Mérito e demérito entre o museu e o público

(Estas são opiniões incoerentes e politicamente incorretas)

Passar pelo museu não significa ver as obras expostas e, muito menos, compreender o que está exposto. Porque o museu continua a ser um espaço de eleição e de elites; porque o museu continua a ser um espaço sacralizado, cujo percurso se faz com a regularidade de um rito; porque o museu mantém um registo monológico, cumprindo as atribuições enquanto emissor da mensagem sem fundamentar a função comunicativa na relação que estabelece com os públicos-recetores.

Continuar a ler “Mérito e demérito entre o museu e o público”

Paris de Charles Marville: Um olhar sobre a cidade em mudança

Exposição “Charles Marville: Photographer of Paris
Nova Iorque, The Metropolitan Museum of Arte, 29 janeiro – 29 maio 2014

“regardez le jeu bizarre des ténèbres et des lumières
dans ce sombre labyrinthes d’édifices”
(Victor Hugo)

Percement de l'avenue de l'Opéra: chantier de la rue d'Argenteuil Charles Marville 1876, dezembro
Percement de l’avenue de l’Opéra: chantier de la rue d’Argenteuil
Charles Marville
1876, dezembro

Continuar a ler “Paris de Charles Marville: Um olhar sobre a cidade em mudança”

A materialização do desenho de Piranesi

Exposição “Diverse maniere: Piranesi, fantasy and excess
Londres, Sir John Soane’s Museum, 7 março – 31 maio 2014

Giovanni Battista Piranesi, nasceu em Mogliano di Mestre, junto a Veneza, no ano de 1720, e morreu em Roma, em 1778. Interessou-se por arqueologia e pelos cânones da arte clássica, aprendeu arquitetura e engenharia, completou a formação com o gravador Carlo Zucchi. Chegou a Roma, em 1740, integrado na comitiva do Embaixador de Veneza, e começou a trabalhar como assistente de Vasi, reputado gravador de vedute da cidade, em colaboração com o pintor Panini. Roma era, na altura, um lugar cosmopolita de grande prestígio, passagem obrigatória do Grand Tour, ponto de encontro artistas, escritores e intelectuais de toda a Europa.

Veduta del Pantheon. In Piranesi, G. B. (1756). Le anLeantichità romane, v. 1 antichità romane, v. 1 Roma: A. Rotilj.antichità romane, v. 1 Roma: A. Rotilj.Leantichità romane, v. 1 Roma: A. Rotilj.antichità romane, v. 1 Roma: A. Rotilj.antichità romane, v. 1 Roma: A. Rotilj.
Veduta del Pantheon. In Piranesi, G. B. (1756). Le  antichità romane, v. 1 Roma: A. Rotilj.

Continuar a ler “A materialização do desenho de Piranesi”

Calçada portuguesa, um mundo aos nossos pés

Chama-se calçada portuguesa ao pavimento empedrado que, a preto e branco, desenha aos nossos pés um mar ondulado, caravelas e rosas-dos-ventos, campos de imbricados, padrões geométricos, figuras, monstros e fantasias, símbolos e alegorias, siglas e brasões…

As origens remontam à Antiguidade e, em particular, aos mosaicos romanos com tesselas de calcário, mármores, por vezes, com a introdução de vidros e terracota, cujos contrastes cromáticos se conjugavam em tapetes de padrões, dos mais simples ou mais complexos, ou em cenas que podiam atingir um nível de elevada precisão nos detalhes do desenho sublinhado por linhas de contorno.

Continuar a ler “Calçada portuguesa, um mundo aos nossos pés”

O lado mais luminoso de Edvard Munch

Ao falar do lado negro de Paul Gauguin e ao ver alguns dos desenhos e xilogravuras que vão estar em exposição no MoMA, era inevitável lembrar Edvard Munch e comparar as faces negras e cadavéricas de um com as declinações do rosto contorcido do outro.

Se há ideias preconcebidas e truncadas em relação à obra de Gauguin, também há um preconceito redutor que limita Munch ao estereótipo de O grito.

Continuar a ler “O lado mais luminoso de Edvard Munch”

No museu: da interdição à emoção

“Ne pas toucher, ne pas courir, ne pas parler : les expositions sont souvent le lieu de toutes sortes d’interdits.” (Lequeux, 2014, 28 fev.)

A frase abre um artigo de Emmanuelle Lequeux, publicado no Le Monde, acerca da exposição “Des choses en moins, des choses en plus” (Paris, Palais de Tokyo à Paris, 14 de fevereiro – 2 de março 2014).

Não tocar, não correr, não falar…

Continuar a ler “No museu: da interdição à emoção”

Conceitos-chave de museologia

Desvallées, A., & Mairesse, F. (2014). Conceitos-chave de museologia. São Paulo: Armand Colin; Comitê Internacional para Museologia do ICOM; Comité Nacional Português do ICOM. Disponível em: http://icom.museum/fileadmin/user_upload/pdf/Key_Concepts_of_Museology/Conceitos-ChavedeMuseologia_pt.pdf

O ICOM Portugal acaba de divulgar a publicação do documento Conceitos-chave de Museologia, disponível em suporte digital (formato pdf pesquisável) e em linha. icom-conceitos-chave

Continuar a ler “Conceitos-chave de museologia”

Rui Chafes, (a sustentada leveza do) peso do paraíso

Exposição “O peso do paraíso”, de Rui Chafes
Lisboa, Centro de Arte Moderna, 13 fevereiro – 18 setembro 2014

Rui Chafes tem a primeira exposição retrospetiva em Portugal ou, pelo menos, a primeira com esta dimensão. São mais de uma centena de obras que preenchem os espaços e se prolongam para lá dele. Muitas nunca tinham sido apresentadas no país, enquanto foi através de outras que nos habituámos à obra de Chafes e aprendemos a distinguir a sua marca. Umas são imensas, exigindo uma reserva de vazio em torno. Outras são breves vibrações que, subitamente, se descobrem em sítios inesperados, quase impercetíveis. Cada uma é um universo único que concentra por inteiro, sem distrações, nem inadvertências. Todas são impositivas: estão ali e aquele lugar pertence-lhes por inteiro. O guião segue uma narrativa entre a força da presença de cada uma, a expetativa que a antecede e a pausa que se lhe segue, seguindo a lógica do contraste entre a intuição do peso e a imanência da leveza que se intui na obra de Chafes.

Exposição "O peso do paraíso" Lisboa, CAM, 2014
Exposição “O peso do paraíso”
Lisboa, CAM, 2014

Continuar a ler “Rui Chafes, (a sustentada leveza do) peso do paraíso”

Turismo criativo e museus

No texto Impacto do Turismo Criativo no desenvolvimento do Turismo Cultural  (Oliveira, 2014), publicado na Publituris, Cristiana Oliveira expõe as circunstâncias e os efeitos da “universalização do turismo enquanto atividade económica verdadeiramente global”, chamando a atenção para a progressiva implementação do turismo “criativo”. Se os padrões do turismo de consumo baseado nos formulários dos pacotes de sol e praia têm vindo a anunciar desgaste, também o turismo cultural começa a esgotar-se nos habituais padrões de visita a monumentos e museus superpovoados, onde o visitante se confina ao papel de espetador de paisagens naturais ou dos indícios materiais de outras culturas. A visualização de indícios materiais de realidades que, sendo exógenas, se mantém indecifráveis e incognoscíveis é uma vivência truncada na experiência da viagem.

Continuar a ler “Turismo criativo e museus”

Júlio Pomar: um olhar entre textos e imagens

Exposição “Tratado dos olhos”, de Júlio Pomar
Lisboa, Atelier-Museu Júlio Pomar, 28 fevereiro – 28 setembro

Pomar, J.; Matos, S. A. (ed.); Faro, P. (org.). (2014). Notas sobre uma arte útil: Parte escrita I. Lisboa: Documenta; Atelier-Museu Júlio Pomar.
Júlio Pomar expõe-se através do texto e da imagem. Ao mesmo tempo que se inaugura a exposição Tratado dos olhos, é lançada a obra Notas Sobre uma Arte Útil com textos escritos entre 1942 e 1960, por altura do exílio em Paris. Anuncia-se como o primeiro volume da trilogia intitulada Parte da escrita, completada com Da Cegueira dos Pintores, Parte Escrita II (1985) e Temas e Variações, Parte Escrita III (1968-2013), cuja publicação está prevista para os próximos meses a partir da recolha elaborada por Sara Antónia Matos, diretora do Atelier Museu, e Pedro Faro.

Continuar a ler “Júlio Pomar: um olhar entre textos e imagens”

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search