Questões de mau gosto e sentido moral como argumentos censórios

Em 1860, Camilo Castelo Branco e Ana Plácido foram detidos na Cadeia da Relação, no Porto, pronunciados pelo crime de adultério. Aí estiveram, ela no pavilhão das mulheres e ele no piso privilegiado destinado a ilustres e abastados, até serem declarados inocentes e libertados no ano seguinte. Enquanto esteve preso, Camilo Castelo Branco escreveu Amor de perdição, a novela que se tornou epítome do romantismo literário.

De alguma forma, a Cadeia da Relação e Camilo Castelo Branco tornaram-se indissociáveis através do romance inspirado num episódio da vida do tio-avô do escritor, Simão Botelho, que também aí estivera detido por um amor proibido. Por isso, em 2012, ano em que se comemoravam os 150 anos da obra de Camilo, Rui Rio, então Presidente da Câmara do Porto, aprovou mudança toponímica do Largo da Cadeia da Relação para Largo Amor de Perdição, onde foi instalada a estátua de bronze “Amores de Camilo”, doada pelo autor, o escultor Francisco Simões.

Amores de Camilo
Francisco Simões, 2012
Porto, Largo Amor de Perdição

A obra representa o escritor sobriamente vestido ao gosto oitocentista e abraçado a uma mulher jovem, nua, numa alusão aos seus múltiplos amores, como, aliás, o título indica de forma clara e literal. Trata-se, portanto, de uma figura alegórica do amor, não da representação de Ana Plácido. Além de homenagear um dos maiores vultos da literatura portuguesa, a estátua confere sentido ao local e evoca a sua memória.

O amor é, na tradição artística ocidental, frequentemente figurado como uma jovem mulher nua, evocando os atributos sensuais da paixão. As representações de Vénus, ou Afrodite, a deusa do amor, inspiram este modelo.

Ares e Afrodite
Fresco romano proveniente da Casa delle Nozze di Ercole (ou de Marte e Vénus), em Pompeia (VII 9, 47)
Nápoles, Museo archeologico nazionale di Napoli

Nas representações do amor adúltero com Marte, ou Ares, é frequente o confronto entre a nudez, total ou parcial, de Vénus, e o corpo vestido ou encouraçado de Marte. “L’art baroque développe en termes allégoriques, le thème de l’amour, et il en fait une métaphore sensuelle de la vie humaine” (Battistini, 2004, p. 334), mas já na obra Sortilége de l’amour, de 1470-1480, este é representado como uma jovem, com o corpo parcialmente envolto por um véu ligeiro e transparente, expondo a sua nudez.

Mestre não identificado, escola renana, 1470-1480
Leipzig, Museum der bildenden Künste

Passados 11 anos (!) após a sua instalação, a polémica em torno da estátua no Largo Amor de Perdição começou com uma petição 37 “ilustres” signatários para retirar, do espaço público do Porto. Entre os argumentos invocados está o “desgosto estético” e a “desaprovação moral” dos signatários face ao “ultraje” da representação de Camilo Castelo Branco abraçado a uma mulher nua, considerado “um exemplar mais ou menos pornográfico” (cfr. “Uma estátua pornográfica…”, 2023). Pediam, por isso, “o favor higiénico de mandar desentulhar aquele belo largo de tão lamentável peça e despejá-la onde não possa agredir a memória de Camilo” (cfr. “Porto: estátua de Camilo, 2023).

O presidente da Câmara Municipal do Porto considerou o mérito dos signatários, entre os quais “os dois maiores críticos de arte da cidade do Porto” (Rui Moreira, cit. in “Presidente da Câmara…”, 2023), o historiador Bernardo Pinto de Almeida e o curador Miguel Von Hafe Pérez, e ordenou a retirada da estátua. Até porque o próprio reconhece que os signatários “reflectem um sentimento relativamente àquela estátua que corresponde ao meu” e acha que “aquilo é feio e de mau gosto” (id., ibid.). Rui Moreira justificou a decisão, alegando a inexistência de “deliberação municipal para erigir tão deselegante obra” (Rui Moreira, cit. in “Uma estátua pornográfica…”, 2023). Confrontado com a existência de outra petição, desta vez, a pedir a permanência da estátua no sítio e já com milhares de subscritores, Rui Moreira assumia que essa era uma decisão sua, sem necessidade de consulta pública (cfr. “Uma estátua pornográfica…”, 2023).

Instalada a polémica, afinal, verificou-se que a estátua não pode ser removida porque, tal como é referido em nota divulgada pela autarquia, “Ao contrário da informação que estava na posse do presidente da Câmara do Porto, a doação [da estátua] previa também a colocação da estrutura no Largo Amor da Perdição, doação essa que tinha sido aprovada pelo Executivo Municipal em 2012″ (cit. in “Porto: estátua…”, 2023).

O caso fica encerrado, embora a autarquia deixe em aberto a hipótese de futura reapreciação (se, em vez disso, garantissem a sua manutenção e limpeza…).

Fica, no entanto, mais uma ameaça à expressão artística sob o pretexto da moral e do bom gosto e sob o preconceito de que a nudez é pornográfica. Pode ser o reflexo de uma ignorância arrogante destes 37 “notáveis” e de um presidente de câmara, pode ser um tentáculo dos princípios superficiais de uma cultura woke puritana, mas é, sobretudo, uma infeliz ação de censura primária e sem fundamento. O que é um péssimo sinal da sociedade em que nos tornamos, tão permeável a subjetivismos e fundamentalismos.

As redes sociais são espelho da indignação de alguns, mostrando a representação da nudez ao longo da história da arte, com recurso a alguns exemplos sublimes e irrefutáveis. Porém, este episódio é apenas mais uma um indício (vd. https://amusearte.hypotheses.org/9756) de uma ameaça cada vez mais negra a pousar sobre nós.

Referências:
Battistini, M. (2004). Symboles et allégories: Repères iconographiques. Paris: Hazan.
“Porto: estátua de Camilo Castelo Branco faz ‘amor proibido’ ganhar novo capítulo”. (2023, 15 set.). Sic Notícias. Acedido em https://sicnoticias.pt/pais/2023-09-15-Porto-Estatua-de-Camilo-Castelo-Branco-faz-amor-proibido-ganhar-novo-capitulo-3a24c2ca
“Presidente da Câmara do Porto vai retirar estátua de Camilo do Largo Amor de Perdição”. (2023, 15 set.). Público. Acedido em https://www.publico.pt/2023/09/15/culturaipsilon/noticia/presidente-camara-porto-vai-retirar-estatua-camilo-largo-amor-perdicao-2063468
“Uma estátua pornográfica? O que levou a Câmara do Porto a mandar retirar a estátua de Camilo Castelo Branco”. (2023, 15 set.). Sapo24. Acedido em https://24.sapo.pt/atualidade/artigos/rui-moreira-aceitou-retirar-estatua-de-camilo-castelo-branco-no-porto-apos-peticao-que-invoca-questoes-morais



Citar este post
Maria Isabel Roque (2023, 16 Setembro). Questões de mau gosto e sentido moral como argumentos censórios. a.muse.arte. Recuperado em 28 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/b55f

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search