O Menino-Rei e as searinhas do Natal

No dia de Natal, íamos visitar o presépio que as primas armavam no grande oratório da sala. Ao contrário do nosso, que tinha a cabaninha com a Sagrada Família e os animais, com uma grande estrela iluminada, e um sem fim de socalcos de cortiça e musgo onde dispúnhamos as figurinhas de barro, o presépio das primas era apenas o Menino e pratinhos de verdura sobre a toalha branca do altar.

Presépio algarvio: trono com a imagem do Menino Jesus, searinhas e laranjas
Foto: MIR, 2015

No Algarve, os primeiros dias de dezembro, até ao dia da Imaculada Conceição, era a altura de deitar os trigos. As sementes de trigo, ou de cevada, ou de ervilhacas eram postas de molho até abrirem o olhinho. Dispunham-se, então, sobre uns trapinhos, que se mantinham húmidos em pequenas vasilhas de barro ou latas de sardinha até crescerem as searinhas que se colocavam a ornamentar o presépio, por altura da festividade da Senhora do Ó1, a 17 de dezembro, dia em que se iniciava a novena do Natal.

Não era o presépio convencional do Menino deitado nas palhinhas, adorado pela Virgem e S. José, aquecido pelo bafo do boi e da vaca. Sem o figurado dos reis e dos pastores, nem a representação das cenas de género e do quotidiano popular na preparação do inverno.

Cobria-se uma cómoda com uma toalha branca, bordada ou rendada, e sobre ela dispunha-se uma estrutura piramidal em escada feita com as medidas do trigo, igualmente coberta por panos de linho dispostos de forma a mostrar os lavores. Nos degraus deste trono, dispunham-se então os pratinhos com as searinhas viçosas e as laranjas; às vezes, também, maçãs, laranjas, castanhas e nozes. Frutas da época e que eram quase sempre os únicos presentes do sapatinho e que se ofereciam às visitas no dia de Natal. À volta, ornamentava-se a sala com jarras com ramos de laranjeira, loureiro, murta, nespereira… Ou dispunha-se a verdura em arco, a emoldurar o trono. No topo, ficava o Menino, obra de artesãos locais, os pinta-santos ou faz-santos algarvios.

Presépio algarvio: trono com a imagem do Menino Jesus, searinhas e laranjas
Foto: MIR, 2019

Nestes presépios, o Menino era o Salvador do Mundo, com os atributos reais do cetro e da coroa, um manto sobre a camisinha de seda ou de linho, o globo ou a cruz na mão esquerda, enquanto a direita se erguia a abençoar. Ao lado, ficava a lamparina de azeite que se mantinha acesa desde esse dia até à festa dos Reis.

Depois das festas, as searinhas, que tinham sido abençoadas pelo Menino, eram deitadas à terra para providenciar as boas colheitas.

A tradição do presépio da serra algarvia (Duarte, 2011), estendendo-se do Baixo Alentejo às ilhas – as “lapinhas” da Madeira, ou os “altarinhos” dos Açores – aponta para uma influência provençal, onde desde a época medieval se semeava “le blé de la creche” em pequenos pratos de porcelana, “les siétouns” (Vloberg, 1934, pp. 214-215) e para as reminiscências das feriae sementinae celebradas em Roma durante o mês de dezembro.

Referências bibliográficas:
Duarte, J. C. (2001). Natal no Algarve: Raízes medievais. Lisboa: Colibri.
Vloberg, M. (1934). Les Noëls de France: Ouvrage orné de 164 héliogravures; couverture et hors-texte: enluminures de Robert Lanz. Grenoble: B. Arthaud.

(cite)

  1. A designação deste tipo iconográfico não advém do formato arredondado do ventre da Virgem a evidenciar a gravidez, mas do vocativo O com que começavam as Antífonas cantadas entre 17 e 23 de dezembro: O Sapientia, quae ex ore Altissimi prodiisti; O Adonai, et Dux domus Israel; O Radix Jesse, qui stas in signum populorum; O Clavis David, et sceptrum domus Israel; O Oriens, splendor lucis aeternae, et sol justitiae; O Rex Gentium, et desideratus earum; O Emmanuel, Rex et legifer noster. []

2 comentários em “O Menino-Rei e as searinhas do Natal”

  1. Dos objectos que não se deitavam fora, o uso da lata de sardinhas para as sementes “até abrirem um olhinho” é tão maravilhoso. Quase dá vontade de chorar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search