O que é a arte (de) hoje?

No grupo de Facebook “Arte, museus e património” costuma haver uma publicação marcada com a indicação das publicações consideradas adequadas: “O objetivo deste grupo é ser uma plataforma de informação, exclusivamente, nos domínios das artes visuais, dos museus e do património cultural: notícias, análises, artigos de opinião, estudos…“
facebook-04

A análise dos conteúdos – para lá das virulentas publicações de empréstimos ou de vídeos pornográficos – autoriza uma reflexão acerca do conceito de arte e património. Ou melhor, acerca do que os membros deste grupo consideram inserir-se nestes domínios, o que deriva dos seus conceitos particulares de arte e de património.

Jean-François Lyotard (1979), ao situar o sim das metanarrativas provocado pelo desenvolvimento das novas tecnologias e dos meios de comunicação de massas, no contexto cultura pós-moderna, desenvolveu o conceito de “jogo de linguagem” introduzido por Wittgenstein para sustentar a tese de que diferentes indivíduos (ou classes de indivíduos) usam a mesma linguagem de diferentes formas, o que implica também diferentes formas de ver o mundo ou a realidade externa. A visão única e abrangente da metanarrativa cede o lugar à pluralidade e confluência de pequenas narrativas. Apesar das críticas de que foi alvo, o pensamento de Lyotard acerca do pós-modernismo parece fazer cada vez mais sentido. Nos vários domínios da arte, como também no pensamento filosófico e político, assistiu-se à derrocada dos discursos dominantes e à progressiva visibilidade de expressões minoritárias e marginais.

Seguindo uma tendência que se anunciava nalgumas correntes modernistas e, em particular no Dadaísmo, a arte tornou-se uma forma de expressão eclética, mais conceptual que emocional, mais artificiosa que telúrica, definitivamente eclética e ambígua.

Talvez por isso, o enunciado publicado no grupo, propondo-se como uma “plataforma de informação, exclusivamente, nos domínios das artes visuais, dos museus e do património cultural” tenha efeitos tão diversificados e tão afastados dos seus sentidos mais arcaicos e restritos. O facto de solicitar informação relevante, especificando “notícias, análises, artigos de opinião, estudos” e de advertir que “não sendo um grupo vocacionado para apresentação de fotografias”, estas são aceites desde “acompanhadas por informação relevante acerca do que representam e do seu significado” também não altera, nem restringe, o tipo de publicações.

Constata-se, em primeiro lugar, a difícil distinção entre “artes visuais” e outras expressões performativas ou de virtuosismos e manualidades: é o caso da imagem de “The nightmare: Homenagem a Pina Bausch”, ou da notícia acerca “The tragic true story behind the Danish Girl”, ou do álbum de fotos do “Volkswagen Fusca – Arte vintage”.

facebook-01

A arte torna-se a amálgama de tudo o que é feito ou criado pelo homem: pode ser um esboço feito num caderno de bolso, uma fotografia amadora, uma animação, um grafismo… Esbate-se a distinção entre arte, património, cultura e documento histórico ou vestígio do passado.

A condição de antigo é um pretexto igualmente abrangente para grande parte das publicações, sobretudo quando se lhe associa a nostalgia de um passado irremediavelmente perdido capaz de despertar memórias e emoções pessoais. Daí o êxito das publicações de Lisboa desaparecida ou Lisboa de antigamente.
facebook-02

Também as publicações de tabelas classificativas, as listas dos monumentos mais-qualquer-coisa, as curiosidades acerca dos lugares, o episódico ou anedótico são linhas predominantes nos conteúdos do grupo, em detrimento da pretendida informação mais analítica.

facebook-03

A observação dos conteúdos, tendo subjacente os conceitos que levaram à sua publicação, permite a constatação do hibridismo cultural e do esbatimento dos limites entre alta e baixa cultura, entre cultura dominante e subculturas, igualmente genuínas mesmo se instáveis e ecléticas. A novidade da perspetiva pós-pós-modernista está aqui patente, ao assumir a miscigenação derivada do esbatimento de fronteiras entre as várias expressões, mas também do fenómeno de globalização e da participação num sistema de informação globalmente conectado e aberto à argumentação entre todos.

Após a desmaterialização do conceito de arte entre os seus agentes diretos (os artistas) e os leitores imediatos das suas obras (os críticos) e o consequente pluralismo da criatividade estética, próprios do pós-modernismo, assiste-se agora à hegemonização do conceito no âmbito das audiências.

A alteração do paradigma comunicacional provocado pelas novas tecnologias da informação abriu o arco da audiência. A arte deixou de ser um tema exclusivo das elites intelectuais e o debate acerca dela saiu do círculo restrito da academia para tomar assento na praça pública das redes sociais. Em sentido inverso, os novos públicos impõem o alargamento do conceito de arte, cultura e património, em função do próprio gosto e discernimento, e promovem expressões tradicionalmente menosprezadas.

São, porém, estas audiências que têm vindo a ser promovidas pela semiótica como parte integrante da obra de arte, no sentido em que são as suas leituras, individuais e singulares, que lhe atribuem um sentido, sem necessariamente confirmar ou sintonizar a intenção do autor/criador. Tal como sucede com a cultura, também a arte deixou de ser um conceito monolítico para consentir, não só a proliferação de manifestações criativas, como a participação de múltiplas “culturas” e estratos culturais, de resto, cada vez mais indiferenciados. Em certa medida, o multiculturalismo, defendido pelas massas e pelas elites, torna cada vez mais difícil distinguir aquilo que é um produto cultural ou artístico, daquilo que o não é.

Esta ambiguidade parece atingir os próprios artistas. Jonathan Jones, numa reflexão sobre a produção artística em 2015, considera que “This year saw politics and ideology smother the art world in good intentions” (2015, 29 dez.), concluindo que “Art in 2015 was an academic’s morose porridge of pious intellectual clichés” (Id.), fazendo lembrar as considerações de Andrea Semprini acerca do “politicamente correto” multiculturalismo no âmbito da linguística:

“[…] la préoccupation essentielle [do politically correct] est d’éviter que la sensibilité ou l’auto-estime des différents groupes sociaux, minorités ou individus, puissent être offensées ou amoindries par des propos, des attitudes ou des comportements non appropriés, de nature à induire ou à renforcer chez la personne concernée une vision dévalorisée ou culpabilisante d’elle-même.” (Semprini, 1996, 42)

A ambiguidade e a neutralidade da arte, no sentido de que fala Jonathan Jones, podem ser encaradas como uma consequência do fenómeno de globalização e da des-diferenciação cultural. A arte, ao longo do século XX, foi genericamente um processo de ruturas, assumindo o risco do inesperado, da contestação e da rebelião; porém, “now we’re back in smallville, in that eternal province where culture is rational, sombre, serious and ethical” (Jones, op. cit.), a que não serão estranhas as tendências do mercado.

Entre a generalização do conceito por parte dos públicos e a conformação dos artistas à normalidade da mediania, hoje em dia, o que é a arte?

Referências bibliográficas:
Jones, J. (2015, 29 dez.). Unleash the badness! Why the art world needs more sleaze and less morality. The Guardian. Acedido em http://www.theguardian.com/artanddesign/jonathanjonesblog/2015/dec/29/unleash-the-badness-why-the-art-world-needs-more-sleaze
Lyotard, J.-F. (1979). La condition postmoderne: Rapport sur le savoir. Paris: Les Éditions de Minuit.
Semprini, A. (1997). Le multiculturalisme. Paris: Presses Universitaires de France.

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "O que é a arte (de) hoje?," in a.muse.arte , 2016/01/06, https://amusearte.hypotheses.org/1150.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *