Museu do Neo-Realismo e a água que cai no deserto

“Neorrealismo” é um conceito múltiplo, que envolve múltiplos significados e contextos, que incluem, entre outros, a literatura, a arte, o cinema e a fotografia, e provoca análises divergentes e até contraditórias (vd. Leavitt, 2020, p. 11 e segs.). Em Portugal – tal como acontecera em Itália desde o tempo de Mussolini e, sobretudo, através da cinematografia de Luchino Visconti, a partir do filme seminal La terra trema (1948), cujo texto de abertura pode ser lido como um manifesto do neorrealismo italiano (id., p. 14) – o movimento neorrealista coincidiu com o tempo do Estado Novo e formalizou-se como uma reação, ou oposição, à propaganda do regime. Enquanto este patrocinava uma estética idealizada da ruralidade, onde se excluíam os sinais de pobreza, sofrimento ou injustiça, conferindo-lhe uma suavizada aura de humildade e alegre resignação, o movimento neorrealista centrou-se no retrato e caraterização das classes populares e trabalhadoras, denunciando as suas condições de exploração e de exclusão social e dando voz às suas lutas, reivindicações e revoltas.

Sem título
Lima de Freitas, 1957
Vila Franca de Xira, Museu do Neo-Realismo

Para lá das vias divergentes que assumiu e até das suas controvérsias internas, regista-se uma matriz comum às várias expressões neorrealistas e que convergem na consciencialização política e cívica e no propósito de oposição ao regime. No âmbito particular das artes plásticas, o movimento neorrealista resulta igualmente na rejeição dos modelos academicistas e das estéticas modernistas, projetando-se como uma arrojada vanguarda formal e concetual. O movimento, em que se destacaram artistas como Júlio Pomar, Cipriano Dourado, Vespeira, Rogério Ribeiro, Querubim Lapa, Alice Jorge ou José Dias Coelho, atingiu maior projeção através das Exposições Gerais de Artes Plásticas (Lisboa, Sociedade Nacional de Belas Artes, 1946 a 1956) que foram decisivas para a afirmação das correntes artísticas portuguesas boicotadas pelo regime.

Museu do Neo-Realismo
Vila Franca de Xira
Foto: CMVFX, s/d

A importância deste movimento na arte contemporânea portuguesa, documentando os aspetos mais negligenciados da sociedade durante a ditadura, justificava a criação de um museu do neorrealismo. A ideia ganhou corpo através de um grupo de intelectuais ligados ao movimento que, na década de 1980, se constituiu como Comissão Instaladora do Museu do Neo-Realismo e fundou a Associação Promotora do Museu do Neo-Realismo. Em 1993 o Centro de Documentação do Museu abriu ao público em instalações provisórias, enquanto se constituía o respetivo acervo arquivístico, bibliográfico e museológico. O museu foi inaugurado a 20 de outubro de 2007, em edifício próprio, construído para o efeito segundo projeto do arquiteto Alcino Soutinho (1930-2013).

Pátio central na ligação entre os pisos superiores
Vila Franca de Xira, Museu do Neo-Realismo
Foto: MIR, 2024

A planta do piso térreo estrutura-se em torno do espaço de receção e acolhimento, amplo o suficiente para acolher pequenos núcleos expositivos, para a qual convergem equipamentos complementares à prática museológica: livraria, auditório e cafetaria. Os três pisos superiores permitem a criação de circuitos independentes que iniciam e terminam junto às escadas, sendo que, no primeiro se inserem o Centro de Documentação e a sala do serviço expositivo. A configuração da planta permite apresentar, em simultâneo, várias exposições distintas.

Piso térreo: exposição “Escrever é lutar”
Vila Franca de Xira, Museu do Neo-Realismo
Foto: MIR, 2024

No piso 0, estendendo-se à livraria, a exposição documental “Escrever é lutar: Escritores neorrealistas e a Revolução de Abril” (20 abr. – 17 nov. 2024), com curadoria de Carina Infante do Carmo, inserida nas comemorações dos 50 anos da Revolução de 25 de abril de 1974, centra-se nas intervenções e produção literária de escritores neorrealistas empenhados na oposição à ditadura e é complementada com alguns dos mais relevantes cartazes do período pós-revolucionário.

Também a propósito das comemorações do 25 de Abril, têm ocorrido exposições centradas no fotojornalismo que, geralmente a preto e branco, fixou os acontecimentos no dia da revolução e nos tempos que se lhe seguiram.

Exposição “Alfredo Cunha Photographo”
Vila Franca de Xira, Museu do Neo-Realismo
Foto: MIR, 2024

Assumindo a relevância da fotografia no âmbito do neorrealismo e ainda que, em Portugal, a revolução marque o epílogo do movimento, o museu apresentam, no piso 1, a exposição “Alfredo Cunha Photographo” (18 nov. 2023 – 12 maio 2024) percorre os 50 anos decorridos desde 1974 através das imagens recolhidas ao longo da sua atividade, sobretudo, como fotojornalista nos jornais O Século, Público e Jornal de Notícias ou como fotógrafo oficial dos presidentes da República Ramalho Eanes e Mário Soares. Com curadoria de David Santos, o discurso organiza-se em seis temas nucleares: 25 de Abril e a Descolonização, Mundo, Portugal, Conflito, Religião e Retrato.

Exposição “Alfredo Cunha Photographo”
Vila Franca de Xira, Museu do Neo-Realismo
Foto: MIR, 2024

Neste contexto, destaca-se o núcleo dedicado ao 25 de Abril, tendo Alfredo Cunha, ao serviço de O Século, sido incumbido de fazer a cobertura dos acontecimentos que fizeram a revolução.

Exposição “Alfredo Cunha Photographo”
Vila Franca de Xira, Museu do Neo-Realismo
Foto: MIR, 2024

Se, como afirma David Santos no texto introdutório da exposição, “uma fotografia abre para uma outra, projetando uma mise-en-abyme de aproximações e distanciamentos sem princípio nem fim, pois o jogo de espelhos sobre o real e a sua suspensão não se fixa nunca aos nossos olhos”, a sua sequência, as condensações de imagens ou o seu distanciamento criam uma narrativa determinada pela curadoria, sem impedir outras reconstruções e leituras.

Exposição “Alfredo Cunha Photographo”
Vila Franca de Xira, Museu do Neo-Realismo
Foto: MIR, 2024

Na pós-modernidade marcada pelo “withdrawal of the real” (Lyotard, 1984, p. 79), a fotografia não se fixa aos nossos olhos, mas torna-se um signo, documento dessa evasiva realidade e, portanto, do facto histórico, sem evitar a leitura subjetiva do fotógrafo, tornando-se poética e alegórica ou metafórica.

Exposição “Alfredo Cunha Photographo”
Vila Franca de Xira, Museu do Neo-Realismo
Foto: MIR, 2024

O observador é posto em confronto direto com o instante da captação dos rostos, num retrato acentuadamente psicológico que desvenda e oculta a individualidade do retratado. Os dois retratos de Salgueiro Maia, similares na essência, distanciam-se nas circunstâncias do momento (e também no espaço da exposição).

Exposição “Amândio Silva: : Um pintor a reencontrar”
Vila Franca de Xira, Museu do Neo-Realismo
Foto: MIR, 2024

No piso 2, seguindo uma linha programática de divulgação antológica da obra dos principais autores de expressão neorrealista, é apresentada a exposição “Amândio Silva: Um pintor a reencontrar” (2 dez. 2023 – 20 out. 2024), com curadoria de Paula Loura Batista e David Santos.

Exposição “Amândio Silva: : Um pintor a reencontrar”
Vila Franca de Xira, Museu do Neo-Realismo
Foto: MIR, 2024

Assinalando o centenário do nascimento do pintor portuense Amândio Silva (1923-2000), a exposição “recupera” o olhar sobre a obra do pintor, sem deixar de evocar a multiplicidade das suas expressões artísticas e opções formais, centrando-se na obra produzida entre as décadas de 1940 e 1960 onde o traço neorrealista se evidencia.

Exposição “Amândio Silva: : Um pintor a reencontrar”
Vila Franca de Xira, Museu do Neo-Realismo
Foto: MIR, 2024

Mais de uma centena de obras organizam-se em torno de seis núcleos temáticos que refletem o universo do artista: Douro, Porto, Paisagem, Quotidiano, Retrato e Infância. São, porém, linhas temáticas deixadas em aberto, permitindo múltiplas interferências em torno das paisagens rurais, montanhosas, ribeirinhas e urbanas. Mesmo quando povoadas, o fundo paisagístico é crucial para conferir substância e sentido às figuras do Douro, à faina das vindimas ou às cenas do quotidiano.

Exposição “Amândio Silva: : Um pintor a reencontrar”
Vila Franca de Xira, Museu do Neo-Realismo
Foto: MIR, 2024

Em contrapartida, os retratos em fundos neutros demonstram a qualidade plástica da representação, tal como se evidencia na figura introspetiva do autorretrato, não datado.

Exposição “Amândio Silva: : Um pintor a reencontrar”; à esquerda, “O sono de Paula” (1959)
Vila Franca de Xira, Museu do Neo-Realismo
Foto: MIR, 2024

Subjacente às múltiplas expressões, a competência no desenho fica expressa em “O sono de Paula” (1959).

Exposição semipermanente:  “A coragem da gota de água é que ousa cair no deserto’: A coleção do Museu do Neo-Realismo e outras obras em depósito”
Vila Franca de Xira, Museu do Neo-Realismo
Foto: MIR, 2024

A exposição semipermanente, ou de longa duração, também com curadoria de David Santos e Paula Loura Batista, abriu em dezembro de 2022, tendo como epígrafe um provérbio chinês: “’A coragem da gota de água é que ousa cair no deserto’: A coleção do Museu do Neo-Realismo e outras obras em depósito”. O título é justificado pelos curadores: “a arte é como uma gota de água que cai no deserto, pois nunca opera revoluções, nem uma ação imediata ou direta sobre a realidade, interpelando-nos, porém, o suficiente para nos fazer refletir, a partir de uma magia que nos espanta e influencia ao longo da vida”.

Exposição semipermanente:  “A coragem da gota de água é que ousa cair no deserto’: A coleção do Museu do Neo-Realismo e outras obras em depósito”
Vila Franca de Xira, Museu do Neo-Realismo
Foto: MIR, 2024

Entre a aparente insignificância e a constante e fundamental presença na existência pessoal e coletiva, a arte é imanente e ganha uma feição particular no âmbito do neorrealismo. Tal como o realismo oitocentista, o neorrealismo diferencia-se do conceito simplista de representação da realidade, mas trata, inevitavelmente de uma das suas versões, um simulacro ou a perceção do interpretante. Assim, se o realismo valorizava o homem comum e humilde e os setores mais desfavorecidos e marginalizados da sociedade, em contrapartida aos temas mais convencionais da história da arte.

Yet at the same time that the Realists were creating a visual compendium of social injustices, they were also finding ways for declaring the heroism, dignity and probity of manual labour, without resorting to traditional symbolism or other hallowed pictorial devices (Nochlin, 1971, p. 127).

Embora evitem a retórica do heroísmo, promovem uma nova heroicidade através de protagonistas comuns promovidos a heróis do quotidiano.

And even if, in some cases, these heroes might simply turn out to be modern man in general, or a generic class, like ‘the worker’, ‘the peasant’, or ‘the ordinary middle-class citizen’, and in others to be representations of groups traditionally considered to be quite opposite or even antithetical to the notion of heroism itself – the criminal or the prostitute, for example –  yet in still other instances. (Id., p. 181)

O mesmo se aplica ao neorrealismo novecentista que, a essa representação da realidade, acrescenta o objetivo de intervenção e transformação política e social, propondo uma visão (ou uma utopia) humanista ideologicamente sustentada pelo marxismo e que, em Portugal, se formalizou como oposição ao Estado Novo e contestação à censura.

Exposição semipermanente:  “A coragem da gota de água é que ousa cair no deserto’: A coleção do Museu do Neo-Realismo e outras obras em depósito”
Vila Franca de Xira, Museu do Neo-Realismo
Foto: MIR, 2024

Recorrendo a diferentes áreas disciplinares como a pintura, a escultura, o desenho, a fotografia, a gravura, a ilustração e a cerâmica, a exposição desvenda as várias declinações destes temas referenciais, justificando a missão do Museu do Neo-Realismo.

As obras expostas foram selecionadas no acervo do museu e nas coleções aí postas em depósito, numa resenha antológica que reúne artistas como José Dias Coelho, Júlio Pomar, Nuno San-Payo, Maria Barreira, Vasco Pereira da Conceição, Margarida Tengarrinha, Maria Keil, Querubim Lapa, Rogério Ribeiro, Lima de Freitas, Cipriano Dourado, Manuel Ribeiro de Pavia, Alice Jorge, Jorge Vieira, João Hogan, Jorge de Oliveira, Joaquim Namorado, Rui Filipe, Victor Palla, Frederico Pinheiro Chagas.

Exposição semipermanente:  “A coragem da gota de água é que ousa cair no deserto’: A coleção do Museu do Neo-Realismo e outras obras em depósito”
Vila Franca de Xira, Museu do Neo-Realismo
Foto: MIR, 2024

A exposição organiza-se em torno de seis núcleos temáticos: “Trabalho”, “Paisagem”, “Família”, “Política”, “Retrato”, “Lazer”.

Exposição semipermanente:  “A coragem da gota de água é que ousa cair no deserto’: A coleção do Museu do Neo-Realismo e outras obras em depósito”
Vila Franca de Xira, Museu do Neo-Realismo
Foto: MIR, 2024

São pistas conceptuais para a leitura do neorrealismo, da forma como os artistas interpretavam os fenómenos sociais. A espaços, excertos textuais reforçam o sentido das peças expostas e das relações de sentido estabelecidas entre elas.

Exposição semipermanente:  “A coragem da gota de água é que ousa cair no deserto’: A coleção do Museu do Neo-Realismo e outras obras em depósito”
Vila Franca de Xira, Museu do Neo-Realismo
Foto: MIR, 2024

O discurso implícito é uma obra aberta a múltiplas compreensões, mas não deixa de evidenciar o sentido proposto pela equipa curatorial – como se tornou evidente na visita que uma mãe fazia à filha de uns quatro três ou quatro anos; quando lhe perguntou se já estava cansada, a menina respondeu de forma veemente que queria “ver” mais, o que comprova o êxito da exposição.

Exposição semipermanente:  “A coragem da gota de água é que ousa cair no deserto’: A coleção do Museu do Neo-Realismo e outras obras em depósito”
Vila Franca de Xira, Museu do Neo-Realismo
Foto: MIR, 2024

É uma exposição que convida à contemplação, facilitada pelos bancos que permitem estar e olhar, sem pressas, num contacto mais intimista com o exposto, descobrindo aquilo que a visualização apressada não deteta.

Os museus tendem a abandonar o modelo de exposição permanente, apresentando uma seleção fixa de objetos. Substituem por modelos mais flexíveis que permitem apresentar o acervo de forma dinâmica e incluir peças habitualmente remetidas para as reservas. A arquitetura do espaço do é um recurso facilitador deste modelo. Com três pisos de idêntica configuração, galerias amplas, longas e moduláveis em função da narrativa e que sugerem um percurso enquanto mudam de direção, criando sucessivas surpresas sem prejuízo da sua continuidade formal.

Átrio central; em baixo, piso 1 visto da escada de ligação ao piso superior
Vila Franca de Xira, Museu do Neo-Realismo
Foto: MIR, 2024

A conceção sóbria do espaço expositivo, agora, em tons neutros e escuros, facilita outras conceções futuras, com diferentes concretizações formais e visuais, sem iludir a qualidade arquitetónica do espaço – talvez o facto de o arquiteto ter estudado museologia em Itália, onde esteve como bolseiro da Gulbenkian em 1961, faça a maior diferença. Embora atualmente se registem algumas experiências em espaços abertos (como o Museu Quai Branly, em Paris, ou o Louvre Lens), a configuração linear do percurso permite um maior conforto do visitante, sem a angústia latente de perder parte do exposto apesar de visualizar o conjunto, e, com estas interrupções, torna-se mais dinâmica e apelativa, estabelecendo um equilíbrio sensível entre a apreensão da narrativa curatorial e a criação individual de vias alternativas na construção de uma obra aberta.

Referências:
Leavitt, C. L. (2020). Italian neorealism: A cultural history. University of Toronto Press.
Nochlin, L. (1971). Realism. Penguin Books.
Tzortzi, K. (2007). Museum building design and exhibition layout: Patterns of interaction. In Proceedings, 6th International Space Syntax Symposium, İstanbul. Acedido em http://spacesyntaxistanbul.itu.edu.tr/papers/longpapers/072%20-%20Tzortzi.pdf



Citar este post
Maria Isabel Roque (2024, 9 Maio). Museu do Neo-Realismo e a água que cai no deserto. a.muse.arte. Recuperado em 22 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/11no2

Um comentário em “Museu do Neo-Realismo e a água que cai no deserto”

  1. Que arte intragável, horrível. Só mentes retorcidas, subjugadas, alienadas podem criar coisas destas, disformes e desarmónicas. Bem podiam ficar no lixo da História, que afinal é este Museu.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search