#MuseumWeek, dia 4

O dia 4 da #MuseumWeek teve, como tema, #BehindtheArt, promovendo o edifício que sustenta a obra exposta. Desfilaram as imagens de edifícios evidenciando um uso anterior à função museológica, historiografias da arquitetura dos museus, salas e vitrinas ainda vazias ou museografias arcaicas… Foi um dia de viagens ao passado, com fragmentos de uma história ignorada ou esquecida.
Continuar a ler “#MuseumWeek, dia 4”

#MuseumWeek, dia 2

O dia 2 da #MuseumWeek teve como tema #MuseumMastermind, um jogo interativo que os museus aproveitaram para conferir os conhecimentos do público. Ou, ligeiramente diferente, uma oportunidade para chamar a atenção para as obras menos conhecidas, perspetivas menos óbvias, detalhes particulares. Se ontem, o dia foi marcado pela curiosidade que nos levou a espreitar o que está para lá do percurso expositivo, hoje o propósito foi essencialmente lúdico.
Continuar a ler “#MuseumWeek, dia 2”

Selfie no museu

17 de março, Accademia delle Belle Arti di Brera, em Milão.
Um visitante, jovem estudante, em visita ao museu, encontrou a escultura Satiro ubriaco [sátiro adormecido], também conhecido como o Fauno Barberini, atribuída à oficina de Antonio Canova, datada de princípios do século XIX e de óbvia referência neoclássica, feita a partir da cópia de um original grego da época helenística, de cerca de 220 a.C., atualmente na Gliptoteca de Munique (Inv. 218). O jovem deve ter achado alguma graça à figura, ou à atitude, com o corpo estirado sobre uma rocha em evidente estado de embriaguez, a cabeça pendida sobre o ombro, o braço direito erguido a servir-lhe de apoio, as pernas despudoradamente abertas…
Continuar a ler “Selfie no museu”

#MuseumBlogs Day

19 de março, o dia (também) dos blogues de museu

a-muse-arte, a propósito do #MuseumBlogs Day
a-muse-arte, a propósito do #MuseumBlogs Day

Se tudo e todos têm um dia, como podiam os blogues de museus não marcar também um dia? No twitter, ao longo do dia têm sido ininterruptas as conversas sobre museus: notícias, comentários, reflexões, provocações, partilhas…

Continuar a ler “#MuseumBlogs Day”

Um lugar à margem

J. Paul Getty Museum,  Kempf, D. (n.d.) Monkeys in the margins. Acedido em: http://www.pinterest.com/gettymuseum/monkeys-in-the-margins/

Durante séculos, ficaram à margem. Longe do olhar, nos capitéis, escondidos na talha das molduras, perdidos entre as ramagens luxuriantes dos manuscritos medievais, ficavam à margem dos temas principais. O macaco, ou o homem selvagem, acompanhados por uma multidão de seres pérfidos ou maliciosos – cabras, porcos, javalis, grifos, sereias, centauros – criavam uma antonímia complementar da representação religiosa. Ao macaco, em particular, atribui-se uma função caricatural da humanidade, mas também uma oportunidade catártica de, através dele, se expressar o seu lado inferior e bestial.

Decorated Text Page (detail), Flemish, 1450s. J. Paul Getty Museum
Decorated Text Page (detail), Flemish, 1450s.
J. Paul Getty Museum

Continuar a ler “Um lugar à margem”

Mérito e demérito entre o museu e o público

(Estas são opiniões incoerentes e politicamente incorretas)

Passar pelo museu não significa ver as obras expostas e, muito menos, compreender o que está exposto. Porque o museu continua a ser um espaço de eleição e de elites; porque o museu continua a ser um espaço sacralizado, cujo percurso se faz com a regularidade de um rito; porque o museu mantém um registo monológico, cumprindo as atribuições enquanto emissor da mensagem sem fundamentar a função comunicativa na relação que estabelece com os públicos-recetores.

Continuar a ler “Mérito e demérito entre o museu e o público”

Calçada portuguesa, um mundo aos nossos pés

Chama-se calçada portuguesa ao pavimento empedrado que, a preto e branco, desenha aos nossos pés um mar ondulado, caravelas e rosas-dos-ventos, campos de imbricados, padrões geométricos, figuras, monstros e fantasias, símbolos e alegorias, siglas e brasões…

As origens remontam à Antiguidade e, em particular, aos mosaicos romanos com tesselas de calcário, mármores, por vezes, com a introdução de vidros e terracota, cujos contrastes cromáticos se conjugavam em tapetes de padrões, dos mais simples ou mais complexos, ou em cenas que podiam atingir um nível de elevada precisão nos detalhes do desenho sublinhado por linhas de contorno.

Continuar a ler “Calçada portuguesa, um mundo aos nossos pés”

No museu: da interdição à emoção

“Ne pas toucher, ne pas courir, ne pas parler : les expositions sont souvent le lieu de toutes sortes d’interdits.” (Lequeux, 2014, 28 fev.)

A frase abre um artigo de Emmanuelle Lequeux, publicado no Le Monde, acerca da exposição “Des choses en moins, des choses en plus” (Paris, Palais de Tokyo à Paris, 14 de fevereiro – 2 de março 2014).

Não tocar, não correr, não falar…

Continuar a ler “No museu: da interdição à emoção”

Conceitos-chave de museologia

Desvallées, A., & Mairesse, F. (2014). Conceitos-chave de museologia. São Paulo: Armand Colin; Comitê Internacional para Museologia do ICOM; Comité Nacional Português do ICOM. Disponível em: http://icom.museum/fileadmin/user_upload/pdf/Key_Concepts_of_Museology/Conceitos-ChavedeMuseologia_pt.pdf

O ICOM Portugal acaba de divulgar a publicação do documento Conceitos-chave de Museologia, disponível em suporte digital (formato pdf pesquisável) e em linha. icom-conceitos-chave

Continuar a ler “Conceitos-chave de museologia”

Turismo criativo e museus

No texto Impacto do Turismo Criativo no desenvolvimento do Turismo Cultural  (Oliveira, 2014), publicado na Publituris, Cristiana Oliveira expõe as circunstâncias e os efeitos da “universalização do turismo enquanto atividade económica verdadeiramente global”, chamando a atenção para a progressiva implementação do turismo “criativo”. Se os padrões do turismo de consumo baseado nos formulários dos pacotes de sol e praia têm vindo a anunciar desgaste, também o turismo cultural começa a esgotar-se nos habituais padrões de visita a monumentos e museus superpovoados, onde o visitante se confina ao papel de espetador de paisagens naturais ou dos indícios materiais de outras culturas. A visualização de indícios materiais de realidades que, sendo exógenas, se mantém indecifráveis e incognoscíveis é uma vivência truncada na experiência da viagem.

Continuar a ler “Turismo criativo e museus”