Imagens de maternidade

As mais antigas representações da figura humana são as chamadas Vénus paleolíticas, provavelmente associadas a rituais de fertilidade, com um exagerado arredondamento das formas, com os seios, o ventre e a anca muito volumosos e a vulva saliente que André Leroi-Gouhran (1968, p. 90) apresentava num esquema circular inserido na configuração losangular do corpo, numa óbvia referência à progressiva transformação do corpo para a maternidade (Alvarez González, 2010, p. 8).

Vénus, dita de Kostenki
C. 23.000-21.000 a.C.
S. Petersburgo, Museu Hermitage

No advento da história, a arte egípcia associa a representação da maternidade e da fertilidade à figura de Ísis a amamentar o filho Hórus. A crescente popularidade da deusa no Último Período (712-332 a.C.) motivou a proliferação de estatuetas de Ísis antropomórfica, com os cornos recuperados de Hathor, e em lactans pose, isto é, no ato de amamentação, com o duplo sentido de protetora e transmissora da vida, tornando-se um poderoso símbolo do renascimento na época ptolomaica, onde surge “faite de sensibilité et mue l’hiératique épouse d’Osiris en une deéesse pleine de feminité” (Malaise, 2000, p. 1), denunciando a influência da arte helenística.

Esta iconografia da mãe a amamentar o filho foi, posteriormente, assimilada pela arte da antiguidade clássica, nomeadamente, nos ex-votos oferecidos às divindades Kourotrophos (Atena, Deméter, Afrodite, Artemisa, entre outras), protetoras da infância e da fertilidade, representando a própria deusa, sendo particularmente frequentes as figuras de Deméter com Perséfone ou de Afrodite com Eros. As afinidades entre a courotrofia e a maternidade, de resto, encontram-se já patentes nos hinos homéricos, onde a função biológica da mãe-nutridora se associa ao poder de mediadora e protetora na passagem da infância à idade adulta (Dalmon. 2015).

Mulher sentada a amamentar (kourotrophos)
Myrina, Aeolis, período romano imperial, c. 20-70
Boston, Museum of Fine Arts

Numa provável transferência da arte romana, a representação da Virgem com o Menino surgiu nas catacumbas nos temas iconográficos da Anunciação e da Epifania, enquanto na arte bizantina prevalece a representação da Theotokos (Mãe de Deus, ou a portadora de Deus). Nos primeiros tempos do cristianismo, “the representation of Mary in Egypt benefited from the prevalence and familiarity of this mother-goddess [Isis] with the powerful attributes of physical prowess and lifegiving energy” (Rubin, 2010, p. 42).

A representação da Virgem com o Menino em posição hierática, sentada sobre o trono, com o Menino ao colo foi adotada pela arte otaniana no contexto da propaganda dos atributos simbólicos do poder real, ao mesmo tempo que assimila o sentido bíblico e salomónico de Trono da Sabedoria (Roque, 2010). Porém, nestas representações, a alusão à maternidade era surgia como marginal ao tema da realeza.

Virgem e o Menino
Seguidor de Hans Memling, c. 1487
Nova Iorque, Metropolitan Museum of Art

Foi apenas no contexto da religiosidade renovada pelas mudanças políticas, culturais e sociais entre os séculos XI e XII, e do desenvolvimento do culto mariano, fundamentado pelo discurso teológico de São Bernardo e, depois, pelas pregações das ordens mendicantes incindindo na imagem humana e maternal da Virgem que surgiram os primeiros modelos da maternidade afetuosa, patentes nas Virgens do Leite e da Ternura e que irão determinar a representação da maternidade na arte ocidental.

Referências bibliográficas:
Alvarez González, M. (2010). The art of motherhood. Los Angeles: J. Paul Getty Museum.
Dalmon, S. (2015). Les Nymphes entre maternité et courotrophie dans les Hymnes homériques. Cahiers «Mondes anciens», (6). DOI : 10.4000/mondesanciens.1471
Leroi-Gourhan, A. (1968). The art of prehistoric man in Western Europe. London: Thames.
Malaise, M. (2000). Le problème de l’hellénisation d’Isis. In L. Bricault (Ed.), De Memphis à Rome: Actes du Ier Colloque International sur les Études Isiaques, Poitiers, Futuroscope, 8-10 avril 1999 (pp. 1-19). Leiden: Brill.
Roque, M.I. (2010). Obras de arte na UCP: Nossa Senhora da Sabedoria (Virgem da Sapiência). Lumen Veritatis: Boletim da Sociedade Científica da Universidade Católica Portuguesa, 16(1), 12. Acedido em https://www.academia.edu/4060773/Obras_de_arte_na_UCP_Nossa_Senhora_da_Sabedoria_Virgem_da_Sapi%C3%AAncia_


Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *