Imoral censura: o que se pode, ou não pode ver no museu

Devagar, lentamente, começaram a surgir indícios. Esparsos e irrelevantes, não ligámos. Continuaram, tornaram-se mais frequentes e preocupantes, ficou impossível não lhes darmos importância.

Quando, em 2011, o Museum of Fine Arts, em Boston, realizou a exposição “Degas and the nude”, em colaboração com o Musée d’Orsay, o escândalo estalou, face às representações do nu académico lado a lado com os “brothel monotypes”, estimulando um pendor voyeurista, curioso do universo íntimo, algo decadente, das prostitutas e dançarinas que enchem as telas de Degas. Pensámos que seria algo circunscrito à sociedade americana, tradicionalista e conservadora, que aproveitava para trazer à tona as acusações de antissemitismo e as suspeições em relação à vida celibatária do pintor.

Exposição “Degas and the Nude”
9 out. 2011 – 5 fev. 2012
Boston, Museum of Fine Arts
Foto: Flickr Hive Mind, 2011

Continuar a ler

Questão de ética: há uma linha que separa?

Apesar de todas as evidências, a presunção de inocência até o indivíduo ser condenado em sentença proferida em trânsito em julgado é um princípio fundamental e um direito que nos assiste. Apesar de todas as evidências de culpa, é assim e ainda bem que é. Apesar de todas as evidências de culpa, ninguém deve ser condenado em praça pública e ser prejudicado no exercício das suas funções. É assim, ainda bem que é.

Este princípio, porém, não invalida que se tomem precauções, sobretudo se o indivíduo sobre quem recaem as suspeitas – todas as evidências – estiver em funções que permitam ou facilitem a continuidade dos atos ilícitos. A presunção de inocência recai sobre o indivíduo, mas não diminui a gravidade do ato cometido a ser provado. Um roubo é um roubo, independentemente de quem o comete. Por outro lado, favorecer o indivíduo sobre quem recaem suspeitas, promovendo as condições, ou é uma armadilha ou é uma imprudência.

Quando se trata de dirigentes públicos, o assunto deveria ser mais acautelado (vd. Roque, 2016, 7 fev.). E, por isso, as declarações de Celeste Amaro, Diretora Regional de Cultura do Centro, a propósito da atribuição de um novo cargo a um antigo diretor de museu com um processo na justiça, são, no mínimo, bizarras: “[O facto de] ele ser arguido não me interessa nada – actualmente, metade dos portugueses são arguidos”, comentou, enfatizando que está “muito satisfeita por alguém querer ir trabalhar para o interior” (cit. in Andrade e Canelas, 2018, 6 fev.).

A quantidade e a frequência de notícias sobre fraudes, corrupção, roubos, acabaram por banalizar o assunto. A linha que estabelece a fronteira da ética desvaneceu-se, relativizando todas as questões que lhe são (eram?) associadas. A cidadã Celeste Amaro pode pensar e agir desta forma, mas não quando presta declarações enquanto dirigente de um organismo que tem por missão a salvaguarda, valorização e divulgação do património, a respeito da escolha de alguém sobre quem pairam dúvidas precisamente nestes domínios.

As suspeitas de que este é alvo são suficientemente graves para acautelar o contacto e a margem com que pode intervir na área do serviço público do património, enquanto subsistirem dúvidas sobre a sua atuação e idoneidade. Independentemente de vir ou não a ser acusado, uma das suspeitas é de que este funcionário no exercício das suas antigas funções manteve relações privilegiadas e de benefício com entidades localizadas na área geográfica onde tinha ligações familiares e onde mantem atividade. Atribuir-lhe agora funções precisamente nesta área é favorecer a continuidade de uma prática em investigação e ainda não esclarecida. Desta vez, com o beneplácito superior de quem decidiu ignorar a possibilidade de uma atuação menos própria na defesa do património.

Há uma linha que separa o “poder” do “dever”? quem é responsável de quem comete irresponsabilidades no âmbito do património? quem nomeia de quem é nomeado? Há (ainda?) alguma linha a separar a conduta de ética daquilo a que, de forma gradual e progressiva, nos vamos habituando e começamos a aceitar como inevitável ou, o que parece pior, como normal?

Referência:
Andrade, S. C., Canelas, L. (2018, 6 fev.). Ex-director do Museu da Presidência foi transferido para a Direcção Regional de Cultura do Centro. Público. Acedido em https://www.publico.pt/2018/02/06/culturaipsilon/noticia/exdirector-do-museu-da-presidencia-vai-passar-a-trabalhar-na-direccao-de-cultura-do-centro-1802077
Roque, M. I. (2016, 7 fev.). Res publica ou res privata: questões éticas na atividade museológica. A.muse.arte. Acedido em https://amusearte.hypotheses.org/1399

Procissão do Corpo de Deus em Lisboa

Exposição “Corpus Christi: A procissão do Corpo de Deus, por Diamantino Tojal
Lisboa, antigo Convento da Graça, 16 jun. 2017 – 1 jul. 2018

A Solenidade Litúrgica do Corpo e Sangue de Cristo começou a ser celebrada em meados do século XIII, ao mesmo tempo, crescia a devoção ao Santíssimo Sacramento, através de práticas que incluíam a adoração da hóstia fora da missa e as procissões do Santíssimo Sacramento. A solenidade teve início em 1246, na cidade de Liège, na atual Bélgica, por iniciativa de freira Juliana de Mont Cornillon, cumprindo o pedido feito durante as visões místicas de Cristo para que se fizesse uma festa litúrgica anual em honra da Sagrada Eucaristia. Na altura, o cónego Pantaleão de Troyes, futuro Papa Urbano IV era arcediago do Cabido Diocesano de Liège.

Missa de Bolsena (detalhe)
Rafael Sanzio, 1512
Vaticano, Musei Vaticani, Stanza di Eliodoro

Continuar a ler

Portugal para inglês ver

Portugal foi eleito o Melhor Destino Turístico do Mundo na 24.ª cerimónia anual dos World Travel Awards (WTA), realizada em Phu Quoc, no Vietnam, no passado dia 10 de dezembro, cerca de três meses depois de ter sido reconhecido como o Melhor Destino Europeu, também pelos WTA. Além deste, vieram para Portugal os galardões de Melhor Citybreak do Mundo, para Lisboa, Melhor Destino Insular, para a Madeira, Melhor Exemplo de Recuperação de Património, para os Parques de Sintra-Monte da Lua, bem como de Melhores Campanhas de Promoção Turística e, pela quarta vez consecutiva, a Melhor Organização de Turismo do Mundo, para o Turismo de Portugal.

Lisboa, Praça do Comércio
Foto: Pxhere, 2017

Continuar a ler

Reflexo(e)s do outro lado do espelho

Exposição “Do outro lado do espelho
Lisboa, Museu Calouste Gulbenkian, 26 out. 2017 – 5 fev. 2018

You can just see a little peep of the passage in Looking-glass House, if you leave the door of our drawing-room wide open: and it’s very like our passage as far as you can see, only you know it may be quite different on beyond.
Lewis Carrol, 2010 (1871), p. 5

A Gulbenkian propõe-nos uma viagem ao universo de Alice, do outro lado do espelho, ao mesmo tempo que nos desafia a uma reflexão acerca da nossa identidade, da imagem, ou consciência, do eu e das suas pluralidades, das facetas projetadas no espelho poliédrico da nossa existência. É a epígrafe que marca a entrada na exposição, extraída da segunda aventura de Alice, na obra Alice do outro lado do espelho e o que ela encontrou por lá1: “Quem sou eu do outro lado do espelho?” – “And now, who am I? I will remembre if I can! I’m derermined to do it!” (Carrol, 2010, 23).

Exposição “Do outro lado do espelho”
Lisboa, Museu Calouste Gulbenkian
Foto: MIR, 2017

Continuar a ler

  1. Alice do outro lado do espelho e o que ela encontrou por lá, no original Through the looking-glass, and what Alice found there, publicado em 1871, é a continuação da obra Alice no País das Maravilhas (Alice’s Adventures in Wonderland), escrita em 1865, por Lewis Carroll, pseudónimo de Charles Lutwidge Dodgson. []

O mundo impossível de Escher

No Museu de Arte Popular, está agora patente uma exposição com 200 obras do artista holandês Mauritz Cornelis Escher. A exposição é controversa pelos moldes da utilização do espaço que se esperava reabrir como Museu de Arte Popular, não pelo artista conhecido pelo grafismo de construções impossíveis e ilusões de ótica.

M. C. Escher1

Mauritus Cornelis Escher  (1898-1972) desenvolveu uma vasta obra gráfica, sobretudo em xilografia e litografia, a partir de conceitos matemáticos. Com uma notória perícia técnica no âmbito da gravura, Escher subverteu os princípios clássicos da perspetiva para criar estruturas impossíveis. Em sintonia com os princípios de rutura da arte contemporânea, encontrou um novo campo de inspiração na inevitável contradição entre a bidimensionalidade do papel ou da tela e a realidade tridimensional. Influenciado pelo ritmo dos padrões geométricos, Escher desconstrói-lhes a previsibilidade, acrescentando-lhes movimentos de translação, rotação, reflexão, ou seja, transformações isométricas que permitem movimentar a figura no espaço.

Influenciado pela arte islâmica e, em particular pelo geometrismo da decoração azulejar, algumas das composições de Escher derivam da divisão regular do plano numa matriz em que se inserem figuras que se repetem e transfiguram.

Céu e Água I
M. C. Escher, 1938
Xilogravura

Continuar a ler

  1. Texto publicado em: (2013, dez.). M. C. Escher. In Lumen Veritatis: Boletim da Sociedade Científica da Universidade Católica Portuguesa, 28, 5-6.
    Acedido em http://www2.ucp.pt/resources/Documentos/SCUCP/LumenVeritatis/Lumen_28_IMP.PDF []

A arte que vem das ilhas do ouro branco

Exposição “As ilhas do ouro branco: Encomenda artística na Madeira: Séculos XV-XVI
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga, 16 nov. 2017 – 18 mar. 2018

Esta segunda ilha [a Madeira] acharom boa, specialmente de muy nobres auguas corredyas, que levam pera regar a qualquer parte que querem; e começarom ally de fazer suas sementeiras muy grandes, de que lhes vierom muy abastosas novidades. De y virom a terra de boõs ares e saadya, e de muytas aves, que logo no começo tomavam com as maãos, e assy muytas bondades que acharam na dicta ilha.
Gomes Eanes de Zurara (1841, p. 387)

João Gonçalves Zarco e Tristão Vaz Teixeira, após o descerco de Ceuta, terão seguido para a costa africana com o propósito de combater os mouros e, devido a um temporal acostaram à ilha de Porto Santo1 Depois de dar a nova ao Infante D. Henrique, regressaram à ilha na companhia de Bartolomeu Dias que a quis povoar. Daí avistaram, então, um negrume a quebrar a linha do horizonte e “partiram em taõ boa hora que com pouca difficuldade lhes quiz Deos deparar outra Ilha também deserta, muito mòr que a do Porto Santo, à qual por ser chea de bosques puzeraõ nome de Madeira” (Góis, 1724, p. 24). Damião de Góis, na Crónica do Príncipe D. João registou o descerco em 1419, o que aponta para a chegada ao arquipélago no ano seguinte; Jerónimo Dias Leite, cronista madeirense e autor da obra Descobrimento da Ilha da Madeira, situa os factos no verão de 1419.

Exposição “As ilhas do ouro branco”
Lisboa, MNAA
Foto: MIR, 2017

Continuar a ler

  1. O arquipélago madeirense era conhecido, pelo menos, desde meados do século XIV, sendo conhecidas as representações cartográficas das ilhas, no Atlas Medicis de Mediceo (c. 1370), na carta atribuída aos irmãos Pizzigani (1367), no planisfério catalão de Abraão Cresques (1375), na carta de Solleri (1385) e na carta de Pinelli, de 1390. []

Escher em vez de um museu

Tinha sido prometido um museu de arte popular há muito fechado, desejado e anunciado. A designação de “arte popular” obriga a repensar uma série de conceitos formulados durante o Estado Novo, sob a orientação de António Ferro, mas que são mais abrangentes do que a política propagandística do regime. Parece subsistir, aqui, um envergonhado preconceito contra a versão folclorista da identidade nacional a impedir uma reflexão alargada acerca da diversidade antropológica e etnográfica do país, das artes e das tradições que, lentamente, se vão perdendo sem que haja capacidade para se lhes fixar a memória.

Museu de Arte Popular, Lisboa, Portugal
Fotógrafo: Estúdio Horácio Novais, após 1948
Lisboa, Biblioteca de Arte, Fundação Calouste Gulbenkian

A questão não é exclusiva ao panorama nacional português. Para citar um exemplo extrínseco à realidade nacional, basta lembrar os debates em torno da criação do Musée de Quai Branly, ou do MUCEM e da respetiva designação, em substituição do Musée national des arts et traditions populaires, em Paris, criado por George-Henri Rivière (Vd., por exemplo: Auby, 1993, pp. 14 e seguintes; Grosjean, 2014). Lá, como cá, fica patente a questão: “comment prendre en charge l’ethnologie française [ou a portuguesa], dans ses dimensions historique et contemporaine?” (“Sous le MUCEM”, 2013, p. 3) Continuar a ler

Erros feitos e má memória: o jantar no Panteão

Os erros

A confusão a fraude os erros cometidos
A transparência perdida — o grito
Que não conseguiu atravessar o opaco
O limiar e o linear perdidos

Deverá tudo passar a ser passado
Como projecto falhado e abandonado
Como papel que se atira ao cesto
Como abismo fracasso não esperança
Ou poderemos enfrentar e superar
Recomeçar a partir da página em branco
Como escrita de poema obstinado?

Sophia de Mello Breyner Andresen, 1997

No encerramento da Web Summit, o grupo Founders Summit organizou um jantar no Panteão Nacional, no qual participaram investidores e empresários, selecionados pela organização do evento. Gerou polémica, muita controvérsia e pretensas justificações, a empurrar as culpas entre quem autorizou e quem permitiu.

Foto: DR

Continuar a ler

Arte e cultura portuguesa em exposição no museu universal do Google

O Ministério da Cultura, através da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), celebrou, no dia 9 de novembro, um acordo com o Google Cultural Institute, permitindo que as coleções dos museus, palácios e monumentos nacionais passem a estar representadas no Google Arts & Culture.

O Google Arts & Culture é a designação atual do antigo Google Art Project é uma plataforma digital pioneira na digitalização de imagens de alta resolução de obras de obras e na criação de visitas virtuais interativas no interior de alguns dos mais relevantes museus mundiais.

Google Arts and Culture: página de entrada do projeto
Printscreen, 11 nov. 2017

Continuar a ler

Instituto dos Museus e Monumentos: Uma medida que já não é medida

Na audição do Orçamento de Estado da Cultura para 2018, o ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, revelou uma nova medida inserida numa reforma administrativa mais alargada: a criação do Instituto dos Museus e Monumentos.

Percebia-se – até porque a declaração surgiu na sequência de uma questão formulada pela deputada centrista Teresa Caeiro acerca do anunciado modelo de gestão do Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) – que esta a promessa medida estaria relacionada com a promessa de uma maior autonomia administrativa e financeira do museu, em resposta à pretensão sucessivamente formulada pelo diretor do museu, António Filipe Pimentel, face a uma situação de quase rutura verificada no passado Verão.

Continuar a ler

Público para o museu, ou museu para o público: uma leitura do relatório Culture Track 2017

A definição de turismo criativo tem subjacente o conceito de experiência imersiva no destino da viagem. Na International Conference on Creative Tourism, de 2006, em Santa Fé, Novo México, foi sublinhado que “it includes more access to culture or history (“less museums, more squares”), involves doing something experientially, and an authentic engagement in the real cultural life of the city” (UNESCO. Creative Cities Network, 2006, p. [1]). Passada mais de uma década, verifica-se que, ao contrário da expetativa de “less museums” as estratégias imersivas invadiram os museus, convertidos em “more squares”, os quais, por seu turno continuam a ser passagem obrigatória no decurso da viagem turística.

Exposição “Juan Muñoz: Uma retrospetiva”
Porto, Museu de Serralves, 1 nov. 2008 – 24 fev. 2009
Foto: MIR, 2009

Continuar a ler

Dias de Todos os Santos e de Finados

O dia de Todos os Santos (Festum Omnium Sanctorum), que a Igreja católica de rito latino celebra a 1 de novembro, tende a confundir-se com o dia de Finados ou dos Fiéis Defuntos, homenageados no dia seguinte. A ocorrência do feriado propicia a antecipação da ida ao cemitério, lembrando aqueles que já partiram.

Maestà (Virgem e o Menino com anjos e santos)
Duccio di Buoninsegna, 1308-11
Siena, Museo dell’Opera del Duomo

Continuar a ler

O visitante no museu face à obra de arte: fonte para estudos de público

Stefan Draschan é um fotógrafo autodidata de 38 anos, austríaco, atualmente a viver em Paris e que passa os dias em museus, à espera da oportunidade de criar a sua obra. O projeto “People Matching Artworks“, publicado na página Tumblr do fotógrafo pretende isso mesmo: relacionar, ou combinar, as pessoas e as obras de arte. O visitante é o objeto, aquele que é captado pela sua objetiva, em função da complementaridade visual, gráfica ou cromática, que estabelece com a obra exposta em museus de Paris, Berlim ou Viena.

Projeto “People matching artworks”
Stefan Draschan, 24 out. 2017
Paris, Centre George Pompidou

Continuar a ler