MoMA: um novo discurso museológico em resposta a Trump

Lembro que, há umas décadas (quando tirei o curso de Museologia), o postulado maior era que o museu devia ser isento, sem esclarecer as dúvidas daí decorrentes acerca do que isso significaria. O que é um museu isento? Ou, em sentido mais lato, o que é discurso isento?

Visitantes junto à obra do pintor iraniano Charles Hossein Zenderoudi, em exposição no Museum of Modern Art (MoMA, Nova Iorque
Foto: Angela Weiss / Getty Images | Univision

Por isento, pretendia-se uma aproximação à objetividade do método científico e, em particular, às modalidades processuais da crítica histórica (Roque, 2012, p. 219). A heurística, a crítica interna e externa e a hermenêutica, aplicados aos objetos museológicos, considerados como documento de um facto ou de um fenómeno, garantiriam a elaboração de um discurso museológico objetivo, racional e sistemático. A elaboração do guião expositivo enquadrada por esta praxis atingiria o objetivo de apresentar a verdade dos factos, de que os objetos constituíam a prova. Em certa medida, cumpria-se a intenção de representar “aquilo que realmente aconteceu” (wie es eigentlich gewesen) tal como foi enunciado pelo historiador oitocentista Leopold von Ranke (Ranke, & Iggers, 2011), sem enunciar juízos de valor e sem preconceitos – ou (pré)juízos – ideológicos.

A esta distância, fundamentados pela diversidade das reflexões e práticas de, por exemplo, Raymond Aron (Aron, & Mesure, 1991), Hayden White (2014) ou Antoine Prost (2014), já perdemos a inocência, ou o idealismo romântico de acreditar na isenção do discurso. “The same event can serve as a different kind of element of many different historical stories, depending on the role it is assigned in a specific motific characterization of the set to which it belongs.” (White, 2014, p. 6) Da mesma forma, no museu, os objetos organizam-se em função da narrativa pretendida. “No âmbito do programa museológico, o objeto funciona como unidade frásica do discurso e adquire um sentido particular em função da mensagem veiculada pelo conjunto da exposição.” (Roque, 2012, p. 219) A polissemia do objeto permite destacar e articular os significados que melhor contribuem para a eficácia da mensagem. Nesse sentido, cada discurso museológico deriva de uma escolha e apresenta uma perspetiva. A isenção do autor, daquele que constrói o discurso, é impossibilitada pela subjetividade e pela intencionalidade.

A mensagem deve ser ética na forma e no conteúdo e, por conseguinte, deve ser rigorosa a transmissão da verdade. No entanto, Michel Foucault, ao mesmo tempo que denuncia o controle social propiciado pelos discursos dominantes, também adverte para as contingências da verdade, “en proposant une vérité idéale comme loi du discours et une rationalité immanente comme principe de leur déroulement, en reconduisant aussi une éthique de la connaissance qui ne promet la vérité qu’à u désir de la vérité elle-même et au seul pouvoir de la penser” (Foucault, 1975, pp. 47-48).  Todo o discurso produz uma verdade, o que supõe um processo de seleção entre o que se diz e o que deliberadamente fica por dizer.

No discurso museológico, a intenção de transmitir uma verdade objetiva conduziu, frequentemente, a enunciados estéreis, formulados através de sequências lineares de objetos. No entanto, a museologia tem vindo a contrariar este postulado ao defender o museu como instrumento ao serviço da sociedade, transmitindo-lhe conhecimento e estimulando a capacidade de reação.

Em 2003, o ICOFOM – Comité Internacional para a Museologia organizou o XXV Annual Symposium sob o tema “Museology: An instrument for unity and cultural diversity”. A sugestão de museologia enquanto instrumento suscitou controvérsia e os editores incluíram no livro de atas, sob a epígrafe “Provocative paper”, o texto “Museology is not an instrument for unity and cultural diversity”, de autoria de Martin R. Schärer1, onde, distinguindo entre a “museologia”, que não pode ser instrumentalizada, e “museu”, passível de ser utilizado como instrumento para atingir determinado objetivo, confirma: “Objectivity is never possible; there is no such thing as a neutral or innocent exhibition” (Schärer, 2004, p. 15). Não existem, portanto, coleções e exposições neutrais, refletindo os contextos políticos, culturais e sociais da sua constituição e a identidade de quem os formula.

Se, há algumas décadas, me questionava acerca do postulado da isenção do discurso do museu, parece agora ser mais relevante compreender até que ponto, sem prejuízo do rigor na transmissão do conhecimento, o museu pode (ou deve?) conferir um sentido explícito ao seu discurso. Numa conjuntura em que as mensagens emitidas pelo poder político atingem a insolência, levando a manipulação ideológica a extremos, na propaganda de valores que desvirtuam a nossa cultura e civilização, pode o museu transgredir a neutralidade e assumir e expor uma outra perspetiva?

Visitantes junto à obra “The Peak Project, Hong Kong, China” de Zaha Hadid, em exposição no MoMA
Foto: : Angela Weiss / Getty Images | Univision

O Museum of Modern Art (MoMA), enquanto “place that fuels creativity, ignites minds, and provides inspiration” (MoMA, 2017), assumiu a missão de despertar consciências, ao tomar uma posição pública contra a política de imigração do Presidente Trump e, em particular, contra a ordem executiva que proibia a entrada de cidadãos de sete países de maioria muçulmana: Iraque, Irão, Líbia, Sudão, Iémen e Somália.

Prontamente, “in one of the strongest protests yet by a major cultural institution against President Trump’s executive order on immigration” (Farago, 2017a, 3 fev.), os curadores do museu Christophe Cherix, chefe do departamento de gravuras e desenhos, Jodi Hauptman, curadora sénior no mesmo departamento, e Ann Temkin, curadora no departamento de pintura e escultura, refizeram parte da exposição de coleção permanente, para apresentar obras de artistas muçulmanos. Jodi Hauptman justificou que a equipa de curadores entendeu ser obrigação do museu responder à ordem de Trump:

“In thinking about what we can do here and how we can show solidarity with artists and viewers, scholars, curators in those countries, we began to look closely at our collection. […]It was, in a way, philosophically a gesture of inclusion we wanted to offer our public and our staff. […] One of the things that you think about if you see these works of the gallery, is that if you have a ban, then you don’t get to see these works” (Hauptman, cit. in Pope-Sussman, 2017, 4 fev.).

Instalação da obra do artista iraniano Siah Armajani no átrio do MoMA
Foto: Robert Gerhardt / TimeOut

No átrio principal, junto ao jardim, encontra-se agora a escultura “Elements Number 30” do artista iraniano Siah Armajani. No piso 5, foram removidos cinco pinturas de Picasso, Matisse, Picabia, Ensor, Boccioni, Burri, para instalar obras da iraquiana Zaha Hadid, do sudanês Ibrahim El-Salahi, do iraniano-arménio Marcos Grigorian e dos iranianos Tala Madani, Parviz Tanavoli,  Charles Hossein Zenderoudi.

“The prophet”, de artista iraniano Parviz Tanavoli, exposto no lugar habitualmente ocupado pela obra de Boccioni, no MoMA
Foto: Angela Weiss / Getty Images | Univision

Na galeria Picasso, está a obra “The mosque” de Ibrahim El-Salahi, em cuja composição abstrata se detetam referências a motivos arquitetónicos e caligrafia árabe. Na galeria Matisse, encontra-se uma pintura de grandes dimensões, em papel, de Charles Hossein Zenderoudi, intitulada “Mon père et moi”. No núcleo dedicado ao Futurismo, a escultura “Unique forms of continuity in space” foi substituída por um totem em bronze de Parviz Tanavoli, intitulado “The prophet”. No núcleo do Dadaísmo, foi incluída uma fotografia de três bolas de bilhar da artista alemã, nascida no Irão, Shirana Shahbazi. Junto aos expressionistas, passa o vídeo “Chit chat” de Tala Mandani. Entre as obras de Burri e Tàpies, um dos trabalhos com terra de Marcos Grigorian. A arquiteta Zaha Hadid é incluída nesta mostra, com a pintura “The peak project, Hong Kong, China (exterior perspective)”.

