Público para o museu, ou museu para o público: uma leitura do relatório Culture Track 2017

A definição de turismo criativo tem subjacente o conceito de experiência imersiva no destino da viagem. Na International Conference on Creative Tourism, de 2006, em Santa Fé, Novo México, foi sublinhado que “it includes more access to culture or history (“less museums, more squares”), involves doing something experientially, and an authentic engagement in the real cultural life of the city” (UNESCO. Creative Cities Network, 2006, p. [1]). Passada mais de uma década, verifica-se que, ao contrário da expetativa de “less museums” as estratégias imersivas invadiram os museus, convertidos em “more squares”, os quais, por seu turno continuam a ser passagem obrigatória no decurso da viagem turística.

Exposição “Juan Muñoz: Uma retrospetiva”
Porto, Museu de Serralves, 1 nov. 2008 – 24 fev. 2009
Foto: MIR, 2009

Continuar a ler

Públicos para o património: uma questão de mais ou menos

Os números relativos ao crescimento da indústria do turismo, publicados pela Organização Mundial do Turismo (UNWTO, 2016) são inequívocos: em 2015, as chegadas de turistas internacionais aumentaram 4,4%, num total de 1.184 milhões de turistas em viagem para destinos internacionais, o que equivale a um aumento de 50 milhões em relação ao ano anterior; estes números confirmam a tendência de crescimento de 4% anuais que tem vindo a registar-se desde 2010. A procura da Europa como destino continua a crescer, mas os destinos meridionais de sol e praia começam a ceder face à concorrência de paragens mais exóticas, enquanto turismo cultural ganha uma importância crescente. A qualidade de turismo cultural, ou o consumo de produtos culturais no destino, é, ainda, um elemento diferenciador que permite a demarcação face ao turismo de massa.

Turismo internacional: índice de chegadas, 2015 Fonte: UNWTO

Turismo internacional: índice de chegadas, 2015
Fonte: UNWTO

Continuar a ler

Mérito e demérito entre o museu e o público

(Estas são opiniões incoerentes e politicamente incorretas)

Passar pelo museu não significa ver as obras expostas e, muito menos, compreender o que está exposto. Porque o museu continua a ser um espaço de eleição e de elites; porque o museu continua a ser um espaço sacralizado, cujo percurso se faz com a regularidade de um rito; porque o museu mantém um registo monológico, cumprindo as atribuições enquanto emissor da mensagem sem fundamentar a função comunicativa na relação que estabelece com os públicos-recetores.

Continuar a ler

No museu: da interdição à emoção

“Ne pas toucher, ne pas courir, ne pas parler : les expositions sont souvent le lieu de toutes sortes d’interdits.” (Lequeux, 2014, 28 fev.)

A frase abre um artigo de Emmanuelle Lequeux, publicado no Le Monde, acerca da exposição “Des choses en moins, des choses en plus” (Paris, Palais de Tokyo à Paris, 14 de fevereiro – 2 de março 2014).

Não tocar, não correr, não falar…

Continuar a ler