São Pedro e as festas populares

São Pedro era um dos doze apóstolos. De seu nome Simão, tomou o nome de Pedro, ao ser chamado e eleito para se tornar a pedra angular da Igreja, segundo o relato de Mateus:
“E Jesus, respondendo, disse-lhe: Bem-aventurado és tu, Simão Barjonas, porque to não revelou a carne e o sangue, mas meu Pai, que está nos céus. Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela; E eu te darei as chaves do reino dos céus; e tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus.” (Mt. 16, 17-19)

São Pedro Vasco Fernandes (Grão Vasco) 1535-1542 Prov. Sé de Viseu Viseu, Museu Grão Vasco
São Pedro
Vasco Fernandes (Grão Vasco)
1535-1542
Prov. Sé de Viseu
Viseu, Museu Grão Vasco

S. João Batista e as tradições das festas populares

S. João Batista, o Percursor de Cristo, foi filho tardio do sacerdote Zacarias e de Isabel, prima da Virgem, tendo ambas engravidado milagrosamente e quase ao mesmo tempo. Por isso, a iconografia da infância de Cristo o regista frequentemente em pueris brincadeiras com João menino que se faz acompanhar pelo cordeiro, prenunciando-lhe o sacrifício da paixão e morte ao designá-lo como “Agnus Dei” (cordeiro de Deus).

S. Joãozinho (S. João Batista menino) no deserto Francesco Bartolozzi ( a partir de Guercino), 1764 Insc. F. Bartolozzi Sculp. Londra 1764 // Guercino inv. In: [82 prints, engraved by F. Bartolozzi and from the original drawings of Guercino in the collection of His Majesty]. London: [s.n.] Glasgow, University, Hunterian Museum & Art Gallery Collections
S. Joãozinho (S. João Batista menino) no deserto
Francesco Bartolozzi ( a partir de Guercino), 1764
Insc. F. Bartolozzi Sculp. Londra 1764 // Guercino inv.
In: [82 prints, engraved by F. Bartolozzi and from the original drawings of Guercino in the collection of His Majesty]. London: [s.n.]
Glasgow, University, Hunterian Museum & Art Gallery Collections
Continuar a ler “S. João Batista e as tradições das festas populares”

Santo António

Fernando Martins de Bulhões, de seu nome de batismo, nasceu em Lisboa, na última década do século XII. Em 1210, ingressou como noviço da Ordem dos Agostinhos no Convento de São Vicente de Fora e, depois, no Convento de Santa Cruz, em Coimbra, onde cursou Direito. Consta que, ao assistir à chegada das relíquias dos Mártires de Marrocos, se terá emocionado com o exemplo destes frades franciscanos, o que o levou a fazer-se frade na Ordem de São Francisco. A esta mudança de carisma alude uma caraterística específica da sua iconografia em Portugal ou em zonas de influência portuguesa, que o mostram com uma ponta do hábito franciscano levantado, deixando ver a bainha da túnica agostinha.

S. Antonio de Lisboa, espelho de Portugal C. Duarte Braga, 1960. D. F. fecit.
S. Antonio de Lisboa, espelho de Portugal
C. Duarte
Braga, 1960.
D. F. fecit.

Continuar a ler “Santo António”

Tradições dos santos populares

Junho é o mês dos santos populares. Nos bairros mais típicos e antigos, as ruas são decoradas com grinaldas de flores, balões e lanternas feitas em papel colorido, criando um ambiente alegre repleto de cores, luzes e música, a que se mistura o fumo das fogueiras e das sardinhas assadas na brasa, abafando o cheiro dos manjericos pendurados em cada janela. À noite, toda a gente sai à rua, fazendo o arraial. Nas esplanadas improvisadas, as sardinhas fazem-se acompanhar pelo caldo verde, pão com chouriça e vinho tinto.

Manjerico Foto: MIR, 2014
Manjerico
Foto: MIR, 2014

Continuar a ler “Tradições dos santos populares”

O resplendor e a glória da imagem do Senhor Santo Cristo dos Milagres

O culto ao Senhor Santo Cristo dos Milagres teve início na comunidade de freiras clarissas num lugar então denominado de Val dos Cabaços da vila de Água de Pau, hoje Caloura, junto ao mar, entre Vila Franca do Campo e Ponta Delgada, na ilha de S. Miguel, no segundo quartel do século XVI. Segundo a tradição, duas freiras deslocaram-se a Roma a fim de obter as Bulas Apostólicas necessárias e teria sido o próprio papa, Paulo III ou Clemente VII, a oferecer-lhes uma imagem-sacrário do Ecce Homo; na viagem de retorno, junto à costa da ilha, sofreram um naufrágio e a imagem terá desaparecido durante a tormenta. Algum tempo depois, a imagem seria miraculosamente encontrada junto ao convento, passando a ser alvo de especial devoção.

Santo Cristo dos Milagres em Ponta Delgada. Foto: Osvaldo Janeiro, 2014.
Santo Cristo dos Milagres em Ponta Delgada.
Foto: Osvaldo Janeiro, 2014.

Continuar a ler “O resplendor e a glória da imagem do Senhor Santo Cristo dos Milagres”

A propósito de um congresso sobre as novas tendências em humanidades

O XII Congreso Internacional sobre Nuevas Tendencias en Humanidades teve lugar em Madrid na Universidad San Pablo CEU, entre 11 e 13 de junho de 2014, estruturado em cinco temas:
˗   Estudios críticos y culturales
˗   Comunicación y estudios de lingüística
˗   Las humanidades en la literatura
˗   Estudios cívicos, políticos y de la comunidad
˗   Educación y humanidades.

Entrada para o XII Congreso Internacional sobre Nuevas Tendencias en Humanidades. Madrid, Universidad San Pablo CEU Foto: Dália Guerreiro, 2014
Entrada para o XII Congreso Internacional sobre Nuevas Tendencias en Humanidades.
Madrid, Universidad San Pablo CEU
Foto: Dália Guerreiro, 2014
Sessão de abertura pelo Prof. Karim Gherab-Martín. Foto: Dália Guerreiro, 2014.
Sessão de abertura pelo Prof. Karim Gherab-Martín.
Foto: Dália Guerreiro, 2014.

Esperava-se um amplo debate sobre humanidades digitais, assumindo o maior peso concedido aos estudos no âmbito da literatura e da linguística. O que se justifica, atendendo ao facto de que a primeira experiência no âmbito da aplicação da computação foi o projeto Index Thomisticus, desenvolvido desde 1949, pelo linguista Robert Busa. Estranha-se, em contrapartida, a ausência de investigadores em museologia, tendo havido apenas duas conferências relacionadas com museus.

Continuar a ler “A propósito de um congresso sobre as novas tendências em humanidades”

O turismo, sob o desígnio da cultura

O termo turismo deriva da designação Grand Tour, designação dada ao circuito da aristocracia e alta burguesia ao longo da Europa e, em particular, pela França e Itália, entre o século XVII e meados do XIX, a fim de conhecer os vestígios da história e da cultura do passado.

A Grand Tour Group of Five Gentlemen in Rome John Brown (atrib.), 1773 Londres, National Trust, Ham House; foto: National Trust Images/Derrick E. Witty
A Grand Tour Group of Five Gentlemen in Rome
John Brown (atrib.), 1773
Londres, National Trust, Ham House; foto: National Trust Images/Derrick E. Witty

Continuar a ler “O turismo, sob o desígnio da cultura”

Metropolitan Museum of Art: a disponibilização do acervo em linha e outros desvios à norma

O Metropolitan Museum of Art (Met), de Nova Iorque, anunciou a disponibilização em linha das imagens da maior parte do acervo, num total de cerca de 400.000 ficheiros de alta qualidade, os quais podem ser automaticamente transferidos sem que seja necessário pedir autorização ou pagar taxas de utilização. A notícia correu pelas redes sociais e provocou um inesperado número de acessos que obrigaram ao fecho temporário do sítio eletrónico do museu.

The Metropolitan Museum of Art: The Collection Online 2014
The Metropolitan Museum of Art: The Collection Online
2014

Continuar a ler “Metropolitan Museum of Art: a disponibilização do acervo em linha e outros desvios à norma”

A era digital e as narrativas na nova museologia

A nova doutrina museológica trouxe a narrativa, a capacidade de “contar uma história” para um plano central da experiência no museu. Os guiões expositivos, como o do Museu de Quay-Branly ou o do Louvre Lens, tendem a abandonar a lógicas das sequências espácio-temporais ou estilísticas, para tentar uma dialética mais fluida e abrangente, na qual o visitante possa seguir diferentes perspetivas e cruzar vários registos culturais. Outra estratégia passa pela utilização de equipamentos museográficos complementares, como os audio-guias ou os vídeos e, agora, os dispositivos interativos com jogos de realidade aumentada e virtual.

Museu virtual Europeana
Museu virtual Europeana

Continuar a ler “A era digital e as narrativas na nova museologia”

Glasgow School of Art, entre a tragédia e a esperança

Ontem, foram muitos os que ficaram estarrecidos face às imagens do incêndio na Glasgow School of Art, às chamas e ao fumo que saía pelo telhado, fazendo com que se receasse o pior.

Incêndio na Glasgow School of Art. 23 maio 2014

O edifício, projetado por Mackintosh entre 1899 e 1909, era considerado um dos principais edifícios do início do século XX, precursor de uma nova mentalidade arquitetónica, fazendo a ligação entre a complexidade da Arte Nova e o despojamento do Modernismo.

Continuar a ler “Glasgow School of Art, entre a tragédia e a esperança”

“As coleções criam conexões”: o papel dos museus na sociedade contemporânea

18 de maio, Dia Internacional dos Museus 2014 | ‘Museus: coleções criam conexões

O ICOM (Conselho Internacional de Museus) é uma organização internacional não-governamental criada em 1946, associada à UNESCO e com a missão de promover e proteger o património cultural e natural, tangível e intangível. Atualmente com mais de 30.000 membros em 137 países, o ICOM assume-se como uma rede de profissionais ligados aos museus e ao património, tendo como propósito a cooperação e troca de conhecimentos e metodologias.

Em 1977, o ICOM criou o Dia Internacional dos Museus, a 18 de maio, tendo em vista a sensibilização do público para o papel dos museus no desenvolvimento da sociedade. Com uma adesão crescente desde essa altura, em 2013, cerca de 35.000 museus em 143 países participaram nesta iniciativa.

Este ano, o tema é “As coleções criam conexões” propondo uma reflexão sobre o papel dinâmico do museu na relação que o museu cria com a comunidade, alargada e fluída, dos seus públicos.

ICOM, Dia Internacional dos Museus 2014 Museus: coleções criam conexões
ICOM
Dia Internacional dos Museus
18 maio 2014

Torna-se cada vez mais premente a reflexão acerca do perímetro da função patrimonial do museu no contexto da cultura contemporânea, cada vez mais globalizada, e em vertiginosa mutação de referências, num fenómeno de encurtamento das coordenadas espaço-tempo. É nesse contexto que o museu reivindica a competência de “criar conexões” através das coleções.

Continuar a ler ““As coleções criam conexões”: o papel dos museus na sociedade contemporânea”

Libertar o amor e salvar as pontes

A campanha No love locks visa acabar com os cadeados (Vd. “Cadenas d’amour” na pont des Arts, neste blogue) que proliferam pelas pontes e começam a ameaçar os monumentos da cidade, sobretudo, desde que a Pont des Arts e a Pont de l’ Archevêché (ou ponte Lovelock, como agora é identificada no Google Maps) ficaram esgotadas.

