Museu do Côa: um preâmbulo à arte rupestre e muito mais do que isso

O Museu do Côa foi inaugurado em meados 2010. A abertura do espaço museológico ultrapassou o próprio acontecimento, ao cabo de um longo processo que desde meados da década de 1990 havia passado da esfera académica para se tornar em motivo de discussão pública, alargando-se a toda a sociedade e adquirindo uma inevitável dimensão política. As opiniões dividiam-se entre a valorização do impacto económico e social que a construção de uma barragem hidroelétrica, já em curso, teria no desenvolvimento da região e o reconhecimento da importância do património arqueológico existente no vale e do seu contributo para o esclarecimento da arte rupestre do Paleolítico Superior, desfazendo alguns mitos instalados e superando categorias de pensamento instituído mesmo na comunidade científica.

Sítio Arqueológico do Côa
Foto: Pedro Guimarães / Fundação Coa Parque (Arquivo), s/d

A descoberta das gravuras paleolíticas provocou uma alteração do paradigma epistemológico vigente acerca dessa época, ao provar a capacidade humana de organizar simbolicamente a paisagem através da introdução de signos e grafismos num área ampla e ao ar-livre, em vez das pinturas em pequenos espaços subterrâneos e obscuros (Jorge, 2003).

A construção do museu correspondeu à necessidade e, também, à vontade política de criar um espaço que salientasse a importância desta descoberta e de transmitir, em linguagem acessível ao grande público não especializado, o significado e o valor histórico e patrimonial das gravuras. Entretanto, em 1998, o sítio de arte rupestre do Vale do Côa, com cerca de 5000 figuras, foi inscrito na Lista do Património Mundial da Unesco juntamente com o de Siega Verde, em Espanha, com cerca de 440 figuras, gravadas ao longo de praticamente catorze milénios (22.000-8.000 a.C), entre o Paleolítico Superior e o Epipaleolítico (fase final e pós-glaciar do Paleolítico) “representing the most remarkable open-air ensemble of Paleolithic art on the Iberian Peninsula” (UNESCO, 1998). A classificação do sítio determinou o compromisso do Governo português na criação do museu, atendendo à difícil perceção e compreensão das figuras incisas, implicando um acompanhamento sistemático dos visitantes, bem como à dispersão dos achados e inerentes dificuldades logísticas em assegurar essas visitas comentadas aos vários sítios (Baptista, 2010).

Museu do Côa
Foto: CCM News, 2015

A primeira que fiz ao museu, poucos meses depois da inauguração, não impressionou, exceção feita à sua arquitetura de autoria de Camilo Rebelo e Tiago Pimentel e que, a despeito da dimensão do edificado revestido a xisto, se integra na envolvente natural, projetando-se no topo da colina como um miradouro sobre a magnífica paisagem da foz do Côa, ou seja, o sítio arqueológico que dá corpo ao museu.

Vista do Vale do Côa, a partir do terraço do museu (em primeiro plano)
Foto: MIR, 2023

Visitá-lo passado pouco mais de uma década não desiludiu esta impressão inicial em relação à arquitetura, mas superou largamente a previsão de eventuais melhoramentos do espaço expositivo. Embora a memória seja muito traiçoeira, esta última visita ao museu tornou-se num constante maravilhamento face ao artificio das representações, ao uso exaustivo, mas adequado, da tecnologia digital, ao conhecimento propiciado numa matéria que não (me) é substancialmente familiar.

E, no entanto, não é este “o” museu do Côa. Não é aqui que o vasto património rupestre da região é exposto. Não estão aqui os mais objetos autênticos mais relevantes. Este é um espaço de representação, o que, sendo uma matriz comum à maioria dos museus, se torna neste mais premente. Conforme se afirma no website oficial, é “o portal que permitirá aos visitantes começar a descobrir a arte rupestre dos vales do Côa e do Douro”. É, por conseguinte, um portal, no sentido de espaço introdutório ou propedêutico, com uma apresentação simultaneamente descritiva e interpretativa do Parque Arqueológico, sendo este “o” museu, o verdadeiro museu.

Esta distinção não impede que o Museu do Côa seja um museu por excelência e muito mérito. Os objetos, sejam autênticos, ou réplicas e representações gráficas, são sublinhados por um apurado sentido estético do aparato museográfico, em articulação com o espaço arquitetónico.

Sala C: Contextualização geográfica e cultural da arte do Côa: dispositivo museográfico com réplica de gravura
Vila Nova de Foz Côa, Museu do Côa
Foto: MIR, 2023

Há, na museografia da exposição permanente, uma intenção significativa subjacente, regulada por um código portador de significados e significantes, e que, no conjunto, contribuem para a decifração do sentido dos vestígios materiais da arte rupestre dos vales do Côa e do Douro. É o caso, por exemplo, das réplicas montadas em caixas de madeira, idênticas às usadas para o transporte de obras de arte ou patrimoniais, sublinhando a sua condição de deslocado em relação ao respetivo contexto original.

A ausência forçada dos objetos mantidos in situ num espaço extrínseco ao museu propriamente dito, permite uma museografia mais explícita e atuante na construção do discurso, através de uma contextualização e reconstituição reinterpretadas dos lugares e dos objetos arqueológicos. Assim, os objetos expostos (achados arqueológicos ou réplicas) são complementados por elementos textuais, gráficos, fotográficos, videográficos e multimédia. A museografia apoia-se num sistema flexível através da utilização de elementos verticais soltos, como os painéis infográficos, ou associados em painéis de grandes com dimensões e horizontais formalizados em mesas- vitrinas que funcionam como caixa de luz de luz. A conceção de um espaço interativo, onde a informação pluridisciplinar e o entretenimento se conjugam, propicia “uma experiência cognitiva global” (Brito, 2014, p. 74), a partir do guião científico elaborado pelos arqueólogos António Martinho Baptista, Thierry Aubry, Alexandra Lima e André Santos.

Rampa de acesso, vista do interior do museu
Vila Nova de Foz Côa, Museu do Côa
Foto: MIR, 2023

Contrariando o contexto iluminado da arte a arte ao ar livre, dentro do museu, a iluminação cria um ambiente de luz ténue. A rampa que faz a ligação entre exterior e interior é, assim, uma passagem do ambiente natural e claro ao ambiente artificial e obscurecido da exposição, destacando os elementos iluminados.

Sala A: Património mundial: reprodução fluorescente de gravura 
Vila Nova de Foz Côa, Museu do Côa
Foto: MIR, 2023

 

As réplicas de figuras, aumentadas e desenhadas em tinta fluorescente (azul ou vermelho), ressaltam nas paredes escuras sob o efeito da luz negra. “A luz emana das próprias gravuras, ou seja, da representação das próprias gravuras” (Brito, 2014, p. 75).

A exposição tem um percurso linear ao longo de sete núcleos em espaços individualizados (salas de A a G), o discurso estrutura-se em torno de dois eixos temáticos:

      • Contextualização e introdução à temática expositiva
        • Património mundial (sala A)
        • O território, o homem e o tempo (sala B)
        • Contextualização geográfica e cultural da arte do Côa (sala C)
      • Tratamento monográfico dos temas
        • O santuário arcaico (sala D)
        • O Paleolítico no quotidiano (sala E)
        • A história interminável do Côa (sala F)
        • Uma arte sem tempo (sala G)
Reprodução de gravura (à direita); “Espelhos” (à esquerda), com a gravura refletida
Ângelo de Sousa, 2008
Vila Nova de Foz Côa, Museu do Côa
Foto: MIR, 2023

Os sete espaços são estruturados pelo corredor central, onde a instalação conceptual “Espelhos” de Ângelo de Sousa (2008), reflete uma gravura iniciando o cruzamento, que se revela constante ao longo do percurso, entre a arte paleolítica com outras formas de expressão e, nomeadamente, com a arte contemporânea.

 

Sala A: Património mundial
Vila Nova de Foz Côa, Museu do Côa
Fotos: MIR, 2023

O primeiro núcleo prende-se com a justificação do Côa como “Património mundial” (“Porquê o Côa?”), partindo de uma visão panorâmica do vale e integrando-o no conjunto de sítios de arte rupestres igualmente classificados.

Sala A: Património mundial: painel digital
Vila Nova de Foz Côa, Museu do Côa
Foto: MIR, 2023

Ao estabelecer, num dinâmico mosaico de ecrãs com textos e imagens, uma inter-relação com iconografias e símbolos da contemporaneidade, suscita uma questão, ou inquietação, acerca da suposta evolução do homo sapiens sapiens e da sua capacidade de abstração e de representação dos volumes e do movimento numa superfície irregular. A par das linhas que traçam um perfil, os volumes são sugeridos pela maior concentração de pontos e a representação do movimento é nítida num bode com duas cabeças, uma virada para a frente, a outra para trás. A estética dos desenhos paleolíticos gravados na pedra surge aos nossos olhos como inequivocamente moderna.

Essa interrogação prolonga-se no tema de “O território, o homem e o tempo” face à exposição de utensílios recolhidos no Vale do Côa e que testemunham a presença humana e as suas vivências na região durante o Paleolítico, enquadrando-os na evolução geológica e na transformação da paisagem. Em função do território e ao longo do tempo, o homem desenvolveu uma crescente aptidão para transformar a matéria-prima disponível em utensílios, adaptando-os a uma específica função de uso. Dependiam da natureza, mas encontravam nela os instrumentos com que a dominavam e o alimento de que precisavam. A pedra era lascada consoante o fim utilitário a que se destinava. São percetíveis os indícios de trocas e, por conseguinte, do nomadismo destas populações.

Sala B: O território, o homem e o tempo
Vila Nova de Foz Côa, Museu do Côa
Foto: MIR, 2023

Nas paredes, estão reproduzidas as gravuras de animais que que faziam parte desse universo e que são frequentemente representados nas gravuras do Côa: cavalo, cerdo, bode, boi, auroque. Ao centro da sala, uma mesa-vitrina onde estão organizados os achados arqueológicos, maioritariamente, reconstruções de armas e utensílios do quotidiano.

Sala B: O território, o homem e o tempo: pormenor da museografia na mesa-vitrina
Vila Nova de Foz Côa, Museu do Côa
Foto: MIR, 2023

Nalguns casos, a disposição dos artefatos procura representar a transformação da matéria em objeto utilitário, cujo uso é graficamente representado; noutros, são evidenciadas as estratégias de exploração do território pelos caçadores-recoletores que povoavam o Vale.

Sala B: O território, o homem e o tempo; embaixo, pormenor com uma gaveta aberta
Vila Nova de Foz Côa, Museu do Côa
Foto: MIR, 2023

Ao fundo da sala, uma estante de vidro, dividida em colunas, com várias gavetas que se podem abrir: cada coluna é um sítio arqueológico e cada gaveta corresponde a uma camada estratigráfica onde se expõem os achados correspondentes.

O santuário arcaico
Vila Nova de Foz Côa, Museu do Côa
Foto: MIR, 2023

A finalizar este eixo introdutório, a “Contextualização geográfica e cultural da arte do Côa” salienta o contributo da especificidade da arte rupestre do Vale no Côa para o conhecimento da arte rupestre, através de uma análise comparativa com outros sítios de arte paleolítica ao ar livre na Península Ibérica, com uma maior concentração a norte, e na Europa ocidental. A comparação entre as formas artísticas encontradas no Vale do Côa com as de outros sítios e a identificação de diferentes proveniências dos materiais líticos utilizados, confirmam a existência de intercâmbios e mútuas influências entre várias regiões do sudoeste europeu.

O santuário arcaico: painel digital
Vila Nova de Foz Côa, Museu do Côa
Foto: MIR, 2023

A questão, aqui, diverge para o sentido destas gravuras que, para lá de todas as hipóteses, tais como “A arte pela arte”, “A magia simpática e os cultos da fecundidade”, ou “O xamanismo” – é definitivamente opaco.

Sala D: O santuário arcaico: figura feminina
Vila Nova de Foz Côa, Museu do Côa
Foto: MIR, 2023

Numa das paredes, encontra-se a reprodução de uma figura feminina, uma das representações mais emblemáticas e impactantes da exposição e, também, um dos poucos exemplos de imagens humanas do Côa, em consonância com a exígua representação de raras figuras antropomórficas registada no Paleolítico.

Sala C: Contextualização geográfica e cultural da arte do Côa
Vila Nova de Foz Côa, Museu do Côa
Foto: MIR, 2023

“O santuário arcaico” abarca o “amplo anfiteatro natural composto pelos sítios da Penascosa e da Quinta da Barca” (Côa Parque, 2023, p. “Visita guiada”) que é dado percorrer numa simulada viagem aérea que percorre alguns dos conjuntos mais significativos entre a Penascosa e a Quinta da Barca. O percurso efetuado sublinha a disposição organizada dos vestígios rupestres existentes no território, refletindo a estrutura social das comunidades de caçadores-recolectores que o povoavam. São igualmente evidenciadas algumas das marcas identitárias da arte paleolítica, como a representação do movimento, a sobreposição intencional das figuras e a utilização das partes mais elevadas dos painéis verticais.

Sala E: O Paleolítico no quotidiano; embaixo, réplica da Rocha 1 no sítio do Fariseu com interação digital
Vila Nova de Foz Côa, Museu do Côa
Fotos: MIR, 2023

“O Paleolítico no Quotidiano” centra-se no sítio do Fariseu, tendo, como epígrafe, a réplica da Rocha 1, um elemento crucial no percurso expositivo, não só pela dimensão, com cerca de 5m2, como pela sua relevância científica e estética, com 85 motivos figurativos: “A frescura dos traços claros, contrastando com o fundo cinzento-escuro da rocha que aparecia por baixo dos sedimentos, e a notável profusão de figuras eram complementadas por novidades ao nível do bestiário, como o surgimento da camurça” (Aubry, et al., 2020, 16-17).

Sala E: O Paleolítico no quotidiano: reconstituição de um acampamento dos finais do Paleolítico Superior
Vila Nova de Foz Côa, Museu do Côa
Foto: MIR, 2023

Fundamentada pelos achados da camada 4 do sítio do Fariseu, a reconstituição de um acampamento dos finais do Paleolítico Superior. O habitat, delimitado por cerca, desenvolve-se em torno de uma cabana de peles, com cenas de um presumível quotidiano: pedras e ossos espalhados para contextualização do fabrico de instrumentos; a grelhagem para a seca do peixe e da carne; a fogueira para afugentar animais, cozinhar, aquecer e que, certamente, constituiria um espaço nuclear de socialização.



Sala E: O Paleolítico no quotidiano
Vila Nova de Foz Côa, Museu do Côa
Fotos: MIR, 2023

Há ainda espaço para uma mesa-vitrina com lupas móveis integradas, remetendo para a componente laboratorial do trabalho arqueológico. Aqui, encontram-se expostas as placas de arte móvel, com linhas simples ou pequenas incisões de animais, datadas do final do Paleolítico Superior e recuperadas durante a escavação deste sítio.

Corredor de ligação entre as salas E e F
Vila Nova de Foz Côa, Museu do Côa
Foto: MIR, 2023

Um corredor com uma cénica intervenção museográfica baseada na reprodução das gravuras, funciona como um túnel do tempo que conduz ao núcleo “A história interminável do Côa” o qual abarca o maior arco cronológico da exposição.

Sala F: A história interminável do Côa
Vila Nova de Foz Côa, Museu do Côa
Foto: MIR, 2023

Abre com uma apresentação das diferentes fases artísticas da Canada do Inferno, a que se segue uma perspetiva diacrónica da Arte do Coa desde o Magdalenense às épocas históricas, passando pela arte azilense (final do Paleolítico), a arte da Pré-história recente (Neolítico, Calcolítico e Idade do Bronze) e a arte da Idade do Ferro. A passagem do Paleolítico ao Neolítico coincide com profundas alterações na relação do homem com a natureza e com a prática da agricultura, decorrente das alterações ambientais que haviam promovido a sedentarização em regiões férteis até à constituição dos primeiros aglomerados urbanos e às sociedades guerreiras da Idade do Ferro.

Sala F: A história interminável do Côa: réplica e dispositivo digital
Vila Nova de Foz Côa, Museu do Côa
Foto: MIR, 2023

Destacam-se, neste percurso, as réplicas de rochas de arte rupestre que se encontram submersas pela albufeira do Pocinho ou não estão em visita pública, mas também um esqueleto humano com cerca de 5.000 anos que os arqueólogos batizaram como “Senhor Lopes”, ou os guerreiros da Idade do Ferro, com cabeças de pássaro, falos proeminentes e lanças na mão, cujas figuras correspondem aos lusitanos descritos por Estrabão.

Sala F: A história interminável do Côa
Vila Nova de Foz Côa, Museu do Côa
Foto: MIR, 2023

A cronologia das gravuras nas rochas do Côa prolonga-se ao século XX, com a arte dos moleiros e pastores que viviam no fundo do vale nas décadas de 1940 e 50.

Sala G: Uma arte sem tempo
Vila Nova de Foz Côa, Museu do Côa
Foto: MIR, 2023

O último núcleo fecha esta cronologia sob o signo da intemporalidade, ou de “Uma arte sem tempo”. O espaço é centralizado pela obra “Árvore-mandala para os gravadores do Côa”, de Alberto Caeiro, em homenagem aos homens que deixaram as suas marcas enigmáticas gravadas na rocha. Numa sinopse conclusiva do discurso museológico, as quatro palavras, cada uma gravada nas pedras de xisto colocadas nos quadrantes da mandala, remetem para as relações axiais que lhe são subjacentes – “Arte” e “Vida”; “Natureza” e “Cultura” – e que atravessam a criatividade artística do Paleolítico à contemporaneidade. A sublinhar esta ideia, as obras de Ângelo de Sousa e de Alberto Caeiro que abrem e fecham o percurso.

Em paralelo, neste último núcleo, há espaço para homenagear, não só os gravadores pré-históricos, mas também aqueles que defenderam as gravuras na última década do século XX e permitiram a classificação do Parque Arqueológico do Côa e a criação deste museu.

A diferença entre a exposição de 2010 e aquela que lá está agora (entre aquela que não me impressionou e a que agora me entusiasmou), foi a renovação digital entretanto implementada:

Passada uma década após a abertura, era chegado o momento para, tirando partido dos dispositivos de realidade aumentada e virtual, entretanto feitos disponíveis de forma mais acessível, atualizar o discurso expositivo, aprofundando a dimensão lúdica, mas também pedagógica da visita. (Fernandes et al., 2021, p. 59)

Se os recursos digitais necessitassem de validação, este seria um exemplo em que a sua (adequada) utilização faz toda a diferença. Sobre o discurso original, foi adicionada uma nova camada de conhecimento e de interpretação dos conteúdos em forma de narrativa digital, recorrendo a técnicas de realidade virtual, realidade aumentada e vídeo mapping.

Sala E: O Paleolítico no quotidiano: totem digital interativo com a recriação do quotidiano
Vila Nova de Foz Côa, Museu do Côa
Foto: MIR, 2023

É possível fazer uma visita virtual aos 3 locais visitáveis do Parque (Canada do Inferno, Penascosa e Ribeira de Priscos), ou observar a vida no acampamento, acompanhando a família ficcionada que aí vivia tirar uma selfie na sua companhia. O museu cumpre-se, mais uma vez, na ligação entre o passado distante e a contemporaneidade.

Tudo isto faz um bom museu, mesmo que este se afirme como (apenas?) um introito ao verdadeiro museu que se estende lá fora. Muito mais do que um preâmbulo à arte rupestre do Côa.

Referências bibliográficas:
Aubry, T., Barbosa, A. F., Luís, L., Santos, A. T., & Silvestre, M. (2020). Fariseu, 20 anos depois. Novidades da arte paleolítica do Côa. Al-madan Online, 23(2) 15-27. Disponível em https://issuu.com/almadan/docs/ao23-2
Baptista, A. M. (2010). O Vale do Côa e o seu museu (memórias, situações, projectos). Forum, (44-45), 69-95.
Brito, L. (2014). Cultura: Comunicação e desenvolvimento: Empreendimento do Museu do Côa [Dissertação de Mestrado Integrado em Engenharia Civil, Universidade de Coimbra, Faculdade de Ciências e Tecnologia]
https://hdl.handle.net/10316/38625

Côa Parque (website institucional). (2023). Acedido em https://arte-coa.pt/
Fernandes, A. B., Pereira, P. D., Aubry, T., & Santos, A. T. (2021). “Qual é o teu legado?” A renovação digital do Museu do Coa como instrumento de aproximação às suas comunidades. In memoriam Bruno José Navarro Marçal. In P. M. Homem (ed.), Museus e formação: Novas competências para a transformação digital (pp. 58-83). Porto: FLUP/DCTP. DOI: 10.21747/978-989- 9082-07-6/musa5
Jorge, S. O. (2003). O Museu do Côa e a sua circunstância. Trabalhos de Antropologia e Etnologia43(1-2), 87-95.
UNESCO. (1998). Prehistoric Rock Art Sites in the Côa Valley and Siega Verde. Disponível em https://whc.unesco.org/en/list/866/

Nota final: uma palavra de agradecimento pela oportunidade da visita acompanhada pela Dr.a Dalila Correia, e de apreço pelo entusiasmo e conhecimento que nos transmitiu. Bem-haja!



Citar este post
Maria Isabel Roque (2024, 2 Fevereiro). Museu do Côa: um preâmbulo à arte rupestre e muito mais do que isso. a.muse.arte. Recuperado em 28 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/vqt8

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search