Prémios, menções e nomeações a museus, ou o pé esquerdo da parada

A atribuição de um prémio depende da inevitável subjetividade de uma escolha. Os parâmetros de classificação podem ser objetivos, mas a apreciação da sua relação com a coisa a analisar permite a introdução de fatores individuais e fictícios. Os prémios atribuídos a museus não escapam a esta condição determinante.

Poder-se-ia contrapor que a museologia, enquanto ciência no domínio das Humanidades, fornece um corpus teórico e métodos de análise crítica que, a ser aplicados, seriam um respaldo contra a subjetividade da escolha.

A Associação Portuguesa de Museologia (APOM) tem sido criticada pelo número de categorias de prémios atribuídos anualmente. Não obstante, os parâmetros de avaliação são conhecidos pelos concorrentes e os júris são constituídos por membros da Associação, credenciados investigadores e profissionais no domínio da museologia e património. Mesmo assim, este ano, atribui uma Menção Honrosa, na categoria Coleção Visitável, ao Gabinete de Curiosidades na Universidade de Coimbra. O Regulamento dos Prémios APOM 2023, elucida que esta categoria pretende “distinguir um espaço público ou privado, com a apresentação de um conjunto de bens culturais segundo todas as normas de comunicação, segurança e conservação, assim como o recurso às novas tecnologias expositivas para facilitar a interpretação dos objetos por parte dos públicos”. O equívoco, neste caso, resulta da categoria em que o Gabinete de Curiosidades foi nomeado. Na literatura académica, tem-se registado, nos últimos anos, um interesse crescente pelos espaços de reserva nos museus. Uma das mais relevantes obras neste domínio é a obra Museum storage and meaning: Tales from the crypt (Brusius, & Singh, 2018), onde Nicholas Reeves (2018) defende que as reservas visitáveis constituem um modelo expositivo centrado nos procedimentos de armazenamento, documentação e conservação do museu.

Agora, surge a notícia de que o Museu do Tesouro Real está entre os cinquenta museus, três dos quais portugueses, candidatos ao European Museum of the Year Award (EMYA). Os museus que submeteram candidatura foram sujeitos a uma avaliação criteriosa do formulário e material de apoio (como imagens, publicações e notas de imprensa) por parte de um júri independente e não remunerado, e foram visitados por um dos juízes do EMYA. Não são explícitos os parâmetros de avaliação, mas a atribuição do prémio e, por extensão, a inclusão na lista de nomeados aprovados pelo júri, depreende-se que seja pautada por critérios de excelência no cumprimento das funções de investigação, preservação, exposição, interpretação e mediação do património exposto num discurso aberto e inclusivo. Numa museu onde os erros são substantivos, a exposição não valoriza os objetos e o aparato decorativo perturba a perceção visual, a mediação é aparente e superficial sem interpretar, nem contextualizar o acervo exposto, num espaço excessivamente carregado entre brilhos e reflexos, que argumentos fundamentam esta nomeação?

Se, no caso da menção honrosa, se consegue perceber que foi valorizado o esforço de encenação de um conjunto de peças que, de outra forma, não seriam vistas (e algumas melhor seria que não o fossem!), no caso da nomeação do Museu do Tesouro Real para o EMYA, a estupefação é ainda maior. Poderá o prestígio e o valor da coleção ser pretexto para premiar um museu que, precisamente, a desprestigia e desvaloriza?

Todas estas dúvidas são, afinal, um ato de (quase) contrição pelo erro nas análises publicadas neste blogue: quando o reconhecimento que deriva destes prémios, menções honrosas e nomeações validam a conceção e realização destes museus, somos, aqui, o pé esquerdo que se ergue na parada quando todos os soldados avançam com o direito.

Referências:
Reeves, N. (2018) Visible storage, visible labour?. In M. Brusius e K. Singh (eds.), Museum storage and meaning: Tales from the crypt (pp. 55-63). Abingdon, Oxon: Routledge; 2019.
Brusius, M., & Singh, K. (2018). Museum storage and meaning: Tales from the crypt. Abingdon, Oxon: Routledge; 2019.

Posts relacionados:
Um gabinete de curiosidades e muitas outras perplexidades, em https://amusearte.hypotheses.org/9095
Um tesouro real entre muitos brilhos e seus reflexos, em https://amusearte.hypotheses.org/8259



Citar este post
Maria Isabel Roque (2023, 7 Dezembro). Prémios, menções e nomeações a museus, ou o pé esquerdo da parada. a.muse.arte. Recuperado em 28 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/b55i

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search