O homem que queria autofotografar-se com uma estátua

O episódio foi rápido e conta-se de forma igualmente breve: um indivíduo de 24 anos tentou subir à peanha de suporte à escultura do rei D. Sebastião, na entrada da estação do Rossio, a pedra não aguentou o peso e a estátua caiu desfeita no chão. O indivíduo não sofreu quaisquer lesões, mas quis o acaso que estivessem no local dois agentes da PSP que registaram o ato e identificaram o autor, que irá ser processado pela Infraestruturas de Portugal (IP), a empresa que gere o património da estação e pretende ser ressarcida das despesas relacionadas com o restauro, e provavelmente, pelo Ministério Público dado que o edifício está classificado como património nacional.

Entrada da estação do Rossio depois da queda da estátua de D. Sebastião Foto: Rádio Renascença

Entrada da estação do Rossio depois da queda da estátua de D. Sebastião
Foto: Rádio Renascença

Continuar a ler

Torre de Matrera: autenticidade ou falsificação?

A torre de Matrera, em Cádis, foi alvo de uma ação de restauro sob a responsabilidade do arquiteto Carlos Quevedo Rojas. O currículo do arquiteto neste domínio é inquestionável, com dois mestrados em arquitetura e património pelas universidades de Sevilha e de Granada, uma especialização em restauro de monumentos pela La Sapienza de Roma, e responsável por outros projetos de restauro importantes, como o da igreja de El Salvador ou de La Maestranza, em Sevilha. Não obstante, a solução de restauro do castelo de Cádis tem sido questionada e, sobretudo, denunciada como um atentado ao património.

Torre de Matrera, Villamartín, Cádis

Torre de Matrera, Villamartín, Cádis

Continuar a ler

O que torto nasce com a real barraca da Ajuda

D. José I (1714-1777)  mandou construir um novo Paço Real, depois de o terramoto de 1755 ter feito ruir o Paço da Ribeira, sem danos para a família real que, na altura, se encontrava em Belém. Foi, por isso, escolhido o local no alto da colina da Ajuda, uma das zonas “mais bem livradas”, que havia demonstrado resistência ao abalo de terra e à invasão do mar, para a construção de um edifício em madeira, dado que D. José, apavorado com o terramoto, não quis voltar a morar em casas de pedra. O novo paço, construído pelos mestres Petrónio Mazzoni e Veríssimo Jorge, ficou conhecido como a Real Barraca e começou a ser habitado em 1794, mas passadas três décadas, em 1794, já no reinado de D. Maria I, foi completamente destruído por um violento incêndio, salvando-se, apenas, a biblioteca e a igreja. O arquiteto José da Costa e Silva foi, então, chamado para chamado fazer os desenhos do novo edifício. A 9 de novembro de 1795, foi lançada a primeira pedra do palácio real a construir, no local da anterior Barraca, segundo projeto de Manuel Caetano de Sousa, mas contando com as colaborações de Joaquim de Oliveira, José da Costa e Silva e Francisco Xavier Fabri, pelo que as obras seguiram de forma descontínua e desacertada, marcadas pelos diferentes pontos de vista dos arquitetos envolvidos no projeto. Finalmente, em 1802, Manuel Caetano de Sousa foi afastado, enquanto José da Costa e Silva e Francisco Xavier Fabri assumiram a apresentação de um novo projeto e foram nomeados arquitetos das Obras Públicas. Ao mesmo tempo, iniciavam-se as encomendas para o recheio e decoração do palácio em que intervieram artistas como Domingos Sequeira, Vieira Portuense, Machado de Castro, João José de Aguiar e o seu ajudante Gregório Viegas, Joaquim José de Barros Laborão e Manuel Joaquim Laborão e os decoradores Manuel da Costa e Giuseppe Viale.

Palacio Real d'Ajuda, em Lisboa / Michellis lith.. - [Lisboa : Lith. de M.el Luiz., entre 1836 e 1850].

Palacio Real d’Ajuda, em Lisboa / Michellis lith.. – [Lisboa : Lith. de M.el Luiz., entre 1836 e 1850].

Continuar a ler

Os brasões do império e a persistência dos símbolos

Enquanto o resto do mundo mergulhava numa guerra implacável, Portugal do Estado Novo alheava-se na propaganda do regime e construía uma exposição monumental que exaltava as glórias nacionais e do império colonial… Comemorava-se o 8º centenário da fundação da nacionalidade, a pretexto da data em que D. Afonso Henriques usou pela vez o título de Rei de Portugal (1140), e o 3º centenário da restauração da independência, após o período filipino (1640).

Fonte da Praça do Império Foto: André Varela Remígio, 29 ago. 2014.

Fonte da Praça do Império
Foto: André Varela Remígio, 29 ago. 2014.

Continuar a ler

O resplendor e a glória da imagem do Senhor Santo Cristo dos Milagres

O culto ao Senhor Santo Cristo dos Milagres teve início na comunidade de freiras clarissas num lugar então denominado de Val dos Cabaços da vila de Água de Pau, hoje Caloura, junto ao mar, entre Vila Franca do Campo e Ponta Delgada, na ilha de S. Miguel, no segundo quartel do século XVI. Segundo a tradição, duas freiras deslocaram-se a Roma a fim de obter as Bulas Apostólicas necessárias e teria sido o próprio papa, Paulo III ou Clemente VII, a oferecer-lhes uma imagem-sacrário do Ecce Homo; na viagem de retorno, junto à costa da ilha, sofreram um naufrágio e a imagem terá desaparecido durante a tormenta. Algum tempo depois, a imagem seria miraculosamente encontrada junto ao convento, passando a ser alvo de especial devoção.

Santo Cristo dos Milagres em Ponta Delgada. Foto: Osvaldo Janeiro, 2014.

Santo Cristo dos Milagres em Ponta Delgada.
Foto: Osvaldo Janeiro, 2014.

Continuar a ler

Há quarenta anos: o património, a minha terra e eu

Luís Raposo publicou ontem, 24 de abril, no Público, um artigo com o título “O 25 de abril e e a (re)invenção do património cultural português”.

Não tenho memórias nítidas do “antes-depois” do 25 de abril, em 74 não imaginava o que fosse “estruturalismo, marxismo e demais «ismos»”, apesar de conhecer “tons do Adriano, do Zeca ou do Fanhais”, que ouvia regularmente no colégio de freiras onde estava interna, porque na minha terra não havia escola de Ciclo Preparatório, sem imaginar que a maioria deles estava proibida. Também não tinha ideia do que fosse património, nem creio que as pessoas à minha volta tivessem alguma ideia do que se tratava, confirmando a constatação de Pedro Canavarro, citado aqui por Luís Raposo, de que “o próprio conceito de «património cultural» era ainda, em grande medida, ignorado”.

Estômbar, antes do 25 de abril

Estômbar, antes do 25 de abril

Continuar a ler

O revés do património ou a vã glória de um marquês benfiquista

O património é a herança do passado que mantemos viva para transmitir às gerações futuras. Por isso, é um sistema orgânico que se regenera, feito de reconstruções e adições que se sobrepõem a espaços vazios deixados por fragmentos que se perdem, ou se destroem, e morrem. É um património que se regenera através de sedimentos de emoções que lhe marcam a diacronia e o transformam numa narrativa em permanente construção. Temos a memória que preservamos e apenas possuímos o património que merecemos.

Estátua do Marquês de Pombal com a camisola do Benfica. Marquês de Pombal, Lisboa  Foto: Lusa

Estátua do Marquês de Pombal com a camisola do Benfica.
Foto: Lusa

Continuar a ler

A difícil construção da história

Ao fim de longos dias de confrontos em Kiev, em que as forças do regime tentaram dominar a crescente revolta contra um regime autoritário e corrupto, o poder mudou de mãos, pondo a descoberto as propriedades vastas e sumptuosas de Ianukovich, onde a sobranceria se traduz nos mais fatigados clichés do luxo aparatoso: revestimentos de mármore, apainelados, profusão de ouro, pedrarias e dourados, lustres, tapeçarias, ícones, armaduras, esculturas, veludos, bronzes, porcelanas, um jardim zoológico privado… Está justificada a classificação como “museu da corrupção”, atribuída pelo New York Times. (Vd. Inside the ‘Museum of Corruption’)

Continuar a ler

Mostra sobre Darwin que custou meio milhão continua em caixotes

Em 2009, ano em que se comemorava o bicentenário do nascimento de Darwin e os 150 anos da edição do livro A origem das espécies, o Museu Gulbenkian apresentou a exposição A evolução de Darwin. Uma exposição notável, quer pelos objetos expostos, quer pelo discurso, quer pelos dispositivos museográficos e tecnológicos.
Uma exposição que permitia várias leituras paralelas e complementares da história da ciência à história da museologia da ciência, passando pela vida e cultura da sociedade Oitocentista.

A exposição de Darwin esteve na Gulbenkian em 2009  Foto: Nuno Ferreira Santos (Público)

A exposição de Darwin. Gulbenkian, 2009
Foto: Nuno Ferreira Santos (Público)

Continuar a ler