O visitante no museu face à obra de arte: fonte para estudos de público

Stefan Draschan é um fotógrafo autodidata de 38 anos, austríaco, atualmente a viver em Paris e que passa os dias em museus, à espera da oportunidade de criar a sua obra. O projeto “People Matching Artworks“, publicado na página Tumblr do fotógrafo pretende isso mesmo: relacionar, ou combinar, as pessoas e as obras de arte. O visitante é o objeto, aquele que é captado pela sua objetiva, em função da complementaridade visual, gráfica ou cromática, que estabelece com a obra exposta em museus de Paris, Berlim ou Viena.

Projeto “People matching artworks”
Stefan Draschan, 24 out. 2017
Paris, Centre George Pompidou

Continuar a ler

O dilema do museu: permitir, regular ou proibir?

O museu nasceu com o duplo propósito de constituir um repositório da identidade cultural de território – na mesma altura em que também se firmava o conceito de nação e intensificava o desejo imperialista – e de torna-lo acessível a toda a sociedade. O museu tornou-se, assim, um espaço onde as classes mais baixas, pelo menos teoricamente, podiam usufruir de um património que até então tinha sido privilégio exclusivo da aristocracia, do clero ou da alta burguesia. Por conseguinte, o museu instituiu-se como um espaço de prestígio social e cultural, a par do consumo de outros produtos culturais considerados eruditos, como o teatro, a música, o bailado e a ópera.

Mostra Vaticana, 1888.

Mostra Vaticana, 1888.

Continuar a ler

Olhar com diferentes modos de ver

A imagem de um grupo de adolescentes, sentados numa sala do Rijksmuseum, em Amsterdão, junto à Ronda da Noite (aliás A companhia militar do capitão Frans Banning Cocq e o tenente Willem van Ruytenburg), de Rembrandt, concentrados na consulta de smartphones tem sido alvo de muita polémica e ponto de partida para muitas discussões, desde que, no passado mês de dezembro, começou a circular nas redes sociais.

Rijksmuseum, Amsterdam  Foto: Gijsbert van der Wal, 27 november 2014

Rijksmuseum, Amsterdam
Foto: Gijsbert van der Wal, 2014

Continuar a ler

Ser ou não ser museu, eis a questão

Um dos desafios mais prementes que o museu enfrenta diz respeito à forma como se posiciona na contemporaneidade e à forma como se adequa ao ritmo vertiginoso da mudança. As coisas não eram assim há vinte, trinta anos: não tínhamos telemóveis, a televisão tinha dois ou quatro canais e não havia comandos à distância, usávamos computadores pessoais como um substituto da máquina de escrever, não havia internet, as máquinas fotográficas eram analógicas… Nessa altura, o museu era expositivo e ninguém lhe exigia que fosse algo mais.

Berlim, Gemäldegalerie, julho 2012.

Berlim, Gemäldegalerie, julho 2012.

Continuar a ler

Museu, um lugar (também) para as crianças

Zoe Williams acha que sim. Hoje, no jornal The Guardian, conta as suas (atribuladas?) idas ao museu com os filhos, sobrinhos e amigos, respondendo, desta forma, ao aviso irritado de Jake Chapman para que os pais deixassem as crianças em casa, acusando-os de “arrogant” por terem a pretensão de que elas poderiam compreender a complexidade da obra de artistas como Jackson Pollock e Mark Rothko. A verdade é que isto me faz lembrar um comentário muito semelhante por parte do conservador de um dos nossos museus (!), desabafando que se dependesse dele só lá entravam adultos. Há uma semana, era Tiffany Jenkins (Vd. Para ir ao museu, todas as razões são boas) quem contestava a presença das crianças nos museus… A questão, portanto, além de pertinente, parece assumir-se como relevante.

Nova Iorque, Museum of Modern Art (MoMA) Foto: MIR, 2014.

Nova Iorque, Museum of Modern Art (MoMA)
Foto: MIR, 2014.

Afinal, levar as crianças ao museu é tempo perdido ou tempo ganho?

Continuar a ler

Para ir ao museu, todas as razões são boas

A propósito de um artigo de Tiffany Jenkins acerca do acesso das crianças aos museus.

F. e a obra Interior (Papillon Gallery Project) de Michael Craig-Martin (1993-2012) Paris, Centre Pompidou Foto: MIR, 2013.

F. e a obra Interior (Papillon Gallery Project) de Michael Craig-Martin (1993-2012)
Paris, Centre Pompidou
Foto: MIR, 2013.

Tiffany Jenkins apresenta-se no blogue homónimo como “cultural sociologist, writer and commentator” onde aborda temas nos domínios da cultura, da arte e do património. É considerada sobretudo pela investigação desenvolvida em torno do sentido simbólico e do uso de restos humanos, cuja análise, que abrange aspetos políticos, sociais e éticos, sintetizou na obra Contesting human remains in museum collections: The crisis of cultural authority, publicada em 2011, pela Routledge, onde acaba de publicar, em julho passado, a Political culture, soft interventions and nation building.

No debate Battle of ideias, promovido pelo Institute of Ideas at the Barbican e que irá decorrer nos próximos dias 18 e 19 de outubro, em Londres, Tiffany Jenkins integra o painel de oradores na sessão “Are museums turning into playgrounds?” (19 de out.). Se falar dos restos humanos expostos no museu, apesar de ser um tema sensível, é relativamente consensual, com uma linha de ação definida já pelo Conselho Internacional dos Museus (ICOM), falar do acesso das crianças ao museu já anuncia uma maior polémica e contestação.

Continuar a ler