Museografia renovada no Museu de Arte Antiga: exposição de escultura e pintura portuguesa

No passado dia 14 de julho, o Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) reabriu o terceiro piso, dedicado à escultura e pintura portuguesas.

Há praticamente uma década que o terceiro piso se circunscrevia aos corredores sobrecarregados no perímetro do átrio. As obras de renovação deste piso, realizadas ao longo dos últimos seis meses1, permitiram a reabertura das salas situadas na retaguarda do anterior espaço expositivo e, sobretudo, envolveram a reformulação da museografia e do discurso museológico. Agora, com treze salas2, são expostas 243 obras (152 de pintura e 91 de escultura), as quais foram alvo de limpeza ou de restauro, sendo algumas apresentadas pela primeira vez.

Os painéis de São Vicente Nuno Gonçalves, c. 1470 Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga

Os painéis de São Vicente
Nuno Gonçalves, c. 1470
Lisboa, Museu Nacional de Arte Antiga
Foto: MIR, 2016.

Continuar a ler

  1. As obras tiveram início a 11 de janeiro. Durante este tempo, os Painéis de São Vicente, considerados uma das obras mais emblemáticas do museu e, por isso, muito procurada pelos visitantes, foi colocada provisoriamente numa das salas do primeiro piso do museu. []
  2. O museu numera as salas do terceiro piso de 1 a 13. Não obstante, a imprensa tem vindo a divulgar que, após a reabertura deste piso, a exposição ocupa 16 salas. A discrepância entre os números justifica-se pelo facto de os jornalistas contabilizarem como salas independentes os dois corredores laterais (com exposição de esculturas) da zona central, ao longo da caixa de escada, bem como a sala que lhe fica no topo. []

O não-museu dos Coches

Não, o novo Museu dos Coches ainda não abriu. O que abriu, no passado sábado (23 de maio), foi o novo espaço para onde transitaram os coches do antigo museu.

Ao longo do fim-de-semana, houve filas intermináveis, porque era novidade e era gratuito e, talvez sobretudo, porque a publicidade e toda a polémica geraram uma imensa curiosidade. Um comunicado da Direção Geral do Património Cultural, confirmava o afluxo de 19.865 visitantes e a realização de cerca de 250 visitas guiadas. Parece um bom prenúncio para as expetativas de Jorge Barreto Xavier, secretário de Estado da Cultura que, na conferência de apresentação do novo museu aos jornalistas, disse esperar pelo menos 350 mil visitantes por ano, o que significa um aumento exponencial face aos 207 mil que, em 2014, visitaram o museu nas antigas instalações.

Museu dos Coches Foto: MIR, maio 2015

Museu dos Coches
Foto: MIR, maio 2015

Continuar a ler

A materialização do desenho de Piranesi

Exposição “Diverse maniere: Piranesi, fantasy and excess
Londres, Sir John Soane’s Museum, 7 março – 31 maio 2014

Giovanni Battista Piranesi, nasceu em Mogliano di Mestre, junto a Veneza, no ano de 1720, e morreu em Roma, em 1778. Interessou-se por arqueologia e pelos cânones da arte clássica, aprendeu arquitetura e engenharia, completou a formação com o gravador Carlo Zucchi. Chegou a Roma, em 1740, integrado na comitiva do Embaixador de Veneza, e começou a trabalhar como assistente de Vasi, reputado gravador de vedute da cidade, em colaboração com o pintor Panini. Roma era, na altura, um lugar cosmopolita de grande prestígio, passagem obrigatória do Grand Tour, ponto de encontro artistas, escritores e intelectuais de toda a Europa.

Veduta del Pantheon. In Piranesi, G. B. (1756). Le anLeantichità romane, v. 1 antichità romane, v. 1 Roma: A. Rotilj.antichità romane, v. 1 Roma: A. Rotilj.Leantichità romane, v. 1 Roma: A. Rotilj.antichità romane, v. 1 Roma: A. Rotilj.antichità romane, v. 1 Roma: A. Rotilj.

Veduta del Pantheon. In Piranesi, G. B. (1756). Le  antichità romane, v. 1 Roma: A. Rotilj.

Continuar a ler