Design, a outra ciência dos signos

O termo design deriva do latim signum, signo ou sinal. Por isso, desde logo, se justifica o design como objeto de estudo no âmbito da semiótica, “a ciência que tem por objeto de investigação todas as linguagens possíveis, ou seja, que tem por objetivo o exame dos modos de constituição de todo e qualquer fenômeno de produção de significação e de sentido” (Santaella, 1983, p. 13).

No século XVIII, o termo ‘semiótica’ referia-se genericamente à decifração dos sintomas na prática médica, na continuação do sentido de diagnóstico que lhe era atribuído por Galeno de Pérgamo, no século II. Porém, John Locke (1632-1704), no Ensaio sobre o entendimento humano, já apontava para o sentido que lhe viria a ser atribuído por Ferdinand de Saussurre, ao distinguir três ramos do conhecimento: as ciências físicas, as ciências práticas e a semiótica, ou doutrina dos signos, que correspondia à lógica.

Continuar a ler