Biblioteca e casa-museu: perfil do colecionador Anselmo Braamcamp Freire

Museu Municipal de Santarém | Casa Museu Anselmo Braamcamp Freire
Santarém

Casa Museu Anselmo Braamcamp Freire, no primeiro andar do antigo palácio dos Barões de Almeirim
Santarém, Biblioteca Pública e Museu Municipal

Um colecionador que doa o seu espólio bibliográfico e artístico com a intenção de o tornar aberto e acessível foi o pretexto para a criação de um museu e biblioteca que lhe perpetuam o nome e a memória.

Busto de Anselmo Braamcamp Freire
António Teixeira Lopes, s.d.
Santarém, Casa Museu Anselmo Braamcamp Freire

Anselmo Braamcamp Freire (1849-1921) nascido em Lisboa, manteve sempre presentes os laços familiares ao Ribatejo. Politicamente ativo, foi, entre outros cargos, vereador e presidente da Câmara Municipal de Lisboa (1908-13), Deputado às Câmaras Constituintes de 1911 e o primeiro Presidente do Senado da República.

Biblioteca
Santarém, Casa Museu Anselmo Braamcamp Freire

Homem erudito, foi um dos fundadores do Arquivo Histórico Português, em 1903, e distinguiu-se como escritor, historiador, arqueólogo e genealogista, deixando uma obra profícua e diversificada. Na confluência de todas estas circunstâncias, reuniu uma biblioteca e uma coleção de arte que documentam os seus interesses intelectuais e gostos estéticos em linha com a tendência decorativa de finais do século XIX e transição para o século seguinte.

Por disposição testamentária de 31 de agosto de 1921, Anselmo Braamcamp Freire doou à cidade de Santarém:

[…] todos os meus livros, impressos e manuscritos, todos os meus quadros a óleo, aguarelas, desenhos, gravuras et caetera; todos os meus móveis artísticos, contadores, bufetes trenós, armários, et caetera; e mais lhe deixo a minha casa apalaçada e suas pertenças, na Rua da Amargura da dita cidade para no edifício ser estabelecida uma biblioteca pública, adornada com os painéis e objetos acima referidos e para a qual servirão de núcleo os livros que lhe lego” (testamento assinado por Anselmo Braamcamp Freire, transcrito em texto no museu e em Amado & Mata, 2022, p. 28)

Biblioteca
Santarém, Casa Museu Anselmo Braamcamp Freire

O acervo da biblioteca é constituído por cerca de 10.000 volumes, onde se incluem manuscritos, incunábulos e exemplares raros de livro antigo, como a primeira edição da Ásia de João de Barros (1552-1615), ou a Segunda parte da chronica do feliçissimo Rei Dom Emanuel, de Damião de Gois (1566) com assinatura autógrafa do autor na folha de rosto, ou a História do descobrimento & conquista da India pelos portugueses, de Fernão Lopes de Castanheda (1554-1561), contendo igualmente assinatura autógrafa do autor.

Coleção de arte
Santarém, Casa Museu Anselmo Braamcamp Freire

A coleção

Coleção de arte; na parede, ao fundo, as pinturas Fuga para o Egipto e Natureza-morta (2), de Josefa de Ayala e Cabrera, conhecida como Josefa de Óbidos; ao centro, réplica em gesso da Vénus de Milo
Santarém, Casa Museu Anselmo Braamcamp Freire

Trata-se de “uma coleção muito variada e heterogénea e que revela, sobretudo, a sua história pessoal, o seu gosto conservador e a sua ideologia liberal e republicana” (L. M. [Luis Mata], in Amado & Mata, 2022, p, 20), permitindo a inclusão de réplicas.

Coleção de arte e documentos; em baixo, listagem das obras da coleção
Santarém, Casa Museu Anselmo Braamcamp Freire

O museu define três tipologias aquisitivas na constituição da coleção (id., pp-24-26): obras relacionadas com a história pessoal e contexto da época do colecionador, onde se incluem a pintura holandesa, pelas suas afinidades com o ramo holandês dos Braamcamp, e a retratística familiar; objetos adquiridos por oportunidade, como as pinturas da antiga coleção do rei D. Fernando II, arrematadas em leilão; obras de correntes estéticas em crescente implantação no mercado oitocentista e de autores seus contemporâneos, como os pintores Manuel Bordalo Pinheiro (1815-1880), Tomás da Anunciação (1821-1879), Miguel Lupi (1826-1883), Francisco Metrass (1825-1861), Alfredo Keil (1850-1907), José Malhoa (1855-1933) e Dórdio Gomes (1890-1976) e os escultores Teixeira Lopes (1866-1942) e Simões de Almeida (1880-1959).

