MoMA: um novo discurso museológico em resposta a Trump

Lembro que, há umas décadas (quando tirei o curso de Museologia), o postulado maior era que o museu devia ser isento, sem esclarecer as dúvidas daí decorrentes acerca do que isso significaria. O que é um museu isento? Ou, em sentido mais lato, o que é discurso isento?

Visitantes junto à obra do pintor iraniano Charles Hossein Zenderoudi, em exposição no Museum of Modern Art (MoMA, Nova Iorque
Foto: Angela Weiss / Getty Images | Univision

Continuar a ler

Públicos para o património: uma questão de mais ou menos

Os números relativos ao crescimento da indústria do turismo, publicados pela Organização Mundial do Turismo (UNWTO, 2016) são inequívocos: em 2015, as chegadas de turistas internacionais aumentaram 4,4%, num total de 1.184 milhões de turistas em viagem para destinos internacionais, o que equivale a um aumento de 50 milhões em relação ao ano anterior; estes números confirmam a tendência de crescimento de 4% anuais que tem vindo a registar-se desde 2010. A procura da Europa como destino continua a crescer, mas os destinos meridionais de sol e praia começam a ceder face à concorrência de paragens mais exóticas, enquanto turismo cultural ganha uma importância crescente. A qualidade de turismo cultural, ou o consumo de produtos culturais no destino, é, ainda, um elemento diferenciador que permite a demarcação face ao turismo de massa.

Turismo internacional: índice de chegadas, 2015 Fonte: UNWTO

Turismo internacional: índice de chegadas, 2015
Fonte: UNWTO

Continuar a ler

Uma questão de gosto

Strange Beauty: Masters of the German Renaissance
Londres, National Gallery, 19 February – 11 May 2014

A exposição de pintura renascentista alemã que acaba de inaugurar na National Gallery, em Londres, apresenta alguns dos principais artistas deste período, como Hans Holbein o Novo, Albrecht Dürer e Lucas Cranach, o Velho. Como se diz, na apresentação da exposição, “All famous artists in their own time, the exhibition will highlight the ways in which their paintings, drawings and prints were valued in the 16th century for qualities such as expression and inventiveness.” (The National Gallery, 2014) Aparentemente, nada de novo…

Continuar a ler

O futuro dos museus

Como serão os museus no futuro? De que forma irão incorporar as novas tecnologias no funcionamento, na gestão, na comunicação com os públicos? E quem serão os públicos dos museus no futuro?

Começa a desenhar-se o difícil equilíbrio entre o museu e o público: por um lado, o instinto conservador que, em nome da segurança e da preservação, cria barreiras em toro das obras expostas; por outro lado, uma crescente predisposição de toda a sociedade para acolher experiências cada vez mais interativas e dinâmicas.

Continuar a ler