Maria Helena Mendes Pinto (1923-2018)

Conheci Maria Helena Mendes Pinto, a querida “Senhora D. Helena”, no início da década de 1990. Primeiro, assistindo ao convívio entre conservadoras do Museu de Arte Antiga que me aceitavam como discípula; depois, em 1993, em longas tardes na biblioteca do museu, onde me orientava na pesquisa de objetos para uma exposição, elucidando a minha profunda ignorância, com a paciência de grande mestra, conversando acerca das suas hesitações – o que, nessa altura, nos intrigavam as madrepérolas da Terra Santa, frequentemente catalogadas como obras indo-portuguesas: “não me parece, não me parece que sejam!”; e não eram – expondo o conhecimento com uma familiaridade sem reservas, entusiasmando-se perante objetos que via pela primeira ou pela centésima vez, continuando a interrogá-los e a analisá-los, trazendo-me livros, sugerindo-me leituras, lendo-me os textos, como se nunca duvidasse de que isso valesse a pena e fazendo-me acreditar que talvez fosse assim. Lembro-me das últimas vezes em que a vi, cada vez mais enfraquecida, mas com uma vivacidade no olhar, como se estivesse contente por me ver, enquanto me perguntava sobre a minha vida, amigos comuns… Que privilégio conhecê-la!

Continuar a ler

Apeshit no Museu do Louvre

O clip Apeshit, que integra o álbum Everything is Love, da dupla-casal The Carters (Beyoncé e Jay-Z), foi gravado no Museu do Louvre, em Paris, sob a direção de Ricky Saiz. O vídeo, lançado no passado dia 16 de junho, atingiu mais de 50 milhões de visualizações em duas semanas e, naturalmente, gerou polémicas sobretudo em torno do discurso e suas leituras, mas também acerca da utilização do espaço do museu e das imagens de algumas obras excecionais da arte ocidental, em contraponto às referências explícitas feitas no texto a marcas de prestígio como as tradicionais Lamborghini, fabricante italiana de carros de desporto exclusivos, Phillippe Patek, empresa suíça que produz relógios e artigos de luxo, e a sua recente congénere Richard Mille, ou as contemporâneas Alexander Wang, criada pelo designer que lhe deu o nome, reconhecida sobretudo pelas malhas de cachemira num estilo depurado e urbano, ou Evisu, marca japonesa de artigos em ganga1. O museu do Louvre é o cenário, a marca de prestígio cultural, a par das restantes marcas de prestígio social, que sublinham o universo de luxo, riqueza e poder que os Carters pretendem transmitir, assumindo atributos de realeza. No entanto, é (ou aparenta ser) algo mais do que isso. Enquanto alguns se fixam nesta ostentação do poder e, em particular, do poder do dinheiro, outros vêem óbvias referências aos Illuminati2, uma sociedade secreta fundada em 1776, no contexto do Iluminismo, a que Jay-Z é suposto pertencer, e outros, ainda, encontram evidências da afirmação do poder negro num museu colonialista e cujas obras testemunham e sublinham o (pre)domínio da cultura ocidental e da hegemonia branca.

Beyoncé e Jay-Z frente à Mona Lisa, de Leonardo da Vinci, no museu do Louvre
Foto: Beyoncé e Jay-Z / YouTube, 2018

Continuar a ler

  1. A marca Evisu é mencionada em várias músicas rap, nomeadamente, nas “Show You How” et “Jigga That Nigga” de Jay-Z. []
  2. A ligação entre o Louvre e os Illuminati foi ficcionada por Dan Brown na obra O código da Vinci. []

Júlio Pomar (1926-2018)

Não morreu, Júlio Pomar.
Nasceu em 1926; partiu em 2018.

Pode dizer-se que frequentou a Escola de Artes Decorativas António Arroio e, depois, a Escola Superior de Belas Artes, em Lisboa e, depois, no Porto, mas nem isso é relevante para definir a envergadura daquele que terá sido um dos mais importantes vultos da arte portuguesa (mundial?) do século XX.

O almoço do trolha
Júlio Pomar, 1946-47
Foto: Paulo Spranger / Global Imagens

Continuar a ler

Pavilhão da Santa Sé: a minha Expo’98

Há 20 anos, este foi o primeiro dia dos muitos que se lhe seguiram.

Sem tempo para pensar na imensidão do que acontecia, havia uma ideia que, de vez em quando, me assaltava: chegará o dia em que me lembrarei disto, sendo capaz de relevar o cansaço e as preocupações, o ritmo desenfreado, as visitas guiadas, as filas que era preciso conter, as pressões, a pressa dos visitantes, a vigilância contínua.

Pavilhão da Santa Sé: entrada
Lisboa, Expo’98

Continuar a ler

O mundo impossível de Escher

No Museu de Arte Popular, está agora patente uma exposição com 200 obras do artista holandês Mauritz Cornelis Escher. A exposição é controversa pelos moldes da utilização do espaço que se esperava reabrir como Museu de Arte Popular, não pelo artista conhecido pelo grafismo de construções impossíveis e ilusões de ótica.

M. C. Escher1

Mauritus Cornelis Escher  (1898-1972) desenvolveu uma vasta obra gráfica, sobretudo em xilografia e litografia, a partir de conceitos matemáticos. Com uma notória perícia técnica no âmbito da gravura, Escher subverteu os princípios clássicos da perspetiva para criar estruturas impossíveis. Em sintonia com os princípios de rutura da arte contemporânea, encontrou um novo campo de inspiração na inevitável contradição entre a bidimensionalidade do papel ou da tela e a realidade tridimensional. Influenciado pelo ritmo dos padrões geométricos, Escher desconstrói-lhes a previsibilidade, acrescentando-lhes movimentos de translação, rotação, reflexão, ou seja, transformações isométricas que permitem movimentar a figura no espaço.

Influenciado pela arte islâmica e, em particular pelo geometrismo da decoração azulejar, algumas das composições de Escher derivam da divisão regular do plano numa matriz em que se inserem figuras que se repetem e transfiguram.

Céu e Água I
M. C. Escher, 1938
Xilogravura

Continuar a ler

  1. Texto publicado em: (2013, dez.). M. C. Escher. In Lumen Veritatis: Boletim da Sociedade Científica da Universidade Católica Portuguesa, 28, 5-6.
    Acedido em http://www2.ucp.pt/resources/Documentos/SCUCP/LumenVeritatis/Lumen_28_IMP.PDF []

Joyeuse Entrée entre outras pompas e circunstâncias

O Museu Nacional de Arte Antiga expõe, pela primeira vez em Portugal, aquela que é considerada uma das mais antigas e rara perspetiva de Lisboa, pertencente à coleção do Castelo de Weilburg, na Alemanha. A vista da cidade, que se apresenta engalanada, serviria de projeto à entrada triunfal de Filipe II em Lisboa, no ano de 1619.

Joyeuse Entrée Autor desconhecido, 1613 Castelo de Weilburg Foto: Museu Nacional de Arte Antiga

Joyeuse Entrée
Autor desconhecido, 1613
Castelo de Weilburg
Foto: Museu Nacional de Arte Antiga

Sabe-se muito pouco acerca do historial desta obra: não se conhece o autor; na pintura, está explícita a data “1613”, ano em que esteve planeada uma vinda do rei a Portugal, a qual acabou por só acontecer cerca de seis anos mais tarde; não se sabe em que circunstâncias foi pintada; tampouco se percebe como ingressou no castelo de Weilburg onde foi localizada recentemente por Andreas Gehlert.

Gehlert desvendou a pintura em outubro de 2008, no Gabinete de Estudos Olisiponenses, numa conferência intitulada “Uma esplêndida vista de Lisboa no Castelo de Weilburg, Alemanha”, inserida no âmbito do programa comemorativo do centenário do nascimento do Padre António Vieira, seguido da notícia intitulada “Uma esplêndida vista de Lisboa no Castelo de Weilburg, Alemanha”, publicada na revista Monumentos (2008, dez.). Descrevia-a como um quadro panorâmico de grande formato e considerava-a como a mais importante fonte iconográfica de Lisboa durante a era filipina, avançando tratar-se de um pedido do vice-rei Cristóvão de Moura e por ocasião da visita do rei Filipe III de Espanha. Mais recentemente, em 2014, A. Gehlert publicou o estudo “The Weilburg painting showing the Lisbon entry of 1619 in its historical and pictorial context”, na Revista de História da Arte, 11, número temático sobre Estudos de Lisboa, da responsabilidade do Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa.

A Joyeuse Entrée de Filipe II em Lisboa e outras “Pompas e circunstâncias”[1]

Na Europa medieval, há notícia de palanques ornamentados com tecidos e tapeçarias ou de armações com arcos e festões de flores por ocasião de festas populares, cortesãs ou religiosas. “Os pórticos das igrejas são o cenário das plataformas, dos palcos de todo o teatro festivo.” (Atanásio, 1984: 55) Uma pintura datada de cerca de 1522, representando a chegada das relíquias de Santa Auta à Igreja da Madre de Deus, mostra o aparato do cortejo religioso, junto à entrada do templo onde se ergue um altar e um púlpito revestidos a tecidos de estofo rico e adamascado, cobrindo parte do pórtico, já de feição manuelina e cuja ornamentação se terá inspirado nos “arcos e demais arranjos efémeros das festas” (Atanásio, 1984: 55).

Continuar a ler

As 10 publicações mais lidas em 2014

1 Imagens deturpadas 2726 WordPress
2 A arte ainda existe? 627 Hypotheses
3 “Aqui se começa”: notícia do achamento de fragmentos do Livro da montaria de João I de Portugal 485 Hypotheses
4 O revés do património ou a vã glória de um marquês benfiquista 451 WordPress
5 Metropolitan Museum of Art: a disponibilização do acervo em linha e outros desvios à norma 449 Hypotheses
6 Quando o falso se confunde com o verdadeiro 428 Hypotheses
7 Museu da Maré, museu de favela, museu de nós 411 Hypotheses
8 O resplendor e a glória da imagem do Senhor Santo Cristo dos Milagres 375 Hypotheses
9 O turismo, sob o desígnio da cultura 318 Hypotheses
10 Tanto esplendor e glória para tão pouco contar 316 Hypotheses

Um ano de a-muse-arte

No final de 2014, o blogue a-muse-arte cumpre o primeiro ano.

Iniciar um blogue sobre temas de museologia foi um propósito de ano novo. O nome escolhido não era óbvio, remete para pouca seriedade, surgiu por acaso, depois de um sem número de tentativas não aceites, mas aglutina museu e arte e são estes os temas dominantes dos escritos que aqui surgem.

Em finais de maio, aceitando o convite para integrar uma plataforma específica para blogues académicos na área das Humanidades, o blogue transitou para a plataforma Hypotheses, da Open Edition.

Ao longo do ano, foram publicados 100 posts (este é o 100.º), os quais obtiveram um total de mais de 31 mil acessos.

WordPress

Hypotheses

TOTAL

Visitas

 ___

9.183

___

Páginas acedidas

10.538

20.569

31.107

Na plataforma WordPress, a maior parte dos visitantes acede a partir de Portugal (72%) e do Brasil (25%).

Na plataforma Hypotheses, os visitantes de Portugal têm baixa representatividade (8%), enquanto os do Brasil são residuais. Em contrapartida, o maior número de acessos provem dos Estados Unidos (40%) e regista-se uma inesperada percentagem proveniente da China (9%).

Distribuição dos acessos às plataformas por países

Distribuição dos acessos às plataformas por países

Atendendo aos resultados, é percetível a diferença de audiências entre ambas as plataformas, pelo que vamos passar a publicar em ambas em simultâneo.

No balanço deste ano, importa sobretudo agradecer a todos os que nos seguem pelo apoio, pelo incentivo, pelas mensagens que têm enviado, pelas partilhas que têm feito dos textos que aqui publicamos e, em particular, à Dália Guerreiro que, sistematicamente, republica em várias páginas e grupos. Destacamos, também, a discussão e as afinidades com a Paula Simões, a Maria Vlachou e a Inês Fialho Brandão, a propósito da disponibilização e da comunicação do património. A todos, muito obrigada.

Espero que, no próximo ano, continuemos a encontrarmo-nos por aqui. Um bom ano para todos. Sejam felizes.
16pompidou_06_2015