Descolonizar o museu

The complexity reveals the fact that in reality, one does not always have the ‘answer’ – and that is the answer itself.
(Kilomba, 2010, p. 143)

Os gregos da época Helenística faziam cópias de arte clássica, com que enriqueciam as coleções particulares; os Romanos apropriaram-se dessas cópias, juntamente com outros objetos sofisticados que convergiam para a capital do império, provenientes das vastas possessões territoriais na Europa, África e Ásia; por volta do século XVI, as embarcações vindas da Índia e do Brasil traziam para a Europa, objetos e materiais exóticos que despoletaram um novo impulso colecionista; as expedições napoleónicas no Egipto e em Itália trouxeram um enorme fluxo de objetos para o Louvre, abrindo o precedente do financiamento de expedições por parte dos grandes museus nacionais europeus nas áreas colonizadas do Médio Oriente e de África, da Índia, da Austrália e da América Central e do Sul, recebendo, em troca, os vestígios de grandes civilizações já desaparecidas ou que estavam a ser dizimadas pela força política de uma escravatura tão intensa quanto camuflada. Resumir, desta forma simplista, um fenómeno complexo e poliédrico, é incorreto e inadequado, mas poderá ajudar a compreender o contexto das narrativas coloniais dos museus ocidentais.

Chegada ao Louvre dos tesouros artísticos trazidos pela Grande Armée
Jacques-François-Joseph Swebach, Século XVIII
Paris, Museu do Louvre

Continuar a ler

Capela-múndi: um eixo na museologia de religião

Exposição “Capela-múndi: Exposição temporária comemorativa do centenário da construção da Capelinha das Aparições
Fátima, Convivium de Santo Agostinho, Basílica da Santíssima Trindade, 1 dez. 2018 – 15 out. 2019

“Capela-múndi”1 confirma a construção de uma linguagem museológica que o Museu do Santuário de Fátima tem vindo a amadurecer ao longo desta década e, em particular, nas exposições comemorativas do centenário das aparições. A exposição é comissariada por Marco Daniel Duarte, diretor do Museu do Santuário de Fátima, sendo a conceção arquitetónica de Joana Delgado e o design de Inês do Carmo.

Exposição “Capela-múndi”
Fátima, Santuário
Foto: MIR, 2019

Continuar a ler

  1. O título da exposição remete para o conceito da Capelinha como axis-mundi, isto é, o eixo do mundo, ou ponto de conexão entre o céu e a terra. []

Ponto de vista do colecionador

Exposição “Maria do Céu e Luís Pereira de Sampaio: Uma colecção em foco
Lisboa, Fundação Medeiros e Almeida, 5-28 fev. 2019

Uma coleção é a imagem do colecionador, através da qual desvenda o universo íntimo de quem a constrói, os seus gostos e as suas obsessões. Reflete, também, a vontade de viver rodeado pelos objetos em que fixa o gosto pessoal, num desígnio de acumulo, mas também o desejo de deixar uma marca e perpetuar-se numa ação que o transcende. A coleção é, por conseguinte, um microcosmos privado do colecionador e uma janela aberta sobre a sua alma. Mas é também e por isso mesmo um risco. E um risco que se amplia quando se expõe ao escrutínio externo, sujeitando-a ao juízo e ao parecer dos outros.

Exposição: entrada
Lisboa, Casa-Museu Medeiros e Almeida
Foto: MIR, 2019

Continuar a ler

Os olhos escutam

Exposição “Os olhos escutam”
Lisboa, Universidade Católica Portuguesa, Galeria Fundação Amélia de Melo, 1 fev. – 30 abr. 2019

Esta é a primeira exposição de uma galeria de arte instalada numa universidade, numa iniciativa que se afigura inédita.

Exposição: entrada
Lisboa, UCP – Galeria Fundação Amélia de Melo
Foto: MIR, 2019

Continuar a ler

Ao alcance do nosso olhar: Projeto “Portugal: Arte e património”

Estão mais de três mil (3384 itens) obras do património cultural português no Google Arts & Culture. No âmbito do projeto “Portugal: Arte e património”, realizado em colaboração com o Ministério da Cultura e com a Direção-Geral do Património Cultural, 22 instituições museológicas1 sob a tutela do Estado permitiram que as suas obras fossem digitalizadas, pelo Google, usando o sistema Art Camera com tecnologia de alta resolução.

Foram selecionadas as obras mais relevantes em cada coleção. Não se conhecem, porém, os critérios que presidiram a esta seleção, mas é percetível a ligação à coleção exposta e às suas valências patrimoniais, artísticas e documentais.

Continuar a ler

  1. As instituições que participam no projeto são: Casa-Museu Anastácio Gonçalves; Convento de Cristo; Mosteiro da Batalha; Mosteiro de Alcobaça: Mosteiro dos Jerónimos; Museu Monográfico de Conímbriga – Museu Nacional; Museu Nacional da Música; Museu Nacional de Arqueologia; Museu Nacional de Arte Antiga; Museu Nacional de Arte Contemporânea; Museu do Chiado; Museu Nacional de Etnologia & Museu de Arte Popular; Museu Nacional de Machado de Castro; Museu Nacional do Azulejo; Museu Nacional do Teatro e da Dança; Museu Nacional do Traje; Museu Nacional dos Coches; Museu Nacional Grão Vasco; Museu Nacional Soares dos Reis; Palácio Nacional da Ajuda; Palácio Nacional de Mafra; Panteão Nacional; Torre de Belém. []

Ano novo, velhos problemas no Museu de Arte Antiga

Na alvorada de um novo ano, entre votos e propósitos embrulhados em esperança, o Público anunciava a saída da direção do Museu Nacional de Arte Antiga, no próximo mês de junho. A decisão de não voltar a candidatar-se ao cargo de diretor do museu após o atual mandato foi comunicada por António Filipe Pimentel à Ministra da Cultura, Graça Fonseca, na passada quarta-feira, durante uma reunião relacionada com a proposta de Decreto-Lei para o “Novo Regime Jurídico de Autonomia de Gestão dos Museus, Monumentos, Palácios e Sítios Arqueológicos” e em que estavam presentes os diretores regionais de Cultura e os diretores das instituições tuteladas pela Direção-Geral do Património Cultural (DGPC). Em sintonia com esta decisão, José Alberto Seabra, diretor adjunto, também anunciou a sua aposentação.

Continuar a ler

Museu: real ou virtual?

O museu vive este dilema entre o real e o virtual. O museu é o local onde se expõe e comunica objetos reais, ainda que isto implique uma referência à sua intangibilidade; e mesmo se a definição de museu inclui o património intangível este é representado no museu através de objetos concretos.

Exposição “Fernando Pessoa: Plural como o universo”, 2012
Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian

Continuar a ler

Viagem entre peregrinação e turismo

A prática da deslocação a centros sagrados está já documentada em tribos pré-históricas em todos os continentes, e constitui uma realidade associada a todas as grandes religiões. De facto, a ocorrência de centros sagrados, isto é, de lugares hierofânicos que constituem uma rutura no espaço homogéneo do quotidiano e que os fiéis desejam visitar por motivos espirituais e de renovação pessoal, é inerente ao fenómeno religioso (Eliade, 2004). Regista-se, aqui, nesta necessidade de deslocação ao lugar sagrado, a génese do turismo religioso.

Cavalgada dos Magos
Sassetta (Stefano di Giovanni), ca. 1433–35
Nova Iorque, Metropolitan Museum of Art

Peregrinação (do latim per agros, isto é, pelos campos) significa, literalmente, uma deslocação entre lugares, tomando, ao longo do tempo o sentido de jornada realizada por um devoto a um lugar sagrado.

Continuar a ler

Maria José Moura (1937-2018)

Conheci-a há quase trinta anos.
A memória mais antiga e, também, a mais constante é a de uma amizade, tão generosa quanto protetora. Assumia as minhas lutas, lutando ela própria contra os moinhos de vento do meu destino, como se tivesse sido responsável por eles, defendendo-me de tudo aquilo que achava ser injusto e oferecendo-me, até ao fim, uma imensa e abnegada proteção e amizade.

Continuar a ler

41.º Simpósio Anual do ICOFOM 2018: Museologia e sagrado

O 41.º Simpósio Anual do ICOFOM, tendo como tema “Museologia e o Sagrado, realizou-se em Teerão (Irão), entre 15 e 19 de outubro de 2018.

41.º Simpósio Anual do ICOFOM 2018: foto de grupo com as assinaturas dos participantes
Teerão, Museu Nacional de Arte Islâmica
Foto: Niloofar Yazdkhasti, 2018

Museus concebidos como templos ou que ocupam espaços que outrora foram igrejas; objetos apartados do culto e que são expostos em museus; rituais religiosos que se evocam no comportamento dos visitantes em espaços museológicos; museus que sacralizam objetos profanos, criando-lhes altares de exaltação; indivíduos que procuram o museu para manter a ligação a objetos que, para eles, continuam sagrados – tudo isto são fatores da relação entre o museu e o sagrado.

Continuar a ler

Hidden meanings: Christian art exhibited at the museum

Mixing museums with the sacred seems to be a paradox, since the museum is the place where objects are exhibited, while the sacred is something to hide. Nevertheless, the concept of sacred crosses museum studies, since there are many objects related to religious rituals and worship exhibited in museums.

Exhibition “As Ilhas do Ouro Branco”
Lisboa, MNAA
Photo: Rui Marote e DR, 2017

Musealization always implies a decontextualization process, by moving an object from its original context to an artificial and representational place. Regarding the religious object, this musealization also involves a process of desacralization and, eventually, a re-sacralization. So, to understand this phenomenon, it is necessary to consider the concept of the sacred itself and their implications, such as separation, untouchability, reverence or contemplation.

Continuar a ler

Museologia de religião: Análise de uma exposição comemorativa do centenário das Aparições

Exposição “As cores do sol: A luz de Fátima no mundo contemporâneo
Fátima, Convivium de Santo Agostinho, Basílica da Santíssima Trindade, 26 nov. 2016 – 31 out. 2018

A história é conhecida de todos: depois das aparições do anjo, com um cariz preparatório, os três pequenos pastores Lúcia, Francisco e Jacinta, viram, pela primeira vez, a 13 de maio de 1917, uma senhora “muito formosa […], envolta num clarão mais brilhante que o sol” que lhes pedira que rezassem o terço e que tornassem àquele local, seis meses seguidos no mesmo dia e à mesma hora. Para aquela que seria a última aparição, a Virgem prometera-lhes um milagre, dizendo que “no último mês fazia um sinal no sol, que todos haviam de acreditar”.

Lúcia, Francisco e Jacinta
Cova da Iria, 1917
In: (1917, 29 out.). Ilustração Portuguesa, (610), 356.
Foto: Joshua Benoliel; Arquivo Fotográfico/
Santuário de Fátima

Continuar a ler

Maria Helena Mendes Pinto (1923-2018)

Conheci Maria Helena Mendes Pinto, a querida “Senhora D. Helena”, no início da década de 1990. Primeiro, assistindo ao convívio entre conservadoras do Museu de Arte Antiga que me aceitavam como discípula; depois, em 1993, em longas tardes na biblioteca do museu, onde me orientava na pesquisa de objetos para uma exposição, elucidando a minha profunda ignorância, com a paciência de grande mestra, conversando acerca das suas hesitações – o que, nessa altura, nos intrigavam as madrepérolas da Terra Santa, frequentemente catalogadas como obras indo-portuguesas: “não me parece, não me parece que sejam!”; e não eram – expondo o conhecimento com uma familiaridade sem reservas, entusiasmando-se perante objetos que via pela primeira ou pela centésima vez, continuando a interrogá-los e a analisá-los, trazendo-me livros, sugerindo-me leituras, lendo-me os textos, como se nunca duvidasse de que isso valesse a pena e fazendo-me acreditar que talvez fosse assim. Lembro-me das últimas vezes em que a vi, cada vez mais enfraquecida, mas com uma vivacidade no olhar, como se estivesse contente por me ver, enquanto me perguntava sobre a minha vida, amigos comuns… Que privilégio conhecê-la!

Continuar a ler

Todos somos Museu Nacional

“Um dia todos os museus irão arder
E seremos felizes. Imagem por imagem
Esqueceremos quem somos, deitados sobre a cinza,
Livres da angústia da memória e sem remorsos.”
Rui Almeida (2018)

É inevitável este sentimento de luto perante a tragédia do fogo que consumiu o Museu Nacional do Rio de Janeiro. Requiem por este museu.

Museu Nacional
Rio de Janeiro
Foto: Zô Guimarães/Folhapress

Continuar a ler

O objeto no museu: verdade ou mentira?

São salas cheios de peças percorridas por multidões, são corredores que se atravessam num olhar distraído, são visitantes que passam seguindo um roteiro diletante onde pontuam as obras que a instrumentalização da cultura definiu como obrigatórias… Referia, aqui, que os grandes museus se tornaram pontos de consumo turístico, onde se perdeu o gosto da contemplação. Onde é difícil ver e descobrir para lá do lugar comum.

Banksy no British Museum
2005
Foto: Banksy website

Continuar a ler