Todos somos Museu Nacional

“Um dia todos os museus irão arder
E seremos felizes. Imagem por imagem
Esqueceremos quem somos, deitados sobre a cinza,
Livres da angústia da memória e sem remorsos.”
Rui Almeida (2018)

É inevitável este sentimento de luto perante a tragédia do fogo que consumiu o Museu Nacional do Rio de Janeiro. Requiem por este museu.

Museu Nacional
Rio de Janeiro
Foto: Zô Guimarães/Folhapress

Ardeu um bocado de cada um de nós e das nossas memórias com o desaparecimento do Palácio de São Cristóvão, que havia servido como residência, primeiro da família real portuguesa (1808-1821), depois da família imperial brasileira (1822-1889), e como sede da primeira Assembleia Constituinte Republicana (1889-1891), antes de abrir como museu, em 1892.

Museu Nacional
Rio de Janeiro
Foto: MIR, 2009

O museu, fundado por Dom João VI em 1818, inicialmente chamado Museu Real instalado no Campo de Santana, reunia o acervo proveniente da antiga Casa de História Natural, criada em 1784, e outras coleções de mineralogia e zoologia. Em 1946, foi incorporado à Universidade Federal do Rio de Janeiro. O acervo científico, constituído por mais de 20 milhões de itens, reunia coleções nos domínios da geologia, paleontologia, botânica, zoologia, antropologia biológica, arqueologia (não só brasileira e pré-colombiana, como egípcia e mediterrânica) e etnologia (em particular, indígena brasileira, africana e afro-brasileira). Em complemento, possuía uma importantíssima biblioteca especializada em ciências naturais, com um acervo de quase meio milhão de livros, incluindo livro antigo e obras raras. Quase tudo desapareceu sob a fúria do fogo que deflagrou ontem, ao fim da tarde, depois do horário de abertura.

Esquema da colocação das coleções no Museu Nacional
Fonte: Museu Nacional
Acedido em Pamplona, & Alegretti, 2018, 2 set.

É uma tragédia que nos enluta a todos, porque o conhecíamos, mas também a quem nunca o visitou, mas reconhece o valor da memória que aí se guardava. E perante esta tragédia, a pior reação será ficarmos tolhidos e apáticos, abatidos pelo desgosto. Conhecemos os motivos, aquilo que, mesmo sem atear o fogo, facilitou a sua deflagração, como uma morte que muitos sabiam anunciada.

Os cortes no orçamento deixaram o museu à mercê de verbas cada vez mais exíguas, provocando falhas graves na gestão e manutenção das condições de segurança. A vice-diretora do museu, Cristina Serejo, confessa: “A gente tinha consciência da fragilidade do museu, mas não deu tempo” (cit. in Pamplona, & Alegretti, 2018, 2 set.).

Museu Nacional
Rio de Janeiro
Foto: MIR, 2009

Somos levados a ignorar os sinais de ruína, como uma esperança fatalista de que tudo corra pelo melhor. Mas a verdade é que pode não dar tempo! Este é um sinal que nos alerta para as consequências da falta de uma política sustentável e sustentada do património, de orçamentos deficitários, de ações de gestão corrente inconsistentes e focadas nas circunstâncias do imediato. Este incêndio faz abater nas nossas consciências uma espada de fogo: não somos merecedores do património que deixamos morrer.

Todos somos Museu Nacional, porque todos estamos de tuto, mas esta é, também, a notícia de uma morte anunciada. Que esta tragédia nos acorde e conduza à reflexão e, sobretudo, à luta em defesa do património que é, sempre, de todos nós. Que lá como cá, tomemos consciência de que pode não dar tempo.

Vists do interior do edifício após o incêndio
2018, 3 set.
Foto: Mauro Pimentel / AFP

Referência:
Pamplona, N., & Alegretti, L. (2018, 2 set.). Incêndio de grandes proporções atinge Museu Nacional na Quinta da Boa Vista, no Rio. Folha de São Paulo. Acedido em https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2018/09/incendio-atinge-o-museu-nacional-na-quinta-da-boa-vista-no-rio.shtml


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.