Terramotos sobre o património

O sismo que, na manhã de 30 de outubro, atingiu o centro de Itália, sobretudo em Marche e Umbria, mas sentindo-se também nas regiões de Abruzzo e Lazio, atingindo as cidades de Castelsantangelo sul Nera, Núrcia e Preci, com uma magnitude de 6.6 na escala de Ritcher, e as sucessivas réplicas, trouxeram-nos imagens de devastação e um sentimento de perda face aos monumentos caídos por terra. Este foi o mais forte sismo sentido em Itália desde 1980, mas a região já tinha sido violentamente atingida em 24 de agosto por um outro com a magnitude de 6.2, que matou cerca de 300 pessoas, para lá dos imensos danos materiais. Agora, não há notícia de mortos e esta é, definitivamente, uma imensa graça no meio de toda a tragédia. “Buildings are note people” (Jones, 2016, 30 out.), dizia, a propósito, o cronista de The Guardian. E isto deve ser a epígrafe de qualquer comentário acerca do património irremediavelmente perdido, quaisquer que sejam as ações de restauro que venham a acontecer.

Praça e basílica di San Benedetto, Núrcia, antes do sismo de out. 2016

Praça e basílica di San Benedetto, Núrcia, antes do sismo de out. 2016

Praça e basílica di San Benedetto, Núrcia, após o sismo de out. 2016

Praça e basílica di San Benedetto, Núrcia, após o sismo de out. 2016
Foto: Corriere della Sera

Itália é a terra de admirável património, através do qual se pode traçar a diacronia da arte ocidental. A visão da basílica de San Benedetto, em Núrcia, a enquadrar a cena tocante das freiras a emergir dos escombros, é desoladora e atinge-nos com um inevitável sentimento de perda. O restauro material não pode repor todas as memórias desta igreja abacial beneditina, construída sobre o local onde, segundo a tradição imposta a partir de São Gregório Magno1, terão nascido, em finais do século V, São Bento e de Santa Escolástica. A igreja de feição gótica, provavelmente construída sobre um templo anterior românico, com uma imponente fachada onde se distinguia a rosácea e o friso dos quatro Evangelista, datada dos séculos XII-XIII, foi elevada à categoria de basílica menor, em 1966 pelo Papa Paulo VI e tinha sido restaurada no início da década de 2000. Lugar de peregrinação, mantido pela comunidade beneditina, a basílica acolhe cerca de 50.000 visitantes por ano (cfr. Sudiro, Miliani, & Mcgivern, 2016, 31 out.).

Basílica de San Benedetto 31 out. 2016 Foto El Confidencial

Basílica de San Benedetto
31 out. 2016
Foto El Confidencial

Basílica de San Benedetto 31 out. 2016 Foto: Matteo Guidelli/EPA

Basílica de San Benedetto
31 out. 2016
Foto: Matteo Guidelli/EPA

A destruição é mais profunda do que as pedras que caíram por terra. São as memórias associadas ao monumento, o seu valor documental e patrimonial, que ficam afetadas. Em particular, a memória de São Bento que, no século VI, escreveu a Regra que se tornou a matriz do monaquismo ocidental. Sobretudo, porque a abadia de Monte Cassino, fundada por São Bento, foi destruída durante a 2.ª Grande Guerra. Sobretudo porque a catedral de Santa Maria Argentea, também em Núrcia, também havia colapsado na sequência do sismo de agosto.

Sobretudo, porque a destruição da basílica de San Benedetto é apenas um caso singular na imensa devastação provocada por estes tremores de terra, sendo que se registaram danos em monumentos como o Coliseu, a basílica de San Paolo fuori le Mura, ou a cúpula de Sant’Ivo alla Sapienza, projetada por Borromini, em Roma.

“Cinquemila almeno i monumenti, le chiese, i musei, i campanili, in breve gli edifici storici sfregiati se non distrutti dopo la violenta scossa del terremoto […] che ha devastato Umbria e Marche. E saranno diverse decine di migliaia le cosiddette opere mobili colpite, soprattutto nelle chiese, tra suppellettili e alto artigianato.” (“Terremoto…”, 2016, 2 nov.)

O elevado índice de devastação decorre, afinal, da vastidão do património existente em Itália.  A nossa sensação de perda, também.

Acrescenta que tudo isto acontece na altura em que lembramos o grande terramoto que, em 1755, atingiu Lisboa com uma magnitude estimada em 8,9. E se fosse em Portugal?

Surgem avisos acerca de uma provável calamidade. A sismóloga Cristina Oliveira, professora da Escola Superior de Tecnologia do Barreiro, do Instituto Politécnico de Setúbal, e que esteve em Amatrice, muito afetada pelos terramotos de agosto, a estudar o  comportamento sísmico dos edifícios, tem vindo a ser citada na sequência de uma entrevista à LUSA, na qual alertava para o facto de um  sismo em Portugal com a mesma magnitude dos de Itália, na semana passada, iria arrasar Lisboa, por falta de preparação da cidade e das pessoas (cf. LUSA, 2016, 1 nov.).

Nunca haverá prevenção suficiente perante uma catástrofe, mas há certamente maneira de lhes atenuar os efeitos. E, no entanto, a conservação preventiva continua incipiente, as obras de reabilitação raramente contemplam as estruturas, quando não as enfraquecem, limitando-se a intervenções superficiais, que confiram um ar de modernidade. Acontece na habitação privada, mas, infelizmente, também nas instituições públicas e nos edifícios patrimoniais.

Além disso, à ruína dos monumentos, acresce o risco de destruição do património móvel, disperso em arquivos, bibliotecas, museus, em edifícios públicos e particulares. As consequências de uma catástrofe como a que aconteceu em 1755 seriam igualmente fatídicas e perder-se-iam elementos fulcrais da nossa memória coletiva, documentos cruciais para a constituição da nossa identidade cultural.

Há, ainda, uma componente da salvaguarda do património, habitualmente esquecido, por se considerar marginal à sua preservação material, e que corresponde à informação que lhe é associada. Na era da tecnologia digital, grande parte do conhecimento produzido encontra-se em suporte eletrónico e é difundido através da net. O que aconteceria se fossem destruídos os servidores onde a informação se encontra? Os dados que parecem estar ao alcance de todos, por serem disseminados à escala global, estarão efetivamente preservados? A verdade é que não. Nem existe uma política consistente de preservação de dados e de metadados. Grande parte da informação que parece estabilizada em bases de dados, bibliotecas e repositórios digitais é, na realidade, bastante frágil e impermanente.

Se carecem medidas de conservação preventiva em torno do património material, no caso da proteção da informação digital falta ainda uma tomada de consciência acerca da sua precaridade e da imprevisibilidade dos seus efeitos. Seria, seguramente, um definitivo terramoto sobre o património da nossa memória.

Referências bibliográficas:
Jones, J. (2016, 31 out.). Italy’s earthquake affects us all: Theirs is a cultural richness like no other. The Guardian. Acedido em https://www.theguardian.com/artanddesign/jonathanjonesblog/2016/oct/31/italy-earthquake-norcia-basilica-st-benedict
LUSA. (2016,1 nov.).  Um sismo como o de Itália iria “arrasar” Lisboa, diz especialista. Público. Acedido em https://www.publico.pt/local/noticia/terramoto-de-1755-foi-maior-do-que-o-do-japao-e-pode-repetirse-diz-especialista-1749572
Sudiro, L., Miliani, S., & Mcgivern, H. (2016, 31 out.). Norcia’s Basilica of San Benedetto among historic sites destroyed by latest Italian earthquake. The Art Newspaper. Acedido em http://theartnewspaper.com/news/news/norcia-s-basilica-of-san-benedetto-among-historic-structures-destroyed-by-latest-italian-earthquake-/
“Terremoto, almeno cinquemila edifici storici colpiti”. (2016, 2 nov.). Il Giornale dell’Arte. Acedido em http://www.ilgiornaledellarte.com/articoli/2016/10/126886.html

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Terramotos sobre o património," in a.muse.arte , 2016/11/02, https://amusearte.hypotheses.org/1570.
  1. As biografias dos santos Bento e Escolástica de Núrcia são conhecidas a partir do Livro II dos Diálogos, atribuídos a São Gregório Magno (540-604, Papa 590-604), a partir do qual se estabeleceu a iconografia beneditina. []

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *