#ComingOutMNAA “Bora lá”: o museu está na rua

Se os transeuntes da rua não vão ao museu, vai o museu ter com os transeuntes da rua.

ComingOut MNAA Lisboa, Largo de S. Carlos Foto: MIR, 2015

ComingOut MNAA
Lisboa, Largo de S. Carlos
Foto: MIR, 2015

E o foi o que fez o Museu Nacional de Arte Antiga, no início da semana. Quem passa pelo Largo de São Carlos, Chiado, Bairro Alto e Príncipe Real, nos sítios mais imprevisíveis, é, de repente, surpreendido pela presença de 31 pinturas da coleção do museu, emolduradas e tabelas informativa com um breve texto explicativo … O museu é rigorosamente encenado em espaço aberto e, para potenciar a ambiguidade entre o real e o fictício, a exposição teve direito a inauguração. Parece que o museu, de facto, saiu à rua.

Tabela junto à Senhora das Dores, de Quentin Metsys

Tabela junto à Senhora das Dores, de Quentin Metsys

A ação não é inédita. Em 2007, a National Gallery, de Londres, criou o projeto The Grand Tour, para levar algumas das mais emblemáticas obras da coleção às ruas de Convent Garden, Soho e Chinatown (vd. galeria de fotos), com o objetivo expresso de “encourage people to make the short journey to visit the genuine works, and many more, for free” (“The Grand Tour”, jun. 2007). O caráter ilusório ficou confirmado quando Maev Kennedy publicou no The Guardian um artigo intitulado “The National Gallery’s Grand Tour is its best show ever” (2007, 13 jun.).

Em 2010, o Museu Nacional d’Art de Catalunya reproduziu este projeto com 33 reproduções expostas sobre suportes metálicos encostados aos edifícios nos eixos principais de Barcelona: Avenida Diagonal, Rambla Catalunya, Paseo de Gracia e Ciutat Vella. Apesar das tabelas com informação em quatro línguas (catalão, castelhano, francês e inglês), os suportes cortaram o impacto da mimetização do espaço museológico, construindo uma variação de museu ao ar livre. No ano seguinte, repetiu a iniciativa em Madrid, no Paseo de Recoletos, com um objetivo claramente publicitário do museu de Barcelona tendo como alvo o público madrileno e os turistas da cidade, a quem propunham um novo destino de viagem.

Lá, como cá, o projeto resultou de uma parceria com a HP para criar reproduções à escala real, de alta qualidade e elevado nível de similaridade cromática, aproximando a réplica do original. Não há uma descrição da tecnologia utilizada em Lisboa, mas em Barcelona foram utilizadas impressoras com tintas HP Látex, que permitem imprimir telas para exterior, com a máxima qualidade de imagem e respeito pelo meio ambiente (cf. Prensa MNAC, cit in. Arteenlared, 2010, 7 out.).

Senhora das Dores (detalhe), de Quentin Metsys ComingOut MNAA  Lisboa, Largo de S. Carlos  Foto: MIR, 2015

Senhora das Dores (detalhe), de Quentin Metsys
ComingOut MNAA
Lisboa, Largo de S. Carlos
Foto: MIR, 2015

O contraste entre o museu e a rua era mais acentuado em Londres, do que em Lisboa, onde as obras são apresentadas nas zonas mais cosmopolitas e procuradas pelos turistas (algumas, nem tanto). Em Londres, também não houve inauguração, enquanto, em Lisboa, a exposição foi antecipadamente divulgada. Não obstante, a população local aderiu e a colocação dos quadros durante a noite não impediu o efeito de surpresa. A estranheza mantém-se ainda entre aqueles que não se aperceberam da iniciativa, enquanto há quem que vá aos sítios de propósito para ver e fotografar e outros que param e fazem parar – “ó pá, já topaste aquela cena do museu?” ou “bora lá ver as outras”.

O museu, não só saiu à rua, como ficou na boca do povo que por lá passa, sem se lembrar de ir ao museu. Invertendo as convenções, a pintura saiu do lugar de cultura erudita para se tornar em cultura de massas.

Retrato do Senhor de Noirmont, de   Nicolas de Largillière

Retrato do Senhor de Noirmont, de Nicolas de Largillière
ComingOut MNAA
Lisboa, Largo de S. Carlos
Foto: MIR, 2015

Os mais puristas, opostos à mudança e ciosos de um reduto intelectual que lhes é exclusivo, reclamam que, assim expostas, as obras perdem o prestígio que o museu lhe confere e argumentam que o que é dado a observar, sendo cópia, não é a Arte, nem permite o fascínio do contacto com o original.

O mimetismo, que se prolonga na existência de curadoria e no aparato museográfico, é uma ação deliberada, por parte do museu, com o objetivo de agir sobre o público potencial, atraindo a atenção e fornecendo um motivo convincente para a visita. Em essência, esta é uma campanha de marketing, criativa e a jogar precisamente com a quebra das convenções, precisamente porque as imita fora de contexto, com uma estratégia próxima da guerrilha, cujo impacto na população se estende à imprensa e às redes sociais.

Cintra Torres, na crónica que escreve para o Jornal de Negócios, aborda o tema, para denunciar:

A iniciativa do MNAA persegue o mesmo objectivo de qualquer campanha de publicidade ou de marketing: ir ter com os seus potenciais clientes onde eles estão. Neste caso, os turistas que percorrem Lisboa com o olhar feliz e por vezes extático de quem vagueia por uma Disneylândia do passado histórico. (Torres, 2015, 30 set.)

Justifica esta afirmação através do nome da iniciativa em inglês (Coming out) e da escolha das obras que estão na rua ou, melhor dizendo, através do critério de exclusão que entende implícito: nesta seleção, quase não há obras de arte portuguesa. Talvez em parte seja assim, talvez esta campanha tenha o turista como alvo preferencial. Mas, na verdade, o critério da seleção parece ter sido a organização de um acervo representativo da coleção de pintura do museu. A seleção foi esta e poderia ter sido outra, mas estão aqui algumas das mais relevantes obras portuguesas, estão o Nuno Gonçalves, Cristóvão Morais, Filipe Lobo e Domingos Sequeira, além de obras emblemáticas de autores desconhecidos, a par de Peter Brueghel, o Jovem, Hans Memling, Albrecht Dürer, Jan Provoost, Quentin Metsys, Hans Holbein, o Velho, Pierro della Francesca, Lucas Cranach, o Velho ou Gustave Courbet. Estão aqui, em síntese, algumas das principais obras que nos lembramos de ver, ou que sabemos estarem expostas no Museu de Arte Antiga. Faltam os Painéis de S. Vicente, mas duvido que houvesse parede livre onde coubessem.

Sendo uma campanha publicitária que aborda o público potencial onde ele está, o sítio escolhido é uma das mais movimentadas zonas da capital. Turistas incluídos; e locais e portugueses, também incluídos. Pelo eco que tem tido na imprensa e nas redes sociais, a iniciativa está a ser bem sucedida. O facto de O inferno ter sido roubado na Rua da Rosa, na madrugada da passada 5.ª feira, acabou por prolongar o efeito disseminador da ação, a que acresce o facto de a designação da pintura permitir a construção de metáforas e a multiplicação de comentários que, sendo marginais, divulgam a notícia.

Sendo uma estratégia comunicacional assente na reprodução artificial dos originais expostos no espaço real do museu, procura orientar o público-alvo para a realidade que evoca. Nas tabelas que acompanham cada uma das obras, está a respetiva localização no museu. Poderia ter também um código de leitura que remetesse para uma informação adicional, poderia ter mais dados sobre o museu (onde fica?, que transportes?, como lá chegar?). Em Londres, esta interação era possível: “More adventurous enthusiasts could create their own tour by picking the paintings they wanted to see, and then calling the phone numbers listed at each painting site to get the who, the why, the what and the when.” (The Grand Tour, s.d.). Em Lisboa, falta esta conexão e a presunção de que o público-potencial não quer saber mais ou sabe onde buscar a informação pode diminuir a eficácia da estratégia.

Ou o museu quis criar um percurso paralelo? Um espaço alternativo onde se promove e divulga a coleção?

Cintra Torres refere Walter Benjamin e o seu tratado acerca de A obra de arte na era da sua reprodutibilidade técnica1 para afirmar que “o MNAA levou essa confusão ao virtuosismo […] sem querer, elevou as cópias ao nível dos originais, atribuindo-lhe essa mesma “aura” e carácter único.” (Torres, 2015, 30 set.) A verdade é que o próprio Walter Benjamin, em 1936, descrevia a reprodutibilidade como um fenómeno decorrente da contemporaneidade e apontava para uma refuncionalização da arte, prevendo o abandono da função ritualística (associada à “aura” do original) a favor da exposição e disponibilização em larga escala. Este fenómeno ampliou-se na contemporaneidade, também na sequência da tecnologia digital: a aproximação destas réplicas ao original só é possível através da digitalização em alta resolução e impressão de alta qualidade. Nem todos sentem a “aura”, ou a querem sentir, ou sentem a sua falta, tal como sempre houve quem não distinguisse entre o original e a cópia e quem se contentasse em ter uma réplica da Guernica sobre o sofá ou a Última Ceia de da Vinci, emoldurada na sala de jantar. E todas elas são opções viáveis de conhecimento e de fruição. Além disso, se durante muito tempo, se considerou a superioridade do iluminado Tamino face à vulgaridade de Papageno, atualmente tende a considerar-se que ambos compõem a humanidade: “Mais do que isso: ele é um homem”2

A iniciativa do Museu de Arte Antiga é, por conseguinte, um fenómeno da contemporaneidade. Reflexo deste tempo que promove a culturalização do quotidiano e populariza a alta cultura. A ambiguidade provocada pela similitude entre o original e a cópia é um sinal deste hibridismo cultural. O museu cumpre-se no sentido em que dá a ver a obra de arte e contribui para o seu conhecimento.

Haverá, certamente, gente a quem baste a reprodução que vê na rua e que sinta a experiência da arte exposta na rua como autêntica. Haverá outros que irão em busca da autenticidade da obra original que está no museu.

Referências bibliográficas:
“ComingOut” (2015). Museu Nacional de Arte Antiga. Acedido em http://www.museudearteantiga.pt/exposicoes/comingout
“El MNAC convierte Barcelona en un museo al aire libre”. (2010, 7 out.). Arteenlared. Acedido em http://www.arteenlared.com/archivo/2010/el-mnac-convierte-barcelona-en-un-museo-al-aire-libre.html
“The Grand Tour”. (2007, jun.) The National Gallery: Press and media. Acedido em http://www.nationalgallery.org.uk/about-us/press-and-media/press-and-media/press-releases/the-grand-tour
Kennedy, M. (2007, 13 jun.) The National Gallery’s Grand Tour is its best show ever. The Guardian. Acedido em http://www.theguardian.com/artanddesign/artblog/2007/jun/13/thenationalgallerysgrandto
The Grand Tour (sítio eletrónico). (s.d.). Acedido em http://www.thegrandtour.org.uk/
Torres, E. C. (2015, 30 set.). “Coming out” do Museu Nacional de Arte Antiga. Jornal de Negócios. Acedido em http://www.jornaldenegocios.pt/opiniao/detalhe/630_coming_out_do_museu_nacional_de_arte_antiga.html

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "#ComingOutMNAA “Bora lá”: o museu está na rua," in a.muse.arte , 2015/10/03, https://amusearte.hypotheses.org/1027.

 

  1. Das Kunstwerk im Zeitalter seiner technischen Reproduzierbarkeit, cuja primera edição data de 1936. []
  2. “Mehr noch – er ist Mensch!” Sarastro referindo-se a Tamino, em A flauta mágica, ato II, cena 1). []

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *