A queda de um arcanjo

Domingo, Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), final de uma manhã com entrada gratuita, um visitante brasileiro a procurar o melhor enquadramento para uma foto ou uma selfie… e, no instante seguinte, a escultura de São Miguel Arcanjo caída por terra, partida.

Imagem partilhada por Nuno Miguel Rodrigues no Facebook

Imagem partilhada por Nuno Miguel Rodrigues no Facebook

O museu encerrou a sala onde se deu o acidente, na Galeria de Pintura e Escultura Portuguesas, recentemente reaberta com uma museografia renovada. Segundo um comunicado do museu publicado nas redes sociais, foi também chamada, de imediato, a equipa de Conservação e Restauro para avaliar o estrago e a consequente intervenção, cujo relatório técnico será tornado público.

São Miguel Arcanjo Século XVIII Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga Foto: MIR, 2016

São Miguel Arcanjo
Século XVIII
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga
Foto: MIR, 2016

O incidente reabriu o debate acerca da falta de recursos e de pessoal no museu, depois de há poucos meses, ainda no contexto da polémica em torno da criação de um novo modelo de gestão e de um novo estatuto jurídico para o MNAA, o diretor do museu, António Filipe Pimentel ter classificado a situação existente como uma “calamidade”. As afirmações, proferidas na Escola de Quadros do CDS, em Peniche, durante um debate dobre cultura, causou um manifesto desconforto junto do Ministro da tutela, pelo que António Filipe Pimentel se sentiu obrigado a um pedido de desculpas, alegando que as suas declarações haviam sido descontextualizadas e inapropriadas numa altura em que se trabalhava conjuntamente no sentido de uma maior autonomia financeira e de gestão.

O incidente volta a repor a questão, mas tanto o diretor do museu garante que todas as condições de segurança estavam acauteladas, como um comunicado do ministério esclarece que, na altura, estava um guarda na sala. Ao que parece, o guarda ainda tentou avisar e impedir o acidente, mas aconteceu tudo muito rapidamente.

Vendo retrospetivamente, podemos considerar que o equipamento museográfico, o plinto onde se encontrava a peça, não seria o mais adequado. Pelo menos, não foi suficientemente seguro para aguentar um embate e impedir a queda. Felizmente, a escultura em madeira estofada e dourada pode ser restaurada e os danos são reversíveis.

O acidente, ainda que lamentável, terá sido isso mesmo: um acidente porque, ao que parece, foi motivado por um gesto inadvertido, ainda que obviamente leviano e impróprio e fútil. Infelizmente, os acidentes acontecem também nos museus e em exposições de arte. Lembro-me de estupefação que senti face a um quadro caído da parede em virtude da trepidação das obras num espaço contíguo, motivando um enorme rasgão da tela. Lembro-me de me ter sentido a escorregar quando transportava um jarrão da China nas mãos. Lembro-me dos problemas motivados pela pressão de público numa exposição de arte no espaço improvável do Pavilhão da Santa Sé na Expo’98, obrigando a colocar placas de acrílico na frente de tapeçarias, pinturas, esculturas… Nesta exposição, obviamente atípica, lembro, sobretudo, que apesar de um estrado oblíquo e com grande margem em torno do esquife com a imagem de Nossa Senhora da Boa Morte, eram inúmeras as tentativas de sentar-se na escultura para tirar fotografias (sim, muito antes da moda das selfies!) e que houve uns quantos visitantes que caíram na reconstituição de uma piscina batismal, apesar se encontrar numa cota mais elevada e de ser antecedido por uma sinalética abundante a avisar do perigo de queda… E recordo que, ainda recentemente, num evento privado no museu Britânico, alguém ter batido com a cabeça na Vénus, dita de Townley, uma escultura romana dos séculos I-II, tendo-lhe quebrado um polegar. São acidentes que, infelizmente, acontecem.

No entanto, o alarme provocado pela queda do arcanjo gerou uma onda de indignação e desencadeou comentários inflamados nas redes sociais, reclamando uma guardaria mais exaustiva e disciplinadora, dispositivos de segurança mais eficazes em torno das obras expostas, a proibição das fotografias em espaço expositivo… e, uma vez que o facto ocorreu numa manhã do primeiro domingo do mês em que as entradas são gratuitas, sugerindo medidas mais apertadas (e onerosas) no acesso ao museu. Comentários que, por vezes, roçam o chauvinismo, ao realçar que o protagonista deste episódio era brasileiro! Retoma-se, como é costume acontecer em momentos de crise, uma atitude mais controladora, porque o medo favorece a repressão, e, neste caso, também mais elitista, na defesa de uma maior reserva ou de exclusividade apenas a quem provar merecer a fruição do património e da cultura.

Mais amplo do que o acidente em si, são estas ondas de opinião que provoca. A queda do arcanjo favoreceu a escalada da insensatez. Face a esta agitação intempestiva e à imprudência de alguns comentários exaltados, não consigo deixar de fazer um paralelismo com os tempos que vivemos, as notícias de hoje, ou com as conjunturas que permitem o governo dos insensatos.


1 comentário a “A queda de um arcanjo

  1. Pingback: Museu parcialmente encerrado: um aviso | a.muse.arte

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *