Entre quem faz e quem vê: os limites do discurso na arte contemporânea

A arte contemporânea pretendia-se acessível e apreensível pelo senso comum, numa reação contra o elitismo das “belas-artes” tradicionais. Afinal, não: a memória coletiva perceciona melhor e, por isso, adere com mais facilidade às formas e composições que lhe são familiares e pode identificar, nomear ou descrever. Talvez seja isso que justifica o alheamento ou a incompreensão face às vanguardas. Continuam por compreender – e por aceitar! – as instalações cuja conceptualização exige uma descodificação mais complexa e elaborada.

Continuar a ler “Entre quem faz e quem vê: os limites do discurso na arte contemporânea”

Imagens deturpadas

Numa pedagogia positiva, devem apresentar-se os bons exemplos. Porém, quando a imagem de ocorrências negativas se torna proeminente, invade as redes sociais e chega à imprensa, torna-se impossível ignorá-las e torna-se pedagogicamente correto abordá-las como expressão materializada do erro.

Sem o impacto à escala global – ainda! – do Cristo de Borja, que se tornou um fenómeno icónico e mediático, o famigerado restauro do apostolado da Capela da Última Ceia do Santuário de Nossa Senhora as Preces, Aldeia das Dez, Oliveira do Hospital alerta para uma prática de nefastas intervenções de que o nosso património continua a ser alvo. No caso, um trabalho efetuado no âmbito da disciplina “Museologia, Conservação e Restauro”, lecionada na Universidade do Tempo Livre da Associação Nacional de Apoio ao Idoso, de Coimbra, e orientado pelo Dr. João Miguel Vieira Duque, que, em entrevista ao Correio da Manhã (2014, 2 fev., p. 16) se diz orgulhoso do trabalho feito em 2008, se vangloria dos vinte e dois anos de profissão como conservador-restaurador e apresenta como credenciais o mestrado Sociomuseologia que está a tirar na Universidade Lusófona. Mais pernicioso, portanto, por se encobrir sob uma falsa capa de competência profissional.

Aula da disciplina de“Museologia, Conservação e Restauro”, lecionada na Universidade do Tempo Livre da Associação Nacional de Apoio ao Idoso, de Coimbra. In (2009) Rutis, 4, p. 3. Disponível em http://www.rutis.org/documentos/conteudos/Rutis_Jornal_4.pdf
Aula da disciplina “Museologia, Conservação e Restauro”, lecionada na Universidade do Tempo Livre da Associação Nacional de Apoio ao Idoso, de Coimbra. In (2009) Rutis, 4, p. 3.

Continuar a ler “Imagens deturpadas”

“Cadenas d’amour” na pont des Arts

Um gesto que se tornou um ritual amoroso, um sinal exterior de compromisso, uma jura de amor entre casais: amarrar um cadeado nas guardas de uma ponte, local público de passagem, e atirar a chave ao rio. Por vezes, com o nome de quem ali o deixa, a data, uma frase… Não se sabe exatamente onde ou quando começou, mas tornou-se um fenómeno viral, que alguns municípios tentam combater, proibindo a prática, multando quem a pratica.

Continuar a ler ““Cadenas d’amour” na pont des Arts”

O futuro dos museus

Como serão os museus no futuro? De que forma irão incorporar as novas tecnologias no funcionamento, na gestão, na comunicação com os públicos? E quem serão os públicos dos museus no futuro?

Começa a desenhar-se o difícil equilíbrio entre o museu e o público: por um lado, o instinto conservador que, em nome da segurança e da preservação, cria barreiras em toro das obras expostas; por outro lado, uma crescente predisposição de toda a sociedade para acolher experiências cada vez mais interativas e dinâmicas.

Continuar a ler “O futuro dos museus”

“J’appelle Musé…

“J’appelle Musée Imaginaire la totalité de ce que les gens peuvent connaître aujourd’hui même en n’étant pas dans un musée.”
Malraux, 1974, p. 166.

As razões do nome
… musa, muse, museu, arte, amuse, amusarte …

Amuse é entretenimento, jogo, desenfado, diversão. Em francês e em inglês, é ocupar o tempo em algo de aprazível. Uma interseção que cruza as palavras museu e arte, sublinhando o seu principal propósito: rasgar a monotonia dos dias através da emoção estética, do contentamento que ambos nos proporcionam.

Malraux, A. (1974). La tête de l’obsidienne. Paris : Gallimard.