Os desenhos de Van Gogh: verdade, mentira e “pós-verdade” no mundo da arte

“Post-truth” (qualquer coisa como pós-verdade, ou depois da arte) é a palavra do ano, segundo o Oxford Dictionaries (s.d.), esclarecendo que, embora tenha surgido na última década, ganhou grande pertinência no contexto do Brexit e das eleições presidenciais nos Estados Unidos. Vale o que vale, mas não deixa de ser significativo que a sua utilização tenha registado um aumento de cerca de 2000% em relação ao último anterior. O dicionário classifica o termo como adjetivo, “relating to or denoting circumstances in which objective facts are less influential in shaping public opinion than appeals to emotion and personal belief” (id.). É uma forma de dizer as coisas; mas parece ser, sobretudo, a desculpabilização e viabilização da mentira, quando não da sua promoção. Ou a indiferença perante a manipulação intencional, a informação forjada. Ou a incapacidade em distinguir o verdadeiro do falso e o desprendimento com que aceitamos esta realidade. Há poucos dias, Jonathan Jones retomava o conceito, aplicando-o ao domínio da arte, ao interrogar “does anyone care in a post-truth art world?” (Jones, 2016, 16 nov.), a propósito da recente polémica em torno dos desenhos de Van Gogh.

Auto-retrato (?) com chapéu de palha Vincent van Gogh (atrib.), julho ou agosto de 1888 Foto: Édition du Seuil

Auto-retrato (?) com chapéu de palha
Vincent van Gogh (atrib.), julho ou agosto de 1888
Foto: Édition du Seuil

Continuar a ler