Olhares sobre Almada Negreiros, o “ser moderno” em exposição na Gulbenkian

Exposição “José de Almada Negreiros: uma maneira de ser moderno”
Lisboa, Museu Calouste Gulbenkian (MCG), 3 fev. – 5 jun. 2017

“Reparem bem nos meus olhos, não são meus, são os olhos do nosso século! Os olhos que furam para detrás de tudo.”
Almada Negreiros (1921). A Invenção do Dia Claro

Foi anunciada uma “exposição antológica mostra a obra de um artista que catalisa a vanguarda nos anos 1910 e atravessa todo o século XX” (Museu Calouste Gulbenkian, 2017). Foi prevista como uma das grandes exposições do ano e o afluxo de público nas primeiras semanas parecem confirmá-lo. Adivinhava-se, portanto, um prolongado e aprofundado olhar sobre a obra de Almada Negreiros (1893-1970), nas suas múltiplas linguagens e expressões, estendendo-se pela pintura, desenho, teatro, pintura mural, ilustração e artes gráficas, mas também pela dança, teatro, ou pelo romance, contos, conferências, ensaios, poesia… Esperava-se, também, que mostrasse, interpretasse e relacionasse a obra de um “autor profuso e diversificado”, com “uma conceção heteróclita do artista moderno” (Id., ibid.), reavaliando as suas conexões no contexto dos modernismos e das suas expressões híbridas e complexas.

Exposição “José de Almada Negreiros: uma maneira de ser moderno”
Lisboa, Museu Calouste Gulbenkian
Foto: MIR, 2017

Continuar a ler

O museu que vamos deixar de ver

Exposição “Obras em reserva: O museu que não se vê”
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga, 18 maio 2016 – 23 out. 2016

Há um irresistível fascínio na visita às reservas. É a possibilidade de espreitar aquilo a que só alguns têm acesso, o inacessível que escapa à norma do exposto, aquilo que está vedado e se torna, por isso mesmo, mais apetecível à nossa curiosidade e a um inevitável impulso voyeurista. O horizonte onírico de quem se cinge ao espaço definido da cena expositiva, na expetativa do que se encontra em bastidores.

Exposição "O museu que vamos deixar de ver": núcleo 1 Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga Foto: MIR, 2016

Exposição “O museu que vamos deixar de ver”: núcleo 2
Lisboa, MNAA
Foto: MIR, 2016

Continuar a ler

MAAT, a montanha e o rato

“Big, general audiences, with less specific traditions of modern and contemporary art and architecture are drawn by big, spectacular art and architecture.”
(Fraser, 2006, p. 156)

MAAT, Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia.

MAAT, Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia Lisboa Foto: MIR, 2016

MAAT, Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia
Lisboa
Foto: MIR, 2016

A intenção era criar uma nova ligação entre a cidade e o rio. E surgiu um miradouro, amplo e aberto, virado para a foz, mas isolado da cidade. A intenção era criar um novo ponto de referência da arquitetura contemporânea. E surgiu um edifício extenso, ainda inacabado, mas que se inaugurou para coincidir com a Trienal de Lisboa. A intenção era criar um novo museu para a arte contemporânea, arquitetura e tecnologia. E surgiu um espaço museológico à espera de confirmar como museu.

Continuar a ler

Coleção Miró, uma história interminável

Exposição “Joan Miró: materialidade e metamorfose”
Porto, Serralves, 1 out. 2016 – 28 jan. 2017

Uma série de operações duvidosas levou à nacionalização do Banco Português de Negócios (BPN); a nacionalização do BPN fez transitar um conjunto de 85 obras (pintura, desenho, colagem, escultura e tapeçaria) de Juan Miró, avaliada entre 35 e 54 milhões de euros, para a Caixa Geral de Depósitos; a fim de amortizar as dívidas do BPN, o Governo quis vendê-las em leilão organizado pela Christie’s de Londres, agendado para fevereiro de 2014, estimando um encaixe mínimo de 36 milhões de euros,  contra os pareceres pedidos pela então diretora-geral do Património, Isabel Cordeiro, a David Santos, diretor do Museu do Chiado, e a Pedro Lapa, do Museu Coleção Berard, que se pronunciaram pela permanência das obras em Portugal; defendendo que a venda constituiria uma perda irreparável, o Ministério Público, iniciou uma batalha jurídica contra a Parvalorem e a Parups, sociedades criadas para abater a dívida do BPN, a qual se prolongou, mantendo acesa a discussão pública e levou ao cancelamento do leilão; entretanto, as sociedades conseguiram impugnar o processo de classificação das obras, sob o pretexto de que as obras estavam em Portugal havia menos tempo do que o necessário para que esta fosse obrigatória1; ainda em 2014, o empresário luso-angolano Rui Costa Reis fez chegar uma proposta para adquirir a coleção no valor de 44 milhões de euros e garantia a manutenção das obras na cidade do Porto durante 50 anos, mas a oposição conseguiu travar a transação; com a mudança do Governo, o ministro da Cultura João Soares inverteu as tomadas de posição do seu antecessor, e em julho passado o atual ministro, Luís Filipe Castro Mendes, anunciava a vontade de que a coleção ficasse no Porto, o que foi prontamente acolhido pelo autarca da cidade, Rui Pereira.

Exposição "Joan Miró: Materialidade e Metamorfose" Porto, Serralves Foto: Adriano Miranda / Público, 2016

Exposição “Joan Miró: Materialidade e Metamorfose”
Porto, Serralves
Foto: Adriano Miranda / Público, 2016

Continuar a ler

  1. Segundo a Lei de Bases do Património Cultural , art. 68.º,  “salvo acordo do proprietário, é vedada a classificação como de interesse nacional ou de interesse público do bem nos dez anos seguintes à importação ou admissão”. []

Amália: Saudades do Brasil

Exposição “Amália: Saudades do Brasil
Consulado-Geral de Portugal em São Paulo (BR), 6-27 ago. 2016
Cidade das Artes, Rio de Janeiro (BR), 5 nov.-4 dez 2016

“O sal das minhas lágrimas de amor criou o mar
Que existe entre nós dois p’ra nos unir e separar”
Vinicius de Moraes

Amália Copacabana Palace, 1973, Colecção Privada, Créditos O Globo.

Amália Copacabana Palace, 1973, Colecção Privada, Créditos O Globo.

Continuar a ler

Museologia e tecnologia digital na Rota da Escravatura

Núcleo Museológico Rota da Escravatura
Lagos, Praça do Infante, edifício do Mercado dos Escravos

Núcleo Museológico Rota da Escravatura: entrada Foto: MIR, 2016

Núcleo Museológico Rota da Escravatura: entrada
Foto: MIR, 2016

É um museu pequeno e com poucos objetos. Nem é propriamente um museu, mas um núcleo museológico que aborda a memória de um passado negro. Estas poderiam ser as determinantes de uma iniciativa votada ao fracasso. Continuar a ler

Ver através das mãos que desenham

O Rijksmuseum, sem acusar a pressão do número de visitantes e sem se atrever a tomar para a inibição da procura, tem vindo a manifestar algum incómodo perante o desconforto e cansaço do público em salas superpovoadas. A missão museológica de “dar a ver” as obras exposta fica comprometida face à multidão que passa ao longo do percurso expositivo, em direção a determinadas obras-primas consideradas essenciais. Nesse sentido, propõe um conjunto de visitas temáticas, que diversificam os percursos, também numa tentativa de descongestionar o acesso às obras mais mediáticas. Não obstante, estudos feitos no museu permitiram concluir que os visitantes não se demoram frente às obras expostas (cfr. Aart Van Harten, guia do museu, cit. in Guillermard , 2016, 5 fev.). Por isso mesmo, tem vindo a apresentar formas alternativas de ver para lá do percurso expositivo em que o visitante se move. Destaca-se a app, com um vasto número de informações complementares e largo espetro de ligações, propostas interpretativas, interativas e lúdicas para aquisição e aplicação de conhecimentos. Estratégias que levem o visitante a fixar o olhar, ao invés de passar sem ver.

Fachada do Rijksmuseum, com o anúncio da campanha #Hierteekenen, ou (#Startdrawing)

Fachada do Rijksmuseum, com o anúncio da campanha #Hierteekenen, ou (#Startdrawing)
Amsterdão, 2015

Continuar a ler

Os mármores do Pártenon: questões patrimoniais e museológicas

Pártenon

Em meados do século V a.C., Péricles decidiu a construção de um templo consagrado a Palas Atena, na Rocha Sagrada, designação atribuída à colina da Acrópole, em substituição do já existente e que havia sido danificado durante a invasão persa em 480 a.C.. O templo, de ordem dórica, octostilo1 e períptero2, integra uma dupla cela com pronaos e opistódomo com prostilo de seis colunas. Os arquitetos Iktinos e Kallikrates são reconhecidos como autores do projeto, cuja decoração escultórica é atribuída a Fídias e aos seus discípulos Agorakritos, Alkamenes e a outros escultores e pintores cujo nome se perdeu. Fídias foi o autor da estátua colossal criselefantina3 da deusa Atena Parténos (ou Atena virgem) no interior da cela.

Pártenon de Atenas Gravura de William Miller, a partir de desenho de H. W. Williams In Williams, H. W. (1829). Greece with classical illustrations. London: Longman Rees Orme Brown and Green; and Adam Black.

Pártenon de Atenas
Gravura de William Miller, a partir de desenho de H. W. Williams
In Williams, H. W. (1829). Greece with classical illustrations. London: Longman Rees Orme Brown and Green; and Adam Black.

Legenda: a - frontão b - sequência de métopas  c - friso d - estátua da deusa

Legenda:
a – frontão
b – sequência de métopas
c – friso
d – estátua da deusa

Continuar a ler

  1. Com oito colunas nas fachadas menores. []
  2. Com o perímetro integralmente definido por colunas alinhadas, criando um peristilo exterior. []
  3. Estátua inteiramente revestida a ouro, à exceção das zonas de carnação em marfim. []

Mário Rita, “le voyeur” no caminho da luz

Exposição “Les Voyeurs”, de Mário Rita
Lisboa, Miguel Justino Contemporary Art, 24 set. – 24 out. 2015

São para mim verdades do Homem que se renova […] pela singularidade que alguns conseguem ver. Esses tenho a certeza que levam na frente a Luz.
Mário Rita, 2015

Em Mário Rita, sobressai a força com que liberta o seu universo introspetivo na linha, no traço, nas manchas, no gesto subentendido. Entre o abstracionismo mais minimalista, o figurativismo e o neoexpressionismo mais intuitivo, Mário Rita exercita a capacidade do desenho a carvão nas representações de figuras fragmentadas ou intersecionadas, em que se misturam pinceladas fluídas de cor e colagens, velaturas e opacidades, ou, nas obras mais recentes, experimentando materiais inéditos como as colchas de seda cujas texturas e padrões que se insinuam sob a pintura. No desenho, ou na pintura, o impulso intuitivo do gesto predomina sobre a geometria da composição.

Exposição "Les voyeurs", 2015.

Exposição “Les voyeurs”, 2015. Foto: Mário Rita, 2015.

Continuar a ler

É, outra vez, uma pintora chamada Josefa… Acerca dos textos da exposição no Museu de Arte Antiga

Exposição “Josefa de Óbidos e a Invenção do Barroco Português
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga, 16 maio – 6 set. 2015

É a primeira vez que, neste blogue, escrevo duas vezes sobre o mesmo assunto. E não o faria se a Maria Vlachou não me tivesse referido – em comentário público no Facebook – que a experiência que teve nesta exposição não era assim tão positiva como a contava em Era uma vez uma Era uma vez uma pintora chamada Josefa. Acontece que Maria Vlachou é voz creditada em assuntos de comunicação cultural1 e as sua opiniões nesta matéria merecem ser ouvidas, até porque é das poucas pessoas entre nós a refletirem publicamente sobre isto.

Eu gostei da exposição; os “meus adolescentes”, que costumo usar como barómetro da eficácia comunicativa dos museus ou das exposições a que vamos, também gostaram a ponto de perder a noção do tempo.

Exposição "Josefa de Óbidos": entrada Museu Nacional de Arte Antiga Foto: MIR, 2014

Exposição “Josefa de Óbidos”: entrada
Museu Nacional de Arte Antiga
Foto: MIR, 2014

Continuar a ler

  1. Dispensa apresentações, mas é a fundadora e diretora da Acesso Cultura e autora do blogue Musing on Culture. []

Era uma vez uma pintora chamada Josefa…

Exposição “Josefa de Óbidos e a Invenção do Barroco Português
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga, 16 maio – 6 set. 2015

A exposição “Josefa de Óbidos e a Invenção do Barroco Português” é mais do que a apresentação da pintora e da sua obra. A propósito desta exposição, apetece dizer “era uma vez”, porque aqui se conta uma história, entre tramas e contextos que se cruzam, narrativas que se sucedem acerca dos seus lugares, dos tempos, das relações e das referências que construíram a vida e a arte de Josefa de Óbidos.

Há muito tempo que não gostava tanto de uma exposição. E devo confessar que não sou (ou não era) apreciadora de Josefa de Óbidos, apesar da revelação iniciada por Nuno Vassalo e Silva, numa visita sem pressas, em 1991, na Galeria D. Luís, já deserta após o fecho da exposição. Mesmo assim, não consegui ultrapassar o preconceito acerca de uma pintura aparentemente monocórdica e ingénua, com uns Meninos corados, de corpinho rechonchudo percetível sob a camisinha rendada, barros decorados com laços de seda e cestas de flores e frutas…

Menino Jesus, Salvador do Mundo (3) Exposição "Josefa de Óbidos..." Foto: MIR, 2015

Menino Jesus, Salvador do Mundo (3)
Exposição “Josefa de Óbidos”
Museu Nacional de Arte Antiga
Foto: MIR, 2015

Continuar a ler

O não-museu dos Coches

Não, o novo Museu dos Coches ainda não abriu. O que abriu, no passado sábado (23 de maio), foi o novo espaço para onde transitaram os coches do antigo museu.

Ao longo do fim-de-semana, houve filas intermináveis, porque era novidade e era gratuito e, talvez sobretudo, porque a publicidade e toda a polémica geraram uma imensa curiosidade. Um comunicado da Direção Geral do Património Cultural, confirmava o afluxo de 19.865 visitantes e a realização de cerca de 250 visitas guiadas. Parece um bom prenúncio para as expetativas de Jorge Barreto Xavier, secretário de Estado da Cultura que, na conferência de apresentação do novo museu aos jornalistas, disse esperar pelo menos 350 mil visitantes por ano, o que significa um aumento exponencial face aos 207 mil que, em 2014, visitaram o museu nas antigas instalações.

Museu dos Coches Foto: MIR, maio 2015

Museu dos Coches
Foto: MIR, maio 2015

Continuar a ler

A festa dos museus

16 de maio é a Noite dos Museus e 18 de maio é o Dia Internacional dos Museus (DIM).

Instituído, em 1977, por iniciativa do Conselho Internacional dos Museus (ICOM), constitui uma ocasião privilegiada de comunicação com uma audiência alargada, muito para lá do público habitual, e em moldes fluídos e dinâmicos, pouco frequentes nas rotinas quotidianas.

Dia Internacional dos Museus 2015 Fonte: ICOM

Dia Internacional dos Museus 2015
Fonte: ICOM

Continuar a ler

Os museus da Gulbenkian na rota de um novo ciclo

Penelope Curtis será a primeira estrangeira a dirigir o Museu Calouste Gulbenkian e anuncia-se uma inédita articulação com o Centro de Arte Moderna (CAM). Foi escolhida através de um concurso, igualmente pouco comum entre nós, percebendo-se a intenção de recrutar alguém de perfil internacional, ao ser amplamente divulgado no estrangeiro através da parceria com a  Liz Amos Associates, uma empresa de recrutamento britânica especializada na área cultural.

Museu Calouste Gulbenkian

Museu Calouste Gulbenkian

Continuar a ler

Almada Negreiros e Orpheu

Exposição “Almada Negreiros: o que nunca ninguém soube que houve
Lisboa, Museu da Eletricidade, 12 dez. 2014 – 29 mar. 2015

Exposição “Os caminhos de Orpheu
Lisboa, Biblioteca Nacional de Portugal, 24 mar. – 20 jun. 2015

“Almada Negreiros: o que nunca ninguém soube que houve” esteve aberta ao público no Museu da Eletricidade, de Dezembro até 29 de Março de 2015, assinalando o centenário da revista Orpheu, na qual Almada (1893-1970) teve uma participação fundamental.

Exposição “Almada Negreiros: o que nunca ninguém soube que houve” Foto: Fundação EDP; contemporânea.pt

Exposição “Almada Negreiros: o que nunca ninguém soube que houve”
Foto: Fundação EDP; contemporânea.pt

 

Continuar a ler