Os museus também se desgastam: o caso do Museu Nacional Machado de Castro

Passou pouco mais de uma década desde a reabertura do Museu Nacional Machado de Castro, no final de 2012, após obras de requalificação e ampliação com projeto do arquiteto Gonçalo Byrne.

Coimbra, Museu Nacional Machado de Castro
Foto: MIR, 2023

A reconfiguração do espaço resultou bem. A arquitetura, assumidamente contemporânea, dialoga com a traça secular do edifício, combinando um formulário minimalista com a austeridade do lugar, e concede o devido protagonismo aos objetos, numa lógica narrativa corroborada por textos parietais que elucidam os vários conjuntos, estruturados por tipologias materiais e organizados cronologicamente. Os cromatismos e materiais alteram em conformidade com os acervos: pedra na escultura – e, aqui, um destaque muito especial para as obras da escola coimbrã em pedra de Ançã –, madeira para a pintura, o negro para a ourivesaria. Há um pensamento estético através da simplicidade formal e dos tons neutros que enquadram os acervos, sem impedir a ocorrência de arranjos mais cénicos que estimulam o olhar e criam imagens marcantes.

Última Ceia
Philippe Hodart (ou Odart), século XVI (início)
Coimbra, Museu Nacional Machado de Castro
Foto: MIR, 2022

É o caso das figuras em terracota “da gramdura e natural de homens” representando Cristo e os Doze Apóstolos, feitas no início do século XVI, por “Odarte framçes ymaginario y estante nesta cidade de Coimbra” (“Contrato celebrado no Mosteiro de Santa Cruz, entre Frei Brás de Braga, seu governador, e o escultor Philippe Hodart…”, 1530), que, em 2012, foram objeto do Prémio APOM de Melhor Intervenção em Conservação e Restauro. Embora truncadas, estão dispostas na primitiva configuração da Última Ceia. A iluminação destaca-as num ambiente escurecido, onde os espaços vazios ganham um inequívoco sentido.

Claustro de S. João de Almedina
século XII (1.ª metade)
Coimbra, Museu Nacional Machado de Castro
Foto: MIR, 2022

Ou o caso da reposição do angulo sudoeste do claustro de S. João de Almedina, datado da primeira metade do século XII, mantendo-o no sítio, mas em cota mais elevada e com vãos abertos para as ruínas da respetiva igreja, sagrada entre 1192 e 12061.

Cristo Negro
Oficina coimbrã, século XIV
Coimbra, Museu Nacional Machado de Castro
Foto: MIR, 2023

Ou o enquadramento do chamado Cristo Negro, uma imagem de Cristo na cruz, de autor desconhecido, provavelmente feito numa oficina coimbrã, data do século XIV e proveniente do oratório de S. João das Donas, anexo ao Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra, exposto no piso térreo, mas que é igualmente visível dos pisos superiores.

Custódia do Sacramento
Autor desconhecido, século XVIII (1ª metade)
Coimbra, Museu Nacional Machado de Castro
Foto: MIR, 2013

Ou, em idêntico aproveitamento do elevado pé direitos e dos vãos abertos nos vários pisos, o arranjo museográfico da monumental Custódia do Sacramento, cujo magnífico aparato barroco é sublinhado pela colocação num registo muito elevado, visível do piso térreo, mas que no piso superior surge frente ao observador, numa encenação quase etérea. Suspensa sobre o vazio, numa parede branca, sem qualquer outro apelo visual que distraia o olhar, a encenação é um convite à contemplação.

Ou, finalmente, a reconstituição da capela do Tesoureiro, de autoria de João de Ruão, com um vasto repositório de estatuária renascentista e iconografia mariana (Assunção e Coroação da Virgem), ao fundo de uma imensa galeria, onde se dispõem outros retábulos pétreos, permitindo uma observação mais analítica e comparativa com obras coevas e, algumas, do mesmo autor (devo confessar que esta sala terá sido das que mais me impressionaram quando visitei o museu pela primeira vez, após a intervenção de Gonçalo Byrne).

Capela do Tesoureiro
João de Ruão, século XVI
Coimbra, Museu Nacional Machado de Castro
Foto: MIR, 2022

Só que já não é assim.

Ao fundo, Capela do Tesoureiro
Coimbra, Museu Nacional Machado de Castro
Foto: MIR, 2023

O espaço vasto – sim, era vasto! – desta sala, permitindo a deambulação entre peças e múltiplos ângulos de visão, está interrompido por uma estrutura em L, pesada o opaca, que cria dois corredores estreitos em numa das laterais e no extremo fronteiro à capela. A estrutura permite a realização de exposições ou, melhor, de núcleos temáticos de curta dimensão.

Exposição “A radiografia de um tempo: Bernardo Manuel, pintor” (18 abr. – 2 out. 20222
Coimbra, Museu Nacional Machado de Castro
Foto: MIR, 2022

Em 2022, foi aí instalada a exposição “A radiografia de um tempo: Bernardo Manuel, pintor”, que incluía uma referência ao “percurso ousado trilhado pelo operoso círculo laboral de João de Ruão ao longo da segunda metade do século XVI”, conforme se lia no texto introdutório, o que mantinha alguma afinidade com o ponto do percurso expositivo em que se encontrava.

Exposição “Os painéis pintados da nova sacristia da Sé [Velha] de Coimbra”
Coimbra, Museu Nacional Machado de Castro
Foto: MIR, 2023
Porém, nem sempre é assim. A exposição “Os painéis pintados da nova sacristia da Sé [Velha] de Coimbra” em nada contribui para o entendimento da exposição permanente.

A estratégia podia ser interessante, introduzindo assuntos complementares ao exposto e, com isso, valorizando-o. Podia ser assim, se, mesmo apostando numa estética contrastante, mantivesse uma linha coerente e articulada ao restante. Podia, se não perturbasse a circulação e dificultasse a visualização das peças. Podia, se não surgisse como um obstáculo, cuja densidade cria um ruído importuno e inconveniente. Podia ser, mas não é o que acontece.

 

Exposição “Os painéis pintados da nova sacristia da Sé [Velha] de Coimbra”
Coimbra, Museu Nacional Machado de Castro
Foto: MIR, 2023
Um retábulo exige distância do observador, tal como era visto, atrás, de um altar, no seu lugar original. A museologia, sem menosprezar esta condição, permitiu a aproximação do olhar para observar os detalhes. Porém, ao colocar uma estrutura próximo da parede onde estão expostos, apenas permite uma observação distorcida, porque demasiado próxima, que permite ver os detalhes nos registos mais baixos, mas impede a correta visualização dos superiores. Por outro lado, é difícil conciliar esta disposição espacial com visitas orientadas ao conjunto de retábulos expostos atrás desta estrutura, bem como com a circulação de visitas de grupo regulares ou escolares.

Estas considerações são essencialmente de ordem prática, mas fundamentam-se na teoria que é, não só divulgada em plataformas científica, mas também transcrita em recursos pedagógicos e manuais que orientam os profissionais envolvidos na conceção e construção do espaço museológicos.

The space requirements of interpretative space vary with the size of the objects being presented and the ‘vista distance’ needed by the viewer to perceive the works or groups of works […]. Spaces for displaying works of art are generally intended to provide an aesthetic experience. The objective is to facilitate the viewing of each individual work […]. (Lord, & Piacente, 2014, pp. 101-102).

A lógica do discurso expositivo também é perturbada, com uma intervenção temática independente, marginal ao sentido dos restantes objetos aqui expostos. Ou seja, longe de acrescentar, acaba por diminuir a importância do museu (e de uma das suas mais relevantes coleções, reduzindo-o a um mero espaço para visualizar objetos.

Assim se desgasta um museu.

Ao cabo de uma década, parece ter investido muito pouco na interpretação e na disseminação do conhecimento relativo aos objetos expostos. Apesar dos textos parietais que contextualizam núcleos ou conjuntos de peças, a ausência de tabelas longas, com textos interpretativos, ou de conectores de acesso a uma informação mais aprofundada e elucidativa é outra das marcas desse desgaste.

Deposição no Túmulo (à esquerda)
João de Ruão, século XVI
Coimbra, Museu Nacional Machado de Castro
Foto: MIR, 2023

O piso térreo acusa uma marcha do tempo demasiado acelerada. O revestimento do chão apresenta inúmeras rachas, algumas delas remendadas, a pedra das paredes tem descolorações provocadas pela humidade. Esta situação é estrutural e não se reporta diretamente à museografia do espaço. Porém, é inevitável ver aqui uma melancólica metáfora do desgaste deste museu.

Referências:
Contrato celebrado no Mosteiro de Santa Cruz, entre Frei Brás de Braga, seu governador, e o escultor Philippe Hodart para que este fizesse, em barro, o Passo da Ceia de Cristo, para ser colocado no refeitório do dito mosteiro. (1530, 7 out., Coimbra). PT/AUC/MC/MSCC – Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra (F); Livros de Notas (SR), vol. 5 (liv. 10), fl. 150 – cota: AUC-III-1.ªD-10-2-5. Acedido em https://www.uc.pt/auc/slideshow/docs/documentodomes_outubro
Lord, B. & Piacente, M. (2014). Manual of museum exhibitions. Lanham, MD: Rowman & Littlefield.



Citar este post
Maria Isabel Roque (2023, 15 Dezembro). Os museus também se desgastam: o caso do Museu Nacional Machado de Castro. a.muse.arte. Recuperado em 28 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/b55j

  1. O templo românico foi arrasado em finais do século XVII, para a construção de nova igreja, com o mesmo patrono, integrada no conjunto do Paço Episcopal, classificado monumento nacional em 1910 e convertido em museu por decreto de 1911, abrindo ao público a 11 de outubro de 1913. []
  2. Esta exposição foi prolongada tendo esta fotografia sido tirada no dia 5 de outubro. []

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search