Elefante de Bernini vandalizado

É “apenas” mais uma notícia de vandalismo: alguém vandalizou o elefante obeliscoforo da escultura de Bernini instalada na pequena Piazza della Minerva, junto ao Panteão, em Roma. O ato de vandalismo, aparentemente, não teve testemunhas, e foi denunciado às autoridades por um grupo de turistas espanhóis que encontraram o fragmento quebrado, a presa esquerda do animal, no chão, ao lado da estátua, a qual foi igualmente riscada. Se a presa truncada poderia ter sido acidentalmente provocada por um ato tresloucado, os riscos que cobrem a escultura denunciam a sua intencionalidade destruidora.

Elefante vandalizado
Foto: AP Photo / Gregorio Borgia

Elefante vandalizado
Foto: AP Photo / Gregorio Borgia

A escultura representa um elefante a carregar um obelisco sobre o dorso encontra-se neste local desde o século XVII. A obra tinha sido objeto de uma encomenda feita em 1667, pelo papa Alexandre VII, para suportar um obelisco egípcio da XXVI dinastia, com cerca de 5 metros de altura, em granito vermelho, o qual havia sido recentemente descoberto em Roma, junto ao templo de Ísis e Serápis (Iseum Campensis).

Elefante e obelisco
Gian Lorenzo Bernini, 1667
Roma, Piazza della Minerva

Na realidade, Bernini já anteriormente havia submetido alguns esboços para a instalação do obelisco a Francesco Barberini para o colocar, num dos quais já surge a figura de um elefante, mas o projeto foi abandonado após a morte do papa Urbano VIII, em 1644, até que Alexandre VII o retomou cerca de duas décadas depois, agora, com o propósito de o instalar frente à igreja de Santa Maria sopra Minerva. A obra pode ser explicada como “a Kind of heraldic emblem (impresa) of the ambitious, erudite Pope Alexander VII Chigi, suggesting that the exotic beast and the pagan pillar symbolize the scholarly pontif’s yearning for the gift of the divine wisom” (Posèq, 2003, p. 35).

Na outra, justifica-se o sentido da obra, justificando a apropriação de um testemunho material de outra cultura:

“Sapientis Aegypti/ insculptas obelisco figuras/ ab elephanto/ belluarum fortissima/ gestari quisquis hic vides/ documentum intellige/ robustae mentis esse/ solidam sapientiam sustinere” [Estes símbolos da sabedoria do Egipto que vês gravados no obelisco sobre o elefante, o mais forte de todos os animais, constituem a prova de que só uma mente forte pode sustentar uma sólida sabedoria]

É, por isso, uma metáfora carregada de ironia que o mais forte dos animais tenha sido truncado num ato de manifesta insensatez e ignorância.

O ato de vandalismo, aparentemente, não teve testemunhas, e foi denunciado às autoridades por um grupo de turistas espanhóis que encontraram o fragmento quebrado, a presa esquerda do animal, no chão, ao lado da estátua, a qual foi igualmente riscada.

Referência bibliográfica:
Posèq, A. W. G. The physiognomy of Bernini’s elephant. Notes in the History of Art, 22(3), 35-46.

Fonte das imagens da escultura vandalizada:
http://bigstory.ap.org/article/298c27ca88b746ffa8df7d09d0a850b8/vandals-break-tusk-bernini-elephant-statue-rome


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *