vídeo do programa Sexta às Nove RTP 1, 2 jun. 2017

A variação de temperatura pode causar danos na pedra. Não incendeia como a madeira, mas fragiliza a estrutura. Submeter a pedra a uma variação extrema causada pela elevadíssima temperatura atingida nas imediações de uma pira monumental causa danos irreversíveis numa pedra frágil como o calcário, sobretudo com um trabalho decorativo esculpido, visíveis tanto imediatamente como, sobretudo, a longo prazo. Imediatamente, regista-se a quebra de fragmentos – a tutela admite a queda de quatro fragmentos pétreos e telhas partidas – e a sujidade da superfície com a deposição de fuligens causadas pelo fumo. A longo prazo, os danos serão mais profundos e imprevisíveis.
O Convento de Cristo é monumento nacional e património mundial inscrito na lista do património mundial da UNESCO, desde 1983, em função do significado histórico e da importância arquitetónica e artística do conjunto monumental que compreende, além do próprio convento da Ordem de Cristo, o Castelo Templário, fundado em 1160, onde se inclui a Charola, oratório dos cavaleiros, concluída em 1190, a cerca conventual, conhecida por Mata dos Sete Montes, a Ermida da Imaculada Conceição e o aqueduto conventual dos Pegões. O convento fundado pelo infante D. Henrique na antiga casa militar da Ordem da Cristo para o ramo de religiosos contemplativos introduzido na Ordem, foi ampliado, no início do século XVI, por D. Manuel I, que amplia ou rotunda templária com uma construção extramuros de feição manuelina, e, a partir de 1531, por D. João III que, no contexto a reforma da Ordem de Cristo, criou novos espaços no lado poente, já ao gosto renascentista e maneirista. Ao património material, acresce a imaterialidade dos sentidos, signos e mitos que lhe foram sendo agregados ao longo dos séculos.

Claustro Grande, ou de D. João III
Século XVI, Diogo de Torralva, Filipe Terzi
Foto: MIR, 2013

O património não é intocável, nem deve ser interdito ao nível da sacralidade, até porque, como nos adverte o Fausto de Goethe, é no uso que consiste a propriedade. Mas o uso do património baseia-se numa atitude responsável. Para evitar o uso indevido, instituíram-se tutelas com a atribuição de zelar pela sua conservação, preservação, além das restantes funções de estudo, interpretação e divulgação. A utilização dos espaços para fins sociais e culturais extrínsecos ao próprio monumento está prevista e tabelada. Compete à tutela, observar e garantir que as condições dessa utilização não causem prejuízo ao património sob a sua jurisdição efetiva, ainda que transitória. No caso das condições impostas pela tutela do Convento de Cristo, estas têm sido rigorosas, se avaliarmos pelo exemplo da proibição do uso de tochas na representação teatral de O nome da Rosa, pelo grupo Fatias de Cá – onde, de resto, participava gente com formação e prática profissional no domínio do património, como o antigo diretor da Biblioteca de Évora.
Há, portanto e em princípio, uma dualidade de critérios, entre a proibição das tochas e a autorização de uma fogueira no Claustro da Hospedaria a pouca distância da Janela do Capítulo. Tanto a Ukbar Filmes garante que “o fogo e corte de árvores estavam previstos”, como a própria tutela o confirma, em comunicado conjunto da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) e da Diretora do Convento, alegando que os estragos foram acidentais e estão cobertos pelo valor de seguro. Apesar de referir que “qualquer cedência de espaço e recolha de imagens envolve a celebração de um acordo escrito onde são especificados os locais a ceder, tempos de ocupação, locais de recolha de imagem, sinopse das atividades a desenvolver”, confirma que “é óbvio que nas cedências de espaços não é permitido fazer fogo, cortar árvores”, mas que “alguns eventos podem incluir artes de pirotecnia em locais apropriados […] como é exemplo […] nas filmagens de Terry Gilliam, o sacrifício da santa no claustro da hospedaria”. Infere-se, portanto, que uma fogueira daquela dimensão é um ato pirotécnico adequado ao espaço do claustro da hospedaria. Quem o afirma, sublinhe-se, são os responsáveis máximos pelo património à guarda do Estado que, não querendo responder a um pedido de entrevista, optaram por uma resposta ponderada num texto escrito.

Claustro da Hospedaria
À esquerda, em 2013; à direita, imagem retirada do vídeo do programa Sexta às Nove RTP 1, 2 jun. 2017

A questão, porém, é se a tutela agiu em conformidade com a própria missão, se acautelou devidamente eventuais acidentes, se garantiu um acompanhamento técnico especializado antes e durante as filmagens, ou se apenas se subjugou ao deslumbramento de ver o “seu” espaço como cenário privilegiado do filme de um ex-Monty Python, cujo projeto, aliás, está, também ele, envolto em polémica.
A questão é, também, se há valor de seguro que compense, não só os estragos imediatos, mas os danos a médio e longo prazo causados pela fragilização estrutural da pedra. Ou se os 172 mil euros – num projeto de 16 milhões de euros, dos quais 1,2 milhões de euros foram gastos em Portugal – pagos pela utilização do convento durante três semanas, entre 24 de abril e 8 de maio. Segundo o comunicado enviado à RTP, “os valores pagos pela cedência dos espaços e recolha de imagens estão tabelados e devidamente divulgados”, a que acresce um seguro de Responsabilidade Civil que, neste caso concreto, tem o valor de 2,5 milhões de euros”. Quando uma ação envolve riscos com um elevado índice de probabilidade, os danos que dela decorram não são um acidente, mas a ocorrência de um resultado previsto. Sendo isso num espaço patrimonial como o Convento de Cristo, o dano provável pode ser quantificado? A partir de que quantia é lícito danificar o património? Ou, ainda, que património se pode perder se uma determinada quantia for acautelada? Este claustro, mas não aquele? Estas pedras, mas não aquelas?
A questão, talvez crucial, é acerca do valor que atribuímos ao próprio património. Ou seja, de que forma a tutela vertical, do Ministério da Cultura, à Direção do monumento, passando pela DGPC, protege e valoriza o património que lhe está confiado. Disponibilizar o convento de Cristo para estas filmagens pode facilmente transformar-se na banalização do espaço, caso este seja subalternizado como cenário moldável aos objetivos da produção, não se afigura como um processo de valorização do património. Trata-se de reduzir um monumento que é uma marca identitária da nossa cultura e da nossa história à condição de adereço e, portanto, de inverter toda a lógica deste processo.
Como aconteceu a semana passada, quando o Museu dos Coches se ofereceu como cenário para uma feira – e, sim, tratou-se de uma feira com bancas de venda no espaço expositivo – a questão que paira no ar é se estas tutelas merecem o património que lhes está confiado.

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "O Convento de Cristo e o fogo do deslumbramento," in a.muse.arte , 2017/06/05, https://amusearte.hypotheses.org/1847.

14 comentários a “O Convento de Cristo e o fogo do deslumbramento

  1. Têm-se sucedido as opiniões face ao que aconteceu no Convento de Tomar e tenho recebido acusações de aproveitar dados insignificantes para alimentar uma polémica e castigar, em praça pública, tutelas responsáveis a partir de umas denúncias anónimas.
    A empresa de efeitos especiais já fez o mesmo noutros monumentos; a polémica estará a ser alimentada por despeitos pessoais…
    Pode ser tudo isso, mas a minha opinião mantém-se: o património deve ser respeitado e cuidado. E tenho a maior dificuldade em aceitar fogueiras, qualquer que seja a sua dimensão, tal como tenho dificuldade em aceitar jantares à luz das velas em espaços expositivos, além de muitos outros comportamentos que, à força do hábito, vêm sendo considerados normais. Não gosto, mas esta é uma opinião, a minha opinião neste momento, tão válida como qualquer outra e, obviamente, em confronto com todas as que lhe sejam contrárias.

  2. Vamos por partes:
    – Estragos na pedra: Não vi na reportagem nada que indique estragos irreversíveis, há, muito naturalmente, e não é só naquele claustro mas sim por todo o monumento, um “apodrecer” da pedra que sofre com as condições climatéricas, estamos a falar de uma pedra com 500 anos, um calcário macio que muito sofre com a humidade, com o calor e com o fungo da pedra, o Convento de Cristo deveria ter uma equipa permanente de restauro, não só para solucionar estas situações mas também para ter uma acção preventiva permanente, mas disso ninguém fala….. não só este monumento, todos os outros deveriam ter esta equipa, se calhar assim poupava-se muitos milhares de euros em restauros normalmente feitos quando as situações são irremediàveis ou quase, curiosamente não é o caso.
    – As àrvores mencionadas são pouco mais que arbustos e a sua existência em canteiros dentro do claustro trariam se calhar a médio/longo prazo mais prejuízo ao pavimento do que beneficio, pelo que foi dito pela Direcção do monumento, o seu corte já estava (e bem) previsto antes destas filmagens.
    – As telhas partidas são facilmente substituíveis, não pensem as pessoas que estamos a falar de um telhado com 500 anos, nada disso, ainda há muito poucos anos foi substituído, isso é facilmente comprovável pelas fotografias do local.
    – A meu ver a situação mais gravosa foi efectivamente a autorização para efectuar a fogueira, embora me pareça e dado o que foi dito pelo conservador do Convento de Cristo, foram tomadas todas as precauções para que o claustro não sofresse o menor dano
    Por último, não quero deixar de referir que há um claro aproveitamento desta situação por terceiros para por em causa a direcção do Convento de Cristo, é lamentável, assim como é desprezível ver pessoas com cara e voz distorcida em frente às câmaras de televisão a lançar todo o tipo de acusações, é minha opinião que se as pessoas acreditam estar na posse de elementos que indicam ilicitos legais devem dirigir-se às autoridades competentes e denunciar o caso para que seja investigado e não vir á praça pública.

  3. Nas imagens do Claustro da Hospedaria que mostra, a diferença entre uma e outra é a diferença de luminosidade entre um dia de sol e um dia nublado. Não há qualquer vestígio de estrago, além da degradação natural do monumento, cuja conservação deixa muito a desejar. As árvores eram pequenas, quase arbustos, e tinha sido lá colocadas recentemente, no âmbito da produção de outro filme. Já vi a reportagem várias vezes e não vejo pedras partidas nenhumas, apenas duas lascas superficiais. Nem “tocos tapados com brita.” A fogueira não deveria ter sido autorizada, pelo risco que implicava, estando tão perto do edifício, mas nada na reportagem comprova que tenha provocado qualquer dano material visível. A superfície estava protegida com uma tela. Entre outros factos erróneos que invoca neste texto de desinformação e desonestidade intelectual. Levanta algumas questões pertinentes, ressalve-se, mas esse fundo de desonestidade contamina tudo o resto. Lamentável.

  4. Lamentável a falta de consciência e responsabilidade com o patrimônio histórico e cultural português.

  5. tudo isto é inenarrável – A DGPC nunca me inspirou confiança. desde o surreal episódio da “requalificação” das ameias do Castelo Templário em cimento, fiquei esclarecida, mas sinceramente pensei que ainda restasse uma pinga de respeito pelo nosso Património, que é de sua responsabilidade proteger e defender. Quanto mais sei deste infeliz caso mais me convenço que esta corja é de cima abaixo. Pobre país que tais governantes tem a gerir o seu Património que é a Alam e a memória de um Povo. Infelizmente para a maioria é só mais uma oportunidade de negócio.
    Gente sem Alma, sem pudor, incompetentes e parolos.

    • A requalificação das ameias do castelo em cimento foi feita há muito tempo, muito antes da DGPC existir, a senhora infelizmente faz parte daquelas pessoas que falam do que não sabem só porque sim, informe-se primeiro e fale depois

  6. Na minha modestissima opinião, neste caso e em outros diferentes mas iguais, vem ” `tona ” a parolice ” de quem gere o que temos de valioso. Há algum tempo antes, o Património era muito mal tratado, por exemplo, o Mosteiro de Santa Clara-a-Velha, que esteve ” de molho” toda a vida, mas a partir de algum momento, começou a existir sensibilidade e conhecimento, e as coisa melhoraram. Agora, o que vai acontecendo, é isso; “parolice” e incompetência para estas questões. O Mosteiro dos Jerónimos, é o contrário disso, pois está a ser “vigiado” por alguém sensivel, educada e conhecedora.

    • Estes factos são tão escabrosos que impunham a demissão de toda a cadeia de tutela, a começar pelo ministro.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *