História da arte digital e museologia

A tecnologia digital alterou os parâmetros da investigação (também) em humanidades: se, há poucas décadas, parte do trabalho do investigador era identificar as fontes e coletar os dados, numa incessante pesquisa em bibliotecas e arquivos, hoje, a profusão de dados a que se tem acesso imediato implica a centralidade do estudo na seleção e no processamento da informação e, sobretudo, na atualização do conhecimento em constante aceleração. Por um lado, a tecnologia digital permite novos métodos e novos campos de investigação, enquanto, por outro lado, o hipertexto, a sintaxe da web, altera a comunicação do conhecimento. Se, em 1997, Steven Johnson Johnson considerava que as inovações mais importantes propiciadas pela web se davam ao nível micro da sintaxe, mas não ao nível macro da narrativa (Johnson, 1997, p. 130), o ambiente colaborativo que entretanto se desenvolveu desencadeou novas formas narrativas (Lloret Romero, & Canet Centellas, 2008), inclusive em contexto académico.

André Malraux no processo de seleção de imagens para o livro Le musée imaginaire de la sculpture mondiale
Foto: Maurice Jarnoux/Paris Match via Getty

Continuar a ler

Museu parcialmente encerrado: um aviso

“[…] conquanto não pode haver desgosto
Onde esperança falta”
Luís de Camões

O Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) é isso mesmo: o museu da nossa identidade artística, um repositório da arte que se fez em Portugal, da que a influenciou ou por ela foi influenciada. É uma das nossas referências culturais, o lugar aonde nos habituámos a ir e é também o lugar aonde vai quem nos visita tornando-se uma das referências da viagem.

Há alguns anos que temos vindo a registar-se uma nova dinâmica: a reabertura do Piso 3, com um novo discurso e uma estratégia de comunicação também renovada; exposições temporárias que consolidam a aposta na internacionalização; algumas incursões noutros domínios, propondo conexões que vitalizam o espólio exposto; campanhas de dinamização com grande impacto junto do público. O MNAA parece renovar-se na crescente abertura aos públicos e na forma como os alicia e, também, na forma como comunica e informa.

Público no piso 3
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga
Foto: MIR, 2016

Continuar a ler

São Pedro e as festas populares

São Pedro era um dos doze apóstolos. De seu nome Simão, tomou o nome de Pedro, ao ser chamado e eleito para se tornar a pedra angular da Igreja, segundo o relato de Mateus:

“E Jesus, respondendo, disse-lhe: Bem-aventurado és tu, Simão Barjonas, porque to não revelou a carne e o sangue, mas meu Pai, que está nos céus. Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela; E eu te darei as chaves do reino dos céus; e tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus.” (Mt. 16, 17-19)

São Pedro
Vasco Fernandes (Grão Vasco)
1535-1542
Prov. Sé de Viseu
Viseu, Museu Grão Vasco

Por esse motivo, os atributos de São Pedro são as duas chaves.

Era pescador em Cafarnaum, na Galileia, no lago Generaset. Simão-Pedro e seu irmão André foram os primeiros discípulos a ser chamados. Continuar a ler

O Convento de Cristo e o fogo do deslumbramento

As imagens falam por si: dezenas de botijas de gaz, árvores cortadas, tocos tapados com brita, floreiras sem flores, pedras danificadas e com arestas fraturadas, uma fogueira de 20 metros de altura no claustro. Foram vistas numa reportagem da jornalista Soraia Ramos, no programa “Sexta às 9” da RTP1, no passado dia 2 de Junho, acerca da utilização do Convento de Cristo, em Tomar, da rodagem do filme “O Homem que matou D. Quixote” do realizador Terry Gilliam e que terão envolvido a realização de uma fogueira de cerca de 20 metros de altura no espaço de um dos claustros. Na reportagem, são mostradas imagens da fogueira.

Imagens editadas a partir de fotogramas do vídeo do programa Sexta às Nove RTP 1, 2 jun. 2017

Continuar a ler

Museu dos Coches e de outros carros

O (novo) Museu Nacional dos Coches foi inaugurado inacabado, sem museografia, a pretexto da agenda política em vésperas de eleições legislativas (Vd. Roque, 2015). Fechou, depois, e agora, depois de um muito publicitado projeto museográfico de um milhão de euros, reabriu. Reabriu no dia 19 de maio, aproveitando, ainda, o ambiente festivo do dia dos museus. O milhão de euros era justificado pela iluminação e pela introdução das novas tecnologias, com tabelas interativas e projeções multimédia. Como a imprensa pode ser traiçoeira, mostrou-nos os técnicos a ajustar a iluminação a olho e as tabelas analógicas postas num suporte rente ao chão, enquanto a Diretora do Museu, sem entusiasmo aparente, se queixava da falta de pessoal, sobretudo, agora que a nova museografia convidava a parar junto às peças e se previa concentrações junto aos painéis informativos ou a ver as projeções.

VExpo 2017 no Museu dos Coches
Foto: Motor24

Continuar a ler

O Real Edifício de Mafra: memória da fundação

“Amanheceo o dia 17 de Novembro, determinado para a bênção da pedra, e se vio no terreiro da nova Igreja da parte do Norte, em proporcionada distancia, formada, e curiosamente adornada huma debaixo de huma grande de campanha, para nella se revestir em vestes Pontificaes o Illustrissimo Patriarcha, e se paramentarem os seus Conegos, e Cappellães, quando fosse tempo oportuno.” (Conceição, 1820, p. 101)

Palácio Nacional de Mafra: fachada da igreja Foto: MIR, 2016

Palácio Nacional de Mafra
Foto: MIR, 2016

Continuar a ler

O grande galo da arte contemporânea

Em 1974, Arnold Hauser publicou a Sociologia da arte, um trabalho de síntese da investigação académica realizada ao longo de três décadas, onde argumentava acerca da relação direta entre desenvolvimento cultural e as circunstâncias materiais da sociedade, defendendo que a forma e o conteúdo da obra de arte refletem as circunstâncias concretas da sua produção, isto é, é determinada pelos fatores sociais e económicos em que se insere (vd. Hauser, 1988). Segundo esta perspetiva sociológica, a arte é, simultaneamente, determinante na sociedade e determinada por ela. É determinante, uma vez que é questionada, promovida, avaliada, utilizada e fruída por um grupo social, integrando-se na superstrutura ideológica que determina e influencia o gosto vigente. Por outro lado, é determinada pela sociedade, no sentido em que é regulada pelos mecanismos de encomenda, avaliação e remuneração, que promovem determinados produtos em detrimento de outros.

Pop galo Joana Vasconcelos, 2016 Lisboa, Ribeira das Naus Foto: MIR, 2016

Pop galo
Joana Vasconcelos, 2016
Lisboa, Ribeira das Naus
Foto: MIR, 2016

Continuar a ler

Joyeuse Entrée entre outras pompas e circunstâncias

O Museu Nacional de Arte Antiga expõe, pela primeira vez em Portugal, aquela que é considerada uma das mais antigas e rara perspetiva de Lisboa, pertencente à coleção do Castelo de Weilburg, na Alemanha. A vista da cidade, que se apresenta engalanada, serviria de projeto à entrada triunfal de Filipe II em Lisboa, no ano de 1619.

Joyeuse Entrée Autor desconhecido, 1613 Castelo de Weilburg Foto: Museu Nacional de Arte Antiga

Joyeuse Entrée
Autor desconhecido, 1613
Castelo de Weilburg
Foto: Museu Nacional de Arte Antiga

Sabe-se muito pouco acerca do historial desta obra: não se conhece o autor; na pintura, está explícita a data “1613”, ano em que esteve planeada uma vinda do rei a Portugal, a qual acabou por só acontecer cerca de seis anos mais tarde; não se sabe em que circunstâncias foi pintada; tampouco se percebe como ingressou no castelo de Weilburg onde foi localizada recentemente por Andreas Gehlert.

Gehlert desvendou a pintura em outubro de 2008, no Gabinete de Estudos Olisiponenses, numa conferência intitulada “Uma esplêndida vista de Lisboa no Castelo de Weilburg, Alemanha”, inserida no âmbito do programa comemorativo do centenário do nascimento do Padre António Vieira, seguido da notícia intitulada “Uma esplêndida vista de Lisboa no Castelo de Weilburg, Alemanha”, publicada na revista Monumentos (2008, dez.). Descrevia-a como um quadro panorâmico de grande formato e considerava-a como a mais importante fonte iconográfica de Lisboa durante a era filipina, avançando tratar-se de um pedido do vice-rei Cristóvão de Moura e por ocasião da visita do rei Filipe III de Espanha. Mais recentemente, em 2014, A. Gehlert publicou o estudo “The Weilburg painting showing the Lisbon entry of 1619 in its historical and pictorial context”, na Revista de História da Arte, 11, número temático sobre Estudos de Lisboa, da responsabilidade do Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa.

