Uma folha de parra sobre a nudez da (nossa) vergonha

Os Museus Capitolinos, em Roma, optaram por cobrir as esculturas representações de nus por ocasião da visita do presidente do Irão, Hasán Rohaní, obedecendo ao pedido da delegação iraniana. Pelos mesmos, a sala onde o presidente Rohaní e o primeiro ministro italiano Matteo Renzi receberam a imprensa internacional, foi modificada de forma a tornar menos evidente a escultura equestre de Marco Aurelio, uma das raras esculturas de grandes dimensões e em bronze da época clássica que conseguiu ser preservada até aos nossos dias.

Museus Capitolinos Foto: AP Photo/Gregorio Borgia, s.d.

Museus Capitolinos
Foto: AP Photo/Gregorio Borgia, s.d.

Museus Capitolinos Foto: Giuseppe Lami/ANSA via AP, 25 jan. 2016.

Museus Capitolinos
Foto: Giuseppe Lami/ANSA via AP, 25 jan. 2016.

As imagens que nos chegam registam uma estranha instalação de grandes blocos brancos, caixas de contraplacado sob as quais se escondem as esculturas consideradas inapropriadas pelos padrões culturais iranianos.

Segundo fontes diplomáticas italianas, citadas pelo diário espanhol “El Mundo”, esta medida é “uma forma de respeito pela cultura e sensibilidade iraniana”. Por seu turno, os analistas políticos denunciam que, na realidade, esta submissão do governo italiano tem um propósito essencialmente económico: Rohani viaja com uma delegação de empresários e tem vindo a promover uma série de memorandos de entendimento para a cooperação comercial e industrial, bem como a assinatura de contratos avaliados em muitos milhões de euros.

O pedido da delegação iraniana situa-se na lógica da intolerância cultural que tem sido apanágio das últimas décadas do regime religioso que governa o país, apesar da postura moderada de Rohaní, um homem culto, formado na Universidade de Teerão e doutorado em Glasgow, com referenciada atividade de investigador e que defende uma relação mais construtiva com o mundo ocidental.

A aceitação e a reverência do governo italiano, essa, é objeto de escândalo que se tem repercutido por toda a Europa. Roma e, particularmente, os Museus Capitolinos detêm o património histórico-artístico de uma época matricial da nossa cultura. Cobrir as Vénus clássicas, sob o pretexto da sua nudez, confirma a mediocridade (e a cobardia) das forças que nos governam. É uma manifestação de ignorância de quem não consegue alcançar o sentido desta atitude de subserviência e que nos envergonha a todos.

Cobrir as esculturas clássicas – seja por motivos políticos, económicos, diplomáticos – é a negação implícita da cultura, da história e da arte que constituem a matriz da nossa identidade. Essa, sim, é a maior das vergonhas. Assim houvesse uma parra, uma folha de figueira, que pudesse ocultar.

Fonte das imagens: http://www.newscenter1.tv/story/31061009/italy-hides-ancient-museum-nudes-from-iranian-president

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Uma folha de parra sobre a nudez da (nossa) vergonha," in a.muse.arte , 2016/01/27, https://amusearte.hypotheses.org/1175.

1 comentário a “Uma folha de parra sobre a nudez da (nossa) vergonha

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *