MAAT, a montanha e o rato

“Big, general audiences, with less specific traditions of modern and contemporary art and architecture are drawn by big, spectacular art and architecture.”
(Fraser, 2006, p. 156)

MAAT, Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia.

MAAT, Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia Lisboa Foto: MIR, 2016

MAAT, Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia
Lisboa
Foto: MIR, 2016

A intenção era criar uma nova ligação entre a cidade e o rio. E surgiu um miradouro, amplo e aberto, virado para a foz, mas isolado da cidade. A intenção era criar um novo ponto de referência da arquitetura contemporânea. E surgiu um edifício extenso, ainda inacabado, mas que se inaugurou para coincidir com a Trienal de Lisboa. A intenção era criar um novo museu para a arte contemporânea, arquitetura e tecnologia. E surgiu um espaço museológico à espera de confirmar como museu.

Continuar a ler

Os mármores do Pártenon: questões patrimoniais e museológicas

Pártenon

Em meados do século V a.C., Péricles decidiu a construção de um templo consagrado a Palas Atena, na Rocha Sagrada, designação atribuída à colina da Acrópole, em substituição do já existente e que havia sido danificado durante a invasão persa em 480 a.C.. O templo, de ordem dórica, octostilo1 e períptero2, integra uma dupla cela com pronaos e opistódomo com prostilo de seis colunas. Os arquitetos Iktinos e Kallikrates são reconhecidos como autores do projeto, cuja decoração escultórica é atribuída a Fídias e aos seus discípulos Agorakritos, Alkamenes e a outros escultores e pintores cujo nome se perdeu. Fídias foi o autor da estátua colossal criselefantina3 da deusa Atena Parténos (ou Atena virgem) no interior da cela.

Pártenon de Atenas Gravura de William Miller, a partir de desenho de H. W. Williams In Williams, H. W. (1829). Greece with classical illustrations. London: Longman Rees Orme Brown and Green; and Adam Black.

Pártenon de Atenas
Gravura de William Miller, a partir de desenho de H. W. Williams
In Williams, H. W. (1829). Greece with classical illustrations. London: Longman Rees Orme Brown and Green; and Adam Black.

Legenda: a - frontão b - sequência de métopas  c - friso d - estátua da deusa

Legenda:
a – frontão
b – sequência de métopas
c – friso
d – estátua da deusa

Continuar a ler

  1. Com oito colunas nas fachadas menores. []
  2. Com o perímetro integralmente definido por colunas alinhadas, criando um peristilo exterior. []
  3. Estátua inteiramente revestida a ouro, à exceção das zonas de carnação em marfim. []

Arquivologia, biblioteconomia, museologia e ciência da informação: O diálogo possível.

Araújo, C. A. A. (2014). Arquivologia, biblioteconomia, museologia e ciência da informação: O diálogo possível. São Paulo: ABRAINFO.

Fonte: Briquet de Lemos.

Fonte: Briquet de Lemos.

Carlos Alberto Ávila Araújo é professor na Escola de Ciência da Informação da Universidade Federal de Minas Gerais, com um percurso académico entre o jornalismo e a comunicação social, acabando por convergir para a epistemologia da ciência da informação e para a articulação desta com as ciências patrimoniais (arquivística, biblioteconomia e museologia). Nos últimos anos, tem vindo a publicar artigos que, de alguma forma, anunciavam ou prenunciavam a obra de fundo que acaba de ser publicada pela Associação Brasileira de Profissionais da Informação (ABRAINFO), com o título Arquivologia, biblioteconomia, museologia e ciência da informação: O diálogo possível.

Continuar a ler

Las Edades del Hombre, prémio Patrimonio 2014

A fundação Las Edades del Hombre (LEdH) foi distinguida com o Premio Patrimonio 2014, atribuído pelo Grupo Ciudades Patrimonio de la Humanidad de España (GCPHE), atendendo à “su contribución a la conservación y difusión del patrimonio histórico y cultural, en coincidencia con el 25 aniversario de su primera exposición” (GCPHE, 2014, 12 jul.).

Monasterio de Santa María de Valbuena, sede de Las Edades del Hombre  Foto: Lourdes Cardenal, 2002.

Monasterio de Santa María de Valbuena, sede de Las Edades del Hombre
Foto: Lourdes Cardenal, 2002.

Continuar a ler

A propósito de um congresso sobre as novas tendências em humanidades

O XII Congreso Internacional sobre Nuevas Tendencias en Humanidades teve lugar em Madrid na Universidad San Pablo CEU, entre 11 e 13 de junho de 2014, estruturado em cinco temas:
˗   Estudios críticos y culturales
˗   Comunicación y estudios de lingüística
˗   Las humanidades en la literatura
˗   Estudios cívicos, políticos y de la comunidad
˗   Educación y humanidades.

Entrada para o XII Congreso Internacional sobre Nuevas Tendencias en Humanidades. Madrid, Universidad San Pablo CEU Foto: Dália Guerreiro, 2014

Entrada para o XII Congreso Internacional sobre Nuevas Tendencias en Humanidades.
Madrid, Universidad San Pablo CEU
Foto: Dália Guerreiro, 2014

Sessão de abertura pelo Prof. Karim Gherab-Martín. Foto: Dália Guerreiro, 2014.

Sessão de abertura pelo Prof. Karim Gherab-Martín.
Foto: Dália Guerreiro, 2014.

Esperava-se um amplo debate sobre humanidades digitais, assumindo o maior peso concedido aos estudos no âmbito da literatura e da linguística. O que se justifica, atendendo ao facto de que a primeira experiência no âmbito da aplicação da computação foi o projeto Index Thomisticus, desenvolvido desde 1949, pelo linguista Robert Busa. Estranha-se, em contrapartida, a ausência de investigadores em museologia, tendo havido apenas duas conferências relacionadas com museus.

Continuar a ler

Conceitos-chave de museologia

Desvallées, A., & Mairesse, F. (2014). Conceitos-chave de museologia. São Paulo: Armand Colin; Comitê Internacional para Museologia do ICOM; Comité Nacional Português do ICOM. Disponível em: http://icom.museum/fileadmin/user_upload/pdf/Key_Concepts_of_Museology/Conceitos-ChavedeMuseologia_pt.pdf

O ICOM Portugal acaba de divulgar a publicação do documento Conceitos-chave de Museologia, disponível em suporte digital (formato pdf pesquisável) e em linha. icom-conceitos-chave

Continuar a ler

Turismo criativo e museus

No texto Impacto do Turismo Criativo no desenvolvimento do Turismo Cultural  (Oliveira, 2014), publicado na Publituris, Cristiana Oliveira expõe as circunstâncias e os efeitos da “universalização do turismo enquanto atividade económica verdadeiramente global”, chamando a atenção para a progressiva implementação do turismo “criativo”. Se os padrões do turismo de consumo baseado nos formulários dos pacotes de sol e praia têm vindo a anunciar desgaste, também o turismo cultural começa a esgotar-se nos habituais padrões de visita a monumentos e museus superpovoados, onde o visitante se confina ao papel de espetador de paisagens naturais ou dos indícios materiais de outras culturas. A visualização de indícios materiais de realidades que, sendo exógenas, se mantém indecifráveis e incognoscíveis é uma vivência truncada na experiência da viagem.

Continuar a ler

Mostra sobre Darwin que custou meio milhão continua em caixotes

Em 2009, ano em que se comemorava o bicentenário do nascimento de Darwin e os 150 anos da edição do livro A origem das espécies, o Museu Gulbenkian apresentou a exposição A evolução de Darwin. Uma exposição notável, quer pelos objetos expostos, quer pelo discurso, quer pelos dispositivos museográficos e tecnológicos.
Uma exposição que permitia várias leituras paralelas e complementares da história da ciência à história da museologia da ciência, passando pela vida e cultura da sociedade Oitocentista.

A exposição de Darwin esteve na Gulbenkian em 2009  Foto: Nuno Ferreira Santos (Público)

A exposição de Darwin. Gulbenkian, 2009
Foto: Nuno Ferreira Santos (Público)

Continuar a ler

Muito mais que um ilustrador, muito mais que uma exposição

Gustave Doré (1832-1883). L’imaginaire au pouvoir
Paris, musée d’Orsay, 18 février – 11 mai 2014

Gustave Doré é conhecido sobretudo como ilustrador, o mais célebre do século XIX, um dos mais importantes de sempre. É também falado pelo talento precoce, com um álbum de litografias sobre os trabalhos de Hércules (Les travaux d’Hercule) publicado aos doze anos.

Continuar a ler

O futuro dos museus

Como serão os museus no futuro? De que forma irão incorporar as novas tecnologias no funcionamento, na gestão, na comunicação com os públicos? E quem serão os públicos dos museus no futuro?

Começa a desenhar-se o difícil equilíbrio entre o museu e o público: por um lado, o instinto conservador que, em nome da segurança e da preservação, cria barreiras em toro das obras expostas; por outro lado, uma crescente predisposição de toda a sociedade para acolher experiências cada vez mais interativas e dinâmicas.

Continuar a ler