No museu: da interdição à emoção

“Ne pas toucher, ne pas courir, ne pas parler : les expositions sont souvent le lieu de toutes sortes d’interdits.” (Lequeux, 2014, 28 fev.)

A frase abre um artigo de Emmanuelle Lequeux, publicado no Le Monde, acerca da exposição “Des choses en moins, des choses en plus” (Paris, Palais de Tokyo à Paris, 14 de fevereiro – 2 de março 2014).

Não tocar, não correr, não falar…

Continuar a ler “No museu: da interdição à emoção”

Conceitos-chave de museologia

Desvallées, A., & Mairesse, F. (2014). Conceitos-chave de museologia. São Paulo: Armand Colin; Comitê Internacional para Museologia do ICOM; Comité Nacional Português do ICOM. Disponível em: http://icom.museum/fileadmin/user_upload/pdf/Key_Concepts_of_Museology/Conceitos-ChavedeMuseologia_pt.pdf

O ICOM Portugal acaba de divulgar a publicação do documento Conceitos-chave de Museologia, disponível em suporte digital (formato pdf pesquisável) e em linha. icom-conceitos-chave

Continuar a ler “Conceitos-chave de museologia”

Rui Chafes, (a sustentada leveza do) peso do paraíso

Exposição “O peso do paraíso”, de Rui Chafes
Lisboa, Centro de Arte Moderna, 13 fevereiro – 18 setembro 2014

Rui Chafes tem a primeira exposição retrospetiva em Portugal ou, pelo menos, a primeira com esta dimensão. São mais de uma centena de obras que preenchem os espaços e se prolongam para lá dele. Muitas nunca tinham sido apresentadas no país, enquanto foi através de outras que nos habituámos à obra de Chafes e aprendemos a distinguir a sua marca. Umas são imensas, exigindo uma reserva de vazio em torno. Outras são breves vibrações que, subitamente, se descobrem em sítios inesperados, quase impercetíveis. Cada uma é um universo único que concentra por inteiro, sem distrações, nem inadvertências. Todas são impositivas: estão ali e aquele lugar pertence-lhes por inteiro. O guião segue uma narrativa entre a força da presença de cada uma, a expetativa que a antecede e a pausa que se lhe segue, seguindo a lógica do contraste entre a intuição do peso e a imanência da leveza que se intui na obra de Chafes.

Exposição "O peso do paraíso" Lisboa, CAM, 2014
Exposição “O peso do paraíso”
Lisboa, CAM, 2014

Continuar a ler “Rui Chafes, (a sustentada leveza do) peso do paraíso”

Turismo criativo e museus

No texto Impacto do Turismo Criativo no desenvolvimento do Turismo Cultural  (Oliveira, 2014), publicado na Publituris, Cristiana Oliveira expõe as circunstâncias e os efeitos da “universalização do turismo enquanto atividade económica verdadeiramente global”, chamando a atenção para a progressiva implementação do turismo “criativo”. Se os padrões do turismo de consumo baseado nos formulários dos pacotes de sol e praia têm vindo a anunciar desgaste, também o turismo cultural começa a esgotar-se nos habituais padrões de visita a monumentos e museus superpovoados, onde o visitante se confina ao papel de espetador de paisagens naturais ou dos indícios materiais de outras culturas. A visualização de indícios materiais de realidades que, sendo exógenas, se mantém indecifráveis e incognoscíveis é uma vivência truncada na experiência da viagem.

Continuar a ler “Turismo criativo e museus”

Júlio Pomar: um olhar entre textos e imagens

Exposição “Tratado dos olhos”, de Júlio Pomar
Lisboa, Atelier-Museu Júlio Pomar, 28 fevereiro – 28 setembro

Pomar, J.; Matos, S. A. (ed.); Faro, P. (org.). (2014). Notas sobre uma arte útil: Parte escrita I. Lisboa: Documenta; Atelier-Museu Júlio Pomar.
Júlio Pomar expõe-se através do texto e da imagem. Ao mesmo tempo que se inaugura a exposição Tratado dos olhos, é lançada a obra Notas Sobre uma Arte Útil com textos escritos entre 1942 e 1960, por altura do exílio em Paris. Anuncia-se como o primeiro volume da trilogia intitulada Parte da escrita, completada com Da Cegueira dos Pintores, Parte Escrita II (1985) e Temas e Variações, Parte Escrita III (1968-2013), cuja publicação está prevista para os próximos meses a partir da recolha elaborada por Sara Antónia Matos, diretora do Atelier Museu, e Pedro Faro.

Continuar a ler “Júlio Pomar: um olhar entre textos e imagens”

“Aqui se começa”: notícia do achamento de fragmentos do Livro da montaria de João I de Portugal

O chamado Livro da montaria de D. João I, rei de Portugal, é um manual de caça estruturado em três livros com 70 capítulos, foi redigido na corte, provavelmente por iniciativa direta do rei, entre 1415 e 1433.

D. João I, rei de Portugal Autor desconhecido Século XV 1434 d.C. - 1450 d.C. Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga
D. João I, rei de Portugal
Autor desconhecido
Século XV
1434 d.C. – 1450 d.C.
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga

Continuar a ler ““Aqui se começa”: notícia do achamento de fragmentos do Livro da montaria de João I de Portugal”

O património numa viagem sem retorno

Le voyage de l’obélisque, Louxor / Paris (1829-1836)
Paris, Musée national de la Marine, 12 février – 6 juillet 2014

Ao contrário do que possa parecer, o obelisco que se encontra na praça da Concórdia, em Paris, não foi espoliado pelos franceses e trazido ilicitamente para França.

O que não os iliba absolutamente da responsabilidade de descontextualização de um grande número de vestígios de culturas e civilizações passadas, tendo dado início a um vasto fenómeno de expedições de recolha de antiguidades no Médio Oriente

Continuar a ler “O património numa viagem sem retorno”

A difícil construção da história

Ao fim de longos dias de confrontos em Kiev, em que as forças do regime tentaram dominar a crescente revolta contra um regime autoritário e corrupto, o poder mudou de mãos, pondo a descoberto as propriedades vastas e sumptuosas de Ianukovich, onde a sobranceria se traduz nos mais fatigados clichés do luxo aparatoso: revestimentos de mármore, apainelados, profusão de ouro, pedrarias e dourados, lustres, tapeçarias, ícones, armaduras, esculturas, veludos, bronzes, porcelanas, um jardim zoológico privado… Está justificada a classificação como “museu da corrupção”, atribuída pelo New York Times. (Vd. Inside the ‘Museum of Corruption’)

Continuar a ler “A difícil construção da história”

O grilhão do museu

Na noite da passado sábado, o museu Guggenheim foi palco de um protesto levado a cabo por uma coalização de grupos autodenominada Gulf Ultra Luxury Faction (GULF). Durante cerca de 20 minutos, ao longo dos parapeitos da rampa do museu, ergueram faixas e gritaram o protesto contra as condições de trabalho nos estaleiros do Guggenheim Abu Dhabi nos Emiratos Árabes Unidos.

Front cover of an informational brochure distributed during the February 22nd intervention. Author: Noah Fischer of Occupy Museums.
Front cover of an informational brochure distributed during the February 22nd intervention.
Author: Noah Fischer of Occupy Museums.

Continuar a ler “O grilhão do museu”

Mostra sobre Darwin que custou meio milhão continua em caixotes

Em 2009, ano em que se comemorava o bicentenário do nascimento de Darwin e os 150 anos da edição do livro A origem das espécies, o Museu Gulbenkian apresentou a exposição A evolução de Darwin. Uma exposição notável, quer pelos objetos expostos, quer pelo discurso, quer pelos dispositivos museográficos e tecnológicos.
Uma exposição que permitia várias leituras paralelas e complementares da história da ciência à história da museologia da ciência, passando pela vida e cultura da sociedade Oitocentista.

A exposição de Darwin esteve na Gulbenkian em 2009 Foto: Nuno Ferreira Santos (Público)
A exposição de Darwin. Gulbenkian, 2009
Foto: Nuno Ferreira Santos (Público)

Continuar a ler “Mostra sobre Darwin que custou meio milhão continua em caixotes”

Entre quem faz e quem vê: os limites do discurso na arte contemporânea

A arte contemporânea pretendia-se acessível e apreensível pelo senso comum, numa reação contra o elitismo das “belas-artes” tradicionais. Afinal, não: a memória coletiva perceciona melhor e, por isso, adere com mais facilidade às formas e composições que lhe são familiares e pode identificar, nomear ou descrever. Talvez seja isso que justifica o alheamento ou a incompreensão face às vanguardas. Continuam por compreender – e por aceitar! – as instalações cuja conceptualização exige uma descodificação mais complexa e elaborada.

Continuar a ler “Entre quem faz e quem vê: os limites do discurso na arte contemporânea”