João Abel Manta e as caricaturas de um tempo entre a ditadura e a liberdade

Exposição ‘João Abel Manta livre’
Algés, Palácio Anjos (5 abr. – 20 dez. 2024)

João Abel Manta (n. 1928), sendo autor de uma obra plural e facetada no domínio das artes é conhecido, sobretudo, pela sua atividade como cartoonista.

Exposição ‘João Abel Manta livre’
Algés, Palácio Anjos
Foto: MIR, 2024

Esta exposição monográfica e retrospetiva recupera os aspetos menos conhecidos da sua obra, seguindo uma organização biográfica, não necessariamente cronológica, entre a infância e a atualidade, pontuada por momentos de charneira que Pedro Piedade Marques, o curador da exposição identifica: 1947 e a participação na segunda exposição Geral de Artes Plásticas, na Sociedade Nacional de Belas-Artes (SNBA)1, em Lisboa; 1948 e a prisão pela PIDE, 1969 e o início da extensa obra como cartoonista política publicada na imprensa, aproveitando o muito relativo abrandamento censório da primavera marcelista; entre 1974 e 1976, a obra centrada no Movimento das Forças Armadas e na sua ligação ao povo; o reaparecimento em 1978, com o álbum  Caricaturas portuguesas dos anos de Salazar; e, em 1982, coincidindo com a morte do pai, o abandono da arte gráfica para retomar e dedicar-se exclusivamente à pintura (Marques, 2024, p. 11).

Nas ampliações fotográficas, à esquerda, João Abel Manta e o pai e, ao fundo à direita, com os pais, Abel Manta e Maria Clementina Carneiro de Moura Manta
Exposição ‘João Abel Manta livre’
Algés, Palácio Anjos
Foto: MIR, 2024

Filho dos pintores Abel Manta e de Maria Clementina Carneiro de Moura Manta, a infância privilegiada pelo convívio com a arte dos pais e com os intelectuais que frequentavam a casa em Santo Amaro de Oeiras e a partir de 1940, com  refugiados alemães que aí circulavam, as viagens pela Europa, marcam um contexto de liberdade e resistência ao regime, reforçado pelo ambiente mais contestatário da Escola Superior de Belas Artes, onde fez o curso de Arquitetura2, pela ligação aos movimentos de esquerda e pela participação no MUD (Movimento de Unidade Democrática) Juvenil.

Exposição ‘João Abel Manta livre’: acesso ao segundo piso
Algés, Palácio Anjos
Foto: MIR, 2024

A configuração arquitetónica do espaço favorece a criação de duas secções complementares: a primeira, no piso térreo, centrada na substância do desenho, no  familiar, na intenção revolucionária e na capacidade de intervenção, os três eixos que marcam e definem a obra do artista; a segunda, no piso superior, segue a linha temporal dos tempos da ditadura salazarista, da prisão em Caxias, nas ilustrações de livros e nas exposições em que participou como desenhador e pintor.

Tal como o título sugere, apresentando João Abel Manta como “livre”, a narrativa expositiva conjuga-se em torno do tema “liberdade”.

Exposição ‘João Abel Manta livre’
Algés, Palácio Anjos
Foto: MIR, 2024

No título “Infância em liberdade: a importância de Santo Amaro de Oeiras” a referência laudatória ao local é usada para justificar o empenho do município na exposição, mas é amplamente documentada por fotografias que fundamentam a utilização do termo “importância” aplicado aos lugares onde o artista cresceu e aos seus contextos na formação do homem livre.

À direita, composição com azulejos do mural para Av. Calouste Gulbenkian, em Lisboa
Exposição ‘João Abel Manta livre’
Algés, Palácio Anjos
Foto: MIR, 2024

Em “Liberdade de explorar: a intervenção do desenho aplicado” , evidencia-se a forma como o desenho está subjacente às várias disciplinas artísticas desenvolvidas por João Abel Manta, dos pequenos esboços rabiscados às complexas composições para tapeçarias, cenários e figurinos de teatro, ou painéis de azulejos.

Tapeçarias com cartão de João Abel Manta e executadas por Clementina Carneiro de Moura e Hermínia Ribeiro, 1969
Exposição ‘João Abel Manta livre’
Algés, Palácio Anjos
Foto: MIR, 2024
Figurinos e maquetas para peças de teatro
Exposição ‘João Abel Manta livre’
Algés, Palácio Anjos
Foto: MIR, 2024

Talvez o tema essencial da exposição e aquele que aborda o lado mais conceituado do artista, seja o que se refere à “Liberdade conquistada: o artista revolucionário”. Este núcleo que encerra o percurso no piso térreo é igualmente visível do superior, sublinhando o seu caráter axial e a articulação entre as duas secções da exposição.

Núcleo “Liberdade conquistada: o artista revolucionário”
Exposição ‘João Abel Manta livre’
Algés, Palácio Anjos
Foto: MIR, 2024

O tema, muito centrado nos cartazes revolucionários produzidos no período entre a revolução de 25 de Abril de 1974 e finais do ano seguinte, é igualmente nuclear na monografia artística de João Abel Manta. Grande parte dos cartazes focam-se no tema da ligação entre o Movimento das Forças Armadas (MFA) e o povo.

Muito prazer em conhecer Vocelências
João Abel Manta, 1974
Campanha de Dinamização Cultural do MFA, in Diário de Notícias (1974, 12 nov.)
Exposição ‘João Abel Manta livre’
Algés, Palácio Anjos
Foto: MIR, 2024

Os cartazes (e respetivas temáticas) articulam-se à produção de cartoons realizados neste período e publicados nos jornais Diário de NotíciasDiário de Lisboa e O Jornal, constituindo um registo documental essencial para a compreensão do país, nas tessituras pós-revolucionárias da política e sociedade.

Vitrina com cartoons publicados no Diário de Lisboa
João Abel Manta, 1974
Exposição ‘João Abel Manta livre’
Algés, Palácio Anjos
Foto: MIR, 2024

Sublinha-se, aqui, a expressividade visual e plástica, a assertividade e a mordacidade intencionais, servidas por um poder de síntese que garantem a eficácia da mensagem junto dos seus recetores.

 

Exposição ‘João Abel Manta livre’
Algés, Palácio Anjos
Foto: MIR, 2024

O período marcelista concedeu a “Liberdade possível na imprensa vigiada: o cartoonista sob a mira da censura”. É o tempo do difícil equilíbrio entre a resistência ao regime através da publicação de cartoons iniciada em 1969 no Diário de Lisboa, e a vigilância controladora exercida pelo Exame Prévio, expressão eufemística que, no tempo de Marcelo Caetano, passou a designar a censura vigente.

Festival
João Abel Manta, 1972
Exposição ‘João Abel Manta livre’
Algés, Palácio Anjos
Foto: MIR, 2024

A censura determinou o fim da sua atividade com o processo instaurado pela publicação de um cartaz publicado no suplemento A Mosca do Diário de Lisboa, no qual o escudo da bandeira foi transformado na boca de uma cançonetista, numa paródia ao Festival da Canção.

O tempo da ditadura e da consequente censura é apresentado no núcleo “Liberdade vigiada: o fantasma de Salazar”. As circunstâncias do tempo são abreviadas na figura do ditador e escalpelizadas através da sua imagem, numa análise “pessoal e obsessiva”, conforme se lê no texto da exposição.

Caricaturas de Salazar
João Abel Manta, 1975 e 1978
Exposição ‘João Abel Manta livre’
Algés, Palácio Anjos
Foto: MIR, 2024

Não coincide apenas com o tempo do ditador, abrangendo a persistência da sua memória e na sua exorcização através do álbum Caricaturas portuguesas dos anos de Salazar, de 1978.

A “Liberdade vigiada” culmina na “Liberdade perdida: a prisão em Caxias”.

Exposição ‘João Abel Manta livre’
Algés, Palácio Anjos
Foto: MIR, 2024

João Abel Manta, por uma alegada ligação ao MUD Juvenil, foi preso pela PIDE, no Forte de Caxias, em fevereiro de 1948.

Desenho e poema feitos na prisão de Caxias
João Abel Manta, 1948
Exposição ‘João Abel Manta livre’
Algés, Palácio Anjos
Foto: MIR, 2024

“Sem a mais pequena sombra de proselitismo”, conforme também se lê no texto introdutório, os seus desenhos retratam os rostos dos presos políticos e as marcas que a prisão lhes deixa gravadas, naquele que se torna, talvez, o mais introspetivo núcleo da exposição.

Exposição ‘João Abel Manta livre’
Algés, Palácio Anjos
Foto: MIR, 2024

A par da carreira de cartoonista, João Abel Manta manteve uma não menos relevante atividade como ilustrador, entre meados da década de 1950 e 2016, ano da publicação da edição ilustrada do Memorial do Convento, de José Saramago.

Colagens para o Jornal de Letras
João Abel Manta, 1981 e 1984
Exposição ‘João Abel Manta livre’
Algés, Palácio Anjos
Foto: MIR, 2024

Não sendo esta a sua atividade mais reconhecida, é a mais duradoura e, seguramente, muito relevante, tal como se torna notório através da multiplicidade de técnicas e formulações plásticas apresentadas no núcleo “Liberdade de ilustrar: o livro na carreira de João Abel Manta”.

Exposição ‘João Abel Manta livre’
Algés, Palácio Anjos
Foto: MIR, 2024

No mesmo sentido, o último núcleo aborda a “Liberdade de expor: o desenhador ‘erudito’ e o pintor tardio”, com referências às suas participações em exposições nacionais na SNBA e internacionais, como a II Bienal de São Paulo, no Brasil, ou a mostra individual apresentada no Institute of Contemporary Arts, de Londres, em 1976. A qualidade de “desenhador erudito” foi reconhecida pela atribuição do 1.º Prémio de Desenho na II Exposição de Artes plásticas da Fundação Calouste Gulbenkian, em 1961.

Exposição ‘João Abel Manta livre’
Algés, Palácio Anjos
Foto: MIR, 2024

O “pintor tardio” só começou a expor no final da década de 1960, mas a revolução de 25 de Abril determinou uma pausa na pintura que só recomeçou em 1982 e à qual passou a dedicar-se em exclusividade, apesar das colagens e das reminiscências das artes gráficas que nela se mantêm.

Daniel
João Abel Manta, 2009-15
Exposição ‘João Abel Manta livre’
Algés, Palácio Anjos
Foto: MIR, 2024

Por detrás da sua atividade como cartoonista e artista gráfico, está o domínio fulcral e exímio do desenho e a competência de arquiteto na elaboração compositiva.

Cumprindo propósitos de luta e compromisso político, na oposição ou na intervenção, João Abel Manta introduz um sentido de humor quase ao limite do sarcasmo na construção de metáforas da realidade.

Exposição ‘João Abel Manta livre’
Algés, Palácio Anjos
Foto: MIR, 2024

E isso, aliado a um grafismo meticuloso, em traços grossos e finos, em manchas uniformes que dispensam o uso de tonalidades, a que eventualmente anexa colagens. Tudo contribui para a definição de um estilo único e identitário.

A linguagem visual permite uma leitura fácil, cuja mensagem é imediatamente apreensível. Mesmo quando envereda pelas vias da propaganda política, é uma obra democrática no sentido em se destina a todos, sem impor condições de literacia ou erudição.

João Abel Manta, 1975 e 1978
Exposição ‘João Abel Manta livre’
Algés, Palácio Anjos
Foto: MIR, 2024

A força da imagem, na sua síntese formal, permitiu a criação de símbolos e iconografias (as imagens de Salazar, do povo e do soldado), ideia que se consolida ao longo do percurso expositivo.

Exposição ‘João Abel Manta livre’
Algés, Palácio Anjos
Foto: MIR, 2024

Se ao curador falta o sedimento teórico e prático da museologia, nomeadamente, na elaboração das legendas e na sua correlação com as obras expostas ou na altura (intencional?) de algumas vitrinas de mesa e sem prejuízo de algumas estratégias museográficas bem conseguidas como o uso comedido e eficaz das ampliações, sobeja-lhe o estudo e o conhecimento da obra de João Abel Manta, permitindo a elaboração de uma notável antologia do seu percurso artístico. Se o curador optou por modelos comunicacionais básicos (textos parietais introdutórios em cada núcleo e replicados na folha de sala, legendas e catálogo mais centrado nos elementos gráficos do que na sua interpretação), sem investir na mediação com o observador, permitiu realçar a comunicação e a facilidade de leitura imanente à obra do artista. Apesar de tudo, o mérito encobre eventuais falhas e resulta numa exposição imperdível para a compreensão dos fenómenos políticos, sociais e culturais que contextualizam os últimos anos da ditadura e a consolidação da democracia.

Exposição ‘João Abel Manta livre’
Algés, Palácio Anjos
Foto: MIR, 2024

Esta exposição que – tal como a “Uma coisa nunca vista: João Abel Manta artista revolucionário” que, em simultâneo, foi inaugurada em Gouveia (Museu Municipal de Arte Moderna Abel Manta (26 de abr. – 1 set. 2024) – se insere no contexto das comemorações dos 50 anos de abril, além de comemorar o artista, abrindo o olhar para a sua obra, deixa-nos a forte impressão, como um eco profundo e duradouro, de uma ode à “Liberdade”.

Uma nota final para a amabilidade e entusiástico acolhimento de quem estava na receção – não registei o nome da senhora. É quem nos dá a primeira impressão do espaço onde entramos e, dessa forma, determinar a forma como o visitante de um museu ou de um espaço expositivo se predispõe à visita. E essa primeira impressão não podia ser melhor.

Referência:
Marques, P. P. (2024). Introdução. In P. P. Marques (coord.) João Abel Manta livre (catálogo da exposição, pp. 11-12). Câmara Municipal de Oeiras.



Citar este post
Maria Isabel Roque (2024, 29 Abril). João Abel Manta e as caricaturas de um tempo entre a ditadura e a liberdade. a.muse.arte. Recuperado em 22 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/zbh0

  1. As dez Exposições Gerais da SNBA, realizadas entre 1946 e 1956, foram organizadas pelo MUD (Movimento de Unidade Democrática), criando uma alternativa às Exposições de Arte Moderna, promovidas pelo Secretariado de Propaganda Nacional (SPN.) / Secretariado Nacional de Informação, Cultura Popular e Turismo (S.N.I.) e, portanto oportunidade aos artistas não patrocinados e reprimidos pelo regime. []
  2. João Abel Manta foi responsável, com  Alberto Pessoa e Hernâni Gandra, pelos projetos do Conjunto Habitacional na Avenida Infante Santo, Lisboa (Prémio Municipal de Arquitetura em 1957), e da Associação Académica de Coimbra (1955-59), cujos painéis em pedra gravada, na fachada, são igualmente de sua autoria. []

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search