Francisco de Holanda e a malícia do tempo

Francisco d’Ollanda (1517-1584), ou de Holanda, é um nome quase desconhecido para lá de algumas referências toponímicas e de alguns círculos restritos. E, no entanto, ele foi um dos nomes maiores do Humanismo e um dos mais relevantes tratadistas no Renascimento Europeu.

Nascido em Lisboa, era filho de António de Holanda, com créditos reconhecidos no âmbito da pintura e da iluminura e que o iniciou no mundo da arte. Aos vinte anos, partiu para Roma no âmbito da política cultural de D. João III que favorecia a circulação de bolseiros portugueses pelos principais centros da cultura europeia à época. Em Roma, conheceu algumas das figuras mais relevantes do Renascimento, frequentou o círculo de Vitória Colonna, onde conheceu Miguel Ângelo, de quem se afirmava discípulo e que o inspirou para os Diálogos em Roma.

Nossa Senhora de Belém
Francisco de Holanda, 1550-1553
Pintura a óleo sobre madeira
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga, 1181 Pint

Da sua obra como pintor, chegou-nos um conjunto reduzido de obras: duas pinturas a óleo, os desenhos arquitetónicos inseridos no tratado Cidade que falece à cidade de Lisboa (1571), e os códices Os desenhos das Antigualhas que vio Francisco d’Ollanda, pintor português, com desenhos e aquarelas feitos em Roma, entre 1538 e 1540, e Aetatibus Mundi Imagines, também com desenhos e aquarelas, feitos entre 1545 e 1573.1

O Segundo Dia da Criação
Francisco de Holanda, De aetatibus mundi imagines
1545
Madrid, Biblioteca Nacional de España

O corpus ensaístico é mais expressivo, com quatro tratados sobre arte: Da pintura antiga (1548), cuja segunda parte se intitula Diálogos de Roma (1549); Da ciência do desenho (1549); Do tirar polo natural (1549), acerca do retrato; e Da fábrica que falece à cidade de Lisboa (1571), com considerações acerca do urbanismo da cidade e projetos de melhoria.

Figura de Lisboa
Francisco de Holanda – De Fábrica que Falece à Cidade de Lisboa
1571
Lisboa, Biblioteca da Ajuda

O tratado Da pintura antiga, iniciado após o regresso de Roma, é considerado como a sua obra de maior consistência teórica, onde é visível a proximidade à obra Da pintura de Alberti, nomeadamente em torno do conceito filosófico de idea neoplatónica como inventio, subjacente à criação artística:

[…] digo que a primeira entrada d’esta sciencia e nobre arte é a invençam, ou ordem, ou eleição a que eu chamo idea a qual há de star em o pensamento. E sendo a mais nobre parte da pintura, não se ve de fora, nem se faz com a mão, mas semente com a grande fantasia e a imaginação […]. (Holanda. 1918, p. 98)

A arte torna-se coisa do espírito, criação interior sublimada face à habilidade manual, tornando-a mais ars do que téchné.

Exposição “Francisco de Holanda em Évora: Nascimento de um artista humanista (1534-1537/1544-1545)”
2020
Évora, Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo
Foto: MIR, 2020

No Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo, em Évora, esteve patente a exposição “Francisco de Holanda em Évora: Nascimento de um artista humanista (1534 – 1537 / 1544 – 1545)”, com comissariado científico de Sylvie Deswarte-Rosa, seguramente a investigadora que mais se tem dedicado ao seu estudo. A exposição, ainda que enfatizando a presença de Francisco de Holanda em Évora, como artista da corte do rei D. João III, fazia uma resenha da sua vida e obra, trazendo alguns originais e completando-os com reproduções.

Vitrina com o assento de batismo de Francisco de Holanda (em baixo)
Exposição “Francisco de Holanda em Évora: Nascimento de um artista humanista (1534-1537/1544-1545)”
2020
Évora, Museu Nacional Frei Manuel do Cenáculo
Fotos: MIR, 2020

Encerrou em final de agosto, apesar de o museu ter estado fechado entre março e maio, privando o público do seu acesso. Foi pena, porque a exposição merecia um prazo mais dilatado e uma audiência mais alargada. Francisco de Holanda também o merecia, tal como o grande público merece conhecer um dos seus maiores. “Contra a malícia do tempo”, como diz Sylvie Deswarte-Rosa (in Marmeleira, 2020), parafraseando Francisco de Olanda.

Referências:
Holanda, F., & Vasconcelos, J. (ed.). (1918). Da pintvra antigva: Tratado de Francisco de Hollanda, commentada por Joaquim de Vasconcellos. Porto: Renascença Portuguesa.
Marmeleira, J. (2020, 16 set.). Francisco de Holanda, um homem do Renascimento ainda por descobrir. Público, 31(11102), 26.

Cite this article as: Roque, Maria Isabel, "Francisco de Holanda e a malícia do tempo," in a.muse.arte , 2020/09/16, https://amusearte.hypotheses.org/6843.
  1. Na imagem de destaque, Francisco de Holanda, auto-retratado, apresenta a obra à “malitia temporis”, a malícia do tempo. []

6 comentários em “Francisco de Holanda e a malícia do tempo”

  1. Adorei a exposição e a visita guiada pela sua comissária Sylvie Deswarte-Rosa que deu a conhecer ao público interessado pinturas, iluminuras, livros e manuscritos da autoria de Francisco da Holanda.
    Esperemos que acabe por sair o catálogo que a pandemia atrasou, pois passa a constituir um marco no aprofundamento do saber e das obras deste grande humanista português que continua muito longe da divulgação que merece.

  2. Vou tentar aprofundar conhecimentos deste nosso compatriota que , parece-me só era citado nos compêndios de história, infelizmente. Gostei deste artigo e gostava que me indicasse bibliografia. Obrigada.

  3. Tive a sorte de visitar a exposição de Évora – merecia ser reposta, ou refeita em Lisboa – as tabelas tinham textos da historiadora francesa com muitíssima informação. Merecia um catálogo… segundo me disseram não foi impresso devido à Covid.. pedi os textos por 2 vezes à Direcção regional de cultura do Alentejo, nem uma resposta…

Responder a Maria Beatriz Fernandes Bramao Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search