Coleção de arte
Santarém, Casa Museu Anselmo Braamcamp Freire
Feira de cavalos
Tomás da Anunciação, 1866
Coleção de arte e documentos; em baixo, listagem das obras da coleção
Santarém, Casa Museu Anselmo Braamcamp Freire

Definir uma narrativa expositiva a partir de um legado é uma tarefa ingrata, num processo que inclui a predisposição subjetiva do seu colecionador, sobretudo se, como é o caso, este visualizou a casa como um espaço expositivo da sua coleção.

In this process, which treats interior design as a simple and recognizable tool of self-representation, the house was forced to abandon its potential freedom to accumulate all sorts of objects, and to change its normal appearance for a kind of `museumization’, reflecting the owner’s approach in the reproduction of one or more styles. (Pavoni, 2001, p. 16)

Todo o processo de musealização envolve um artifício mas, neste caso, acresce o facto de operar sobre a artificialização inicial do espaço doméstico e sobre as vivências e escolhas pessoais e subjetivas do seu possuidor.

Coleção de arte
Coleção de arte e documentos; em baixo, listagem das obras da coleção
Santarém, Casa Museu Anselmo Braamcamp Freire

Se no espaço da biblioteca foi possível reconstituir a biblioteca pessoal de Anselmo Braamcamp Freire, recuperando as estantes e, por conseguinte, disposição dos objetos segundo a opção metódica do colecionador, a coleção de arte evoca os ambientes quotidianos, mas não os reproduz. A reconstituição dos espaços domésticos é inviabilizada pela seleção prévia do doador e, por conseguinte, pela imagem identitária que ele próprio quis projetar através da coleção. A ação curatorial vê-se, assim, limitada pela intenção que presidiu à constituição do acervo e às determinações da sua disponibilização pública, deixando ao observador a função de “to inhabit a ready‐made narrative” ou de produzir a sua própria interpretação através de uma “‘active critical reading of the past’ (Gregory & Witcomb, 2007, p. 269). Nestas circunstâncias, a musealização do espaço não envolve a criação de uma narrativa própria, no sentido em que prevalece aquela que é intrínseca à forma e ao conteúdo da própria coleção, e poderia ter-se limitado à disposição das obras no espaço e à criação de suportes e complementos expositivos. Não foi o caso da Casa-museu Anselmo Braamcamp Freire.


Natureza-morta e respetiva legenda interpretativa
Josefa de Ayala e Cabrera, conhecida como Josefa de Óbidos, 1676
Santarém, Casa Museu Anselmo Braamcamp Freire

Sem conceber uma articulação de sentido entre os objetos, a ação museológica concentrou-se na conceção de um espaço interpretativo através das suas micro-histórias. É louvável o esforço de (pequeno) museu que partilha o quadro de pessoal da biblioteca adjacente em criar chaves-de leitura para a interpretação do acervo exposto. As representações de figuras e cenas são descritas nas suas componentes denotativas e conotativas. Mesmo que a perspetiva do emissor seja inevitável, é nítido o rigor da explicação aliado a uma linguagem acessível. Acresce o facto de a visita ser acompanhada por alguém suficientemente discreto para permitir a deambulação e contemplação do visitador sem constrangimentos, mas também para responder às questões e dar as indicações necessárias à compreensão do exposto.

É bom experienciar um museu desta forma, numa visita que ultrapassa largamente a expetativa (limitada) de encontrar as fabulosas naturezas-mortas de Josefa de Óbidos “do melhor que a sua arte alguma vez produziu no género bodegonístico, juntando elementos de doçaria regional e de confeitura fria, às flores, frutos, salvas e metal e aos barros” (V. S. [Vitor Serrão], in Amado & Mata, 2022, p. 30).

Coleção de arte
Santarém, Casa Museu Anselmo Braamcamp Freire

É muito mais que isso e vale uma visita vagarosa, que se deixe seduzir pelas obras expostas e  permita a descoberta do detalhe.

Referências:
Amado, C. & Mata, L. (Eds.). (2022). Braamcamp Freire: O génio poliédrico [catálogo da exposição]. Câmara Municipal de Santarém.
Gregory , K., & Witcomb, A. (2007). Beyond nostalgia: The role of affect in generating historical understanding at heritage sites. In S. J. Knell, S. MacLeod & S. E. Watson (Eds.), Museum revolutions: How museums change and are changed (pp. 263-275). Routledge.
Pavoni, R. (2001). Towards a definition and typology of historic house museums. Museum International, 53(2), 16-21. https://doi.org/10.1111/1468-0033.00308



Citar este post
Maria Isabel Roque (2024, 21 Maio). Biblioteca e casa-museu: perfil do colecionador Anselmo Braamcamp Freire. a.muse.arte. Recuperado em 22 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/11oxt

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search