Elefante de Bernini vandalizado

É “apenas” mais uma notícia de vandalismo: alguém vandalizou o elefante obeliscoforo da escultura de Bernini instalada na pequena Piazza della Minerva, junto ao Panteão, em Roma. O ato de vandalismo, aparentemente, não teve testemunhas, e foi denunciado às autoridades por um grupo de turistas espanhóis que encontraram o fragmento quebrado, a presa esquerda do animal, no chão, ao lado da estátua, a qual foi igualmente riscada. Se a presa truncada poderia ter sido acidentalmente provocada por um ato tresloucado, os riscos que cobrem a escultura denunciam a sua intencionalidade destruidora.

Elefante vandalizado
Foto: AP Photo / Gregorio Borgia

Elefante vandalizado
Foto: AP Photo / Gregorio Borgia

Continuar a ler

O homem que queria autofotografar-se com uma estátua

O episódio foi rápido e conta-se de forma igualmente breve: um indivíduo de 24 anos tentou subir à peanha de suporte à escultura do rei D. Sebastião, na entrada da estação do Rossio, a pedra não aguentou o peso e a estátua caiu desfeita no chão. O indivíduo não sofreu quaisquer lesões, mas quis o acaso que estivessem no local dois agentes da PSP que registaram o ato e identificaram o autor, que irá ser processado pela Infraestruturas de Portugal (IP), a empresa que gere o património da estação e pretende ser ressarcida das despesas relacionadas com o restauro, e provavelmente, pelo Ministério Público dado que o edifício está classificado como património nacional.

Entrada da estação do Rossio depois da queda da estátua de D. Sebastião Foto: Rádio Renascença

Entrada da estação do Rossio depois da queda da estátua de D. Sebastião
Foto: Rádio Renascença

Continuar a ler

A pintura de Rothko reposta na Tate Modern, um museu desadequado à obra de Rothko?

A obra Black on Maroon, de Mark Rothko, que tinha sido vandalizado em outubro de 2012, voltou a ser exposta na Tate Modern, depois de 12 meses de restauro.

Recolocação da obra «Black on Maroon, 1958», de Mark Rothko, na Tate Modern de Londres

Recolocação da obra «Black on Maroon, 1958», de Mark Rothko, na Tate Modern de Londres Foto: Reuters

Continuar a ler

Selfie no museu

17 de março, Accademia delle Belle Arti di Brera, em Milão.
Um visitante, jovem estudante, em visita ao museu, encontrou a escultura Satiro ubriaco [sátiro adormecido], também conhecido como o Fauno Barberini, atribuída à oficina de Antonio Canova, datada de princípios do século XIX e de óbvia referência neoclássica, feita a partir da cópia de um original grego da época helenística, de cerca de 220 a.C., atualmente na Gliptoteca de Munique (Inv. 218). O jovem deve ter achado alguma graça à figura, ou à atitude, com o corpo estirado sobre uma rocha em evidente estado de embriaguez, a cabeça pendida sobre o ombro, o braço direito erguido a servir-lhe de apoio, as pernas despudoradamente abertas…
Continuar a ler

Entre quem faz e quem vê: os limites do discurso na arte contemporânea

A arte contemporânea pretendia-se acessível e apreensível pelo senso comum, numa reação contra o elitismo das “belas-artes” tradicionais. Afinal, não: a memória coletiva perceciona melhor e, por isso, adere com mais facilidade às formas e composições que lhe são familiares e pode identificar, nomear ou descrever. Talvez seja isso que justifica o alheamento ou a incompreensão face às vanguardas. Continuam por compreender – e por aceitar! – as instalações cuja conceptualização exige uma descodificação mais complexa e elaborada.

Continuar a ler