“Cadenas d’amour” na pont des Arts

Um gesto que se tornou um ritual amoroso, um sinal exterior de compromisso, uma jura de amor entre casais: amarrar um cadeado nas guardas de uma ponte, local público de passagem, e atirar a chave ao rio. Por vezes, com o nome de quem ali o deixa, a data, uma frase… Não se sabe exatamente onde ou quando começou, mas tornou-se um fenómeno viral, que alguns municípios tentam combater, proibindo a prática, multando quem a pratica.

Continuar a ler ““Cadenas d’amour” na pont des Arts”

O futuro dos museus

Como serão os museus no futuro? De que forma irão incorporar as novas tecnologias no funcionamento, na gestão, na comunicação com os públicos? E quem serão os públicos dos museus no futuro?

Começa a desenhar-se o difícil equilíbrio entre o museu e o público: por um lado, o instinto conservador que, em nome da segurança e da preservação, cria barreiras em toro das obras expostas; por outro lado, uma crescente predisposição de toda a sociedade para acolher experiências cada vez mais interativas e dinâmicas.

Continuar a ler “O futuro dos museus”

“J’appelle Musé…

“J’appelle Musée Imaginaire la totalité de ce que les gens peuvent connaître aujourd’hui même en n’étant pas dans un musée.”
Malraux, 1974, p. 166.

As razões do nome
… musa, muse, museu, arte, amuse, amusarte …

Amuse é entretenimento, jogo, desenfado, diversão. Em francês e em inglês, é ocupar o tempo em algo de aprazível. Uma interseção que cruza as palavras museu e arte, sublinhando o seu principal propósito: rasgar a monotonia dos dias através da emoção estética, do contentamento que ambos nos proporcionam.

Malraux, A. (1974). La tête de l’obsidienne. Paris : Gallimard.