Um retrato para o Presidente

Barahona Possolo nasceu em 1967, em Lisboa, onde se licenciou em pintura pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa Encontra-se representado nas coleções do Banco de Portugal, dos museus de Setúbal e das Comunicações. A última exposição ocorreu em dezembro passado no Espaço Cultural das Mercês.

Vénus entre o pudor e a luxúria Barahona Possolo, 2010

Vénus entre o pudor e a luxúria
Barahona Possolo, 2010

Pintor de expressão hiper-realista, inscrito numa nova figuração erótica que, em certa medida, permite evocar algumas obras de Jeff Koons, ambos com uma iconografia erótica de grande detalhe, em particular, na representação explícita da anatomia genital – na página oficial, adverte-se acerca dos conteúdos para adultos –, exprimindo-se Barahona em temas clássicos e cenários que oscilam entre o minimalismo, o exotismo dos gabinetes de curiosidades e a exuberância dos adereços barrocos.

Em 2013, a propósito da exposição “All you can eat: Uma interpretação dos sete sabores”, afirmava à Time Out Lisboa (3013, 27 nov.): “Quase tudo o que faço tem algum erotismo de forma explícita ou subtil” (cit. in Horta, 2015). Além disso, justificava:

“Pelo realismo das imagens, talvez se possa dizer que sou retratista. Interessa-me um retrato da emoção do momento, mas não o retrato-imitação, de porcelana, isso não me interessa nada, até porque os temas que escolho partem qualquer loiça”. (Id., ibid.)

Barahona Possolo foi o escolhido para o retrato oficial do Presidente Cavaco Silva. Foram pintados dois retratos e um grupo restrito de 40 pessoas votou no melhor, sem conhecer o nome dos respetivos autores. De resto, continua sem ser conhecido o nome do preterido.

Retrato do Presidente Cavaco Silva Barahona Possolo, 2016

Retrato do Presidente Cavaco Silva
Barahona Possolo, 2016

Barahona Possolo assumiu a vertente de retratista e conformou-se às exigências do formalismo, apresentando exprime a imagem que o Presidente pretende projetar: expressão tirada pelo natural, de fato escuro, camisa branca e gravata vermelha, com o emblema da Ordem1 na lapela. O fundo é ocupado pela bandeira nacional desfraldada; em primeiro plano, o tinteiro de prata em confronto com a caneta de tinta permanente que empunha na mão direita, enquanto a esquerda está apoiada em vetustas encadernações de pele, com nervuras e ferros a dourado, com marcadores de papel a sair do miolo, sugerindo consultas aturadas. Distingue-se, nas lombadas, os títulos da Constituição Portuguesa (num volume excessivo) e A riqueza das nações, de Adam Smith, a obra crucial do pensamento liberal. Segundo Barahona Possolo, “a caneta é um princípio de ação, de que está a dar despacho, trabalho. A Constituição e o volume do Adam Smith são os dois livros que estão descritos e isso foi uma escolha do Presidente” (cit. in Almeida, 2016, 6 mar.).

É o retrato possível, fazendo jus a quem é retratado e a quem o pintou.

Referências bibliográficas:
Almeida, M. (2016, 6 mar.) “Escolher o meu retrato foi um acto de coragem [entrevista a Barahona Possolo]”. Diário de Notícias. Acedido em http://www.dn.pt/artes/interior/escolher-o-meu-retrato-foi-um-acto-de-coragem-5063234.html
Horta, B. (2015). Uma década queer: 50 entrevistas em português (2004-2014). Lisboa: Indexbooks.

Fontes das imagens:
http://www.barahonapossollo.com/gallerypt.html 
http://images-cdn.impresa.pt/expresso/2016-03-04-PR-Retrato-Oficial.jpg/original/mw-768

  1. Banda das Três Ordens (roseta), insígnia exclusiva do chefe do Estado, Grão-Mestre das Ordens Honoríficas Portuguesas []

4 comentários a “Um retrato para o Presidente

  1. Não há como o olhar de mestre para nos ensinar a ver. Obrigada, Isabel, por esta lição de iconografia.
    Depois de consultado o link, os calendários de garagem ganham o estatuto de obra erudita.
    Estamos em tempo quaresmal, contudo, deseja-se que não haja ressureição.

    • Esta é uma época em que se esbatem as fronteiras entre alta e baixa cultura, pelo que não espanta a promoção dos calendários de garagem. Veja-se, de resto, o caso do calendário Pirelli para 2016, com fotografias de mulheres relevantes como actriz Yao Chen, a primeira chinesa Embaixadora da Boa Vontade do Alto Comissariado da ONU para Refugiados, ou Yoko Ono e Patti Smith, e autoria de Annie Leibovitz. Mesmo assim, concordo consigo: há coisas que não queremos ver ressuscitadas.
      Obrigada, Maria João, pelo seu comentário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *