Museu e património no destino da viagem

A Grand Tour nos primórdios do turismo cultural

As circunstâncias do aparecimento simultâneo dos atuais conceitos de ‘turismo’ e de ‘museu’, no contexto da Europa iluminista, sustentam um percurso feito de conexões e mútuas influências. Ao longo do século XVIII, no contexto do Iluminismo europeu, desenvolveram-se as práticas de viagem e de colecionismo que constituem a proto-história do turismo e da museologia. O denominador comum era o conhecimento do passado e dos seus vestígios materiais, o que coincidia também com a crescente consciência em torno do património e da necessidade de o conservar no seu ambiente original.

British gentlemen in Rome Katharine Read, ca.  1750 Yale Center for British Art, Paul Mellon Collection

British gentlemen in Rome
Katharine Read, ca. 1750
Yale Center for British Art, Paul Mellon Collection

Continuar a ler

Tempo de férias, tempo de ir ao museu

É tempo de verão, tempo de evasão, tempo e pretexto para contrariar as rotinas. Tempo para procurar outros locais e cumprir novas obrigações e rituais diferentes. Tempo de descobrir os sítios imperdíveis em cada local, ir lá marcar presença, fazer um documento de prova e divulgá-lo ao mundo. Tempo de selfies, tempo de facebook, pinterest ou instagram.

É tempo de ir aos museus e de visitar monumentos…Tempo, também, de pensar em quem os visita e como os visita; e tempo, também, de pensar como se preparam os museus e os monumentos para receber quem os visita.

Também em Portugal começam a crescer as filas junto à entrada de monumentos e nas bilheteiras de alguns museus. Falta-nos (ou sou eu que os desconheço), porém, estudos de público que permitissem enquadrar quem procura, quais as motivações, o nível de satisfação ou de deceção atingido…

Mosteiro da Batalha, 2014

Capelas Imperfeitas, Mosteiro de Santa Maria da Vitória
Batalha, julho de 2014

Continuar a ler

Turismo criativo e museus

No texto Impacto do Turismo Criativo no desenvolvimento do Turismo Cultural  (Oliveira, 2014), publicado na Publituris, Cristiana Oliveira expõe as circunstâncias e os efeitos da “universalização do turismo enquanto atividade económica verdadeiramente global”, chamando a atenção para a progressiva implementação do turismo “criativo”. Se os padrões do turismo de consumo baseado nos formulários dos pacotes de sol e praia têm vindo a anunciar desgaste, também o turismo cultural começa a esgotar-se nos habituais padrões de visita a monumentos e museus superpovoados, onde o visitante se confina ao papel de espetador de paisagens naturais ou dos indícios materiais de outras culturas. A visualização de indícios materiais de realidades que, sendo exógenas, se mantém indecifráveis e incognoscíveis é uma vivência truncada na experiência da viagem.

Continuar a ler