Público para o museu, ou museu para o público: uma leitura do relatório Culture Track 2017

A definição de turismo criativo tem subjacente o conceito de experiência imersiva no destino da viagem. Na International Conference on Creative Tourism, de 2006, em Santa Fé, Novo México, foi sublinhado que “it includes more access to culture or history (“less museums, more squares”), involves doing something experientially, and an authentic engagement in the real cultural life of the city” (UNESCO. Creative Cities Network, 2006, p. [1]). Passada mais de uma década, verifica-se que, ao contrário da expetativa de “less museums” as estratégias imersivas invadiram os museus, convertidos em “more squares”, os quais, por seu turno continuam a ser passagem obrigatória no decurso da viagem turística.

Exposição “Juan Muñoz: Uma retrospetiva”
Porto, Museu de Serralves, 1 nov. 2008 – 24 fev. 2009
Foto: MIR, 2009

Continuar a ler

Públicos para o património: uma questão de mais ou menos

Os números relativos ao crescimento da indústria do turismo, publicados pela Organização Mundial do Turismo (UNWTO, 2016) são inequívocos: em 2015, as chegadas de turistas internacionais aumentaram 4,4%, num total de 1.184 milhões de turistas em viagem para destinos internacionais, o que equivale a um aumento de 50 milhões em relação ao ano anterior; estes números confirmam a tendência de crescimento de 4% anuais que tem vindo a registar-se desde 2010. A procura da Europa como destino continua a crescer, mas os destinos meridionais de sol e praia começam a ceder face à concorrência de paragens mais exóticas, enquanto turismo cultural ganha uma importância crescente. A qualidade de turismo cultural, ou o consumo de produtos culturais no destino, é, ainda, um elemento diferenciador que permite a demarcação face ao turismo de massa.

Turismo internacional: índice de chegadas, 2015 Fonte: UNWTO

Turismo internacional: índice de chegadas, 2015
Fonte: UNWTO

Continuar a ler

A literatura como (pre)texto de viagem

O conceito não é novo: ao longo do século XIX, o relato literário era um pretexto de viagem em alternativa ou em complemento ao propósito de visitar locais de referência, monumentos, museus, ruínas, vestígios do passado ou de outras culturas. James Buzard (1993), a partir da análise de um corpus de textos literários relacionados com a viagem, regista a dualidade do conceito de cultura de elite ou massas na prática Oitocentista da viagem, ao mesmo tempo que se instalava a ideia de que o turismo era uma atividade aberta a todas as classes, sobretudo depois das práticas de simplificação e de divulgação iniciadas por Thomas Cook. Buzard distingue, assim, entre o vulgar “tourist” e o verdadeiro “traveller”, mais erudito, apontanto para o conceito remanescente daquilo que designa como a experiência cultural autêntica, “that which the ‘traveller’ used to seek ‘off the beaten track’“ (Buzard, 1993, 336)  e que, portanto, se encontra em locais de referência extrínsecos aos circuitos populares.

Goethe na Campagna Romana Johann Heinrich Wilhelm Tischbein, 1787 Frankfurt, Städelsches Kunstinstitut und Städtische Galerie

Goethe na Campagna Romana
Johann Heinrich Wilhelm Tischbein, 1787
Frankfurt, Städelsches Kunstinstitut und Städtische Galerie

Continuar a ler

Museu e património no destino da viagem

A Grand Tour nos primórdios do turismo cultural

As circunstâncias do aparecimento simultâneo dos atuais conceitos de ‘turismo’ e de ‘museu’, no contexto da Europa iluminista, sustentam um percurso feito de conexões e mútuas influências. Ao longo do século XVIII, no contexto do Iluminismo europeu, desenvolveram-se as práticas de viagem e de colecionismo que constituem a proto-história do turismo e da museologia. O denominador comum era o conhecimento do passado e dos seus vestígios materiais, o que coincidia também com a crescente consciência em torno do património e da necessidade de o conservar no seu ambiente original.

British gentlemen in Rome Katharine Read, ca.  1750 Yale Center for British Art, Paul Mellon Collection

British gentlemen in Rome
Katharine Read, ca. 1750
Yale Center for British Art, Paul Mellon Collection

Continuar a ler

Tempo de férias, tempo de ir ao museu

É tempo de verão, tempo de evasão, tempo e pretexto para contrariar as rotinas. Tempo para procurar outros locais e cumprir novas obrigações e rituais diferentes. Tempo de descobrir os sítios imperdíveis em cada local, ir lá marcar presença, fazer um documento de prova e divulgá-lo ao mundo. Tempo de selfies, tempo de facebook, pinterest ou instagram.

É tempo de ir aos museus e de visitar monumentos…Tempo, também, de pensar em quem os visita e como os visita; e tempo, também, de pensar como se preparam os museus e os monumentos para receber quem os visita.

Também em Portugal começam a crescer as filas junto à entrada de monumentos e nas bilheteiras de alguns museus. Falta-nos (ou sou eu que os desconheço), porém, estudos de público que permitissem enquadrar quem procura, quais as motivações, o nível de satisfação ou de deceção atingido…

Mosteiro da Batalha, 2014

Capelas Imperfeitas, Mosteiro de Santa Maria da Vitória
Batalha, julho de 2014

Continuar a ler

O turismo, sob o desígnio da cultura

O termo turismo deriva da designação Grand Tour, designação dada ao circuito da aristocracia e alta burguesia ao longo da Europa e, em particular, pela França e Itália, entre o século XVII e meados do XIX, a fim de conhecer os vestígios da história e da cultura do passado.

A Grand Tour Group of Five Gentlemen in Rome John Brown (atrib.), 1773 Londres, National Trust, Ham House; foto: National Trust Images/Derrick E. Witty

A Grand Tour Group of Five Gentlemen in Rome
John Brown (atrib.), 1773
Londres, National Trust, Ham House; foto: National Trust Images/Derrick E. Witty

Continuar a ler