O despertar da era da experiência, segundo Sarah Kenderdine: museus e humanidades digitais

“We are in the midst of a transformation, from a world of screens and devices to a world of immersive experiences”.
Brian Krzanich

Sarah Kenderdine, diretora adjunta do National Institute for Experimental Arts (NIEA) e diretora do Laboratory for Innovation in Galleries, Libraries, Archives and Museums ( iGLAM Lab), na University of New South Wales: Art & Design (Australia), esteve em Portugal para apresentar a palestra The age of experience: cultural heritage in future museums, organizadas por Helena Murteira (CHAIA/UE – Linha de História da Arte), Paula André (DINÂMIA’CET-IUL/ ISCTE-IUL – Linha Cidades e Territórios) e Daniel Alves (IHC/FCSH/UNL – Linha de Humanidades Digitais e Investigação Histórica), no passado dia 1 de junho, no auditório J.J. Laginha no ISCTE-IUL.

Sarah Kenderdine  ISCTE-IUL, 2015.
Sarah Kenderdine
ISCTE-IUL, 2015.

Partindo da epígrafe de Brian Krzanich, CEO da Intel Corporation, Sarah Kenderdine redefine o conceito de museu em função da transformação da nova era digital, no que respeita ao desenvolvimento de novos recursos quer para transmissão do conhecimento, quer para a criação de experiências imersivas centradas no sujeito.

Continuar a ler “O despertar da era da experiência, segundo Sarah Kenderdine: museus e humanidades digitais”

#DayofDH Museums and digital technology: concurrence or convergence?

When digital technologies began to invade our lives, museums seemed to be condemned to the past, while people were been increasingly seduced by new forms of entertainment, more dynamic, more interactive, more spectacular and more immediately rewarding. Should it be the end of museum era (as the end of theatre, cinema, or book era)?

In museums, some curators tried to consolidate the institution in its always framework: an erudite, sober and unchangeable, place with a high knowledge content, in contrast to  the “non-places” of our supermodernity, as described by Marc Augé (1992), or to the ever-changing realities of ours network connections with no-time and no-where. By preserving the memory, the authority of the object in custody in the museum would be a final stronghold against the changes of contemporary…

Or museums can update themselves and use technology in their behalf.

Utilização de recursos de Humanidades Digitais no Museum of Modern Art (MoMA) Foto: MIR, 2014.
Digital humanities @ Museum of Modern Art (MoMA)
Photo: MIR, 2014.

Continuar a ler “#DayofDH Museums and digital technology: concurrence or convergence?”

“Título, autor e data”: o que diz uma tabela?

A comunicação no museu passa pela decifrar o que está exposto. Mas pode uma tabela1 com o registo do “título, autor e data”, por vezes, com o material e as dimensões, traduzir o significado da obra? Permitem, estes dados, descodificar o sentido da obra?

A informação, mesmo quando sucinta e redutora, pode ser redundante e inexpressiva. “Autor desconhecido” pode ser pertinente enquanto não-informação, ou seja, onde é a ausência dos dados o elemento significativo, mas será este um dado definitivo para a compreensão da obra? Também a referência à data, embora a situe numa linha cronológica, fornece, ao visitante comum, alguma informação sobre o contexto em que obra foi criada, ou sobre a complexidade de sistemas culturais, ideológicos, sociais, económicos, que a determinaram a ser daquela, e não de outra, forma?

Tabela da custódia de Belém no Museu Nacional de Arte Antiga Foto: MIR, 2014
Tabela da custódia de Belém no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA)
Foto: MIR, 2014

Continuar a ler ““Título, autor e data”: o que diz uma tabela?”

  1. Tende a generalizar-se a designação tabela – há tempo, numas provas de mestrado, o arguente advertiu o aluno para o “erro” de designar “legenda”, um termo desatualizado, em vez de “tabela”. Não obstante, legenda significa, etimologicamente, “as coisas que são para ler, que devem ser lidas” e pode designar a informação escrita que informa, comenta ou ajuda a interpretar uma imagem, pelo que a sua aplicação em contexto museológico não pode ser considerada errada. []

Iraque, um lugar de triste perplexidade

“My Nimrod, oh my Nimrod, am I still on earth, the place of sad perplexity?”
Jameson, 1848

Chegam notícias, já sem surpresa, de que, ontem, o grupo Estado Islâmico  do Iraque e do Levante (ISIL) terá saqueado e destruído a zona arqueológica de Dur Sharrukin (Korsabad), a “Fortaleza of Sargon”, construída no início do século VIII a.C. e capital da Assíria no tempo de Sargão II. Terão sido utilizadas várias escavadoras que, além dos palácios de Sargão II e do filho Senaquerib, atingiram outros edifícios e vários templos. No dia anterior, tinham destruído a antiga cidade de Hatra, datada do séc. I a.C, e declarada Património Mundial pela UNESCO; na quinta-feira, arrasaram a cidade de Nimrud, capital do império assírio depois de Senaquerib ter rejeitado Korsabad (Oates & Oates, 2001: 23) e considerada uma das principais descobertas arqueológicas do século XX; na semana anterior, invadiram, pilharam e destruíram o Museu da Civilização, em Mosul, e divulgaram um vídeo onde se viam alguns membros do ISIL a derrubar e partir esculturas pré-islâmicas. Algumas peças eram apenas réplicas, mas outras eram obras originais das épocas assíria e acádia, segundo confirmação da UNESCO.

Destruição em Nimrud.
Destruição em Nimrud.
Foto: The Independent, 8 mar. 2015.

Continuar a ler “Iraque, um lugar de triste perplexidade”

Apontamentos: vias da arte contemporânea portuguesa após o 25 de Abril

Em Portugal, com um atraso em relação aos contextos europeu e norte-americano, costuma marcar-se a década de 1970 como ponto de viragem da arte contemporânea pós-moderna, coincidindo com a maior abertura política e cultural da época marcelista e a com as vanguardas emergentes após a revolução de 25 de abril de 74. Logo em 1977, a exposição Alternativa Zero, concebida e comissariada por Ernesto de Sousa constitui uma ocorrência decisiva na contemporaneidade da arte portuguesa, introduzindo o conceito de arte intermedia, isto é, a arte que articula variadas formas de expressão visuais e performativas. Esta exposição, ao mesmo tempo que faz o um balanço da produção artística portuguesa mais alinhada com a arte contemporânea internacional, revela também os artistas – Alberto Carneiro, Clara Menéres, João Vieira, Helena Almeida, Julião Sarmento, Ângelo de Sousa, Noronha da Costa e Fernando Calhau, entre outros – e as tendências mais relevantes das décadas seguintes, em que a rutura se conjuga com a hibridez dos meios, dos processos e das próprias expressões artísticas.

Vista da exposição Alternativa Zero, 1977.  Foto: Col. Fundação de Serralves.
Vista da exposição Alternativa Zero, 1977.
Foto: Col. Fundação de Serralves.

Alberto Carneiro explora o campo da instalação, ou, como ele refere, uma “escultura natural”, para onde importa as evocações do mundo rural e de uma primordial relação com a terra, num percurso telúrico que mantém até à atualidade. Carneiro é considerado pioneiro na articulação arte-ecologia, embora se mantenha autónomo dos desenvolvimentos da land art.

Uma floresta para os teus sonhos Alberto Carneiro, 1970 Instalação: Troncos de madeira de pinho tratados. Foto: FCG/CAM
Uma floresta para os teus sonhos Alberto Carneiro, 1970
Instalação: Troncos de madeira de pinho tratados.
Foto: FCG/CAM

Em contrapartida, João Vieira e Helena Vieira perseguem uma via mais conceptual e híbrida na utilização de materiais menos comuns, na conjugação de técnicas e no envolvimento do próprio corpo. João Vieira desenvolve uma pintura letrista, assente na componente gráfica do texto e nas possibilidades das conexões entre o significado e o significante. Helena Vieira envereda pela intervenção da pintura ou do desenho sobre a representação fotográfica do próprio corpo. Na série Inhabited Painting, de 1975, encena autoretratos, sublinhados por traços ou manchas de tinta azul.

Instauram, desta forma, uma pesquisa de vanguardas em torno do conceito subjacente à criatividade que, nas décadas seguintes, tende a ampliar-se e a dominar as restantes expressões artísticas.

A conjuntura pós-revolucionária impulsionou o aparecimento de uma nova dinâmica no âmbito da arte portuguesa nos finais do século XX: a consolidação em Portugal e no plano internacional de artistas como Paula Rego, Luís Pinto Coelho, Júlio Pomar e Julião Sarmento; a pesquisa em torno das tendências de vanguarda no âmbito do minimalismo, abstracionismo e pós-conceptualismo, por parte de autores como Eduardo Batarda e Álvaro Lapa; o chamado “regresso à pintura”, com novas figurações, com o predomínio da figura humana, em expressões realistas, líricas, espontâneas, de Graça Morais, Menez, António Palolo, Leonel Moura ou António Dacosta. No âmbito da escultura, destaca-se o grupo de Pedro Calapez, José Pedro Croft, Pedro Cabrita Reis e Rui Sanches.

Desenham-se, aqui, duas tendências genéricas para uma possível caraterização da arte contemporânea desde finais do século XX: a representação da figura em novos moldes, no sentido em revelam um universo introspetivo diferente de autor para autor; a pesquisa orientada para a arte concetual baseada na apropriação de outras expressões.

Nota: Estes são apenas “apontamentos”, num eventual ponto de partida para futuras análises e desenvolvimentos. Fica a porta aberta a todos (e, em particular, aos implicados no processo) os que quiserem também quiserem contribuir, em comentário, com referências acerca dos autores e grupos de trabalho.

O dilema do museu: permitir, regular ou proibir?

O museu nasceu com o duplo propósito de constituir um repositório da identidade cultural de território – na mesma altura em que também se firmava o conceito de nação e intensificava o desejo imperialista – e de torna-lo acessível a toda a sociedade. O museu tornou-se, assim, um espaço onde as classes mais baixas, pelo menos teoricamente, podiam usufruir de um património que até então tinha sido privilégio exclusivo da aristocracia, do clero ou da alta burguesia. Por conseguinte, o museu instituiu-se como um espaço de prestígio social e cultural, a par do consumo de outros produtos culturais considerados eruditos, como o teatro, a música, o bailado e a ópera.

Mostra Vaticana, 1888.
Mostra Vaticana, 1888.

Continuar a ler “O dilema do museu: permitir, regular ou proibir?”

Olhar com diferentes modos de ver

A imagem de um grupo de adolescentes, sentados numa sala do Rijksmuseum, em Amsterdão, junto à Ronda da Noite (aliás A companhia militar do capitão Frans Banning Cocq e o tenente Willem van Ruytenburg), de Rembrandt, concentrados na consulta de smartphones tem sido alvo de muita polémica e ponto de partida para muitas discussões, desde que, no passado mês de dezembro, começou a circular nas redes sociais.

Rijksmuseum, Amsterdam  Foto: Gijsbert van der Wal, 27 november 2014
Rijksmuseum, Amsterdam
Foto: Gijsbert van der Wal, 2014

Continuar a ler “Olhar com diferentes modos de ver”

Acerca do que (ainda) falta ao património

A articulação do património (do latim patrimonium, herança do pai) à cultura surgiu no século XVII, numa crescente tomada de consciência da necessidade de preservação dos bens herdados do passado, a partir do qual se desenvolveu o atual conceito de património cultural, no sentido de “conjunto de todos os bens que constituem os testemunhos de uma civilização ou de uma cultura, contribuindo para a construção da identidade cultural de um povo ou para a representação do pensamento, da criatividade e das realizações alcançadas pela humanidade” (Roque, 2012, p. 69).

Mosteiro de Alcobaça: deambulatório da igreja Foto: MIR, 2014
Mosteiro de Alcobaça: deambulatório da igreja
Foto: MIR, 2014

Continuar a ler “Acerca do que (ainda) falta ao património”

As 10 publicações mais lidas em 2014

1 Imagens deturpadas 2726 WordPress
2 A arte ainda existe? 627 Hypotheses
3 “Aqui se começa”: notícia do achamento de fragmentos do Livro da montaria de João I de Portugal 485 Hypotheses
4 O revés do património ou a vã glória de um marquês benfiquista 451 WordPress
5 Metropolitan Museum of Art: a disponibilização do acervo em linha e outros desvios à norma 449 Hypotheses
6 Quando o falso se confunde com o verdadeiro 428 Hypotheses
7 Museu da Maré, museu de favela, museu de nós 411 Hypotheses
8 O resplendor e a glória da imagem do Senhor Santo Cristo dos Milagres 375 Hypotheses
9 O turismo, sob o desígnio da cultura 318 Hypotheses
10 Tanto esplendor e glória para tão pouco contar 316 Hypotheses

Um ano de a-muse-arte

No final de 2014, o blogue a-muse-arte cumpre o primeiro ano.

Iniciar um blogue sobre temas de museologia foi um propósito de ano novo. O nome escolhido não era óbvio, remete para pouca seriedade, surgiu por acaso, depois de um sem número de tentativas não aceites, mas aglutina museu e arte e são estes os temas dominantes dos escritos que aqui surgem.

Em finais de maio, aceitando o convite para integrar uma plataforma específica para blogues académicos na área das Humanidades, o blogue transitou para a plataforma Hypotheses, da Open Edition.

Ao longo do ano, foram publicados 100 posts (este é o 100.º), os quais obtiveram um total de mais de 31 mil acessos.

WordPress

Hypotheses

TOTAL

Visitas

 ___

9.183

___

Páginas acedidas

10.538

20.569

31.107

Na plataforma WordPress, a maior parte dos visitantes acede a partir de Portugal (72%) e do Brasil (25%).

Na plataforma Hypotheses, os visitantes de Portugal têm baixa representatividade (8%), enquanto os do Brasil são residuais. Em contrapartida, o maior número de acessos provem dos Estados Unidos (40%) e regista-se uma inesperada percentagem proveniente da China (9%).

Distribuição dos acessos às plataformas por países
Distribuição dos acessos às plataformas por países

Atendendo aos resultados, é percetível a diferença de audiências entre ambas as plataformas, pelo que vamos passar a publicar em ambas em simultâneo.

No balanço deste ano, importa sobretudo agradecer a todos os que nos seguem pelo apoio, pelo incentivo, pelas mensagens que têm enviado, pelas partilhas que têm feito dos textos que aqui publicamos e, em particular, à Dália Guerreiro que, sistematicamente, republica em várias páginas e grupos. Destacamos, também, a discussão e as afinidades com a Paula Simões, a Maria Vlachou e a Inês Fialho Brandão, a propósito da disponibilização e da comunicação do património. A todos, muito obrigada.

Espero que, no próximo ano, continuemos a encontrarmo-nos por aqui. Um bom ano para todos. Sejam felizes.
16pompidou_06_2015

 

Arte ou conceito? – através da obra de Jeff Koons e Joana de Vasconcelos

No balanço da museologia de arte contemporânea em 2014, salientam-se os nomes de Jeff Koons e de Joana de Vasconcelos. Se ambos são olhados com desconfiança pelos pares e por uma (pseudo) elite artística e intelectual, denunciando a linguagem rudimentar e o discurso mediano da produção mais recreativa do que recreativa – ambos se limitam a alterar escalas, materiais e texturas, apropriando-se das criações de outrem – a verdade é que ambos conseguem o reconhecimento das massas graças a uma produção facilmente reconhecível, compreensível e apreensível. Ambos se situam num registo de Pop Art ou, mais propriamente, na corrente Neo-Pop, e, portanto, a sua obra é essencialmente popular e dirigida a um público alargado, ao homem comum e medianamente informado.

Contaminação  Joana Vasconcelos, 2008-2010 Exposição "Joana Vasconcelos. Sem rede", Museu Colecção Berardo,  Foto: MIR, 2010.
Contaminação
Joana Vasconcelos, 2008-2010
Exposição “Joana Vasconcelos. Sem rede”, Museu Colecção Berardo,
Foto: MIR, 2010.

Continuar a ler “Arte ou conceito? – através da obra de Jeff Koons e Joana de Vasconcelos”

A festa do Natal

Nos Evangelhos canónicos, a referência ao nascimento de Cristo é esparsa. Mesmo o evangelista Lucas, dos quatro o mais minucioso, insere-o no tema do anúncio aos pastores.

“E quando eles ali [Belém] se encontravam, completaram-se os dias de ela dar à luz. E teve o seu filho primogénito, que envolveu em panos e recostou numa manjedoira, por não haver para eles lugar na hospedaria. Na mesma região, encontravam-se uns pastores, que pernoitavam nos campos, guardando os seus rebanhos durante a noite. O anjo do Senhor apareceu-lhes e a glória do Senhor refulgiu em volta deles, e tiveram muito medo. Disse-lhes o anjo: ‘Não temais, pois vos anuncio uma grande alegria, que o será para todo o povo: Hoje, na cidade de David, nasceu-vos um Salvador, que é o Messias, Senhor. Isto vos servirá de sinal para o identificardes: Encontrareis um Menino envolto em panos e deitado numa manjedoira”. […] “Quando os anjos se afastaram deles em direção ao Céu, os pastores disseram uns aos outros: “Vamos então até Belém e vejamos o que aconteceu e que o Senhor nos deu a conhecer.’ Foram apressadamente e encontraram Maria, José e o Menino, deitado na manjedoira.” (Lc 2, 6-16)

Natividade
Josefa de Óbidos, 1650-60
Col. particular

Continuar a ler “A festa do Natal”

La religion comme culture

Conferência apresentada no colóquio « Patrimoines religieux, cultures nationales et pratiques touristiques », Universidade de Évora, 11-12 dez. 2014.

À l’Ancien Testament, Dieu a averti Moïse qu’Il va descendre sur le Mont Sinaï et lui demande de pas laisser l’approximation du peuple: « Tu fixeras au peuple des limites tout à l’entour, et tu diras: Gardez-vous de monter sur la montagne, ou d’en toucher le bord. Quiconque touchera la montagne sera puni de mort.» (Ex 19, 12). Le concept d’interdit s’étend à tout ce qui prend part au rituel de liaison au divin.

Moïse recevant les Tables de la Loi Schedel, Hartmann (1440-1514) - Liber Chronicarum. Miguel Wohlgemuth, Guillermo Pleydenwurff, Albert Durer (?), il. et grav. Nuremberg: Anton Koberger, 1493, fl. 75v.
Moïse recevant les Tables de la Loi
Schedel, Hartmann (1440-1514) – Liber Chronicarum. Miguel Wohlgemuth, Guillermo Pleydenwurff, Albert Durer (?), il. et grav. Nuremberg: Anton Koberger, 1493, fl. 75v.

Continuar a ler “La religion comme culture”

Em torno da questão dos mármores do Partenon

Ao fim de tantos anos em exposição permanente no Museu Britânico, um fragmento do frontão ocidental do Partenon de Atenas, a figura alegórica do rio Ilisso  encontra-se atualmente no Museu Hermitage, que comemora 250 anos. Como refere Neil MacGregor, diretor do museu Britânico, num artigo intitulado “Loan of a Parthenon sculpture to the Hermitage: a marble ambassador of a European ideal”, publicado no blogue institucional do museu: “The British Museum is a museum of the world, for the world and nothing demonstrates this more than the loan of a Parthenon sculpture to the State Hermitage Museum in St Petersburg to celebrate its 250th anniversary.” (MacGregor, 2014, 5 dez.)

A figura alegórica do rio Ilisso no Museu Britânico. Foto: Yair Haklai, 2009.
A figura alegórica do rio Ilisso no Museu Britânico.
Foto: Yair Haklai, 2009.

Continuar a ler “Em torno da questão dos mármores do Partenon”

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search