Terramotos sobre o património

O sismo que, na manhã de 30 de outubro, atingiu o centro de Itália, sobretudo em Marche e Umbria, mas sentindo-se também nas regiões de Abruzzo e Lazio, atingindo as cidades de Castelsantangelo sul Nera, Núrcia e Preci, com uma magnitude de 6.6 na escala de Ritcher, e as sucessivas réplicas, trouxeram-nos imagens de devastação e um sentimento de perda face aos monumentos caídos por terra. Este foi o mais forte sismo sentido em Itália desde 1980, mas a região já tinha sido violentamente atingida em 24 de agosto por um outro com a magnitude de 6.2, que matou cerca de 300 pessoas, para lá dos imensos danos materiais. Agora, não há notícia de mortos e esta é, definitivamente, uma imensa graça no meio de toda a tragédia. “Buildings are note people” (Jones, 2016, 30 out.), dizia, a propósito, o cronista de The Guardian. E isto deve ser a epígrafe de qualquer comentário acerca do património irremediavelmente perdido, quaisquer que sejam as ações de restauro que venham a acontecer.

Praça e basílica di San Benedetto, Núrcia, antes do sismo de out. 2016

Praça e basílica di San Benedetto, Núrcia, antes do sismo de out. 2016

Praça e basílica di San Benedetto, Núrcia, após o sismo de out. 2016

Praça e basílica di San Benedetto, Núrcia, após o sismo de out. 2016
Foto: Corriere della Sera

Continuar a ler