Torre de Matrera: autenticidade ou falsificação?

A torre de Matrera, em Cádis, foi alvo de uma ação de restauro sob a responsabilidade do arquiteto Carlos Quevedo Rojas. O currículo do arquiteto neste domínio é inquestionável, com dois mestrados em arquitetura e património pelas universidades de Sevilha e de Granada, uma especialização em restauro de monumentos pela La Sapienza de Roma, e responsável por outros projetos de restauro importantes, como o da igreja de El Salvador ou de La Maestranza, em Sevilha. Não obstante, a solução de restauro do castelo de Cádis tem sido questionada e, sobretudo, denunciada como um atentado ao património.

Torre de Matrera, Villamartín, Cádis

Torre de Matrera, Villamartín, Cádis

A torre de Matrera é o que resta de uma fortificação muçulmana datada de finais do século IX.  O significado histórico e o impacto paisagístico, no cimo do cerro de Pajarete, determinaram a classificação patrimonial pela Junta de Andaluzia em 1985, ainda que esteja inserido numa propriedade privada, cujo dono, depois de uma derrocada em 2011, assegurou as obras de restauro, para consolidar os muros existente, prevenir futuros desmoronamentos e recuperar a sua volumetria. O Governo Regional de Andaluzia aprovou o projeto de Quevedo Rojas, aliás em consonância com a lei do Património Histórico andaluz, que proíbe os restauros miméticos, embora sustente o emprego de materiais compatíveis, mas distintos do original para que não se configure como uma imitação ou falsificação do original.

Torre de Matrera, antes e depois do restauro

Torre de Matrera, antes e depois do restauro

O arquiteto preencheu as falhas no edificado existente com um pano liso de argamassa de cal branca, justificando com a existência de vestígios deste material nalgumas zonas do revestimento original da torre. Segundo Quevedo, citado pelo ArchDaily:

This intervention sought to achieve three basic objectives: to structurally consolidate the elements that were at risk; to differentiate the additions from the original structure (avoiding the mimetic reconstructions that our law prohibits) and to recover the volume, texture and tonality that the tower originally had. The essence of the project is not intended to be, therefore, an image of the future, but rather a reflection of its own past, its own origin (Quevedo Rojas, cit. in Tomás Franco & Watkins, 2016, 16 mar.).

O restauro associa, a uma corrente neo-brutalista, uma tendência atual para restaurar construções, reconstruindo as partes arruinadas com adições lisas e brancas que recuperam a estrutura e o volume original, sem quaisquer elementos adicionais ou decorativos. Como, aliás, já havia acontecido na década de 1990, com o teatro romano de Sagunto, perto de Valência, ou, por cá, nalgumas reconstituições efetuadas em Conímbriga na primeira década deste século.

Torre de Matrera: aspeto do restauro

Torre de Matrera: aspeto do restauro

Não obstante, o contraste entre o antes e o pós-restauro suscitou uma onda de críticas que se tornou viral e reclamou semelhanças com a polémica acerca do Ecce Homo de Borja. A imprensa internacional fez eco dos comentários surgidos nas redes sociais, referindo-lhe como atentado ao património, desastre, restauro lamentável, escândalo… Enquanto o arquiteto reivindica a Carta de Atenas e descreve a intervenção em função da técnica de anastilose implicando que todos os elementos de integração sejam facilmente identificáveis, outros relembram que aí também ficou definido que a intervenção deve ser reduzida ao mínimo necessário para assegurar a conservação do monumento e restabelecer a continuidade das formas, considerando que a obra na torre foi excessiva.

Em termos imediatos, o resultado mais relevante da polémica é a propaganda do lugar que se tornou uma nova atração turística, o que remete para uma reflexão em torno da autenticidade. O debate tem sido recorrente no contexto da relação entre turismo e património no contexto da cultura pós-moderna e na sequência da obra seminal de MacCannell (1976) que analisava uma “staged authenticity”, onde o passado se apresentava desconectado e fragmentado. Lengkeek, em 2008, refletindo sobre a autenticidade do discurso do património, perguntava se “do we want to represent a particular ‘state’ or a ‘process’?”  (p. 7) para definir que “The expert definition of authenticity, originality or the genuine is never final nor objective” (id., ibid.). Em certa medida, Lengkeek, na continuidade de Lowenthal (1989), propõe um esquema de várias camadas de autenticidade anexas a cada bem patrimonial, bem como vários domínios de interpretação e representação: conceptual (como foi), contextual (como se relaciona com o contexto) e funcional (para que serviu). Também, Simon Schama (1995) definia a paisagem (patrimonial) como um espaço carregado de memórias, cujas camadas se sobrepõem consoante as épocas, pelo que a autenticidade do lugar não é um parâmetro objetivo e, portanto, pode ser discutível. Por outro lado, Timothy e Boyd (2003) referia o “commodified heritage” (p. 240), ou modernização da antiguidade como um fator destruidor da autenticidade, mas, ao mesmo tempo, advertia para o seu caráter relativo no sentido em que pode ser criado pelo universo das experiências pessoais do visitante e das suas influências culturais a par da realidade histórica (p. 247).

Torre da Matrera, antes do restauro

Torre da Matrera, antes do restauro

A literatura aponta genericamente para o caráter difuso da autenticidade do património. Por conseguinte, pode questionar-se se a intervenção feita na torre de Matrera terá retirado autenticidade ao monumento. Sobretudo, tendo em consideração que a integralidade do monumento há muito que havia sido truncada. A autenticidade do monumento coincide com o que foi no momento da criação, ou com o acumular das sedimentações sofridas ao longo do tempo? A torre de Matrera perdeu autenticidade? Era mais verdadeira antes, do que é agora? Quando se questiona a razoabilidade deste restauro, que alternativas se propõem?

O monumento é o que foi, juntamente com aquilo que o tempo lhe aporta, com todas as adaptações e transformações, com as adições e as subtrações que sofreu, sendo cada marca o testemunho e documento de uma época. Se – apenas “se” – o monumento for considerado como uma entidade orgânica, a intervenção de Quevedo na torre de Matrera é mais uma marca, registo de uma época, de um conceito produto da nossa contemporaneidade.

Enquanto dura o debate em torno da autenticidade, ou da destruição da autenticidade do monumento, os turistas continuam a afluir e a torre é agora mais visitada do que nunca – até porque, antes, o proprietário condicionava o acesso à propriedade e, agora, parece mais condescendente… O que prova que a “autenticidade” requerida pelo visitante comum não coincide com a “autenticidade” definida pela comunidade científica.

Referências bibliográficas:
Lengkeek, J. (2008). The authenticity discourse of heritage. In D. J. Breeze & S. Jilek (Eds.), Frontiers of the Roman empire: The European dimension of a world heritage site (pp. 37 -53). Edinburgh: Historic Scotland.
Lowenthal, D. (1993). The past is a foreign country. London: Cambridge University Press.
Schama, S. (1995). Landscape and memory. London: Harper Collins Publishers.
Tomás Franco, J., & Watkins, K. (trad.). (2016, 16 mar.). Cádiz castle restoration: Interesting interpretation or harmful to heritage? ArchDaily. Acedido em http://www.archdaily.com/783861/cadiz-castle-restoration-interesting-interpretation-or-harmful-to-heritage

Fonte das imagens:
http://www.archilovers.com/projects/173151/restoration-of-matrera-castle.html

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Torre de Matrera: autenticidade ou falsificação?," in a.muse.arte , 2016/03/25, https://amusearte.hypotheses.org/1246.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.