Ver através das mãos que desenham

O Rijksmuseum, sem acusar a pressão do número de visitantes e sem se atrever a tomar para a inibição da procura, tem vindo a manifestar algum incómodo perante o desconforto e cansaço do público em salas superpovoadas. A missão museológica de “dar a ver” as obras exposta fica comprometida face à multidão que passa ao longo do percurso expositivo, em direção a determinadas obras-primas consideradas essenciais. Nesse sentido, propõe um conjunto de visitas temáticas, que diversificam os percursos, também numa tentativa de descongestionar o acesso às obras mais mediáticas. Não obstante, estudos feitos no museu permitiram concluir que os visitantes não se demoram frente às obras expostas (cfr. Aart Van Harten, guia do museu, cit. in Guillermard , 2016, 5 fev.). Por isso mesmo, tem vindo a apresentar formas alternativas de ver para lá do percurso expositivo em que o visitante se move. Destaca-se a app, com um vasto número de informações complementares e largo espetro de ligações, propostas interpretativas, interativas e lúdicas para aquisição e aplicação de conhecimentos. Estratégias que levem o visitante a fixar o olhar, ao invés de passar sem ver.

Fachada do Rijksmuseum, com o anúncio da campanha #Hierteekenen, ou (#Startdrawing)

Fachada do Rijksmuseum, com o anúncio da campanha #Hierteekenen, ou (#Startdrawing)
Amsterdão, 2015

É também esse o sentido da campanha “Door tekenen zie je meer/ You see more when you draw”, com a hashtag #Startdrawing, lancada numa altura em que o museu apresentava a exposição “Selfies on paper: Self-portraits from Rembrandt to Willink” (2015, 5 nov. – 2016, 20 mar.), numa óbvia alusão à dicotomia analógico-digital. O museu fornece papel e lápis, propondo aos visitantes que façam desenhem a sua própria versão das pinturas expostas1. Contrariando o olhar rápido e superficial sobre as coisas, o museu propõe recuperar um exercício que, a maior parte de nós, deixou esquecido nas antípodas da infância: “When you do this, you begin to see things you never noticed before. You see proportions, details, lines… you get closer to the artist’s secret.” (Rijksmuseum, [2016])

Visitante a desenhar no museu. #Startdrawing

Visitante a desenhar no museu.
#Startdrawing

Desenhar, sobretudo, implica tempo: tempo para observar, descobrir, refletir e tempo para interagir com aquilo que se vê na tentativa de registar através do próprio gesto e da própria expressão criativa.

Retomando o pensamento de Alan Kirby acerca da cultura contemporânea, descrevendo o pseudomodernismo2 como uma época marcada pela trivialidade e, sobretudo, por comportamentos transitórios e superficiais, propiciados (ou, mesmo, impostos) pela cultura digital, a visita ao museu tem vindo a refletir, em certos aspetos, esta tendência para o alheamento: a visão das coisas é um processo que se transfere para a câmara – conferindo um aspeto de permanência àquilo que não se vê agora, mas poderemos apreciar mais tarde; o conhecimento acerca do que se vê é um processo adiado através da apropriação de dados – constituindo acervos informativos, sob o pretexto de, posteriormente, vir a organizar e processar a informação.

Visitantes a desenhar no museu #Startdrawing

Visitantes a desenhar no museu
#Startdrawing

Em contrapartida, a campanha #Startdrawing é uma tentativa de reeducar o olhar e, através, de novas formas de ver, experienciar uma relação mais pessoal e subjetiva com a forma de arte através da mais arcaica e analógica das metodologias. Um contraponto à (excessiva?) virtualização da perceção digital.

Referências bibliográficas:
Couzy, M. (2016, 10 fev.). Eberhard van der Laan: ‘Niets is makkelijker dan Amsterdam verkopen’. Het parool. Acedido em http://www.parool.nl/amsterdam/eberhard-van-der-laan-niets-is-makkelijker-dan-amsterdam-verkopen~a4241955/
Guillermard, A (2016, 5 fev.). Au Rijksmuseum d’Amsterdam: les visiteurs sont les artistes! FranceTV: info. Acedido em http://culturebox.francetvinfo.fr/expositions/peinture/au-rijksmuseum-d-amsterdam-les-visiteurs-sont-les-artistes-234703
Kirby, A. (2006). The death of postmodernism and beyond. Philosophy Now, 58. Acedido em https://philosophynow.org/issues/58/The_Death_of_Postmodernism_And_Beyond
Rijksmuseum [sítio oficial]: You see more when you draw, [2016]. Acedido em https://www.rijksmuseum.nl/en/startdrawing
UNWTO. (2016). UNWTO tourism highlights 2015 edition. Acedido em http://www.e-unwto.org/doi/pdf/10.18111/9789284416899

Fontes das imagens:
http://www.archdaily.com/776643/amsterdams-rijksmuseum-bans-cameras-to-encourage-sketching

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Ver através das mãos que desenham," in a.muse.arte , 2016/06/09, http://amusearte.hypotheses.org/1357.
  1. Não obstante, no documento General terms and conditions for visitors, ponto 5, referente ao Code of conduct, continua a ler-se que “[a visitor] shall not draw or paint whitout the prior consent of the Rijksmuseum” (5.1. i.). Curiosamente, no mesmo texto, também se refere que “[a visitor] shall not hinder other visitors, including […] by interfering for a long period with their view of objects on display” (5.1. b.). []
  2. O pseudomodernismo, uma evolução do conceito de pós-pós-modernismo, corresponde ao panorama sociocultural do início do século XXI. Em 2009, Kirby propõe a designação “digimodernismo”, na obra intitulada, precisamente, Digimodernism: How new technologies dismantle the postmodern and reconfigure our culture. []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *