a-muse-arte 2015, em jeito de balanço

Em jeito de balanço, pode dizer-se que, durante o ano de 2015, foram publicados 33 artigos, geralmente entre 2 a 3 por mês. Houve 24.038 visitantes, dos quais cerca de 50% foram reincidentes, o que se traduziu em 40.280 páginas visitadas.1

Sem Título-1

Os dez artigos mais lidos registaram, cada um, um índice superior a 350 leituras, mas a maioria (os seis primeiros) registou mais de 500 leituras. A média de leitura de cada artigo é de cerca de 3 minutos.

O artigo que mais se destacou, com 2.636 leituras, foi “O não-museu dos Coches”, o que aponta para um dos temas nacionais que gerou mais polémica: a inauguração das novas instalações do museu, num edifício milionário, projetado por Paulo Mendes da Rocha, um dos mais renomeados (e caros!) arquitetos da atualidade e Prémio Pritzker 2006, cuja estética e implantação urbana não é consensual, mas onde a principal controvérsia foi motivada pela inexistência de um projeto museológico.

Museu dos Coches Foto: MIR, maio 2015
Museu dos Coches
Foto: MIR, maio 2015

Em segundo e terceiro lugar, com quase 600 leituras, ficaram artigos acerca de exposições de dois artistas portugueses: Era uma vez uma pintora chamada Josefa…, sobre uma das mais proclamadas e estudadas pintoras, no Museu de Arte Antiga; e Mário Rita, “le voyeur” no caminho da luz, ainda não tão (re-)conhecido artista contemporâneo, na galeria Miguel Justino Contemporary Art.

Crucificação; Ressurreição Mário Rita, 2015 Exposição "Les Voyeurs"
Crucificação; Ressurreição
Mário Rita, 2015
Exposição “Les Voyeurs”

No conjunto dos dez artigos mais lidos, estão ainda outros sobre temas que geraram discussão pública: “Narrativas de uma coleção acidentada”, acerca da exposição da coleção SEC no Museu Nacional de Arte Contemporânea, provocando a demissão de David Santos, diretor do museu e curador da exposição; “Os museus da Gulbenkian na rota de um novo ciclo”, sobre a nomeação de Penelope Curtis para o cargo de diretora do Museu Calouste Gulbenkian.

A intenção deste blogue sempre foi falar e refletir sobre temas de museologia da arte, de uma forma descontraída (e amus[é]e), ao correr da vontade, consoante os assuntos aparecessem, ou surgisse um pretexto, sem grandes pretensões de lógica entre eles e, ainda menos, ser exaustiva em relação aos assuntos mais relevantes da atualidade. O objetivo está nas antípodas da crónica factual, pretendendo analisar questões relativas à praxis museológica, sobretudo nas vertentes da comunicação e da mediação cultural. Talvez com a ambição demasiado pretensiosa de combater a lacuna de investigação teórica nestes domínios, para lá da descrição de estudos de caso, mesmo desconfiando que não haveria audiência para uma abordagem mais analítica, sobretudo, através de um blogue. No entanto, no conjunto dos 10 mais lidos, a meio da tabela, estão precisamente três artigos com uma lógica mais argumentativa: “Acerca do que (ainda) falta ao património” aborda as fragilidades dos modelos de comunicação em espaços patrimoniais; “O dilema do museu: permitir, regular ou proibir?” fala dos comportamentos dos públicos e das experiências facultadas pelo museu;  “Título, autor e data”: o que diz uma tabela?” questiona a informação disponibilizada acerca dos objetos expostos. Afinal, há quem leia, há quem comente, há quem ajude a refletir apontando outras perspetivas…

Utilização de recursos de Humanidades Digitais no Museum of Modern Art (MoMA) Foto: MIR, 2014.
Utilização de recursos digitais no Museum of Modern Art (MoMA)
Foto: MIR, 2014.

Por tudo isso, dois anos depois, o a-muse-arte irá continuar, da mesma forma, com um empenho fortalecido pela presença de todos os que por aqui passaram.

Obrigada a todos!

  1. Dados atualizados a 28 Dez 2015, às 03:15 horas. []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.