Escher em vez de um museu

Tinha sido prometido um museu de arte popular há muito fechado, desejado e anunciado. A designação de “arte popular” obriga a repensar uma série de conceitos formulados durante o Estado Novo, sob a orientação de António Ferro, mas que são mais abrangentes do que a política propagandística do regime. Parece subsistir, aqui, um envergonhado preconceito contra a versão folclorista da identidade nacional a impedir uma reflexão alargada acerca da diversidade antropológica e etnográfica do país, das artes e das tradições que, lentamente, se vão perdendo sem que haja capacidade para se lhes fixar a memória.

Museu de Arte Popular, Lisboa, Portugal
Fotógrafo: Estúdio Horácio Novais, após 1948
Lisboa, Biblioteca de Arte, Fundação Calouste Gulbenkian

A questão não é exclusiva ao panorama nacional português. Para citar um exemplo extrínseco à realidade nacional, basta lembrar os debates em torno da criação do Musée de Quai Branly, ou do MUCEM e da respetiva designação, em substituição do Musée national des arts et traditions populaires, em Paris, criado por George-Henri Rivière (Vd., por exemplo: Auby, 1993, pp. 14 e seguintes; Grosjean, 2014). Lá, como cá, fica patente a questão: “comment prendre en charge l’ethnologie française [ou a portuguesa], dans ses dimensions historique et contemporaine?” (“Sous le MUCEM”, 2013, p. 3) Continuar a ler