O Menino-Rei e as searinhas do Natal

No dia de Natal, íamos visitar o presépio que as primas armavam no grande oratório da sala. Ao contrário do nosso, que tinha a cabaninha com a Sagrada Família e os animais, com uma grande estrela iluminada, e um sem fim de socalcos de cortiça e musgo onde dispúnhamos as figurinhas de barro, o presépio das primas era apenas o Menino e pratinhos de verdura sobre a toalha branca do altar.

Presépio algarvio: trono com a imagem do Menino Jesus, searinhas e laranjas Faro, Escola Secundária de Tomás Cabreira, 2013

Presépio algarvio: trono com a imagem do Menino Jesus, searinhas e laranjas
Faro, Escola Secundária de Tomás Cabreira, 2013

Continuar a ler

Museu e património no destino da viagem

A Grand Tour nos primórdios do turismo cultural

As circunstâncias do aparecimento simultâneo dos atuais conceitos de ‘turismo’ e de ‘museu’, no contexto da Europa iluminista, sustentam um percurso feito de conexões e mútuas influências. Ao longo do século XVIII, no contexto do Iluminismo europeu, desenvolveram-se as práticas de viagem e de colecionismo que constituem a proto-história do turismo e da museologia. O denominador comum era o conhecimento do passado e dos seus vestígios materiais, o que coincidia também com a crescente consciência em torno do património e da necessidade de o conservar no seu ambiente original.

British gentlemen in Rome Katharine Read, ca.  1750 Yale Center for British Art, Paul Mellon Collection

British gentlemen in Rome
Katharine Read, ca. 1750
Yale Center for British Art, Paul Mellon Collection

Continuar a ler

#ComingOutMNAA: o museu na “nossa” na rua

2015/10/03, aqui se dava conta da iniciativa #ComingOutMNAA, sugerindo que “se os transeuntes da rua não vão ao museu, vai o museu ter com os transeuntes da rua”. Na altura, referia que o “contraste entre o museu e a rua era mais acentuado em Londres”, onde a National Gallery criou o projeto The Grand Tour, para levar algumas das mais emblemáticas obras da coleção às ruas de Convent Garden, Soho e Chinatown, enquanto, em Lisboa, o Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) optou pelas zonas mais turísticas do Chiado e Bairro Alto. Porém, não são estas as ruas que faltam ao museu.

ComingOut MNAA Lisboa, Largo de S. Carlos Foto: MIR, 2015

ComingOut MNAA
Lisboa, Largo de S. Carlos
Foto: MIR, 2015

O “Robin das Artes” – dois jovens que não querem ser identificados – completa o círculo de forma magistral: ao longo das semanas, aproveitando a madrugada e com o engenho da oportunidade, retiraram quatro quadros (dos catorze desaparecidos) que deslocaram – “Não é um roubo, é um deslocamento”, como dizem ao Observador (cit. in Coelho, 2015, 6 dez.) – para a outra “margem”, no sentido literal do termo. Estão expostos como se estivessem no museu, com a respetiva moldura e a tabela informativa com um breve texto explicativo.

O “Retrato do Conde de Farrobo”, o “São Damião”, o “Retrato do Senhor de Noirmont” e “Conversação” estão agora junto dos públicos “marginalizados”, excluídos dos espaços privilegiados da cultura, ignorados enquanto recetores potenciais do discurso museológico.

São Damião, Mestre desconhecido, c. 1460-1470.  Av. Prof. Rui Luís Gomes, Almada Foto: André Costa, 2015.

Conversação, Pieter de Hooch, 1663-1665
Almada
Foto: André Costa, 2015.

O “Robin das Artes” refaz e, em certa medida, corrige o processo desencadeado pelo MNAA, instalando-os nos lugares mais (in)esperados, nos bairros populares de Almada e do Seixal, nas antípodas do museu. É aqui que, por fim, o desafio ganha amplitude.

São Damião, Bartolomé Bermejo, c. 1460-1470 Almada, Av. Prof. Rui Luís Gomes Foto: André Costa, 2015.

São Damião, Bartolomé Bermejo, c. 1460-1470
Almada, Av. Prof. Rui Luís Gomes
Foto: André Costa, 2015.

São estes os públicos que desafiam a ação mediadora do museu. Talvez quem aqui mora não costume ir ao museu, mas certamente nunca se sentiu convidado. Talvez não saiba que obras são estas, porque nunca ninguém lhes contou, nem explicou. E se alguém se sentir intrigado e desafiado a ir, a compreender e a saber, que o museu os saiba acolher.

Finalmente, agora, o museu está na rua, pendurado nas paredes de prédios sociais, inserido no quotidiano da gente comum.

Agora, sim, o museu está na “nossa” rua.

Referência e fonte das imagens:
Coelho, S. O. (2015, 6 dez.). ‘Robin das Artes’ tirou quatro quadros do Chiado e deu-os ao Miratejo. Observador. Acedido em http://observador.pt/2015/12/06/robin-das-artes-tirou-quatro-quadros-do-chiado-e-deu-os-ao-miratejo/

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "#ComingOutMNAA: o museu na “nossa” na rua," in a.muse.arte , 2015/12/06, https://amusearte.hypotheses.org/1118.