[Composition-40-2011], de Shirana Shahbazi, em exposição no MoMA
Foto: Robert Gerhardt / TimeOut

Houve uma óbvia intenção de articular as obras inseridas na narrativa expositiva preexistente, através de conexões, analogias, proximidades visuais ou semânticas, para que esta ação não de protesto resultasse numa manifestação artificial ou desconexa. O discurso mantém a lógica de exposição de arte contemporânea. A mensagem é reforçada pelo texto inserido na tabela de cada uma das obras:

This work is by an artist from a nation whose citizens are being denied entry into the United States, according to a presidential executive order issued on January 27, 2017. This is one of several such artworks from the Museum’s collection installed throughout the fifth-floor galleries to affirm the ideals of welcome and freedom as vital to this Museum, as they are to the United States.

Tabela no MoMA
Foto: Dave Zirin @EdgeofSports, 4 fev. 2017

A introdução deste texto sublinha a atitude comprometida do museu com o protesto social: através da direção e dos seus comissários, o museu toma partido e define a sua posição e os valores ideológicos que defende. Sem prejuízo do rigor na informação e na comunicação – os dados não foram manipulados, ainda que sejam apresentados com um objetivo específico – o museu abandona a neutralidade e assume uma intervenção política de contestação ao discurso dominante do poder. As circunstâncias específicas da propriedade e tutela do MoMA, que não é um museu do Estado, permitem este tipo de intervenção, cujo alcance é potenciado pelo prestígio da instituição.

But in the years to come, all institutions, from the most experimental to the most established, will have to decide whether to keep their heads down or whether to reply. This welcome new voice, less Olympian and more pluralistic, is not how MoMA has spoken in the past — but, then again, this is not how presidents have spoken in the past, either. (Farago, 2017b, 3 fev.)

É, pelo menos, um novo discurso museológico, assumidamente não isento, nem neutral, nem imparcial.

Referências bibliográficas:
Aron, R., & Mesure, S. (1991). Introduction à la philosophie de l’histoire: Essai sur les limites de l’objectivité historique. Paris: Gallimard.
Farago, J. (2017a, 3 fev.). MoMA protests trump entry ban by rehanging work by artists from Muslim nations. The New York Times. Acedido em https://www.nytimes.com/2017/02/03/arts/design/moma-protests-trump-entry-ban-with-work-by-artists-from-muslim-nations.html?_r=0
Farago, J. (2017b, 3 fev.). MoMA takes a stand: Art from banned countries comes center stage. The New York Times. Acedido em https://www.nytimes.com/2017/02/03/arts/design/moma-president-trump-travel-ban-art.html?smid=tw-nytimes&smtyp=cur&_r=2
Foucault, M. (1975). L’ordre du discours: Leçon inaugurale au Collège de France prononcée le 2 décembre 1970. Paris: Gallimard.
MoMA. (2017). About us. In Museum of Modern Art (sítio eletrónico institucional). Acedido em https://www.moma.org/about/index
Pope-Sussman, R. (2017, 4 fev.). MoMA hangs art from Muslim nations to protest Trump’s immigration ban. Gothamist. Acedido em http://gothamist.com/2017/02/04/moma_hangs_art_from_muslim_nations.php#photo-3
Prost, A. (2014). Douze leçons sur l’histoire. Paris: Éd. Points.
Ranke, L., & Iggers, G. G. (Ed. lit.). (2011). The theory and practice of history. London: Routledge.
Roque, M.I. (2012). O discurso do museu. In Asensio, M., Moreira, D., Asenjo, E., & Castro, Y. SIAM Series Iberoamericanas de Museología: Criterios y desarollos de musealización, 3,(7), 215-225. Acedido em https://repositorio.uam.es/bitstream/handle/10486/11608/57449_17.pdf?sequence=1
Schärer, M. R. (2004). Museology is not an instrument for unity and cultural diversity. In ICOM, ICOFOM, & H. K. Vieregg, Museology: An instrument for unity and cultural diversity (pp. 14-15). München : Museums-Pädagogisches Zentrum
White, H. (2014). Metahistory: The historical imagination in nineteenth-century Europe. Baltimore : Johns Hopkins University Press.

 

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "MoMA: um novo discurso museológico em resposta a Trump," in a.muse.arte , 2017/02/10, https://amusearte.hypotheses.org/1707.
  1. Em 2008, Martin R. Schärer integrou o Comité para a Deontologia do ICOM, de que foi presidente entre 2012 e 2016. []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *