Museu dos Coches e de outros carros

O (novo) Museu Nacional dos Coches foi inaugurado inacabado, sem museografia, a pretexto da agenda política em vésperas de eleições legislativas (Vd. Roque, 2015). Fechou, depois, e agora, depois de um muito publicitado projeto museográfico de um milhão de euros, reabriu. Reabriu no dia 19 de maio, aproveitando, ainda, o ambiente festivo do dia dos museus. O milhão de euros era justificado pela iluminação e pela introdução das novas tecnologias, com tabelas interativas e projeções multimédia. Como a imprensa pode ser traiçoeira, mostrou-nos os técnicos a ajustar a iluminação a olho e as tabelas analógicas postas num suporte rente ao chão, enquanto a Diretora do Museu, sem entusiasmo aparente, se queixava da falta de pessoal, sobretudo, agora que a nova museografia convidava a parar junto às peças e se previa concentrações junto aos painéis informativos ou a ver as projeções.

VExpo 2017 no Museu dos Coches
Foto: Motor24

E, afinal, dias depois da (re)inauguração, a análise da nova museografia é abafada pela abertura da VExpo 2017 – Salão Internacional do Veículo Elétrico, Híbrido e da Mobilidade Inteligente (25-28 de maio), sob o lema “O futuro chegou”.

VExpo 2017 no Museu dos Coches
Foto: Motor24

A mobilidade sustentada é um assunto adequado e (politicamente) muito correto; a circulação em veículos de propulsão alternativa aproxima-nos da utopia de num futuro mais ecológico e de um ambiente mais saudável. Mesmo que estes propósitos tenham subjacentes óbvios fins comerciais e publicitários das marcas, prevalece o valor positivo da sustentabilidade. E, portanto, aparentemente, nada mais óbvio do que misturar os coches, com automóveis elétricos ou PHEV (plug-in hybrid electric vehicle), motos, bicicletas, baterias… Aqueles que descreviam o novo edifício como uma gigantesca garagem deverão ficar apaziguados ao ver o espaço, finalmente, entregue à sua função.

Museu dos Coches
Foto: Motor24

Também, lembrando a disponibilização do espaço do Museu dos Coches para jantares promovidos por uma seguradora, onde as mesas com velas acesas eram postas junto a objetos patrimoniais feitos em madeira, verificamos que esta utilização pela VExpo 2017, sendo irregular e “altamente imprópria” como declarou o museólogo Luís Raposo à agência Lusa, não é inédita e talvez nem seja tão perigosa.

Talvez não seja perigosa e apenas dura uns dias, esta apropriação dos coches e dos valores permanentes que lhes são inerentes – a história, a arte, a cultura, a tradição. Talvez não seja! Mas diz tanto acerca do que somos… Sobretudo, se assumirmos que a forma como possuímos, ou como lidamos com aquilo que temos, incluindo a posse de objetos culturais, revela o nosso caráter enquanto consumidores (Pearce, 3013; Richins, 1994), ou, numa paráfrase, a forma como o poder político, lato sensu, se apropria e utiliza o património e a forma como a sociedade o entende como seu, revela a sociedade que somos.

A museologia tem vindo a abandonar a lógica cronológica para experimentar novas conexões entre objetos improváveis; usa, aliás, a perturbação das improbabilidades como uma estratégia de marketing quase de guerrilha para gerar notícia e captar novos públicos. “Yet in a postmodern world, where the distinction between ‘high’ and ‘low’ culture has been challenged, museums it is argued, stand revealed as artificial constructions, their fundamental purpose attacked, producing, it is argued, a ‘crisis of representation’.” (Moore, 1997, p. 1) Assim, o palácio de Versailles apostou numa entre a “alta” e a “baixa” cultura, miscigenadas na hegemonia da sociedade pós (ou pós-pós) moderna (Bennet, 1986) através da introdução de elementos pop (aqui tomado também no sentido literal de cultura popular) de Jeff Koons e de Joana Vasconcelos nos cenários excessivos do barroco.

No entanto, no caso presente do Museu dos Coches, não é o museu e a sua tutela quem lidera o processo, isto é, quem se apropria do objeto extrínseco, mas é este que se instala no museu e se apropria do valor intrínseco aos objetos expostos e da analogia coche-carro para sublinhar a retórica do próprio discurso. “[…] aesthetic, moral and epistemological values are a part of social mechanism, designed to help things go in being what they are: there is a depth to the politics of value” (Pearce, 1995, p. 307). Isto leva Susan Pearce a definir aquilo que descreveu como o “paradoxo do museu” na relação que estabelece com os valores do mercado:

The museum as cultural institution must be seen to make a space from the market-place, in which ‘pure’ judgement can be exercised and a corpus of approved pieces built up; but, of course, the consecrated material is that which the market endorses. (Id., ibid., p. 391)

Neste sentido o museu aproxima-se da cultura de massas, definida como “the standardization of production that widely embodied in daily commodities” (Adorno, Horkheimer, & Schmid, 2009, p. 94). Os museus atravessam um ponto de viragem, enquanto procuram definir-se no contexto de uma nova realidade e encontrar novas formas de integração e mediação (Lam, 2014).

O Museu dos Coches, ao integrar uma feira de automóveis, no espaço expositivo procura popularizar-se; sendo que estes automóveis vêm associados ao conceito moderno da sustentabilidade, corresponde a este propósito de vulgarização. A tutela aceitou a intromissão do mercado automóvel junto aos coches, cuja coleção é uma das mais importantes a nível mundial. A sociedade civil, real possuidora desta herança cultural, porém, denunciou e rebelou-se contra a promiscuidade ou, pelo menos, a situação reconhecida como tal, entre bens comerciais e os bens que constituem o seu património coletivo e uma das suas marcas identitárias. De facto, a forma como uma e outra se manifestam nesta relação de posse diz muito acerca de cada uma.

Referências bibliográficas:
Adorno, T. W., Horkheimer, M., & Schmid, N. G. (2009). Dialectic of enlightenment: Philosophical fragments. Stanford, CA: Stanford Univ. Press.
Lam, M. C. K. (2014). Museum as a site of negotiation: Mediating high and low culture. [S.l.]: Grin Verlag Gmbh.
Moore, K. (1997). Museum and popular culture. London: Leicester University Press.
Pearce, S. M. (2013). On collecting: An investigation into collecting in the European tradition. London: Routledge.
Richins, M. L. (1994). Special possessions and the expression of material values. Journal of Consumer Research, 21(3), 522-533. doi: 10.1086/209415


3 comentários a “Museu dos Coches e de outros carros

  1. Porque é que eu não concordo?
    Ora, ora, que importância tem isso?
    Afinal, o texto nem sequer foi escrito para mim, nem para os demais portugueses comuns ( que, por isso, se exprimem em português).
    O texto está metade escrito em inglês e isso mostra a superioridade da autora.

  2. Pingback: O Convento de Cristo e o fogo do deslumbramento | a.muse.arte

  3. Quem é essa Sociedade Civil ? Alguns pseudo intelectuais frustados que vivem a bolsar opiniões avulsas sobre tudo o que se passa no nosso país, tal qual cães que ladram em quando a caravana passa….???

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *