O mercado da arte em Portugal durante a Segunda Guerra Mundial

Brandão, I. F. (2016, 23 Nov.). ‘What’s in Lisbon?’: Portuguese sources in Nazi-era provenance research. Journal of Contemporary History (Ahead of print), 1-22. DOI: 10.1177/0022009416658699

Inês Fialho Brandão, licenciada em História e História da Arte (University of Edinburgh, 2000) e mestre em Estudos do Próximo Oriente, especialização em Estudos de Museu (New York University, 2002), prepara o doutoramento em História (National University of Ireland) com tese sobre o mercado português da arte entre 1933 e 1945, sob a orientação de Filipe Ribeiro de Meneses e com o apoio da Fundação para a Ciência e Tecnologia a (2012–15). Com experiência profissional no âmbito da museologia, é, atualmente, a responsável pelo Farol-Museu de Santa Marta, tutelado pela Câmara Municipal de Cascais.

O presente artigo, que se integra no âmbito mais alargado da investigação em curso para o doutoramento, propõe-se analisar os contextos do mercado da arte em Portugal durante a Segunda Guerra Mundial e compreender a falta de envolvimento da comunidade académica e dos profissionais (e investigadores) dos museus no estudo da proveniência das obras de arte que ingressaram nas respetivas coleções entre 1933 e 1945. Nesse sentido, propõe-se identificar as fontes com informação acerca das atividades de compradores e vendedores de obras de arte em Portugal durante este período, a fim de estabelecer até que ponto o país, durante a Segunda Guerra Mundial, integrava as redes de transação internacionais e constituía uma plataforma de circulação da arte para outros destinos. A confirmar estas hipóteses, na segunda parte do artigo, estuda o caso de Karl Buchholz, com atividade registada em Portugal entre 1943-5, e que fazia parte do grupo restrito de negociantes alemães autorizados pelo Terceiro Reich a negociar a denominada “arte degenerada”.

Interior da Livraria Buchholz:. exposição de obras de Hermann Haller e Renée Sintenis. Fotografia: Estúdio Mário Novais, posterior a 1943 Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, Biblioteca de Arte [CFT003.040658]

Interior da Livraria Buchholz:. exposição de obras de Hermann Haller e Renée Sintenis.
Fotografia: Estúdio Mário Novais, posterior a 1943
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, Biblioteca de Arte [CFT003.040658]

Um dos principais contributos deste artigo é a apresentação do enquadramento teórico, cuja formulação densamente analítica acentua as lacunas de investigação acerca do mercado da arte e do papel de Portugal como plataforma de circulação de obras de arte entre a Europa e o continente americano. “The itineraries of art objects that entered the country, the circumstances surrounding these movements, and the identities of those involved have also been ignored in the studies of Portugal during the Second World War.” (Brandão, 2016, p. 2)

A investigação tende a centrar-se na política cultural do Estado Novo, marcada pela ideologia nacionalista de Salazar e formalizada através do Secretariado da Propaganda Nacional (SPN), criado em 1933 e dirigido por António Ferro, com o objetivo explícito de renovar a vida artística nacional e a intenção implícita de criar e promover a identidade cultural da nação. Mesmo os estudos recentes realizados ou coordenados por Cláudia Ninhos e Fernando Clara (por exemplo: Ninhos, 2011, 2012; Ninhos & Clara, 2014), acerca das relações entre Portugal e a Alemanha nazi, não abordam o mercado da arte.

Yet none of these studies has focused on the interactions involving Portuguese museums and collectors, and belligerent countries, refugees, and expatriates; or on the possible role played by Portugal as a hub for the transfer of artworks, and spoliated or confiscated artworks in particular, from Europe to the Americas. (Brandão, 2016, p. 2)

Da mesma forma, os trabalhos de Patrik von Zur Mühlen (1992) e de Irene Pimentel (2006) acerca dos refugiados alemães que entraram no país durante a guerra, também não analisam a atividade dos artistas, negociantes e colecionadores que faziam parte deste grupo.

No âmbito da historiografia da arte para este período, Inês Fialho Brandão (2016, p. 8) identifica três linhas de investigação: a colaboração dos modernistas portugueses com o Secretariado em iniciativas nacionais e internacionais; a emergência dos movimentos neorrealista e surrealista, ativamente opostos ao regime (e opostos um ao outro, após a Segunda Guerra); e os estudos cronológicos dos movimentos ou da obra individual dos artistas para uma análise mais amplas dos círculos artísticos e da sua articulação (apoio/oposição) a Salazar e ao Estado Novo. Por seu turno, os estudos museológicos, onde pontuam os trabalhos de Sérgio Lira (2001)1 incidem sobretudo sobre a instrumentalização dos museus para a propaganda do regime.

Inês Fialho Brandão confirma que a investigação académica não analisa, quer qualitativa, quer quantitativamente, as redes que se tenham estabelecido entre portugueses e refugiados e, ainda menos, as transações de arte que certamente terão ocorrido. Ao mesmo tempo, salienta a centralidade destes temas para o estudo da museologia em Portugal, sobretudo se atendermos ao facto de esta época coincidir com a implantação do SPN e com o incremento de aquisições para ampliar as coleções dos museus e palácios públicos portugueses, no âmbito da política cultural do Estado Novo (cfr. Brandão, 2016, p. 4). Por outro lado, regista a atividade de colecionadores privados como Ricardo Espírito Santo e António Anastácio Gonçalves, a partir de 1933, e António Medeiros e Almeida no fim do conflito (cfr. id., ibid., pp. 4-5), cujas coleções deram origem a museus.

A argumentação (ou a advertência) de Inês Fialho Brandão acerca da falta de estudos sobre a proveniência nazi dos objetos que integram as coleções museológicas é sobretudo pertinente quando, como refere (id. Ibid., p. 3), Portugal assinou os Washington Principles on Nazi-Confiscated Art (1998), relativos à restituição de obras de arte confiscadas pelo regime nazi antes e durante a Segunda Guerra Mundial. Diríamos nós que esta lacuna é particularmente significativa quando a historiografia da arte que se faz na academia e, por extensão, nos museus, tende a privilegiar os aspetos relacionados com a produção e o historial das obras.

A principal razão para a falta de estudos neste domínio será a dificuldade no acesso às fontes, apesar do processo de organização, inventariação e disponibilização dos fundos arquivísticos e, nomeadamente daqueles que Inês Fialho Brandão identifica como os mais relevantes para a investigação neste domínio: os documentos públicos e privados de Salazar conservados na Torre do Tombo; os arquivos de ministérios relevantes para a área cultural (Ministérios da Educação e das Finanças); os arquivos da PIDE , com dados relativos aos refugiados e residentes estrangeiros; os arquivos do SPN. Porém, a dispersão destes arquivos e a inconsistência do tratamento arquivístico e a impossibilidade de cruzar dados entre os repositórios digitais existentes dificultam a investigação. No caso particular da proveniência dos objetos que ingressaram nos museus durante e após a Segunda Guerra, são escassos os dados relativos à sua aquisição. É raro encontrar recibos da compra que permitiriam identificar os respetivos negociantes e, quando se encontram, são omissos acerca da procedência das obras e dos trâmites da sua transação.

No que respeita à investigação museológica, as questões tornam-se mais complexas. Por um lado, as persistentes dificuldades financeiras obrigam a canalizar os recursos para atividades básicas de gestão e conservação, relegando a investigação para um plano secundário. Apesar dos vários programas de inventariação implementados desde a década de 1990, incidindo sobre o registo básico de identificação e descrição material, a investigação acerca da procedência e, em particular, a proveniência nazi, dos objetos não tem sido considerada uma matéria prioritária. Além disso – e talvez precisamente por isso – a proveniência da maioria das coleções museológicas é genericamente conhecida: bens das ordens religiosas e da Igreja, obtidos através de processos de desamortização; coleções provenientes das antigas colónias portuguesas. “Factors lying outside professional museum practice, in particular Portuguese colonial history, may also explain this silence around provenance research and restitution debates.” (Id. Ibid., p. 10) Se a devolução dos bens à Igreja se encontra salvaguardada pela Concordata, nada impede que, pelo menos em teoria, as antigas colónias reclamem a posse dos objetos que lhes foram subtraídos. “If and when that happens, Portuguese museums, and their staff, will find themselves in the position of having to examine issues of legal vs. ethical ownership […].” (Id. Ibid.) A investigação centrada na proveniência destas coleções poderia tornar-se em argumento para a sua reivindicação, com consequências imponderáveis para a gestão dos espólios museológicos.

Há, porém, outras razões, também de ordem ideológica: “The centrality of the figure of Salazar in researching the Estado Novo has influenced, and limited, academic research.” (Id. Ibid., p. 8) A investigação, sobretudo por parte dos académicos que já estavam ativos nas décadas de 1960 e 1970, continua a refletir a partidarização entre os opositores e os defensores do regime.

Pode dizer-se que a história recente tem dificuldade em manter a objetividade, entre a condenação ou a exaltação do regime ditatorial e a figura de Salazar; talvez só agora, passado quase meio século sobre o fim da ditadura, os novos investigadores, nascidos após a implantação do regime democrático, sejam capazes de manter a distância, analisando o fenómeno de forma objetiva e racional, sem as limitações de temas interditos, nem as ambiguidades dos discursos comprometidos com vivências pessoais. Inês Fialho Brandão enquadra-se nesta nova geração de investigadores, quer pela opção dos temas de estudo, quer pela forma clara e rigorosa como os analisa. Um dos contributos deste artigo é a apresentação de novas vias de investigação, cuja pertinência fica amplamente confirmada. O muito que aqui fica se esclarece torna a leitura obrigatória para quem pretenda conhecer os meandros do mercado da arte no contexto da Segunda Guerra e o papel de Portugal como plataforma de circulação e comércio internacional de obras de arte e, em particular, da arte dita “degenerada”.
E, no entanto, muito ainda fica a aguardar novos estudos. Porque, como Inês Fialho Brandão remata, “What’s in Lisbon? Information, waiting to be found.” (p. 21)

Referências bibliográficas:
Lira, S. (2000). Politics and propaganda in Portuguese museums and temporary exhibitions during the Estado Novo. Museological Review, (7), 42-55. Acedido em http://www2.le.ac.uk/departments/museumstudies/documents/museologicalreview/MR-7-2001.pdf
Ninhos, C. (2011). O poder da História: Escrever a história das relações luso-alemãs na ‘‘época do Fascismo’’. In F. Clara, M. R. Sanches & M. Matos (Eds. lit.), Várias viagens: Estudos oferecidos a Alfred Opitz (pp. 389–405). Vila Nova de Famalicão: Húmus.
Ninhos, C. (2012). «Com luvas de veludo»: A estratégia cultural alemã em Portugal (1933-1945). Relações Internacionais (R:I), (35), 103-118. Acedido em http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-91992012000300008&lng=pt&tlng=pt
Ninhos, C., & Clara, F. (Eds. lit.). (2014). A angustia da influência: A Angústia da Influência: Política, cultura e ciência nas relações da Alemanha com a Europa do Sul, 1933–1945. Frankfurt am Main: Peter Lang.
Pimentel, I. F. (2006). Judeus em Portugal durante a II Guerra Mundial. Lisboa: Esfera dos Livros.
Zur Mühlen, P. (1992). Fluchtweg Spanien-Portugal: Die deutsche Emigration und der Exodus aus Europa 1933-1945. Bonn: J.H.W. Dietz.

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "O mercado da arte em Portugal durante a Segunda Guerra Mundial," in a.muse.arte , 2017/01/19, https://amusearte.hypotheses.org/1701.
  1. Vd. tb. a tese de doutoramento em Museum Studies intitulada Museums and temporary exhibitions as means of propaganda: The Portuguese case during the Estado Novo (University of Leicester, 2002). []

3 comentários a “O mercado da arte em Portugal durante a Segunda Guerra Mundial

  1. Apercebi-me que o último parágrafo, quando é referida Inês Fialho Brandão está a mais no meu comentário. Trata-se de uma citação da autora do texto comentado que, por lapso, não apaguei.

  2. Não gostei deste artigo, embora realce o trabalho importante de Inês Fialho Brandão, sobretudo por uma razão, que me parece ao mesmo tempo um disparate, uma não-verdade e reveladora de arrogância e de “exaltação” da “juventude”: o facto de a autora do texto afirmar «Há, porém, outras razões, também de ordem ideológica: “The centrality of the figure of Salazar in researching the Estado Novo has influenced, and limited, academic research.” (Id. Ibid., p. 8) A investigação, sobretudo por parte dos académicos que já estavam ativos nas décadas de 1960 e 1970, continua a refletir a partidarização entre os opositores e os defensores do regime.

    Pode dizer-se que a história recente tem dificuldade em manter a objetividade, entre a condenação ou a exaltação do regime ditatorial e a figura de Salazar; talvez só agora, passado quase meio século sobre o fim da ditadura, os novos investigadores, nascidos após a implantação do regime democrático, sejam capazes de manter a distância, analisando o fenómeno de forma objetiva e racional, sem as limitações de temas interditos, nem as ambiguidades dos discursos comprometidos com vivências pessoais».
    É de tal forma incongruente e disparatado o que aqui diz a autora, citada por mim, que apenas pergunto:
    – o que seria das novas gerações de historiadores presentes e futuros semn os seus antecedentes, que abriram o caminho contextualizante e da investigação sobre os mais variados aspectos do Estado Novo?
    Depois, apenas, quero deixar alguns comentários:
    1. o meu trabalho é devedor do trabalho dos meus antecessores e penso que os da nova geração, na qual se inclui, entre outras, Inês Brandão, deve ao meu trabalho, assim como a outros.
    2. a razão por que só agora se estuda um aspecto específico – a possível ou hipotética passagem da arte nazi por Portugal é porque primeiro se tinha de contextualizar outros aspectos, contextualização sem a qual não se poderia agora abordar aspectos específicos.
    3. na parte que me toca, mas os meus colegas dirão certamente a mesma coisa, preferi fazer essa contextualização e não abordar o tema da arte, até por não ser historiadora de arte, mas devo dizer que propus já anteriormente a historiadores de arte que o abordassem (até porque trabalhei na livraria Buchholz e sabia, desde a realização da exposição «Entartete Kunst» nos EUA, cujo catálogo encomendei para ser vendido na livraria, que Karl Buchholz tinha sido incumbido de a vender.
    4. essa de os historiadores que viveram ainda parte do período ditatorial não serem capaz de objectividade, pois ou seriam da oposição ao regime ou o enalteceriam, brada aos céus de desonestidade e falta de respeito pelo seu valiosíssimo trabalho (a maioria ainda está no activo)!
    5. finalmente, afirmar que Salazar, a personalidade e o seu regime são pouco estudados só pode ser por ignorância ou arrogância
    6. Por último, quero recordar, ainda por cima a quem se interessa por História, que não vivemos num eterno presente em permanente recomeço com as novas gerações: não, vivemos um presente que se segue a um passado e ao qual se seguirá um futuro, por seu turno, com novas gerações.
    Enviarei este meu comentário à Inês Fialho Brandão, que muito estimo e cujo trabalho admiro, bem como a Claudia Ninhos, que aqui também é referida.

    . Inês Fialho Brandão enquadra-se nesta nova geração de investigadores, quer pela opção dos temas de estudo, quer pela forma clara e rigorosa como os analisa. Um dos contributos deste artigo é a apresentação de novas vias de investigação, cuja pertinência fica amplamente confirmada. O muito que aqui fica se esclarece torna a leitura obrigatória para quem pretenda conhecer os meandros do mercado da arte no contexto da Segunda Guerra e o papel de Portugal como plataforma de circulação e comércio internacional de obras de arte e, em particular, da arte dita “degenerada”.

    • Gostei deste texto.
      Munida de chapéu axadrezado, cachimbo e lupa, em vão descobri qualquer disparate. Tão pouco encontrei exaltações à juventude. Procurei ainda desenhar os percursos de brados, caminhando para o céu. Nenhum deles partiu deste blog.
      Em compensação, analisadas as provas e verificadas as circunstâncias, verifiquei um gesto acolhedor a um trabalho realizado por alguém. E talvez porque parcos sejam estes gestos, sobretudo vindos da Academia, assim este se mostrou raro e digno de louvor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *