Amália: Saudades do Brasil

Exposição “Amália: Saudades do Brasil
Consulado-Geral de Portugal em São Paulo (BR), 6-27 ago. 2016
Cidade das Artes, Rio de Janeiro (BR), 5 nov.-4 dez 2016

“O sal das minhas lágrimas de amor criou o mar
Que existe entre nós dois p’ra nos unir e separar”
Vinicius de Moraes

Amália Copacabana Palace, 1973, Colecção Privada, Créditos O Globo.

Amália Copacabana Palace, 1973, Colecção Privada, Créditos O Globo.

As palavras de Vinicius de Moraes1 cantadas por Amália Rodrigues deram o mote à exposição que pretende homenagear Amália Rodrigues (1920-1999), a pretexto da comemoração dos 40 anos sobre o lançamento do LP “Amália no Canecão”.

Com o apoio institucional do Consulado Geral de Portugal em São Paulo, do Camões – Instituto da Cooperação e da Língua e da Câmara Municipal de Lisboa, a exposição foi organizada em co-produção da Creative Industries Programmes by SC com o Museu do Fado e o Museu Nacional do Teatro, e foi comissariada por Frederico Santiago, Luís Neves e Sara Cavaco que efetuaram a pesquisa e desenharam o programa em Portugal.

Inauguração da exposição pelo Presidente da República Portuguesa, Marcelo Rebelo de Sousa Foto: Presidência da República, 2016

Inauguração da exposição pelo Presidente da República Portuguesa, Marcelo Rebelo de Sousa
Foto: Presidência da República, 2016

Segundo o comunicado de imprensa, a exposição “dá a conhecer a relação de Amália Rodrigues com o Brasil, a importância deste país na construção da sua presença no mundo e a influência que a artista teve e continua a ter nas novas gerações de criadores, não só na área da música como também nas artes visuais”.

Regista-se, aqui, as recorrentes viagens, os concertos, os discos aí gravados, os autores brasileiros que cantou. A exposição abrange um arco cronológico que inicia em 1944, ano em que a fadista chegou ao Brasil no âmbito da sua primeira tournée internacional, documentada pelo fato que usou na sua estreia no Casino de Copacabana, e que termina na década de 1990.

Através de registos gráficos e sonoros, alguns deles inéditos, são referidos os momentos mais marcantes da relação de Amália Rodrigues com o Brasil: as viagens recorrentes;  os primeiros discos, gravados em 1945 no Rio de Janeiro, onde que Frederico Valério compôs um o fado “Ai, Mouraria”, com letra de Amadeu do Vale, estreado no Teatro República e cujas partituras se encontram expostas; entre 1958 a 1960, a gravação de temas de autores brasileiros (“Cabecinha no Ombro”, “Trepa no Coqueiro”, “Saudade de Itapuã “, “Coroa do Rei”, “Nega Maluca” e “Falsa Baiana”); os poemas de Cecília Meireles, musicados por Alain Oulman; a participação no filme luso-brasileiro “Vendaval Maravilhoso”, realizado em 1949 por Leitão de Barros, sobre a vida do poeta Castro Alves; ou a (pouco conhecida) participação na telenovela “Os deuses estão mortos” de autoria de Lauro César Muniz e exibida pela TV Record em 1971. São igualmente apresentadas obras dos artistas contemporâneos Vik Muniz e Francesco Vezzolli inspiradas artista.

Foto: Presidência da República, 2016

Fato da estreia de Amália no Casino de Copacabana, em 1944
Foto: Presidência da República, 2016

Depois de São Paulo, a exposição será apresentada na Fundação Cidade das Artes, no Rio de Janeiro, de 7 de outubro a 7 de novembro de 2016.

Fonte das imagens da exposição: http://www.presidencia.pt/?idc=10&idi=112685

  1. “Saudades do Brasil em Portugal” foi criado por Vinicius especialmente para a voz de Amália. O fado foi gravado em 1969, numa das memoráveis tertúlias que a artista reunia em casa e na presença habitual de Natália Correia, David Mourão-Ferreira e José Carlos Ary dos Santos. []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *