“Objetos desaparecidos, roubados ou danificados” no Museu Britânico

No dia 16 de agosto, o Museu Britânico, em Londres, publicou uma nota de imprensa relativa a “missing, stolen and damaged items”, onde informava que “The majority of the items in question were small pieces kept in a storeroom belonging to one of the Museum’s collections. They include gold jewellery and gems of semiprecious stones and glass dating from the 15th century BC to the 19th century AD” (The British Museum, 2023), mas que eram usados sobretudo para fins de pesquisa académica e nenhum deles estivera sido exposto recentemente (id., ibid.).

Polícia junto à entrada do Museu Britânico
Foto: BBC, 2023

Informava, ainda, a segurança do museu estava a ser avaliada tendo em vista uma maior eficácia e que o assunto estava a ser alvo de uma investigação policial, tendo já sido demitido um funcionário. Não explicita a dimensão do furto, mas The Telegraph aponta um total de mais de 1500 a perto de 2000 artefactos (Rayner, & Alberge, 2023), muitos dos quais terão sido vendidos desde 2016 através do website eBay, a maioria deles por uma pequena percentagem do valor estimado que, no total, é avaliado em dezenas de milhões de libras (Carr, Sales, & Robinson, 2023).

Item listado no ebay como um fragmento de pedra romana de ágata, e com um lance inicial de £ 40
Fonte: Daily Mail

Ao jornal The Economist (Stealing…, 2023), Christos Tsirogiannis, especialista em tráfico de antiguidades e coordenador do Working Group Illicit Antiquities Trafficking, filiado na Unesco Chair on Threats to Cultural Heritage, considerou este furto como “probably the worst case so far… No one expects that to happen in a museum”. Também Christopher Marinello, CEO do escritório de advogados Art Recovery International, se mostrou estupefacto, em declarações ao jornal The Guardian: “To be honest, it’s pretty shocking. We get reports of museum thefts every day from around the world. But this is the British Museum, one of the most important and well-funded museums in the world” (cit. in Sherwood, 2023).

Entretanto, a imprensa britânica revelou o nome de Peter John Higgs, como o indivíduo alegadamente responsável pelos furtos. Higgs operava no eBay sob o pseudónimo “sultan1966”, mas foi identificado por um especialista em antiguidades, o qual, em 2020, confrontou o próprio Higgs e informou o Museu Britânico de que este estava a vender peças catalogadas no inventário. A identidade foi confirmada ao ligar a conta Paypal ao feed do Twiter de Higgs, onde constava a respetiva categoria profissional no museu. Porém o caso só agora foi revelado, algumas semanas depois de o atual diretor do museu, Hartwig Fischer, ter anunciado que irá abandonar o cargo no próximo ano, sem esclarecer o motivo pelo qual demorou dois anos e meio a dar seguimento a uma denúncia feita em 2020. Higgs trabalhava no museu desde 1993, era curador sénior das antiguidades de culturas mediterrânicas e foi o responsável de importantes exposições, assumindo também a autoria dos respetivos catálogos, como a recente “Ancient Greeks: Athletes, Warriors and Heroes”, em 2021, entretanto apresentada em três museus australianos e agendada para o Museu Suzhouna na China ano final deste ano. Ao The Telegraph, o filho mais velho, em nome do próprio e da família, garante a inocência do pai e acrescenta que este sempre lutou com problemas de dinheiro (Rayner, Corless , & Alberge, 2023), o que, em verdade, não contribui para o inocentar.

O museu enfrenta, agora, duras críticas pelo furto continuado ao longo dos anos, o qual terá sido muito facilitado pela dificuldade em catalogar os oito milhões de itens do seu acervo. Martin Henig, especialista em arte romana na Universidade de Oxford, afirma que “There are a lot of minor things which are not, or which are all lumped together” (cit. in Carr, Sales, & Robinson, 2023), tendo ele próprio pressionado o museu para fazer um inventário adequado. Além disso, explica que os artefactos perdidos, muito valorizados na Antiguidade, fornecem dados mais relevantes sobre o passado do que as obras monumentais dessa época. A própria administração do museu põe em causa a ação de Hartwig Fischer, excluindo-o e à sua equipa da investigação em curso.

A revisão do sistema de segurança. o inquérito policial, a procura de um culpado, nada disso invalida uma reflexão marginal (ou talvez não) acerca dos grandes museus universais, das práticas colecionistas coloniais e da forma como guardam e expõem as coleções que gerem. Apesar da extensão do percurso expositivo, em salas carregadas de objetos e de itens-chaves que servem a propaganda do museu, apenas 1% da coleção está exposta ao público (cfr. Stealing…, 2023). Tudo isto atinge de forma particular um museu que se encontra no centro da polémica relativa à restituição de objetos, mantendo uma posição irredutível face ao pedido de retorno dos mármores do Pártenon (vd. https://amusearte.hypotheses.org/1323 e https://amusearte.hypotheses.org/778), em Atenas, retirados durante a ocupação turca do território.

Na página do Art Recovery International no X (antigo Twitter), Christopher Marinello usou o incidente para focar este assunto e lançar a farpa: “Perhaps the Parthenon Marbles are not safe in the U.K. after all. They should be moved to a museum in Athens where they can be well cared for…”. É altura de repensar a identidade do museu enquanto repositório do património do passado, tal como foi criada nos primórdios da museologia, refletindo os ideais das nações imperialistas europeias. Retomando as palavras de Fausto ao afirmar que “O que o homem herda só o pode chamar / seu quando o utiliza [porque] só no uso consiste a propriedade” (Fausto 4, 5), o museu que não usa o acervo para o interpretar junto dos seus públicos e, sobretudo, aquele que não tem condições de garantir a sua preservação, não merece o património que tutela.

Este incidente é um indício de que esta é uma questão inevitável. Para que o museu defenda a sua identidade e os seus valores sem perder de vista a realidade, mais vale refletir sobre o assunto e abrir o debate de forma ponderada e consciente, assumindo a discussão entre diferentes opiniões, do que dar espaço a atitudes extremistas ou irrefletidas.

Referências:
Stealing from museums is easier than you might think: As a series of thefts at the British Museum shows. (2023, 21 ago.). The Economist. Acedido em https://www.economist.com/britain/2023/08/21/stealing-from-museums-is-easier-than-you-might-think
Carr, S., Sales, D., & Robinson, M. (2023, 18 ago.). Stolen British Museum treasures worth up to £50,000 were offered on eBay for as little as £40 as expert curator is sacked. Daily Mail. Acedido em https://www.dailymail.co.uk/news/article-12420225/Pictured-Stolen-British-Museum-treasures-worth-50-000-offered-eBay-little-40-expert-curator-sacked.html
Sherwood, H. (2023, 17 ago.). British Museum employee sacked over missing items was senior curator. The Guardian. Acedido em https://www.theguardian.com/culture/2023/aug/17/british-museum-employee-sacked-over-missing-items-was-senior-curator
The British Museum (2023, 16 aug.). Announcement regarding missing, stolen and damaged items. Acedido em https://www.britishmuseum.org/sites/default/files/2023-08/Announcement_regarding_missing_stolen_and_damaged_items.pdf
Rayner, G., Corless , B., & Alberge, D. (2023, 17 aug.). British Museum curator of 30 years accused of stealing artefacts. The Telegraph. Acedido em https://www.telegraph.co.uk/news/2023/08/17/british-museum-stolen-artefacts-peter-higgs-curator/
Rayner, G., & Alberge, D. (2023, 21 aug.). British Museum missing more than 1,500 priceless objects. The Telegraph. Acedido em https://www.telegraph.co.uk/news/2023/08/21/british-museum-missing-more-than-1500-priceless-objects/



Citar este post
Maria Isabel Roque (2023, 24 Agosto). “Objetos desaparecidos, roubados ou danificados” no Museu Britânico. a.muse.arte. Recuperado em 28 de Maio de 2024, de https://doi.org/10.58079/b55e

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search