Pont des Arts, Paris Foto:Jean-Baptiste Gurliat/Mairie de Paris
Pont des Arts, Paris
Foto:Jean-Baptiste Gurliat/Mairie de Paris

A iniciativa partiu de Lisa Anselmo e Lisa Taylor Huff, duas americanas que atualmente vivem em Paris. A campanha foi iniciada em fevereiro passado, inclui uma petição que foi conta atualmente com quase 6000 assinaturas, e está a ser divulgada através de um blogue, de uma página no facebook e no twitter. As potencialidades de comunicação das novas tecnologias são largamente aproveitadas para assegurar a eficácia de uma ação que é exclusivamente cívica, enquanto as autoridades se mantêm hesitantes entre a reputação dos cadeados, junto dos turistas, destacando o seu lado romântico, e os riscos patrimoniais e também de segurança que esta prática contagiante acarreta. O sítio oficial da Câmara de Paris alerta :“Si on se réjouit que les amoureux soient si nombreux, ce rituel pose néanmoins quelques problèmes puisque ces témoignages d’amour, milliers de petits cadenas en acier, pèsent très lourd!” (Mairie de Paris, 2014) E, ao mesmo tempo, interroga : “La passerelle des Arts va-t-elle devenir victime des amoureux qui veulent sceller leur amour dans la durée?”

A opinião pública também se encontra dividida e Lisa Anselmo e Lisa Taylor Huff têm vindo a ser acusadas de retrógradas, antiquadas e de se intrometerem em assuntos que não lhes dizem respeito. Os amantes, esses, continuam a selar o amor através dos cadeados…

E nós continuamos a estranhar que isto seja uma prova de amor. Que seja necessário encontrar novos rituais para confirmar o compromisso entre duas pessoas que se amam. Que seja necessário demonstrar esse sentimento através de sinais exteriores e aparentes. E, mais ainda, que se respeite tanto esta atitude sem lógica, ao ponto de não a proibir, como se proíbe qualquer atentado ao património público.

Referência e fonte das imagens:
Mairie de Paris (2014, abr.). L’amour déborde à la passerelle des Arts. http://www.paris.fr/accueil/paris-mag/trop-lourd-l-amour-a-la-passerelle-des-arts/rub_9683_actu_134240_port_23863

Há quarenta anos: o património, a minha terra e eu

Luís Raposo publicou um texto sobre o 25 de abril e o património em Portugal e o que mudou neste anos (Raposo, 2014, 24 abr.). É a partir desse texto que se desfiam estas lembranças.

Não tenho memórias nítidas do “antes-depois” do 25 de abril. Em 1974, não imaginava o que fosse “estruturalismo, marxismo e demais «ismos»”. Apesar disso, conhecia os “tons do Adriano, do Zeca ou do Fanhais”, que ouvia regularmente no colégio de freiras onde estava interna, porque na minha terra não havia escola de Ciclo Preparatório, sem imaginar que a maioria deles estava proibida – um mistério que nunca desvendei: as canções proibidas que aí aprendíamos!. Também não tinha ideia do que fosse património, nem creio que as pessoas à minha volta tivessem alguma ideia do que se tratava.

Estômbar, antes do 25 de abril
Estômbar, década de 1950
Foto: Maria Augusta Roque  (álbum de família)

Continuar a ler “Há quarenta anos: o património, a minha terra e eu”

O revés do património ou a vã glória de um marquês benfiquista

O património é a herança do passado que mantemos viva para transmitir às gerações futuras. Por isso, é um sistema orgânico que se regenera, feito de reconstruções e adições que se sobrepõem a espaços vazios deixados por fragmentos que se perdem, ou se destroem, e morrem. É um património que se regenera através de sedimentos de emoções que lhe marcam a diacronia e o transformam numa narrativa em permanente construção. Temos a memória que preservamos e apenas possuímos o património que merecemos.

Estátua do Marquês de Pombal com a camisola do Benfica. Marquês de Pombal, Lisboa  Foto: Lusa
Estátua do Marquês de Pombal com a camisola do Benfica.
Foto: Lusa

Continuar a ler “O revés do património ou a vã glória de um marquês benfiquista”

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search