A Joyeuse Entrée de Filipe II em Lisboa e outras “Pompas e circunstâncias”[1]

Na Europa medieval, há notícia de palanques ornamentados com tecidos e tapeçarias ou de armações com arcos e festões de flores por ocasião de festas populares, cortesãs ou religiosas. “Os pórticos das igrejas são o cenário das plataformas, dos palcos de todo o teatro festivo.” (Atanásio, 1984: 55) Uma pintura datada de cerca de 1522, representando a chegada das relíquias de Santa Auta à Igreja da Madre de Deus, mostra o aparato do cortejo religioso, junto à entrada do templo onde se ergue um altar e um púlpito revestidos a tecidos de estofo rico e adamascado, cobrindo parte do pórtico, já de feição manuelina e cuja ornamentação se terá inspirado nos “arcos e demais arranjos efémeros das festas” (Atanásio, 1984: 55).

Continuar a ler

As 10 publicações mais lidas em 2014

1 Imagens deturpadas 2726 WordPress
2 A arte ainda existe? 627 Hypotheses
3 “Aqui se começa”: notícia do achamento de fragmentos do Livro da montaria de João I de Portugal 485 Hypotheses
4 O revés do património ou a vã glória de um marquês benfiquista 451 WordPress
5 Metropolitan Museum of Art: a disponibilização do acervo em linha e outros desvios à norma 449 Hypotheses
6 Quando o falso se confunde com o verdadeiro 428 Hypotheses
7 Museu da Maré, museu de favela, museu de nós 411 Hypotheses
8 O resplendor e a glória da imagem do Senhor Santo Cristo dos Milagres 375 Hypotheses
9 O turismo, sob o desígnio da cultura 318 Hypotheses
10 Tanto esplendor e glória para tão pouco contar 316 Hypotheses

Um ano de a-muse-arte

No final de 2014, o blogue a-muse-arte cumpre o primeiro ano.

Iniciar um blogue sobre temas de museologia foi um propósito de ano novo. O nome escolhido não era óbvio, remete para pouca seriedade, surgiu por acaso, depois de um sem número de tentativas não aceites, mas aglutina museu e arte e são estes os temas dominantes dos escritos que aqui surgem.

Em finais de maio, aceitando o convite para integrar uma plataforma específica para blogues académicos na área das Humanidades, o blogue transitou para a plataforma Hypotheses, da Open Edition.

Ao longo do ano, foram publicados 100 posts (este é o 100.º), os quais obtiveram um total de mais de 31 mil acessos.

WordPress

Hypotheses

TOTAL

Visitas

 ___

9.183

___

Páginas acedidas

10.538

20.569

31.107

Na plataforma WordPress, a maior parte dos visitantes acede a partir de Portugal (72%) e do Brasil (25%).

Na plataforma Hypotheses, os visitantes de Portugal têm baixa representatividade (8%), enquanto os do Brasil são residuais. Em contrapartida, o maior número de acessos provem dos Estados Unidos (40%) e regista-se uma inesperada percentagem proveniente da China (9%).

Distribuição dos acessos às plataformas por países

Distribuição dos acessos às plataformas por países

Atendendo aos resultados, é percetível a diferença de audiências entre ambas as plataformas, pelo que vamos passar a publicar em ambas em simultâneo.

No balanço deste ano, importa sobretudo agradecer a todos os que nos seguem pelo apoio, pelo incentivo, pelas mensagens que têm enviado, pelas partilhas que têm feito dos textos que aqui publicamos e, em particular, à Dália Guerreiro que, sistematicamente, republica em várias páginas e grupos. Destacamos, também, a discussão e as afinidades com a Paula Simões, a Maria Vlachou e a Inês Fialho Brandão, a propósito da disponibilização e da comunicação do património. A todos, muito obrigada.

Espero que, no próximo ano, continuemos a encontrarmo-nos por aqui. Um bom ano para todos. Sejam felizes.
16pompidou_06_2015